Ir para o conteúdo

Blog do Miro

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

O alô de Temer ao novo regime

19 de Outubro de 2018, 18:33 , por Altamiro Borges - | No one following this article yet.
Visualizado 32 vezes
Por Tereza Cruvinel, no Jornal do Brasil:

Já ninguém se importa com Michel Temer, que acaba de ser indiciado, juntamente com a filha e o melhor amigo.

Enquanto estiver no cargo, nada lhe acontecerá.

A procuradora-geral Raquel Dodge não apresentará contra ele uma denúncia que a Câmara moribunda não votaria.

Em busca de alguma indulgência, Temer faz agrados ao regime que será implantado se Bolsonaro vencer.

Por exemplo, ao editar o Decreto 9.527, publicado ontem, criando uma “força-tarefa de inteligência para o enfrentamento ao crime organizado”.

Há algum tempo, quando eram maiores as perspectivas eleitorais do PT, Temer mandou o recado de que poderia indultar Lula. O PT mandou-lhe uma resposta malcriada. Não há ofensiva alguma do crime organizado neste momento. A indagação que existe é sobre o dia seguinte a uma eleição absolutamente anormal, que aprofundará a cisão do país.

O jornalista Luis Nassif apelidou o decreto de “AI-1 do novo regime”, o primeiro instrumento de força que será colocado a serviço de Bolsonaro se ele vencer, para reprimir eventuais insurgências. Estará montada antes do pleito. Temer o faz em perfeita coerência com a promoção do poder dos militares em seu governo, amparando-se neles para compensar sua debilidade política. Colocou-os em cargos estratégicos e entregou-lhes o Rio com uma intervenção fracassada.

Diz o texto que tal força terá a missão de “produzir relatórios de inteligência com vistas a subsidiar a ação governamental no enfrentamento a organizações criminosas que afrontam o Estado brasileiro e suas instituições”.

A força é composta pelo GSI do general Etchegoyen, a Abin, que lhe é subordinada, e os serviços de inteligência da Marinha, do Exército, da Aeronáutica.

Na ditadura, sob o comando da “tigrada” da tortura, eles atendiam pelas siglas Cenimar, Ciex e Cisa, respectivamente. Serão auxiliados pelo Coaf, a Receita Federal, a Polícia Federal, a PRF, o Depen e a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça.

Se a noite cair sobre nós, ela será embrião de qualquer coisa na área de vigiar e punir.

Não duvidemos, como os ingênuos de 64.

Apelo a Fernando Henrique
O senador eleito Cid Gomes, ao espinafrar o PT por não fazer autocrítica, e o ex-presidente Fernando Henrique com sua indiferença olímpica pelo drama eleitoral, liquidaram com as chances de formação de uma frente ampla contra a extrema-direita e o risco autoritário.

Ontem FHC recebeu carta subscrita por renomados cientistas sociais e historiadores de diversos países, atuantes nas mais importantes universidades do mundo, pedindo que ele “assuma uma posição pública, forte e explícita, contra as aspirações presidenciais de Jair Bolsonaro, e convoque seus companheiros brasileiros a rejeitar sua candidatura no segundo turno das eleições. Bolsonaro tornou evidente sua intenção de suprimir o debate e o pluralismo de ideias típicos dos fóruns acadêmicos, de afrontar a relevância da pesquisa científica e de reprimir os esforços de mulheres e minorias para participar mais plenamente da vida intelectual e pública do Brasil”, dizem eles, sem nem pedirem apoio a Haddad.

Entre os signatários estão Jorge Castañeda, Roger Chartier, Steven Levitsky, Stuart Schwartz, Timothy J. Power e Boaventura Sousa Santos, entre outros.

A coluna tentou saber de FH o que ele responderia aos colegas intelectuais, mas não obteve resposta.

No fim de semana, FH disse que entre ele e Haddad havia uma porta, e entre ele e Bolsonaro havia um muro. O petista achou animador, mas ontem o ex-presidente declarou que a porta está enferrujada. “E eu acho que a fechadura enguiçou”.

A recusa de FH é menos compreensível, considerada sua trajetória e formação.

Os irmãos Gomes tripudiam sobre o PT, em sua pior hora, olhando para 2022, quando Ciro será de novo candidato.

Mas se a desgraça anunciada vier grande, poderão ser também castigados.

Como os que deixaram o golpe vencer em 1964, pensando nas eleições de 1965, que acabaram canceladas.

Fonte: https://altamiroborges.blogspot.com/2018/10/o-alo-de-temer-ao-novo-regime.html