Ir para o conteúdo

Blogoosfero

Tela cheia

Blogoosfero

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | 2 people following this article.
Licenciado sob CC (by)

O país que se tornou o lar dos canalhas

22 de Maio de 2017, 15:32, por Feed RSS do(a) News


Durante décadas o Brasil foi o país do carnaval, o país do futebol, o país das praias e mulatas, o país do futuro, o gigante bobo.

E também o país da desigualdade, o país da violência no campo e na cidade, o país da miséria, o país da ignorância.

O ninho dos oportunistas, o lar dos especuladores, o berço dos aproveitadores.

Até que, durante uma década, o Brasil fez um esforço para superar aquilo que o notável cronista Nelson Rodrigues diagnosticou como "complexo de vira-lata", o irresistível desejo de se autodepreciar, de se mostrar sempre inferior aos outros, em todas as áreas.


Aos poucos, o mundo foi vendo um outro Brasil, mais sério, mais otimista, mais criativo, mais competente na tarefa de levar a sua população a viver com menos dificuldades, a realizar seus sonhos e não abandonar a esperança de possibilitar a seus filhos um conforto que não teve.

O mundo começou a respeitar esse imenso país, de inesgotáveis riquezas, e a ouvir o que ele tinha a dizer a respeito da convivência pacífica e do desenvolvimento equilibrado das nações, pois afinal ele próprio estava fazendo a lição de casa, tirando dezenas de milhões de pessoas da pobreza, ampliando o mercado consumidor, investindo como nunca em infraestrutura e habitação, criando uma rede de proteção para os mais frágeis, e reservando a maior parte dos recursos da monumental reserva de petróleo da camada do pré-sal para a educação e a saúde, cumprindo assim, com os objetivos da magnífica Carta Constitucional promulgada em 1988.

Foi uma década de avanços sociais e econômicos como nenhuma outra.

Foi, porém, um sonho, interrompido pelas forças que sempre conspiraram contra o progresso do país.

Hoje, o Brasil nem é mais o país do carnaval, o país do futebol, das praias e mulatas.

Tampouco o gigante bobo - ou o país do futuro.

O Brasil hoje é tão simplesmente o refúgio dos canalhas, a fonte de onde brotam o escárnio, a hipocrisia e o cinismo.

Um aconchegante lar para larápios, escroques e bandoleiros de variados tipos.

Uma vergonha universal, um escárnio a toda ideia de civilização.

O Brasil deixou de ser uma nação para se tornar um ajuntamento onde as pessoas se obrigam apenas a sobreviver, de qualquer maneira, a qualquer custo. (Carlos Motta)



Diálogo, a única solução para impedir a catástrofe

22 de Maio de 2017, 15:32, por Feed RSS do(a) News
A crise política, econômica e social que devasta o Brasil assumiu nestes últimos dias dimensões apocalípticas. 

A direita, patrocinadora do golpe que depôs a presidenta Dilma, e a esquerda, vítima da mais violenta perseguição jurídico-policial da história, acirraram suas posições, levando a situação a um impasse.

Interditar Lula para a disputa de 2018 - se ela houver - não significa derrotar uma candidatura progressista. 

Excluir o PT da vida política apenas retarda a recomposição das forças da esquerda.

Uma vitória da esquerda na eleição presidencial dificilmente se reverterá em mudanças significativas na sociedade - a direita, simplesmente, não deixará o governo trabalhar nesse sentido.

Não há solução para a tragédia brasileira nesse cenário de divisão entre os que odeiam a esquerda, simbolicamente representada pela sua maior liderança, Lula, e os que abominam o governo golpista e tudo o que ele representa.

A grosso modo, os dois lados congregam, cada qual, cerca de 30% da população. 

Os 40% restantes não têm lado, se inclinam para onde o vento lhes é mais favorável e são fortemente influenciados pelos meios de comunicação.

Se houvesse um mínimo de inteligência em qualquer um dos protagonistas deste drama, todos os esforços, neste momento crucial da vida brasileira, seriam no sentido de aliviar as tensões, para, em seguida, se iniciar um amplo debate sobre o que deve ser feito para que o país não mergulhe no poço sem fim da instabilidade social.

Se isso não for feito, se não houver pelo menos a tentativa de uma conversa racional entre os representantes dos dois lados, os seríssimos problemas de hoje vão se agravar a ponto de não ser nem mais possível se pensar em resolvê-los.

Dizem que o Brasil pode se transformar numa Venezuela, numa referência ao estado permanente de conflito entre os bolivarianos e a oposição.

Essa é uma suposição lógica, mas é preciso lembrar que a comparação se dá entre um país de 30 milhões de habitantes e um de 200 milhões, que tem um PIB dez vezes maior e uma dimensão continental.

Ou seja, os problemas sociais no Brasil poderão ser muito maiores que os da nação vizinha, com consequências terríveis não só para a sua população, mas para toda a América do Sul. (Carlos Motta)



Por eleições democráticas e contra as propostas de Reformas Trabalhista e Previdenciária

18 de Maio de 2017, 20:49, por Feed RSS do(a) News

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS:
Por eleições democráticas e contra as propostas de Reformas Trabalhista e Previdenciária

Ocupa brasilia 240517 banner

Diante do aprofundamento da crise política após as graves revelações contidas nas delações envolvendo o presidente Temer e outros políticos de expressão nacional, as Centrais Sindicais alinham-se à cidadania democrática para exigir a apuração rigorosa de todas as denúncias de corrupção e desmandos que vêm paralisando o País, criando insegurança e impactando negativamente a economia nacional, que se manifesta na forma da recessão e no crescente e alarmante índice de desemprego que assola milhões de famílias de trabalhadores.

Os trabalhadores exigem o estrito cumprimento do rito constitucional e a revalorização do estado de direito como a via para a devida apuração destas e das demais denúncias e acusações que, cada dia mais, pesam sobre o mundo da política e da administração pública. Desta forma, recusamos e combateremos qualquer iniciativa de promover medidas que afrontem nossa Constituição democrática e cidadã como alternativa à grave crise política à qual o País vem sendo submetido.

O permanente esgarçamento das instituições republicanas, ocasionado pelas denúncias e acusações de corrupção, nos leva a considerar que falta legitimidade política e social ao governo para, num momento de grave crise institucional, política, econômica e social como a que estamos vivenciando, querer jogar sobre as costas dos trabalhadores e da parcela mais humilde da sociedade o custo do ajuste econômico representado pelas propostas de reformas trabalhista e previdenciária que tramitam no Congresso Nacional, às quais exigimos que sejam imediatamente retiradas da pauta da Câmara dos Deputados e do Senado Federal. É importante que este debate sobre as propostas de reformas aconteça de forma ampla, envolvendo as representações dos trabalhadores e a sociedade civil.

Qualquer solução democrática para a crise política e econômica nesta conjuntura passa pela construção de um amplo e democrático acordo nacional visando à defesa de nossa democracia e à construção de um novo projeto de desenvolvimento nacional, tarefa que deve mobilizar a sociedade civil e suas mais importantes representações, os partidos políticos, as centrais sindicais e as demais organizações dos trabalhadores e representações patronais. Passa, ainda, pela reconstrução da legitimidade das instituições políticas da República, o que, no caso do Governo Federal e do Congresso Nacional, passa por realizar, no mais curto espaço de tempo exigido pela Constituição, eleições gerais e democráticas.

No dia 24 próximo as Centrais Sindicais estarão em Brasília, com a Marcha Nacional dos Trabalhadores, reafirmando  todo o nosso repúdio às propostas de reformas trabalhista e previdenciária e, ao mesmo tempo, buscando soluções democráticas para o atual momento político pelo qual o País atravessa.

Ocupa brasilia 240517 cartaz



Triste país de poucas esperanças

18 de Maio de 2017, 20:48, por Feed RSS do(a) News


Da mesma forma que a consumação do golpe que afastou Dilma Rousseff da Presidência da República foi um dos mais vergonhosos episódios da história do Brasil, o fim melancólico do governo golpista, apenas um ano depois de iniciado, é motivo de tristeza para quem acredita nos valores democráticos.

É óbvio que todos os que fazem parte desse governo de canalhas e corruptos, e todos os que o apoiam, não merecem outra sorte a não ser a mais severa responsabilização pelos seus crimes e o repúdio de toda a sociedade.

O motivo da consternação é outro.

É ficar sabendo, da maneira mais dura possível, que a nação foi capaz de gerar tais monstruosidades, vê-las crescer e dominar amplamente todas as instituições, alimentá-las, deixá-las conduzir a vida de milhões de pessoas, e determinar como será o futuro das próximas gerações.

Os Aécio, os Temer, os Cunha, todos esses seres ignóbeis, não surgem do nada.

Todos eles chegaram onde chegaram utilizando as ferramentas do nosso sistema social e econômico, com a ajuda de tantos outros parasitas - e o voto de milhões de analfabetos políticos. 

O Brasil é o que é, esse triste, injusto e desigual país dominado por uma oligarquia predadora, escravocrata e ignorante, por culpa de seu próprio povo, que não só permite que haja um corrupto em cada esquina, mas faz questão de criá-lo, ao adotar, como sua única lei, aquela que diz que o bom é levar vantagem em tudo.

Há muitos cidadãos honestos, há mesmo políticos e juízes e policiais e médicos e jornalistas que honram as suas profissões - há, no Brasil, milhões de pessoas que fazem jus ao título de cidadãos.

Mas elas são insuficientes para se opor à barbárie.

São incapazes de moldar o espirito de uma nação de propósitos definidos e projetos de desenvolvimento que os leve ao Primeiro Mundo, ao século 21. 

É mínima a esperança de que, a partir da implosão desse governo mafioso e seus apoiadores, surja algo novo capaz de colocar o país aos trilhos do desenvolvimento, democracia e valores éticos e morais dignos de uma sociedade avançada.

É mais provável que, das cinzas dos golpistas de 2016, resplandeça, sob os augúrios dos meios de comunicação oligopolizados e a serviço integral dos endinheirados, um salvador da pátria, um Collor redivivo, um "João" maquiado de "trabalhador" - uma fraude que complete a missão de não permitir, sob nenhuma hipótese, que o Brasil deixe de ser, eternamente, o país do futuro. (Carlos Motta)



Quem com Globo fere, com Globo será ferido

17 de Maio de 2017, 22:09, por Feed RSS do(a) News

Globo golpe



Brasil despreza o maior projeto econômico do século

17 de Maio de 2017, 18:03, por Feed RSS do(a) News

A ausência do Brasil na reunião de cúpula promovida pela China para impulsionar o mais ambicioso projeto econômico de âmbito mundial deste século, o Cinturão e Rota, indica a verdadeira dimensão do governo golpista que tomou conta do país há um ano.


O Cinturão e Rota, proposto em 2013,  é, resumidamente, um plano para conectar a Ásia com a Europa e a África ao longo e além das rotas comerciais antigas, construindo uma rede de comércio e infraestrutura sem precedentes na história mundial.

O custo total do plano é estimado em mais de US$ 4 trilhões. 

Segundo explicou para os participantes do fórum o presidente chinês, Xi Jinping, o mundo enfrenta hoje uma série de desafios: o comércio e o investimento desacelerados, o desenvolvimento cada vez mais desequilibrado, o impacto da migração de grande escala de refugiados e imigrantes, assim como guerras, conflitos e terrorismo.

Na sua visão, somente alinhando suas políticas e integrando fatores econômicos e recursos em uma escala global é que os países podem criar sinergia para promover a paz, estabilidade e desenvolvimento compartilhado do mundo.

Diante disso, explicou, o mundo pode aproveitar a "sabedoria e força" da antiga Rota da Seda, que ligava o Ocidente ao Oriente. 

De acordo com ele, sob o quadro do Cinturão e Rota, todos os países e regiões podem enfrentar os desafios globais com "mãos dadas com base no princípio de consulta extensiva, contribuição conjunta e benefícios compartilhados".

É o chamado "ganha - ganha".

De 2013 a 2016, empresas chinesas investiram mais de US$ 60 bilhões em mais de 30 países ao longo do Cinturão e Rota. Foram construídas 56 zonas econômicas e comerciais, com produção total de mais de US$ 50 bilhões, mais de US$ 1,1 bilhão em receita fiscal e 180 mil empregos locais.

Os participantes da cúpula, que reuniu 29 chefes de Estado, entre eles os da Argentina e Chile, concordaram em construir corredores econômicos, zonas de cooperação econômica e parques industriais. Mais de 100 países e organizações internacionais já estão envolvidos no megaprojeto.

O Brasil está fora.

Os novos governantes, ao que tudo indica, preferem se alinhar incondicionalmente aos interesses dos Estados Unidos.

Ignoram completamente a nova ordem mundial que está surgindo.

A inapetência em prosseguir com os esforços para transformar o país numa potência mundial, como foi feito nos governos trabalhistas, é notória.

Assim como a falta de visão estratégica geopolítica.

A sabedoria popular tem um ditado que se aplica à perfeição para um caso como esse: "Cavalo selado só passa uma vez."

Pelo jeito, o Brasil prefere andar em lombos de burros. (Carlos Motta)



Uma nação que caminha para a Idade Média

17 de Maio de 2017, 9:00, por Feed RSS do(a) News


As sessões da Câmara Municipal de Serra Negra se iniciam com os vereadores rezando o "Pai Nosso" (foto), contrariando a laicidade do Estado brasileiro.

A maior obra da cidade é um centro de convenções que a Igreja do Evangelho Quadrangular está construindo, com capacidade para abrigar 15 mil "fiéis".

Evangélicos lotam os hotéis em diversos encontros distribuídos ao longo dos anos.

O município, de 28 mil habitantes, tem ruas nas quais se vê mais templos e igrejas que casas comerciais.

Serra Negra, a 140 quilômetros da capital paulista, faz parte do chamado Circuito das Águas Paulista, supostamente formado por estâncias hidrominerais.

Há ainda várias fontes na cidade, mas há muito elas deixaram de atrair turistas - semiabandonadas, diversas apenas gotejam o líquido.

O balneário municipal, parte do enorme e também quase abandonado Centro de Convenções, foi reformado recentemente, mas continua fechado - ninguém, nem a Prefeitura, se dispõe a fazê-lo funcionar.


O interesse dos evangélicos pela cidade, que vive basicamente do setor de serviços, comércio à frente, desperta otimismo em setores empresariais locais.

E inquieta algumas pessoas, que temem que essa iminente "invasão" de evangélicos transforme o município numa espécie de "Aparecida", ou seja, que altere profundamente o perfil não só dos visitantes, como da própria cultura local, baseada numa forte colonização italiana - e, portanto, católica.

Essa aura de religiosidade que envolve a pequena Serra Negra não é exclusiva dela.

O Brasil, antes conhecido como a maior nação católica do mundo, está rapidamente mudando seu perfil para se tornar a maior nação religiosa do planeta, tal o avanço, nos últimos anos, das igrejas evangélicas, que dominam grande parte dos meios de comunicação e possuem bancadas fortes no Congresso Nacional.

Sob a influência de milhares de "bispos" e "pastores", a quase totalidade de baixíssima formação intelectual e muitos dos quais simples aproveitadores da fé dos humildes, cresce exponencialmente o número de brasileiros ignorantes de seus direitos e deveres, do funcionamento e importância das instituições e dos Poderes - do seu papel de cidadãos.

Junto a esse cenário paira uma mídia totalmente comercial e um sistema educacional falido, quando público, e elitista, quando privado.

O resultado dessa mistura é facilmente detectado - quando uma instituição de ensino superior da tradição e importância da Universidade Mackenzie abre um espaço para discutir a "teoria" do design inteligente, que contesta o evolucionismo, é porque a razão bateu no fundo do poço no Brasil.

E as trevas avançam, inexoravelmente.

Falta pouco para o Brasil voltar à Idade Média. (Carlos Motta)



As várias faces do demônio

17 de Maio de 2017, 9:00, por Feed RSS do(a) News


O diabo tem muitas faces, acreditam os religiosos.

Deveriam também, neste mundo material em que vivem, crer que a corrupção, eleita o mal maior desta triste nação, se espalha e sobrevive e se fortalece travestida de variadas e multicoloridas roupagens.

O observador nem precisa ser muito atento para se deparar com ela no seu dia a dia.


Basta ver os motoristas no trânsito, burlando a lei a todo instante para ganhar alguns metros do carro à sua frente, mesmo que corram o risco de provocar um acidente.

Ou o sujeito que fura a fila do banco ou do supermercado.

Ou aquele que se vangloria de ter enganado a Receita Federal em seu Imposto de Renda.

Ou o comerciante que sonega impostos, não dá nota fiscal.

No caso dos políticos os exemplos são inúmeros.

O ex-prefeito de Serra Negra, onde moro, usava o carro oficial fora do expediente da maneira mais despreocupada possível. Mais de uma vez o vi pegar o jantar de domingo num restaurante. 

O presidente da República, ficamos sabendo, paga a babá de seu filho não com recursos próprios, mas por meio de verba da União, como se ela fosse funcionária de um órgão estatal qualquer.

Juízes e procuradores da República não têm o menor pudor em aumentar seus salários, já altos, bem acima do permitido pela legislação, por meio de expedientes vergonhosos como os tais "auxílio isso", "auxílio aquilo".

Esses são apenas alguns poucos exemplos dos disfarces usados pelo demônio para esconder a sua face.

O fato é que a sociedade brasileira, com algumas raras exceções, já se habituou com o "jeitinho", não vive sem ele, e padece de dores insuportáveis quando se vê, mesmo que por um instante, sem o seu apoio.

Há corrupções de todos os tipos, para todos os gostos.

Como há o cinismo e hipocrisia em todos os que apontam seus dedos para supostos infratores, possíveis criminosos ou alegados corruptos e corruptores.

Nenhum desses que aparece por aí vestindo a toga da moralidade possui, nem de longe, a autoridade ética para acusar ou julgar quem quer que seja.

Como o ex-prefeito de Serra Negra, estão tão mergulhados nos maus hábitos que nem percebem o quanto são falsos. (Carlos Motta)



Mega ataque de ransomware pode ter usado ferramenta de exploit da NSA

13 de Maio de 2017, 0:08, por Feed RSS do(a) News

Ataque iniciado na Europa na manhã de 12/05 já se espalhou para mais de 70 países pelo mundo, incluindo Brasil.

Ransomware

Um ataque de ransomware parece estar se espalhando pelo mundo, usando uma ferramenta de hacking que pode ter vindo da Agência de Segurança Nacional dos EUA. O ransomware, chamado Wanna Decryptor, atingiu hospitais no National Health Service da Inglaterra, nessa sexta-feira, 12/5, derrubando parte de sua rede.

A equipe de resposta de computador da Espanha, a CCN-CERT, também alertou sobre um "ataque maciço", em meio a relatos de que a empresa de telecomunicações local Telefonica foi atingida. 

Funcionários da Telefonica reportaram que foram orientados a desligar seus computadores. E que o problema teria afetado também os sistemas da seguradora espanhola Mapfre, do banco BBVA e até alguns funcionários da Telefonica no Brasil - funcionários de outras empresas brasileiras também relatam ter sido atingidos pelo ataque.

"A Telefônica Brasil informa que seus serviços não foram afetados pelo incidente. A empresa informa também que os dados dos clientes estão absolutamente seguros e que eles podem continuar usando os serviços normalmente", afirmou a empresa em nota enviada ao IDG Now!.

O ransomware, também conhecido como WannaCry, explora uma vulnerabilidade do Windows divulgada no mês passado quando ferramentas de hacking usadas pela NSA vazou na internet.

Segundo a Kaspersky, o ataque já afetou mais de 45 mil computadores em mais de 70 países pelo mundo, incluindo Brasil e EUA, além de diversos locais da Europa.Ransomwareimg

As ferramentas incluem uma invasão de codinome EternalBlue, que torna o sequestro de sistemas Windows mais fácil. Ela se destina especificamente ao protocolo Server Message Block (SMB) no Windows, utilizado para fins de compartilhamento de arquivos.

A Microsoft já corrigiu a vulnerabilidade, mas apenas para sistemas Windows mais recentes. Os antigos, como o Windows Server 2003, não são mais suportados, mas ainda são amplamente utilizados entre as empresas, de acordo com especialistas em segurança.

Isso pode ter animado os hackers. O desenvolvedor do Wanna Decryptor parece ter adicionado as supostas ferramentas hackers da NSA ao código do ransomware, disse Matthew Hickey, diretor do provedor de segurança, em um e-mail.

A empresa de segurança Avast disse ter detectado o ransomware atacando principalmente a Rússia, Ucrânia e Taiwan. Outra empresa de pesquisa de segurança, MalwareTech, criou uma página de monitoramento dos ataques. Eles parecem ter ido para todo o mundo.

O ransomware Wanna Decryptor  ataca criptografando todos os arquivos em um PC infectado, juntamente com qualquer outro sistema na rede onde o PC está conectado. Em seguida, exige um resgate de cerca de US$300 a US$600 em bitcoin para liberar os arquivos, ameaçando excluí-los após um período definido de dias se o montante não for pago.

Especialistas em segurança estão orientando as organizações a corrigirem  sistemas vulneráveis, atualizar para as versões mais recentes seus sistemas operacionais e fazer backups de arquivos críticos.

Fonte: IDGNow



A imagem de um julgamento totalmente imparcial

11 de Maio de 2017, 13:52, por Feed RSS do(a) News

Somente em uma briga totalmente imparcial o juiz é um dos boxeadores

Solo en una pelea totalmente imparcial el juez es uno de los boxeadores.

The judge is one of the boxers only in a wholly impartial fight

Julgamento imparcial