Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Apesar da pressão de caminhoneiros, Petrobras descarta congelamento

17 de Outubro de 2021, 14:42 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 30 vezes

Segundo o executivo da estatal do petróleo, a empresa não aceita qualquer tipo de intervenção. O “tabelamento de preços sempre trouxe as piores consequências”, afirmou Silva e Luna, neste domingo, e acrescentou que a decisão sobre privatizar ou não a Petrobras cabe ao governo federal.

Por Redação – do Rio de Janeiro

Os principais líderes do movimento de caminhoneiros, de todos os Estados brasileiros, reuniram-se no Rio de Janeiro, neste fim de semana, e decidiram que, caso o preço do diesel não caia em até 15 dias, haverá uma greve nacional, a partir de 1º de novembro. A advertência, no entanto, não sensibilizou o presidente da Petrobras, general de Exército da reserva Joaquim Silva e Luna.

caminhoneirosCaminhoneiros de todo o país reuniram-se, no Rio, para iniciar o movimento grevista previsto para início de novembro

Segundo o executivo da estatal do petróleo, a empresa não aceita qualquer tipo de intervenção. O “tabelamento de preços sempre trouxe as piores consequências”, afirmou Silva e Luna, neste domingo, e acrescentou que a decisão sobre privatizar ou não a Petrobras cabe ao governo federal.

— O que evita o desabastecimento nos mercados e viabiliza o crescimento equilibrado da economia é justamente a aceitação de que os preços são determinados pelo mercado, não por ‘canetadas’. O fortalecimento do dólar em âmbito global e, em especial, no Brasil, tem alavancado os preços das commodities e incrementado a inflação. Mas essas incômodas verdades não parecem muito apelativas — acrescentou Silva e Luna, a jornalistas.

No ano passado, a Petrobras elevou o preço da gasolina em 60% nas refinarias, e o diesel, em mais de 50%. Enquanto isso, o dólar se valorizou quase 30% em 2020 e já subiu outros 5% este ano. ​Na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse que “não pode direcionar melhor” os preços e que tem “vontade” de privatizar a Petrobras.

— Se tenho vontade de privatizar a Petrobras, tenho vontade. Vou ver com a equipe da economia o que a gente pode fazer — afirmou o mandatário.

Reivindicações

Quanto ao congelamento do preço da gasolina, o presidente da Petrobras lembra que já foi tentado anteriormente e sempre se mostrou um equívoco. O Brasil já tentou medidas heterodoxas em outros momentos, sempre sem sucesso.

— Tabelar preços sempre trouxe as piores consequências econômicas para qualquer país que o faça. E ninguém imagina cometer erros velhos — avalia o militar.

Mesmo diante das afirmações de Silva e Luna, os caminhoneiros iniciaram a mobilização nacional da categoria contra os preços altos dos combustíveis no Brasil. Os motoristas decidiram seguir adiante com o movimento paredista.

Além da queda no preço dos combustíveis, os caminhoneiros reivindicam a volta da aposentadoria especial, concedida após 25 anos de contribuições previdenciárias, a tabela de frete, um “piso mínimo”.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/apesar-pressao-caminhoneiros-petrobras-descarta-congelamento/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias