Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Campanha de Bolsonaro entra em desespero com chegada de Haddad ao 2º turno

14 de Setembro de 2018, 13:11 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 112 vezes

Ciro Gomes também cresceu (um ponto), assumindo o terceiro lugar com 11%, seguido de Alckmin (9%), Marina (6%), Amôedo e Álvaro Dias (4%), Meirelles (2%) e Boulos (1%).

 

Por Redação – de São Paulo

 

A divulgação de uma pesquisa eleitoral patrocinada pela corretora XP Investimentos, vinculada ao Banco Itaú e realizada pelo instituto Ipesp, na manhã desta sexta-feira, consolida o estado de alerta no quartel do candidato neofascista Jair Bolsonaro (PSL). Acéfala, pela condição médica de seu principal mentor, e dispersa em uma série de disputas internas, a campanha de Bolsonaro passa a ser investigada por disseminação de notícias falsas, a exemplo de uma pesquisa de opinião forjada e a imitação do padre Marcelo Rossi, em um vídeo disseminado pelas redes sociais.

Vídeo produzido por integrantes da campanha de Bolsonaro reproduz voz atribuída ao padre Marcelo Rossi, que desmente a notícia falsa disseminada nas redes sociaisVídeo produzido por integrantes da campanha de Bolsonaro reproduz voz atribuída ao padre Marcelo Rossi, que desmente a notícia falsa disseminada nas redes sociais

O desespero deve-se, em parte, à pesquisa da XP, que registra forte crescimento de Fernando Haddad (PT). Ele já assume o segundo lugar na corrida presidencial, com 16%. Encontra-se logo atrás de Bolsonaro, que ainda aparece com 23%, no questionário em que os eleitores são informados do apoio de Lula ao candidato do partido.

Haddad lidera

A pesquisa aplicada por analistas econômicos aos relatórios para investidores, é realizada por telefone. O método, portanto, difere daquele aplicado por grandes institutos e tem registrado um desvio para baixo nas intenções de votos do PT. Os 10% mais pobres do país não são alcançados pelo levantamento.

Ciro Gomes também cresceu (um ponto), assumindo o terceiro lugar com 11%, seguido de Alckmin (9%), Marina (6%), Amôedo e Álvaro Dias (4%), Meirelles (2%) e Boulos (1%). No questionário sem a informação quanto ao apoio de Lula a Haddad, ele aparece embolado em segundo lugar. Bolsonaro tem 26%, Ciro 12%, Haddad 10%, Alckmin 9%, Marina 8%, Amôedo e Álvaro Dias empatados em 4%, Meirelles 2% e Boulos 1%.

Na projeção de segundo turno, Haddad, com 38%, já está no empate técnico com Bolsonaro (40%). A taxa de rejeição do radical de direita é, na pesquisa, idêntica à de Haddad (57%). O número destoa de todas as demais pesquisas, nas quais o candidato neofascista tem taxa de rejeição muito superior à dos demais candidatos. A pesquisa foi feita por telefone entre 10 e 12 de setembro.

Pesquisa falsa

Diante do alto crescimento do candidato que substitui o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na corrida às urnas, adeptos da campanha neofascista entraram na alça de mira da Polícia Federal (PF). Uma força tarefa passou a investigar a disseminação de notícias falsas, ato criminoso que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tem procurado combater, nestas eleições.

Uma pesquisa fraudulenta, que atribui ao candidato do PSL um índice de 45% nas intenções de votos dos eleitores brasileiros, acaba de ser desmentida por um conjunto de veículos de comunicação. Perfis nas redes sociais, ligados à extrema direita, têm divulgado uma simulação do site Encuestas Digitales, na qual Bolsonaro estaria perto da vitória no primeiro turno.

A legislação eleitoral, no entanto, invalida enquetes desse tipo por não cumprir uma série de exigências. Entre elas, a divulgação de dados e metodologia; o registro oficial e a prestação de contas. Por ser considerada lesiva ao eleitor, a realização de levantamentos semelhantes pode resultar multa de R$ 53 mil.

Metodologia

Uma das versões da publicação diz que a pesquisa foi feita pela “agência (norte-)americana que previu com exatidão a vitória de Trump nos EUA”. Não foi o que encontrou um grupo de jornais e revistas brasileiros, “que busca identificar, checar e combater rumores, manipulações e notícias falsas sobre as eleições de 2018”, segundo auto-descrição. Não há evidência de que a Encuestas Digitales seja norte-americana ou que tenha previsto a vitória eleitoral de Trump.

“Nas redes sociais e em aplicativos de mensagens instantâneas, as publicações virais incluem ainda um gráfico, no qual nenhum dos outros candidatos alcança 10%. O site diz que realiza pesquisas eleitorais com métodos modernos, diferente do que chama de ‘pesquisas tradicionais’ e que analisa redes sociais e buscas na internet para determinar os índices dos candidatos, mas não divulga dados detalhados nem a metodologia utilizada”, constata o grupo de mídia.

Ainda de acordo com os analistas do consórcio, “explicação encontrada no site Encuestas Digitales detalha que os números atribuídos a cada candidato não representam intenções de voto, como é o caso das principais pesquisas eleitorais. Diz apenas que os números retratam uma ‘projeção de vitória’, sem deixar claro o que isso significa”.

Sem endereço

“Segundo o site, o serviço está baseado numa metodologia mais sofisticada e semelhante a do site de jornalismo de dados norte-americano FiveThirtyEight sem, no entanto, deixar claro o que seria essa versão mais aprimorada da apuração das informações. Além disso, pesquisas digitais não representam os 39% da população que ainda não tem acesso à internet, como mostra a Pesquisa TIC Domicílios, apresentada em julho deste ano pelo Comitê Gestor da Internet (CGI.br)”, acrescenta.

Os jornalistas daqueles meios de comunicação também checaram, com o apoio de um serviço que verifica os dados dos endereços (URL) dos sites, como o IP Checker, que o domínio www.encuestasdigitales.com foi criado no dia 30 de julho de 2018, com validade até 2019. A primeira pesquisa relativa ao Brasil foi publicada pela suposta empresa em agosto.

“O site Politz também publicou a pesquisa feita pelo Encuestas Digitales, afirmando que o tracking acertou previsões da vitória de Donald Trump e do Brexit. No entanto, o presidente norte-americano foi eleito em 2016 e a saída britânica da União Europeia (Brexit) foi aprovada em referendo também em 2016. Ou seja, antes do registro do site Encuestas Digitales”, revela o estudo.

Marcelo Rossi

O site Encuestas Digitales também apresenta “erros básicos de texto em espanhol e não deixa claro qual é a sua metodologia de trabalho e quem são seus clientes. Também não há disponível nenhum ponto de contato com a organização. Até o dia 13 de setembro, ao menos três publicações com o gráfico da pesquisa tiveram grande repercussão em páginas no Facebook: Movimento Avança Brasil (mais de mil compartilhamentos, publicado em 10 de setembro); Mulheres Unidas A FAVOR do Bolsonaro (mais de 17 mil compartilhamentos, publicado em 12 de setembro); e Jair Bolsonaro 2018, a última Esperança da Nação (mais de de 4.,9 mil compartilhamentos, publicado em 12 de setembro)”, pontua.

Algumas dessas mesmas organizações ligadas à extrema direita nacional também apoiaram a divulgação de um vídeo, no qual a imitação da voz do padre Marcelo Rossi é usada para enaltecer o candidato neofascista. Ao longo da mensagem, aparece a foto de Bolsonaro ao lado do religioso. A reação do pároco foi imediata. Ele gravou um vídeo no qual implora aos fiéis que o ajudem a desmentir tal peça de propaganda, também disseminada nas redes sociais.

Assista à mensagem do padre Marcelo Rossi:


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/campanha-bolsonaro-desespero-chegada-haddad-segundo-turno/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias