Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Famílias brasileiras reduzem a intenção de elevar o consumo

25 de Junho de 2019, 20:17 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 39 vezes

Na comparação com maio, todos os sete componentes da ICF apresentaram queda, com destaque para a avaliação sobre o momento para compra de bens duráveis, que recuou 5,7%, e para a perspectiva de consumo, que caiu 5%.

 

Por Redação – de São Paulo

 

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), recuou 3,5% na passagem de maio para junho e marcou 91,3 pontos em uma escala de zero a 200 pontos. Essa é a quarta queda consecutiva do indicador, que já tinha caído 1,7% de abril para maio. Apesar disso, na comparação com junho do ano passado, a ICF cresceu 5,3%.

Desemprego eleva inadimplência e afeta o consumoDesemprego eleva inadimplência e afeta o consumo

Na comparação com maio, todos os sete componentes da ICF apresentaram queda, com destaque para a avaliação sobre o momento para compra de bens duráveis, que recuou 5,7%, e para a perspectiva de consumo, que caiu 5%. Na comparação com junho de 2018, seis componentes tiveram alta. A exceção foi a perspectiva profissional, que caiu 1%. A maior alta foi observada no item nível de consumo atual (13%).

Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, a ICF de junho “espelhou o menor grau de confiança dos consumidores com relação à melhora da economia e, por conseguinte, às intenções de consumo, podendo vir a se refletir em menores vendas do comércio mais para a frente”.

PIB estável

Em linha com o desânimo dos consumidores, a economia brasileira deve ficar perto da estabilidade, neste segundo trimestre, com uma “nítida” interrupção em seu processo de recuperação. Trata-se do reflexo de uma mudança na dinâmica da atividade depois do segundo trimestre de 2018, avaliou o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) nesta terça-feira.

Na ata de sua última reunião de política monetária —quando deixou na semana passada a Selic em 6,50% ao ano—, o Copom disse que os principais choques sofridos pela economia brasileira ao longo de 2018 se dissiparam e que as condições financeiras já caminharam para território “mais estimulativo”.

“Após leve recuo no primeiro trimestre de 2019, em decorrência dessa perda de dinamismo e de alguns choques pontuais, o Produto Interno Bruto (PIB) deve apresentar desempenho próximo da estabilidade no segundo trimestre”, avaliou o Copom.

“Nesse contexto, o cenário básico do Copom contempla retomada do processo de recuperação econômica adiante, de maneira gradual”, conclui o Copom.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/familias-brasileiras-reduzem-intencao-elevar-consumo/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias