Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Farpas entre Ciro e Lula crescem, após novos ataques a Dilma

14 de Outubro de 2021, 16:33 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 24 vezes

Na outra ponta, o ex-presidente Lula também disse que, durante o seu governo, o agronegócio foi tratado “com muito carinho”, assim como os grandes bancos e as associações de empresários, todos ligados à ultradireita. Nesse sentido, lembrou de uma medida provisória editada em 2008 que refinanciou 85 bilhões em dívidas dos grandes produtores.

Por Redação, com RBA – de São Paulo
lula e ciroCiro tem sido um aliado histórico do PT; ainda que nem sempre alinhado ao programa da legenda

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou como “grosseiro” e “banal” os ataques de Ciro Gomes (PDT). Nesta quarta-feira, Ciro disse a jornalistas que Lula “conspirou” pelo impedimento da presidenta deposta Dilma Rousseff (PT). Na sequência, pelas redes sociais, também disse que Dilma era uma das pessoas mais “incompetentes, inapetentes e presunçosas” que já passaram pela presidência.

— Eu não vou falar do Ciro. O que ele fez ontem foi tão banal, foi tão grosseiro, que às vezes eu fico pensando, como Jesus Cristo na cruz dizia: ‘Pai, perdoai os ignorantes, eles não sabem o que fazem’ — disse Lula.

O líder petista chegou a aventar a hipótese de Ciro ter sido acometido por sequelas neurológicas decorrentes da covid-19.

— Não é possível que um homem que pleiteia a Presidência da República possa falar as baixarias que ele falou (na véspera). Lamento profundamente que seja assim. Não sei o que ele está querendo, mas quem planta vento colhe tempestade — acrescentou.

Desemprego

Lula rebateu ainda a tese de que teria atuado em favor do golpe do impeachment contra sua sucessora.

— Não podemos esquecer que o que aconteceu com a Dilma foi um golpe, que usou de desculpa a pedalada fiscal. O Brasil só piorou de lá pra cá. Falaram em ponte para o futuro, mas foi uma ponte para o abismo. Em 2014 tínhamos o menor desemprego da história e inflação controlada — lembrou.

Além disso, o ex-presidente disse que é favorável à realização de uma reforma agrária no Brasil. 

— Está na Constituição. Você não precisa invadir nenhuma terra produtiva para isso — afirmou.

O ex-presidente também defendeu uma política de favorecimento aos pequenos e médios produtores, que são “responsáveis pela produção de 70% ou mais dos alimentos que chegam na nossa mesa”.

Na outra ponta, também disse que, durante o seu governo, o agronegócio foi tratado “com muito carinho”. Nesse sentido, lembrou de uma medida provisória editada em 2008 que refinanciou 85 bilhões em dívidas dos grandes produtores.

— Naquele ano evitamos que o agronegócio quebrasse. Se não gostam do PT é por outra razão… Talvez por eu ser corintiano, por ser nordestino, qualquer outra coisa — ironizou.

‘Autocrítica’

Na entrevista, Lula também rebateu o mantra dos apoiadores da chamada “Terceira Via” que esperam por uma “novidade” nas eleições do ano que vem.

— Esse discurso de renovação, o que é o novo? Vinte milhões de pessoas passando fome? Cem milhões de brasileiros em insegurança alimentar? Olha como deixamos esse país e como ele está hoje — ressaltou o ex-presidente.

Lula reagiu, ainda, à insistência desses setores em exigir “autocrítica” aos petistas. Segundo ele, fazer a crítica é função da imprensa e dos partidos de oposição ao PT.

— Pra que eu vou fazer autocrítica se vocês podem me criticar? É mais saudável. Se eu ficar me criticando o que vai sobrar pros outros falarem? — questionou.

Moro

Ainda nesta quinta-feira, o Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) marcou para maio de 2022 o exame final do caso envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A queixa foi apresentada pela defesa do ex-presidente ainda em 2016, sob a alegação de que o então juiz Sergio Moro atuava de maneira parcial, ferindo assim o Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos, do qual o Brasil é signatário.

O Comitê indica que já concluiu tanto a avaliação sobre a admissibilidade do caso como a questão do mérito. Porém, a decisão cabe aos 18 peritos do órgão, que se reúnem daqui a sete meses. Na ocasião, deverá ser proferida a decisão final sobre o caso.

Em junho deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou Moro suspeito, anulando a condenação contra Lula no processo do tríplex do Guarujá (SP). Em função da suspeição do então juiz, a pena contra Lula no caso do sítio de Atibaia também foi anulada. Livre de qualquer condenação, o ex-presidente está apto a concorrer nas eleições do ano que vem.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/farpas-entre-ciro-lula-crescem-novos-ataques-dilma/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias