Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Fortuna de bilionários entra em risco no escândalo da Americanas

25 de Janeiro de 2023, 15:38 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 21 vezes

As ações têm como líderes o Bradesco, Safra e Santander, os maiores credores da varejista, que ingressaram com processos para a produção de provas e, assim, atestar que houve fraude na gestão da empresa, o que abriria caminho para a cobrança de dívidas do trio, de demais acionistas e até de administradores.

Por Redação – de São Paulo

O BTG Pactual e o Banco Votorantim passaram a executar dívidas da varejista Americanas a partir desta quarta-feira, após o pedido da companhia para uma recuperação judicial, e os grandes bancos agora querem obrigar o trio de acionistas — os bilionários Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles — a cobrir os prejuízos com o patrimônio pessoal.

lemann, telles, sicupiraTelles, Lemann (C), o homem mais rico do Brasil, e Sicupira são grandes investidores nas Lojas Americanas

As ações têm como líderes o Bradesco, Safra e Santander, os maiores credores da varejista, que ingressaram com processos para a produção de provas e, assim, atestar que houve fraude na gestão da empresa, o que abriria caminho para a cobrança de dívidas do trio, de demais acionistas e até de administradores.

Finanças

Esse caminho é possível por meio da desconsideração da personalidade jurídica — mecanismo excepcional, previsto em lei, que consiste em ignorar a autonomia patrimonial da empresa, em caso de condutas abusivas ou fraudulentas, para que seus acionistas paguem por prejuízos com os próprios bens.

Os bilionários Telles, Sicupira e Lemann, sócios de referência da Americanas, constam nominalmente nas ações do Bradesco, o banco pede até que a Justiça autorize imediatamente, por meio de liminar, a busca e apreensão de todas as caixas de e-mail institucional dos diretores, integrantes do Conselho de Administração e do Comitê de Auditoria, dos funcionários da área de contabilidade e de finanças — tanto dos atuais quanto daqueles que ocuparam esses cargos nos últimos dez anos.

O Bradesco solicita, ainda, que os ‘backups’ (documentos arquivados) sejam armazenados pela Justiça, “com o fim de preservar a prova a ser objeto da perícia investigativa que aqui se pede para a verificação dos detalhes da fraude”, conforme o texto da petição.

Bilhões

“Sem querer ceder à tentação de antecipar conclusões, que só virão com o deferimento da tutela postulada nesta petição, o autor (Bradesco) pede licença para destacar que, muito embora a Americanas tenha ‘acabado de descobrir’ um desencaixe bilionário na sua contabilidade, nos mesmíssimos dez anos em que os tais equívocos contábeis foram praticados os seus acionistas distribuíram quase R$ 1,8 bilhão em dividendos, ao passo que seus administradores (os mesmos que elaboravam as demonstrações financeiras da companhia e cujos soldos estavam por vezes vinculados aos resultados da varejista) receberam mais de R$ 700 milhões em pagamentos”, afirma o banco, no processo.

Ex-sócio de Jorge Lemann, o empresário Luiz Cezar Fernandes afirmou à mídia conservadora, nesta manhã, que as maquiagens nos balanços da Americanas, que esconderam por anos um rombo de mais de R$ 20 bilhões, provavelmente começaram “há muito tempo” e foram “uma maneira de criar lucro artificial para aumentar dividendo”.

— Foram ao extremo deixando um atraso no pagamento dos fornecedores. O fornecedor vendeu por 90 dias, eles atrasavam e pagavam com 120 dias. Mas isso não foi suficiente, então resolveu esconder o passivo dos bancos. Acho que chegou em um ponto que não dava mais, chamaram o (Sergio) Rial e falaram: ‘temos um problema, não estamos mais conseguindo alavancar, você vem e fala que tem isso aqui e aqui’. Porque é impossível que o Rial em uma semana descubra um troço que nenhum analista tenha pegado nesses 50 anos, mil analistas e ninguém pegou. Ele é gênio, mas nem tanto. Aquilo foi combinado. ‘Você diz que descobriu, aí a gente parte para resolver, então vamos dar o prejuízo para o Family Office e para os bancos’. Acho que isso começou há muito tempo — concluiu.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/fortuna-bilionarios-entra-risco-escandalo-americanas/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias