Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Mourão atrapalha o fim dos tempos e revolta a bancada evangélica

10 de Fevereiro de 2019, 15:47 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 71 vezes

Presidente norte-americano e ícone do regime bolsonarista, Donald Trump também pagou a mesma promessa ao seu eleitorado evangélico.

 

Por Redação – de Brasília e São Paulo

 

O discurso independente e a desenvoltura do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) complicaram a relação do Palácio do Planalto com o setor evangélico, elemento-chave para a sustentação do bolsonarismo. Nos últimos dias, líderes de igrejas expuseram a insatisfação com o vice, principalmente após ele se dizer contrário à transferência da embaixada brasileira em Israel para Jerusalém, o que seria parte de uma profecia para o fim dos tempos.

O general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, fala pelas Forças Armadas brasileirasO general Hamilton Mourão, vice-presidente da República, fala pelas Forças Armadas brasileiras

Presidente norte-americano e ícone do regime bolsonarista, Donald Trump também pagou a mesma promessa ao seu eleitorado evangélico. No centro da teologia protestante está uma crença ligada aos dias finais da humanidade, segundo a leitura mais literal do texto bíblico. Não que Trump, presbiteriano; ou Bolsonaro, católico, compartilhem destas ideias, mas o financiamento e apoio desse segmento foi vital na campanha de ambos.

Para várias denominações evangélicas norte-americanas, idem no Brasil em outros lugares do mundo, o Estado judeu deve se estabelecer, plenamente, em Jerusalém para que Jesus Cristo possa voltar à Terra. A ideia da volta dos judeus, o povo eleito de Deus segundo o Velho Testamento, é central na crença de que o Messias retornará para protagonizar episódios narrados no livro do Apocalipse.

Bandeiras

Mourão, portanto, atrapalha tais planos. Assim, tornou-se alvo preferencial da bancada evangélica, que passa a pressionar Bolsonaro para que este o desautorize publicamente, mesmo enquanto permanece internado em São Paulo.

Enquanto exerceu, interinamente, a Presidência da República, Mourão recebeu o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben. No encontro, o presidente em exercício disse que a decisão quanto à mudança de endereço da embaixada ainda não é um fato concreto. A bancada evangélica conta com 108 deputados e 10 senadores na atual Legislatura, com uma atuação historicamente coesa em defesa de suas bandeiras.

— Vamos cobrar (do Bolsonaro) o cumprimento daquilo que foi tratado. Se o Mourão está a serviço de algum grupo de interesse contrário a que isso aconteça, tenho convicção que ele perdeu essa queda de braço. Mourão é um poeta calado. Sempre que abre a boca cria um problema para o governo — disse a jornalistas o deputado Sóstenes Cavalcante (DEM-RJ), principal porta-voz da Frente.

Católicos

O mesmo motivo que enfurece os evangélicos contra Mourão também serve ao Palácio do Planalto na tentativa de conter o avanço da Igreja Católica, cada vez mais engajada na oposição ao governo Jair Bolsonaro. Além de adversária natural dos planos pentecostais, a Igreja seria uma tradicional aliada do PT e está se organizando para liderar debates em conjunto com a esquerda.

O alerta ao governo veio de informes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), chefiada pelo general Heleno, e dos comandos militares. Os relatos são de encontros recentes de cardeais brasileiros com o papa Francisco para discutir o Sínodo sobre Amazônia, que reunirá em Roma, no mês de outubro, bispos de todos os continentes.

Durante 23 dias, o Vaticano debatera1 a situação da Amazônia e levantará pautas considerados pelo governo brasileiro como uma “agenda da esquerda”. O debate irá abordar a situação de povos indígenas, mudanças climáticas provocadas por desmatamento e quilombolas.

— Estamos preocupados e queremos neutralizar isso aí — disse a interlocutores o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, que comanda a contraofensiva, segundo o diário conservador paulistano O Estado de S. Paulo.

‘Vaticano comuna’

Ainda segundo o jornal “militares do GSI avaliaram que os setores da Igreja aliados a movimentos sociais e partidos de esquerda, integrantes do chamado ‘clero progressista’, pretenderiam aproveitar o Sínodo para criticar o governo Bolsonaro e obter impacto internacional.

— Achamos que isso é interferência em assunto interno do Brasil — disse Heleno.

O temor do general, no entanto, foi ironizado em uma mensagem do ex-presidenciável petista Fernando Haddad.

“Vaticano comuna: Bolsonaro vê Igreja Católica como opositora, por discutir temas considerados de esquerda, como situação de povos indígenas e quilombolas, e mudanças climáticas”, concluiu.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/mourao-atrapalha-fim-tempos-revolta-bancada-evangelica/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias