Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Na crise com EUA, China vai comprar a Turquia na baixa

13 de Agosto de 2018, 15:29 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 38 vezes

Com a ajuda de Pequim, Erdogan espera encontrar uma alternativa aos empréstimos do FMI, que poderia transformar a Turquia em ‘satrapía econômica da China’.

 

Por David P. Goldman – de Bangkok

 

Como a queda do Império Otomano após a I Guerra Mundial, o atual colapso financeiro da Turquia é esperado há anos. A preguiça das agências de classificação de crédito e dos comitês de crédito bancário permitiram que a Turquia lutasse um ou dois anos a mais do que deveria, mas o colapso da lira turca nesta semana, após um longo e repugnante declínio, não surpreendeu ninguém.

Presidente turco, Tayyip Erdogan tenta fechar acordo econômico robusto com a China

O presidente volátil da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, pode ter adiado a crise, mas decidiu enfrentar o presidente dos EUA, Donald Trump, com a prisão de um ministro protestante norte-americano por alegado terrorismo. Às 9h20, horário da costa leste dos EUA, a lira turca era negociada a 6,5 por dólar ou menos de um terço do valor da moeda em 2014.

A economia da Turquia caminha para níveis extremos de inflação à medida que o preço das importações salta uma contração severa da produção, já que o custo dos insumos de produção aumenta fora do alcance das empresas turcas.

Crédito interno

O presidente Erdogan, de fato, se jogou à mercê da China em discurso pouco coerente hoje. A economia da Turquia deve encolher 10% a 20% antes que a hemorragia pare, como previ em 12 de junho. O suposto milagre econômico de Erdogan seguiu a velha fórmula das cleptocracias do Terceiro Mundo do passado: a emissão massiva de crédito interno, apoiada por empréstimos externos massivos.

Os turcos compraram bens de consumo estrangeiros com o produto e o déficit em conta corrente do país que aumentou para 6,5% da produção nacional. É perto de onde o déficit da conta corrente grega ficou no início de 2012, quando a economia do país implodiu.

As empresas turcas emprestaram cerca de US$ 300 bilhões em moeda estrangeira e agora têm que pagá-la em liras turcas desvalorizadas. A maior parte da dívida foi emitida com a lira turca negociada a menos de 2 por dólar. Agora, negocia mais de 6 por dólar.

Austeridade

O custo do serviço da dívida triplicou para os tomadores turcos com ganhos em moeda local. Alguns dos empréstimos foram financiados por bancos turcos que emprestaram dólares ou euros de outros bancos no mercado interbancário de curto prazo e os emprestaram a seus clientes.

Se os bancos turcos não lograrem reverter sua exposição interbancária, o sistema bancário turco entrará em colapso. Isso não ocorrerá porque o BBVA da Espanha tem o maior banco da Turquia, o Garanti. A última vez que a lira turca explodiu em 2001, o país foi para o Fundo Monetário Internacional (FMI) para um empréstimo e aceitou condições rigorosas de austeridade em troca do resgate.

É improvável que Erdogan faça isso. Em um discurso incoerente aos apoiadores de hoje, ele disse que a Turquia estava explorando alternativas com a China, a Rússia e o Irã. No começo da semana, Erdogan disse que a Turquia iria emitir os chamados “panda bonds” no mercado chinês de moeda local.

Lira turca

Esse é apenas o prêmio inicial, a julgar pelos comentários do canal de televisão CGTN, em língua inglesa. A emissora chinesa citou o economista turco Emre Alkin: “A estabilidade para a lira turca virá da cooperação com países valiosos como a China. É impossível ao Banco Central fazer algo sozinho, são necessários recursos. Se esse recurso vier da China, então virá da China, mas o importante é fazer uso desse recurso. É claro que precisamos da sabedoria, das ideias e das sugestões de países como a China”.

A Turquia terá que vender alguns dos ativos mais importantes do Estado. Com a lira turca sendo negociada a 6,26 por dólar, todo o índice de ações de Istambul 100 vale apenas US $ 35 bilhões.

Se os investidores chineses comprassem todas as ações de todas as empresas do índice de ações, a Turquia aumentaria o câmbio suficiente para cobrir apenas sete meses do déficit em conta corrente. A Turquia terá que vender muito mais do que suas empresas de capital aberto para levantar o dinheiro necessário, e também terá que apertar o cinto drasticamente.

Mediterrâneo

Altay Atli, um economista turco e colaborador do diário especializado em economia Asia Times, disse à emissora de TV chinesa que a Turquia oferecerá à China mais parcerias em seus portos e outras infra-estruturas de transporte.

A companhia de navegação estatal chinesa COSCO Pacific já possui 65% do terceiro maior porto da Turquia. Atli disse: “Creio que a Turquia e a China também poderiam expandir suas parcerias nos outros portos da Turquia, no Mar Mediterrâneo, no Mar Egeu e no Mar Negro. E um movimento crítico não é apenas combinar essas portas com projetos ferroviários e estender as linhas, mas criar uma rede logística”.

A China tem a oportunidade de realizar a sinificação da Turquia a baixo custo. A maior empresa de equipamentos de telecomunicações da China, a Huawei, já está trabalhando na Internet 5G com a Turk Telecom, em acordo que abrange a computação em nuvem, a Internet das Coisas e – o mais importante – a segurança pública.

Satrapia

O Alibaba, a resposta da China à Amazon e ao Google, investiu no início deste ano na plataforma Trendyol, plataforma de e-commerce da Turquia. A combinação de banda larga móvel, logística ferroviária e marítima, e-commerce e e-finance absorverá a Turquia à economia chinesa.

Não muito tempo a partir de agora, os contêineres de peças chinesas chegarão por ferrovia em Anatólia para a montagem em produtos acabados para serem vendidos na Europa e no Oriente Médio. O presidente Erdogan será capaz de abanar o punho em Washington e falar de orgulho nacional turco, enquanto transforma seu país em satrapia da China.

David P. Goldman é economista norte-americano, jornalista, escritor e mantém uma coluna no jornal Asia Times.

Artigo publicado, originariamente, na edição do Asia Times de sexta-feira (10 de agosto).
Tradução: Cdb


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/crise-eua-china-comprar-turquia-baixa/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias