Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

O papel das esquerdas brasileiras nos 101 anos da Revolução Russa

7 de Novembro de 2018, 16:01 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 42 vezes

Como as causas mais profundas que a geraram continuam existindo, que são as contradições do capitalismo e suas guerras intermináveis, entendo que novas revoluções anticapitalistas devem acontecer, embora com formas radicalmente diferentes.

 

Por Val Carvalho – do Rio de Janeiro

 

Neste 7 de novembro de 2018, celebram-se os 101 anos da Revolução Socialista de Outubro. A data de 24 de Outubro do antigo calendário russo foi atualizada para a do calendário moderno.
Muito se tem falado das vitórias e fracassos dessa histórica Revolução.

Lenin, personagem central da História russa, deixa um legado para as esquerdas brasileirasLenin, personagem central da História russa, deixa um legado para as esquerdas brasileiras

Como as causas mais profundas que a geraram continuam existindo, que são as contradições do capitalismo e suas guerras intermináveis, entendo que novas revoluções anticapitalistas devem acontecer, embora com formas radicalmente diferentes, ainda não muito compreendidas pelas vanguardas socialistas.

Mas, sem dúvida, temos inúmeras lições que podem ser tiradas dessa grande Revolução, sobretudo da formidável direção política de seu maior líder, Lênin.

A estratégia leninista da revolução de Outubro, apresentada em 1917 nas suas famosas Teses de Abril, foi gestada ainda no calor da derrota da primeira revolução russa de 1907 e mais tarde, no tenebroso período da Primeira Guerra Mundial, que fragmentou a II Internacional Socialista.

Filosofia

Em seguida à derrota da Revolução de 1905 a reação dominou a Rússia, perseguindo todo o movimento socialista. É um período parecido com o que já vivemos desde o Golpe de 2016 e mais semelhante ainda com o que vamos entrar agora com a vitória do fascismo tupiniquim.

Naquela época Lênin priorizou duas linhas de ação: a de reorganizar o partido a partir das bases e a de estudar filosofia para combater toda sorte de confusão ideológica, de liquidacionismo partidário e sectarismo político que eram estimulados pela reação.

Como não foi possível em 1914 impedir a guerra nem mesmo votar contra as suas respectivas burguesias, os socialistas se dividiram e Lênin, refugiado na Suíça, voltou a estudar profundamente a filosofia, Hegel e a dialética para entender as contradições do capitalismo e da guerra.

Esquerda

Escreveu o livro “Imperialismo fase superior do Capitalismo” que lhe fez perceber que o sistema imperialista internacional sempre gera um elo mais fraco. No caso da guerra de 1914 esse elo mais fraco foi a Rússia, que não aguentou o esforço de guerra e gerou a primeira Revolução Democrático-Burguesa, que derrubou o czarismo. Vieram em seguida as Teses de Abril e, em Outubro (novembro), a vitória da Revolução Socialista.

Aprendemos com Lênin e as experiências da Revolução Russa que não há reação política e ideológica capaz de impedir a atuação de um partido revolucionário. Em nosso caso, da frente democrática e popular antifascista, construída tanto por partidos democráticos e de esquerda quanto por movimentos sociais e identitários.

Esse é um movimento muito amplo, plural, com vários centros, que, se agir unitariamente torna muito difícil para o governo fascista de Bolsonaro liquidá-lo por meio da repressão ou do estímulo à sua fragmentação política.

Val Carvalho é articulista do Correio do Brasil.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/papel-esquerdas-brasileiras-revolucao-russa/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias