Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Sony reforçará divisão de chips com novos engenheiros

21 de Fevereiro de 2019, 11:57 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 35 vezes

A Sony controla mais da metade do mercado de sensores de imagens para smartphones, e o setor de sensores foi o principal motor de uma recuperação do conglomerado que, em seu auge, liderou o mundo em aparelhos de consumo.

Por Redação, com Reuters – de Tóquio

A Sony disse nesta quinta-feira que irá designar 40 % de suas novas contratações de engenheiros no Japão dos próximos dois anos para a divisão de chips, que inclui sensores de imagem, para o crescimento de novas aplicações em tudo, desde carros a telefones.

A Sony disse nesta quinta-feira que irá designar 40 % de suas novas contratações de engenheiros no Japão

A alocação está alinhada com os planos da empresa de investir 600 bilhões de ienes (US$ 5,4 bilhões) em sensores de imagem nos três anos até março de 2021, ou metade dos gastos de capital planejados do grupo.

A Sony controla mais da metade do mercado de sensores de imagens para smartphones, e o setor de sensores foi o principal motor de uma recuperação do conglomerado que, em seu auge, liderou o mundo em aparelhos de consumo.

Os investidores estão procurando o próximo pilar de lucro, já que os negócios de jogos da Sony mostram sinais de desaceleração, com seu popular console PlayStation 4 chegando ao fim de seu ciclo de vida.

Mas a empresa cortou sua previsão de lucro anual para sensores de imagem este mês, para 130 bilhões de ienes, respondendo por apenas 15 % do lucro total do grupo, devido ao enfraquecimento da demanda global por smartphones.

A Sony planeja contratar 320 novos engenheiros anualmente no Japão neste ano e no próximo, acima dos 250 em 2018. Os números não incluem aqueles a serem contratados por unidades no exterior.

Os fabricantes de chips mantiveram seus planos de investimento de longo prazo enquanto buscavam novas tecnologias, como redes de comunicação de quinta geração (5G) e inteligência artificial para impulsionar o crescimento do setor.

Lucro da Lenovo

O Lenovo Group, maior fabricante de computadores pessoais do mundo, divulgou resultados trimestrais melhores do que o esperado e minimizou o impacto de uma feroz guerra comercial sino-americana.

A empresa, com sede dupla na China e nos Estados Unidos, está otimista com o crescimento da China e se concentrará no mercado premium, disse o presidente-executivo Yang Yuanqing à agência inglesa de notícias Reuters depois que a receita do quarto trimestre subiu para a máxima em quatro anos em uma demonstração de força em seus principais grupos de negócios.

– Definitivamente não queremos ver mais guerra comercial e tensão política. Se isso continuar, isso afetará a todos, não apenas a nós, a todas as multinacionais – disse Yang em uma entrevista nesta quinta-feira.

As ações da Lenovo subiram 11,4 % na manhã de quinta-feira, posicionando-se em seus melhores ganhos em um mesmo dia em quase 10 anos e adicionando cerca de US$ 1 bilhão ao valor de mercado.

Yang disse que a Lenovo está bem preparada para a volatilidade geopolítica e econômica, já que suas fábricas estão espalhadas pela China, Estados Unidos, Índia, Brasil, Japão e México, garantindo um fornecimento estável.

A Lenovo, que comprou os negócios de servidores e computadores pessoais da IBM, depende das Américas para 31 % de sua receita total, contra 26 %  da China.

O lucro líquido do trimestre foi de US$ 233 milhões, acima da média de 207 milhões de 10 estimativas de analistas compiladas pelo Refinitiv e acima de um prejuízo de 289 milhões no mesmo período do ano anterior, quando a Lenovo sofreu um impacto único devido às reformas fiscais dos Estados Unidos.

A Lenovo informou que sua participação no mercado global de PCs subiu para 24,6 %  e se expandiu em mercados de alta qualidade, como workstations, PCs finos e leves e PCs para jogos.

A receita total no trimestre aumentou 8,5 %, para US$ 14,04 bilhões, enquanto a de seu grupo de PCs e dispositivos inteligentes subiu 12 %, para um recorde de US$ 10,7 bilhões.

Yang disse que espera que o mercado de PCs se consolide ainda mais e que a Lenovo “aproveitaria oportunidades adequadas”.

Ele também disse que o grupo vê ainda mais potencial de crescimento no mercado de PCs da China, que ainda está atrasado em relação ao volume de vendas e receita da indústria norte-americana. “Isso não é condizente com nossa população”, disse Yang, referindo-se aos mercados de smartphones e automóveis da China, que são os maiores do mundo.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/sony-reforcara-divisao-chips-engenheiros/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias