Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

UE apela a países-membros para que ajam contra nova onda de covid-19

24 de Setembro de 2020, 10:52 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 15 vezes

Comissão Europeia afirma que epidemia está até pior em alguns lugares agora do que no pico de março e pede a governos que façam valer regras de higiene e distanciamento. Alemanha declara novas áreas de risco na UE.

Por Redação, com DW – de Genebra

A Comissão Europeia afirmou nesta quinta-feira que a situação da pandemia de coronavírus está pior hoje do que em março em alguns países-membros e apelou aos governos para que reforcem as regras de higiene e distanciamento social para tentar impedir uma nova onda de infecções.

Lisboa é uma das cidades para as quais o governo alemão desaconselha viagensLisboa é uma das cidades para as quais o governo alemão desaconselha viagens

– Em alguns Estados-membros, a situação está hoje até mesmo pior do que durante o pico, em março. Essa é uma causa real de preocupação – disse a comissária europeia de Saúde, Stella Kyriakides, em Bruxelas.

Ela disse ver riscos de uma epidemia dupla de covid-19 e gripe e apelou aos governos europeus para que encorajem as populações a tomarem vacinas contra a gripe e seguirem as regras de distanciamento social.

– Não podemos baixar a guarda. Essa crise ainda não acabou. Além disso, o inverno é a época do ano com mais doenças respiratórias, incluindo a gripe – alertou. Pesquisas mostram que uma pessoa com covid-19 e gripe tem duas vezes mais chances de morrer do que uma pessoa infectada apenas com covid-19.

– Todos os Estados-membros devem estar prontos para lançar medidas de controle rapidamente e no momento certo, logo ao primeiro sinal de potenciais novos surtos. Esta pode ser nossa última oportunidade de evitar uma repetição da primavera passada – alertou Kyriakides.

Infecções em alta em toda a UE

O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), uma agência de UE, afirmou que os casos de infecção pelo novo coronavírus aumentaram de forma sustentada em toda a União Europeia desde agosto, o que demonstra que as medidas tomadas nem sempre foram suficientes.

A Europa tem mais de 3 milhões de casos confirmados e 187 mil mortes, segundo o ECDC, e vários países começaram a impor novamente regras de distanciamento para tentar evitar um avanço descontrolado da epidemia.

A taxa de mortes não é tão alta hoje como no início da epidemia na Europa, mas o número de novas infecções está aumentando em várias regiões. Para Kyriakides, algumas regiões eliminaram suas restrições muito cedo.

Alemanha declara mais áreas de risco

Na Alemanha, o governo incluiu nesta quinta-feira regiões de 11 países europeus nas sua classificação de áreas de risco. Entre elas estão capitais, como Lisboa, Copenhague e Dublin, e regiões fronteiriças da República Tcheca e da Áustria.

Com isso, 14 dos demais 26 países da União Europeia têm áreas de risco, segundo a classificação da Alemanha. A Espanha é o único país europeu que tem todo o território considerado área de risco pela Alemanha.

Para essas regiões existe um alerta contra viagens por parte do Ministério do Exterior. Isso significa que o governo alemão desaconselha viagens para lá. Quem viajar assim mesmo deve fazer um teste de covid-19 no máximo 48 horas após o retorno e ficar em quarentena pelo menos até o resultado sair.

Áustria proíbe festas em resorts de esqui

A Áustria proibiu nesta quinta as festas em resorts de esqui, depois de vários países europeus terem desaconselhado viagens para Viena e para regiões alpinas do país.

Em março, festas no popular resort de Ischgl resultaram em centenas de infecções em toda a Europa porque turistas se contaminaram por lá e depois levaram o vírus para seus países.

Na Áustria, as infecções diárias subiram de cerca de 300, há um mês, para cerca de 800 nos últimos dias.

Bélgica relaxa uso de máscara

Já na Bélgica, um dos países europeus mais atingidos pela pandemia e onde o número de novos casos ainda está em alta, o governo anunciou na quarta-feira o relaxamento de algumas medidas a partir do mês que vem.

Assim, a população não será mais obrigada a usar máscara em locais públicos, exceto quando não for possível manter a distância mínima exigida. A quarentena obrigatória para pessoas com sintomas da covid-19 foi reduzida de 14 para sete dias caso haja um teste negativo para o vírus.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/apela-paises-membros-ajam-covid/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias