Ir para o conteúdo

Everton de Andrade

Voltar a Blog Ponto de Vista
Tela cheia

Reflexões natalinas de 2018

24 de Dezembro de 2018, 13:12 , por Everton de Andrade - | No one following this article yet.
Visualizado 51 vezes
Licenciado sob CC (by)

Nas datas festivas desse final de ano, em Curitiba, muitas famílias devem estar reunidas para celebrar os êxitos do ano corrente, comentar as perspectivas de sucesso para o futuro... Todavia, nessa mesma cidade, há famílias que perderam tudo o que tinham devido a um recente incêndio, supostamente motivado por vingança; foram cerca de trezentas casas atingidas pelo fogo.

O espírito cristão do Natal é um convite para se recordar que o “salvador do mundo” nasceu numa estrebaria. Mesmo na fase adulta, o “Messias” cultuado pelos cristãos recorrentemente fez um apelo à humildade, à simplicidade e à solidariedade.

Todavia, durante os últimos anos no Brasil, fiquei estarrecido com o comportamento de muita gente que se vangloria de estar vinculado às denominações religiosas e que, fora das igrejas, propagou as mais diversas mensagens de violência e intolerância.

Um dos casos foi o de um ex-coordenador de liturgia da comunidade católica em que frequentei há vinte anos; estivemos juntos até para organizar uma Missa de encerramento do ano litúrgico, parecia uma pessoa sensível e com percepção de realidade no trato com o público. Contudo, no julgamento de um habeas corpus nesse ano, ele se manifestou comemorando a possibilidade de um golpe militar no país. Talvez ele nunca ouviu falar sobre as sessões de tortura aos presos políticos do Regime Militar, o qual vigorou em terras brasileiras até meados da década de 1980...

Anteriormente, a esposa de um ex-Presidente ficou internada num dos hospitais brasileiros de referência na qualidade de atendimento. Num grupo de mensagens que reunia médicos, surgiram comentários recomendando alguns procedimentos para provocar a morte dessa paciente.

Novamente no sul do país, a caravana do mesmo ex-Presidente, que percorria as cidades para tentar expor outra versão dos fatos publicamente conhecidos, foi alvejada a tiros. Além disso, uma senadora gaúcha, profissional de comunicação, elogiou as agressões ocorridas no estado dela contra a referida caravana.

No dia em que esse mesmo líder político foi preso, foguetórios ocorreram em diversas localidades do país. Imagino que nenhum dos festejadores era cristão, pois o Mestre desse grupo religioso recomendou a misericórdia e até mesmo visitar na cadeia quem estiver detido.

Apesar das situações acima, a passagem do tempo em vida permite que as pessoas e as sociedades amadureçam. Francamente, nessa transição de ano, esse é o meu desejo aos brasileiros e, particularmente, aos sulistas, bem como aos médicos.

Do contrário, poderá acontecer aquilo que o repórter Philip Lichterbeck, da Deutsche Welle da Alemanha, mencionou numa publicação do final de novembro desse ano, sobre o possível destino dessa atual sociedade brasileira: para o nada. Para o esquecimento eterno, talvez o esquecimento similar ao dos apoiadores do regime nazista alemão.