Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Exemplo de Cidade do Ceará mostra que Canoas pode ter Passe Livre nos ônibus

15 de Abril de 2024, 10:47 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 30 vezes

Com 355 mil habitantes, Município de Caucaia no Ceará é quase igual ao tamanho de Canoas. Mas lá tem “Tarifa Zero” para todos os Usuários de ônibus. E isto é possível e necessário.

Provocado pela instigante reunião que participei a Convite do Flavio Paim, irmão do Senador Paulo Paim e onde foi levantada a questão do PASSE LIVRE com lideranças e trabalhadores da área, fui buscar mais dados sobre o tema. Hoje há 109 Cidades que tem Passe Livre ou “Tarifa Zero” no Brasil. em que mais de 5 milhões de usuários são beneficiados diariamente e a tendência é aumentar.

Mas busquei uma que fosse parecida com Canoas, pra Servir de exemplo. Caucaia no Ceará, é bem parecida em numero de habitantes e tamanho geográfico.

Em 2021 quando o Programa “Bora de Graça” foi implantado em Caucaia, o número de usuários do ônibus tinha caído para 35.284 passageiros, por causa do preço cada vez mais alto das passagens. Com a Tarifa Zero, em 2023 foram mais de 2 milhões de usuários no mesmo Sistema, que tem hoje 109 Ônibus.

A Cidade injeta mensalmente em torno de R$ 3,9 milhões no Sistema e o Pagamento para as empresas já não tem mais nada a ver com o número de passagens, mas com os Km rodados .

Em Canoas hoje, para manter o preço das passagens em R$ 4,80 , que é caro, a Prefeitura também injeta “subsídios” para a Empresa para cobrir a diferença entre o que o usuário paga e o que as empresas dizem que deveria ser o preço da passagem. Segundo nossa imprensa, em 2024, serão mais de R$ 1,4 milhão por mês da Prefeitura para as empresas. A Prefeitura paga as empresas mais 70 Centavos por Passagem, totalizando os R$ 5,50 que as empresas pediram.

Ou seja, neste sistema atual, as empresas ganham muito dinheiro, o usuário e a prefeitura gastam muito, e a qualidade do transporte público não melhora, com filas de espera em horas de pico, sem nem uma Integração com o Trem, o que dificulta também quem sai ou vem trabalhar todos os dias em Canoas.

Ora, por baixo, se a gente juntar o valor que é pago as empresas de ônibus em valor do Vale Transporte, pelas industrias e comércios que custeiam a passagem de seus trabalhadores, mais o valor do Subsídio da Prefeitura, uma boa parte do valor necessário para o custeio do transporte já estaria garantido.

Mas custa mais? Sim. Pode até ser, por que além do custeio, tem que pagar o lucro da empresa de ônibus, já que em Canoas a empresa de ônibus é privada.

Mas mesmo que o Subsídio tenha que ser um pouco maior, ainda assim é vantagem pra Cidade e para os cidadãos que pagam seus impostos aqui.

Se o Transporte Público, for bom, de qualidade, bem planejado, gratuito e integrado ao Trem, muito mais gente vai usar o ônibus, o dinheiro da passagem o canoense vai usar pra comprar coisas no Bairro e na cidade, menos carros vão circular, menos poluição vai ter e pra quem tem carro, vai poupar o dinheiro do Estacionamento.

Assim, Passe Livre ou Tarifa Zero, é um beneficio em que ganham todos: A Prefeitura, que bota o subsídio no ônibus, mas em troca vai gastar menos com organização e segurança no trânsito e ainda vai garantir mais dinheiro circulando nas comunidades, por que quem deixar de pagar passagem, vai comprar coisas com este dinheiro. E não vai ser em Miami como fazem os ricos. Vai ser no mercadinho do Bairro, na cidade. E além disto, com certeza vai diminuir o número de pessoas com problemas respiratórios e acidentes de trânsito, reduzindo o custo na área da saúde.

Pagar empresa de ônibus pelo número de passageiros transportados e passagens vendidas esta com os dias contados.

E no Caso da Região Metropolitana, é preciso incluir também a discussão da Integração Total do Sistema Público de Transporte, que funcionou em parte, mas que foi abandonado, prejudicando em muito os usuários dos dois modais.

Para não dizerem que é Utopia de gente de Esquerda, reproduzo a seguir matéria do Jornal ESTADÃO, que fala do tema com a mesma Convicção que milhares de Técnicos da área tem:

Tarifa zero como política (Se quiser ler na integra a matéria, É SÓ CLICAR NO TÍTULO)

Em Caucaia, no Estado do Ceará, a tarifa zero é uma realidade desde 2021. O programa ‘Bora de Graça’ foi lançado em setembro daquele ano, em meio ao auge da pandemia de Covid-19 e a consequente queda no uso dos transportes públicos.

Durante o primeiro ano de aplicação da tarifa zero, a quantidade de passageiros saltou de 35.284, em agosto de 2021, para mais de 2 milhões, em setembro do ano seguinte. Hoje, a frota do transporte público da cidade oferece 109 veículos. De acordo com a prefeitura, em 2021, eram 48 ônibus rodando pelo município.

O subsídio da prefeitura utiliza como base os quilômetros rodados pelos ônibus. Segundo o prefeito de Caucaia, Vitor Valim, são direcionados mensalmente cerca de R$ 3 milhões para o transporte público. “Essa política permite uma abrangência muito grande desse povo que passou a ter direito de circular”, afirma.

A iniciativa da cidade já se espalha pelo Estado. Atualmente, está tramitando na Assembleia Legislativa do Ceará o programa ‘VaiVem Livre’, que pretende dar gratuidade integral em viagens partindo das cidades metropolitanas para a capital, Fortaleza.

De acordo com o governo do Estado, o programa deverá ter subsídio do Estado do Ceará, com categorias específicas de usuários. Os detalhes sobre as categorias ainda não foram apresentados oficialmente.

Crise no transporte público

“O que mudou é que houve um agravamento da crise que afetou todo o sistema de transporte coletivo”, afirma Daniel Santini. De acordo com o pesquisador, essa crise é anterior à pandemia de covid-19, iniciada em 2020.

Somente em São Paulo, o serviço de transporte por ônibus perdeu 1 bilhão de passageiros entre 2013 e 2022, por exemplo. Os ônibus municipais, que transportavam cerca de 3 bilhões de usuários em 2013, passaram a transportar 2 bilhões, em 2022.

Com menos passageiros, as cidades passam a oferecer menos serviços de transporte público e por valores mais altos. “É um ciclo vicioso da tarifa e da redução de passageiros. Para poder se manter financeiramente, as empresas aumentam a tarifa, o que afasta ainda mais as pessoas que utilizam o transporte”, explica. E, com menos pessoas utilizando, mais caras as passagens ficam.

Outros fatores também diminuem o uso dos transportes coletivos, como a segurança e as alternativas privadas, como os aplicativos de viagem.


Fonte: https://luizmuller.com/2024/04/15/exemplo-de-cidade-do-ceara-mostra-que-canoas-pode-ter-passe-livre-nos-onibus/

Novidades