Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Israel é o maior exportador mundial de crimes cibernéticos

25 de Novembro de 2021, 11:06 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 15 vezes

Uma mulher verifica o site do spyware Pegasus fabricado em Israel em um escritório no Chipre capital Nicósia em 21 de julho de 2021 [Mario Goldman/ AFP via Getty Images]

Reblogado de Israel é o maior exportador mundial de crimes cibernéticos — Desacato

Na semana passada, fui acometido por covid-19 e forçado a tirar uma folga.

Fui atingido com força no final. Felizmente, não precisei ser hospitalizado. Recebi apoio dos médicos do NHS (Sistema Nacional de Saúde britânico, na sigla em inglês) por telefone. Muitas pessoas sofreram muito mais do que eu.

Ao registrar meu teste covid-19 positivo com o NHS, fui solicitado a registrar o resultado do teste com o aplicativo NHS covid-19. Eu instalei o aplicativo no meu telefone logo depois que ele foi disponibilizado no ano passado.

O aplicativo é capaz de rastrear meus movimentos usando a localização do meu telefone. Quando registrei o teste positivo, ele pediu minha permissão para compartilhar detalhes sobre meus movimentos nos dias anteriores – o período em que devo ter sido exposto ao coronavírus.

Isso é conhecido como rastreamento de contato digital.

O aplicativo afirmou que iria anonimamente compartilhar esses detalhes com o NHS. Outras pessoas com o aplicativo do NHS instalado, que estavam no mesmo local que eu durante o mesmo período, seriam informadas do fato de que podem ter sido expostas ao coronavírus, para que possam fazer o teste e para que as infecções possam ser reduzidas .

Embora alguns possam ver isso como uma invasão de privacidade, dei meu consentimento e não me importei em nada. O compartilhamento de dados do aplicativo é para fins de saúde pública e, em qualquer caso, os dados que compartilhei foram totalmente anônimos.

O resultado final é que eu não fiquei preocupado.

Os smartphones são dispositivos de espionagem impostos pelos monopólios do Vale do Silício, em qualquer caso. A coleta invasiva de dados (e venda de dados) por empresas como o Facebook é muito mais preocupante para mim.

Dados anônimos sobre meus movimentos sendo compartilhados anonimamente com o NHS com o propósito de conter a propagação de uma pandemia mortal são a menor das minhas preocupações.

Uma preocupação muito maior para mim são as armas cibernéticas agressivas, como as promovidas por firmas de ciber mercenários israelenses, como o grupo NSO..

A NSO, uma das maiores exportadoras israelenses de armamento cibernético, foi até mesmo colocada na lista negativa do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, o que significa que não tem mais permissão para comprar peças e componentes de empresas americanas, pelo menos não sem uma licença especial.

Isso se deve ao spyware do NSO, Pegasus, e ao seu direcionamento a políticos, jornalistas e defensores dos direitos humanos. Pegasus é capaz de sequestrar efetivamente o telefone de um alvo, roubando senhas, fotos, vídeos, mensagens de texto e até mesmo sendo capaz de ligar suas câmeras e microfones conforme necessário.

Spyware israelense Pegasus é utilizado para silenciar críticos? [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Em outras palavras, smartphones podem ser transformados em armas contra seus próprios usuários.

Este é mais um exemplo de Israel estabelecendo um padrão global de vigilância total.

Uma exposição recente deu um exemplo ainda mais perturbador disso: os sistemas “Wolf Pack” e “Blue Wolf”. Um denunciante, ex-soldado israelense, chamou-os de “violação total da privacidade de um povo inteiro”.

Wolf Pack é um vasto banco de dados que inclui “virtualmente perfis de todos os palestinos na Cisjordânia, incluindo fotos dos indivíduos, suas histórias de família, educação e uma classificação de segurança para cada pessoa.”

Blue Wolf é uma tecnologia de smartphone e sistema de reconhecimento facial mais amplo que faz a varredura dos rostos de todos os palestinos com quem entra em contato.

Na cidade palestina de Hebron, uma rede de câmeras CCTV “apelidadas de ‘Hebron Smart City’, fornece monitoramento em tempo real da população da cidade e, disse um ex-soldado, às vezes pode ver dentro de casas”.

Os prêmios foram distribuídos aos soldados israelenses que conseguiram tirar o maior número de fotos dos rostos dos palestinos – incluindo os de crianças.

Este é o início de um sistema opressor de vigilância total de todos os palestinos.

Da mesma forma que a NSO permitiu que Israel exportasse seu spyware Pegasus para outros regimes opressores como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, você pode apostar que há planos em andamento para exportar sistemas como “Wolf Pack” e “Blue Wolf” para o exterior.

Israel é uma bênção apenas para outros opressores.


Fonte: https://luizmuller.com/2021/11/25/israel-e-o-maior-exportador-mundial-de-crimes-ciberneticos/

Novidades