Ir para o conteúdo

Cúpula dos Povos

Voltar a Notícias da ONU
Tela cheia Sugerir um artigo

Banco Mundial: 25% dos universitários da América Latina e Caribe são de média e baixa renda

19 de Maio de 2017, 13:42 , por ONU Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 27 vezes
Estudante na Universidade Católica do Peru. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Estudante na Universidade Católica do Peru. Foto: Banco Mundial/Dominic Chavez

Em relatório divulgado na quarta-feira (17), o Banco Mundial revela que um quarto dos universitários da América Latina e do Caribe é de jovens de baixa e média renda. Número foi estimado a partir de dados de 2013 e representa um avanço na ampliação do acesso ao ensino superior — em 2000, as pessoas mais pobres representavam apenas 16% dos estudantes de universidades da região.

O levantamento aponta ainda que o número de universitários latino-americanos e caribenhos quase dobrou ao longo da década passada, atingindo a marca atual estimada em 20 milhões de universitários. O percentual de jovens entre 18 e 24 anos de idade matriculados no ensino superior aumentou de 21% em 2000 para 40% em 2010.

O Banco Mundial considera os dados particularmente importantes porque, na América Latina, um profissional com curso superior pode ganhar mais que dobro de um que tenha apenas o ensino médio.

Acesso não significa permanência

A má notícia é que apenas a metade dos universitários da região se forma. Entre os que abandonam os estudos, metade faz isso no primeiro ano do curso. Sobre as causas dos altos índices de desistência, o relatório aponta o despreparo acadêmico, devido em parte à baixa qualidade da educação média, e a falta de bons sistemas de financiamento para os estudantes de baixa renda.

O estudo ressalta ainda que a América Latina e o Caribe hoje contam com mais instituições privadas de ensino superior. Atualmente, elas formam 50% do mercado, contra 43% em 2000. Contudo, apenas dez dessas escolas estão entre as 500 melhores instituições de ensino superior do mundo, um número superior apenas ao da África.

Para melhorar esse quadro, o documento propõe melhorar a regulamentação e a supervisão dessas escolas. Além disso, recomenda a produção e a divulgação de dados sobre o desempenho das instituições e dos cursos, para que os alunos possam fazer escolhas bem informadas.

O banco Mundial também enfatiza que não basta formar bons profissionais — é preciso conectá-los ao mercado de trabalho e criar ambientes de negócios preparados para aproveitar o potencial desses trabalhadores.


Fonte: https://nacoesunidas.org/banco-mundial-25-dos-universitarios-da-america-latina-e-caribe-sao-de-media-e-baixa-renda/

Rio+20 ao vivo!