Ir para o conteúdo

TIE-Brasil

Voltar a TIE-Brasil
Tela cheia Sugerir um artigo

Para Entender o Xadrez da Economia

24 de Abril de 2013, 21:00 , por Castor Filho - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 256 vezes

Coluna Econômica - 25/04/2013

 

A economia assemelha-se a um jogo de xadrez. Há inúmeras peças no tabuleiro, com as posições de cada uma influenciando-se mutuamente. E vários objetivos simultâneos, que podem ser conflitantes entre si. O desafio do jogo é atender a todos os objetivos sem comprometer o equilíbrio geral.


É objetivo finalístico o atendimento do bem estar da população do país, garantindo emprego, renda e serviços públicos de qualidade.


Esse objetivo precisa ser alcançado criando-se um mercado interno robusto, com estabilidade de preços e equilíbrio nas contas externas.


***


Em uma economia aberta, a produção interna disputa dois mercados - o interno e o externo - com os concorrentes internacionais.


O processo virtuoso de crescimento completa-se assim: cria-se um mercado interno robusto; que absorve uma produção interna robusta e competitiva; que gera mais emprego e mais renda, que ajuda a aumentar o mercado interno; que produz ganhos de escala permitindo alcançar outros mercados.


***


A roda começa a pegar quando a produção interna não é competitiva em relação à externa - o que ocorre agora.


Aí, o processo degenera.


Primeiro, a queda da competitividade interna provoca a perda de mercados externos. Depois, a batalha é internalizada, e as empresas nacionais passam a lutar com as estrangeiras pelo próprio mercado interno de consumo.


***


Para atender ao aumento da demanda, recorre-se cada vez mais aos importados.


Quanto mais importação, mais déficit externo e mais vulneráveis ficam as contas externas.


Quando se entra nessa dinâmica de déficits crescentes - quadro atual - há duas maneiras de resolver o pepino. A maneira usual é através do Senhor Crise.


Quando os investidores percebem que a situação está ficando insustentável, saem correndo. Há um estouro da boiada que desvaloriza o câmbio até mais do que o necessário e reequilibra a balança comercial.


***


O segundo governo FHC praticamente acabou no primeiro mês, com a desvalorização cambial - fruto da política de empurrar com a barriga o déficit externo.


Em 2008, o segundo governo Lula caminhava para desastre semelhante. Foi salvo pela grande crise internacional, que desvalorizou o câmbio e obrigou a um conjunto de ações de emergência da Fazenda.


***


Agora, já se entrou novamente nessa dinâmica. A acumulação de reservas cambiais por parte do Banco Central, que permitirá financiar os déficits por algum tempo. A cada semana o governo anuncia pacotes de subsídios, desonerações, incentivos financeiros para melhorar a competitividade da produção interna.


Todas essas ferramentas são gambiarras, e visam adiar a solução de um problema básico, que não foi enfrentado por nenhum governo desde os anos 80: o desequilíbrio do câmbio, que tornam os preços internos muito superiores aos internacionais.


***


A maneira não traumática de resolver a questão é proceder a uma desvalorização cambial controlada do real; e, depois, ter sangue frio para atravessar um período de turbulências inflacionárias até a economia se estabilizar em outro patamar.

Não será nem neste ano, nem no próximo, devido ao fator eleições.


Provavelmente será no primeiro ou segundo ano do próximo governo.

 

Email: luisnassif@ig.com.br

Blog: www.luisnassif.com.br


"Todos os direitos reservados, sendo proibida a reprodução total ou parcial por meio impresso"

Visite o BLOG e confira outras crônicas


Fonte: Castor Filho

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar