Ir para o conteúdo

Blog do Arretadinho

Tela cheia Sugerir um artigo

Postagens

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by-nc-sa)

Candidata à Distrital é vaiada no Gama

21 de Setembro de 2018, 10:18, por Blog do Arretadinho

A ex-administradora do Gama e candidata à deputada distrital pelo Solidariedade, Maria Antônia, foi vaiada  em uma pizzaria da cidade enquanto discursava no intervalo de um evento de MMA que acontecia no local.

Confira:

https://youtu.be/5WwjkJ3MRsw



Semana EJA de Educação Para a Vida -CEF 3 Gama

21 de Setembro de 2018, 10:06, por Blog do Arretadinho

Foto Joaquim Dantas/Blog do Arretadinho
Atividade cultural realizada na noite de quinta-feira, 03/09/2018, no auditório da escola
Joaquim Dantas Fotografia® @joaquimdantasdf

Confira todas as fotos AQUI



Proposta de Bolsonaro fez 90% dos aposentados chilenos receberem só meio salário mínimo

20 de Setembro de 2018, 13:50, por Blog do Arretadinho

“A implantação do modelo chileno de previdência no Brasil completaria o suicídio econômico e social em curso” diz o economista Eduard
o Fagnani 

Acabar com o sistema público de aposentadoria no país é a proposta do candidato do PSL, Jair Bolsonaro, conforme declarado por seu ‘mentor’ da área econômica, Paulo Guedes. O plano de Guedes é eliminar a contribuição patronal para a previdência e capitalizar a aposentadoria. Esta é uma proposta comprovadamente nociva à população, como bem exemplifica o caso chileno. Outra proposta defendida pelo economista é a faixa única de imposto de renda, que triplica impostos para os mais pobres.

O sistema previdenciário sugerido pela equipe econômica de Bolsonaro é igual ao implantando no Chile no início da década de 80, em que cada trabalhador deposita cerca de 10% do seu salário em uma conta individual, gerida por empresas privadas que cobram altas taxas de administração. Nesse sistema, não há contribuições dos empregadores ou do Estado. Cinco empresas financeiras privadas administram esses fundos de pensão: elas têm patrimônio equivalente a 70% do PIB chileno, segundo dados da OCDE.

“A implantação do modelo chileno no Brasil completaria o suicídio econômico e social em curso, uma vez que a Previdência Social é um dos principais sistemas de distribuição de renda no nosso país”, afirma o economista e professor da Unicamp Eduardo Fagnani.

Fagnani argumenta que, hoje no Brasil, são 30 milhões de beneficiários da Previdência Social, sendo que 70% desse montante recebem apenas um salário mínimo. “É um importante mecanismo de proteção social e que contribui para a queda da desigualdade social”, diz o economista, que explica, também, que o sistema chileno beneficia somente os fundos de pensão privada.

Idosos vivendo à míngua no Chile

Passadas três décadas, o resultado é que apenas metade dos trabalhadores chilenos possuem aposentadoria que, em quase 90% dos casos, correspondem a valores equivalentes ou inferiores a cerca de meio salário mínimo , o que torna-se uma situação insustentável para os idosos. Isso porque a grande maioria dos trabalhadores, que sempre ganhou salários baixos ou passou grandes períodos desempregada, não conseguiu fazer uma poupança com recursos suficientes para garantir os gastos de todos os anos de sua velhice. Hoje, o Chile tem uma massa de idosos vivendo à míngua, perambulando pelas ruas, procurando bicos para sobreviver ou sobrevivendo de caridade.

No Brasil, a exemplo, da grande maioria dos países, a previdência é baseada no princípio de solidariedade – quem trabalha hoje paga a aposentadoria dos mais idosos – e é financiada pelo Estado, pelos empregadores e pelos trabalhadores. Os trabalhadores de carteira assinada colaboram com um fundo público, que também recolhe contribuição patronal, e que depois garante a aposentadoria, pensão e auxílio a seus cidadãos. Acabar com isso é uma temeridade que coloca em risco social milhões de idosos, sem recursos suficientes até mesmo para comer.

Haddad vai promover o equilíbrio e justiça previdenciária

Em seu plano de governo, Fernando Haddad afirma que tem compromisso primordial para assegurar a sustentabilidade econômica do sistema previdenciário é manter sua integração, como definida na Constituição Federal, com a Seguridade Social.

Dessa forma, Haddad rejeita os postulados das reformas neoliberais da Previdência Social, em que a garantia dos direitos das futuras gerações é apresentada como um interesse oposto aos direitos da classe trabalhadora e do povo mais pobre no momento presente. Para ele, é possível estabelecer o equilíbrio das contas da Previdência a partir da retomada da criação de empregos, da formalização de todas as atividades econômicas e da ampliação da capacidade de arrecadação, assim como do combate à sonegação.

fonte lula.com.br



Hoje tem Bandeiraço no Gama

20 de Setembro de 2018, 13:16, por Blog do Arretadinho

Camarada bom dia! Hoje (20/09) faremos o nosso tradicional Bandeiraço, na entrada do Gama, a partir das 18h. O nosso candidato ao Senado, o camarada Wasny de Roure (131) estará presente bandeirando conosco. Estamos nas últimas semanas antes das eleições, precisamos intensificar nossa presença nas ruas da cidade, para isso, é importante tua participação e o empenho em mobilizar mais pessoas. Por isso, traga tua bandeira e participe. 

A LUTA CONTINUA!

Cleber Soares 
presidente do PT / Gama



Datafolha vira “malabarismo estatístico” no Jornal da Globo

20 de Setembro de 2018, 10:35, por Blog do Arretadinho

POR FERNANDO BRITO NO TIJOLAÇO

A pesquisa Datafolha – cujo horário de divulgação na Globo, de madrugada, foi, digamos, “original” – teve seus dados seguidos  de uma “explicação”  estatística também muito original, lida por Renata Lo Prete. 

O vídeo está lá, mas vou transcrever a fala, para você entender bem como se torce as coisas com palavras.

Disse ela que “a principal diferença entre este Datafolha e o Ibope que nós mostramos ontem é a distância entre Haddad e Ciro, mais estreita na pesquisa de hoje” , seguida de uma penca de ressalvas sobre  data do “campo” e metodologia. Mas, afirma ela, “vale a pena observar”. “Na de ontem, Haddad, já aparecia isolado em segundo lugar; na de hoje, Ciro Gomes aparece em empate com ele”.

Vejam que maravilha: usando-se a diferença de um dia entre pesquisas, sugere-se que o candidato que cresceu – segundo o próprio levantamento, 0,5% ao dia em seis dias e saiu de um empate numérico com outro (que não cresceu absolutamente nada) para uma vantagem de 3 pontos foi, pela narrativa, “alcançado” em 24 horas pelo que ficou parado ao longo de três pesquisas!

Quem gosta de matemática pode aproveitar para ler a história de um dos paradoxos de Zenão de Eléia, que “demonstrava” que Aquiles, o mais rápido corredor da Grécia, por mais que corresse não ultrapassava uma tartaruga.

Para quem andava com saudades de manipulação política usando pesquisas,  foi um prato cheio. Nenhum texto poderia ser mais adequado a quem estivesse interessado em apregoar o “voto útil” como discurso para desestimular o voto em Fernando Haddad do que as frases finais: ” com um dado adicional, animador para o Ciro. Ele está aparecendo à frente de Jair Bolsonaro na simulação de 2° turno, fora da margem de erro; ele é o único que está nesta situação no momento”…

Uau! Que inveja eu tenho dos tempos em que estava no PDT e a gente não ganhava um texto tão carinhoso assim com o Brizola…

Exceto por migalhas – e como as margens de erro se prestam a ser isso – o resultado da pesquisa não tem nenhuma diferença com o Ibope. Os 16 pontos do Datafolha e os 19 do Ibope, com as respectivas margens, são iguais. Os pontos de Bolsonaro são iguais. Os de Ciro – 11% no Ibope e 13% no Datafolha – idem, idem.

O fato estatístico é que Haddad tem uma tendência forte de alta (lembre-se, são seis dias de intervalo entre pesquisas iguais) e Ciro mostram há três rodadas, uma completa estagnação. No mesmo período, o candidato do PT avançou 10 pontos, mesmo na pesquisa que lhe é mais avara. As duas outras pesquisas presenciais (não-telefônicas), MDA e Ibope,  colocam Haddad já descolado, estatisticamente, de Ciro.

Sugere-se, para a Globo, a eliminação dos gráficos, para que os espectadores não vejam que um sobe e o outro fica parado.

E aos eleitores, que fiquem alerta com a estatística verbal que a emissora apresenta. para não acreditar  na “subida do que está parado” e na “queda do que subiu”.