Líderes indígenas poderão ter nomes no Livro dos Heróis da Pátria. Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Líderes indígenas estão mais próximos de serem reconhecidos como heróis nacionais e terem seus nomes inscritos no Livro dos Heróis da Pátria. Na tarde desta quarta-feira (11), os parlamentares da Comissão de Cultura aprovaram parecer do deputado Stepan Nercessian (PPS/RJ) que aprova, com emendas, o PL 3.716/2012, que inscreve os nomes dos chefes Tupiniquim Tibiriçá, Temiminó Araribóia e Potiguar Poti no Livro de Aço.

A emenda do deputado Stepan retira o nome do chefe Potiguar Poti, pois o líder indígena já é um dos homenageados no livro, com seu nome cristão: Antônio Filipe Camarão.

O Livro dos Heróis da Pátria, guardado no Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, na Praça dos Três Poderes, em Brasília traz os nomes de personalidades que se destacaram na defesa do País e para que seus nomes sejam inscritos nas páginas de aço é preciso passar por aprovação de deputados e senadores. 

De acordo com o deputado Stepan Nercessian, a homenagem aos líderes indígenas é uma forma de reescrever a história do País, resgatando entre seus símbolos personalidades que “lutaram pela sobrevivência de seu povo e, nessa luta, contribuíram inquestionavelmente para a construção da nação brasileira”.

“Os homenageados são líderes indígenas que, no conturbado período do início da colonização, nos séculos XVI e XVII, colaboraram com os portugueses na defesa do território nacional. O Chefe Tupiniquim Tibiriçá – cujo nome significa “vigilante da terra” – foi um dos responsáveis pela fundação da Vila de São Paulo dos Campos de Piratininga, embrião da atual cidade de São Paulo. Já o Chefe Temiminó Araribóia, é considerado o fundador da cidade de Niterói, no estado do Rio de Janeiro e enfrentou grandes batalhas. Potiguar Poti também contribuiu para expulsão de invasores da costa brasileira, mas seu reconhecimento já ocorreu em 2012, na Lei nº 12.701”, descreveu o parlamentar em seu relatório.

Aprovada na Comissão de Cultura, a matéria segue agora para apreciação na Comissão de Constituição, Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara.

Confira as demais deliberações da reunião ordinária da Comissão.