Ir para o conteúdo

Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Cineasta defende empreendedorismo social como ferramenta de transformação

6 de Novembro de 2013, 9:53 , por Imprensa Comissão de Cultura - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 189 vezes
Licenciado sob CC (by-nc-sa)

Comissão debate empreendedorismo social. Foto: CCULT

Empreendedor social é aquele que aponta tendências e traz soluções inovadoras para problemas sociais e ambientais. Por meio da sua atuação acelera o processo de mudanças e inspira outros atores a se engajarem em torno de uma causa comum. Dezoito experiências deste tipo foram reunidas pela cineasta Mara Mourão no filme Quem se importa? – tema de debate da audiência pública conjunta das comissões de Cultura e de Educação, realizada nesta terça-feira (5) na Câmara dos Deputados. 

A ideia do debate proposto pelo deputado Jean Wyllys (Psol/RJ) era aproximar essa experiência do Parlamento e do Executivo para iniciar uma discussão sobre formas possíveis de se levar essa cultura do empreendedorismo social para dentro das escolas públicas.

“Acho importantíssimo que a gente possa fazer com que nossos jovens, nossas crianças, através da nossa cultura e educação possam perceber o mundo e quererem transformá-lo. Escolas com mais cultura, com mais participação, debate, democracia forma jovens mais conscientes, jovens transformadores”, destacou Juana Nunes, diretora de Educação e Comunicação para a Cultura do Ministério da Cultura.

Quem se importa? é uma aula de empreendedorismo social. São 18 depoimentos de empreendedores sociais de sete países - Brasil, Peru, Estados Unidos, Canadá, Tanzânia, Suíça e Alemanha - que fizeram diferença em suas comunidades por meio de ações pontuais. O filme traz desde o caso de um monge que treina ratos na Tanzânia para achar minas terrestres e identificar o bacilo da tuberculose até o economista Muhammad Yunus, criador do microcrédito e ganhador do Nobel da Paz, em 2006. Yunus conta que conseguiu livrar parte da população de Bangladesh da miséria e dos agiotas, que cobravam juros diários para empréstimos de 0,25 centavos. O Grameen Bank (banco da aldeia, em tradução livre) hoje tem filiais em 44 países, incluindo o Brasil.

O Brasil, aliás, tem seis representantes no filme – muitos atuando na área da saúde, mas também ambiental e até financeira, como Joaquim Melo, que criou uma moeda alternativa no bairro Palmeira, em Fortaleza (CE), para ajudar a população local a manter uma renda circulando no comércio local e dar uma guinada na vida no bairro que começava a ser urbanizado. O Banco Palmas implementa programas e projetos de trabalho e geração de renda utilizando sistemas econômicos solidários, com o intuito de superar a pobreza e ajuda mais de 32 mil pessoas.  

Para o deputado Jean Wyllys, essas iniciativas populares precisam ser levadas em conta. “Nem tudo pode ser solucionado pelo governo e pelas políticas públicas. Unir essa iniciativa da Mara, que é uma cineasta sensível a esses temas, com gestores públicos da educação e da cultura pode resultar em boas políticas públicas e boas iniciativas”, afirmou o parlamentar que conheceu o trabalho de Mara no TEDx Ribeirão Preto, onde os dois foram palestraram sobre o tema “Como a comunidade pode mudar a humanidade”.

O debate foi mais uma iniciativa da Subcomissão Especial destinada a tratar os assuntos afetos à Cultura, Direitos Humanos e Minorias – extinta no dia 16 de outubro pelo presidente da Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB/RN), após acolher uma Questão de Ordem da bancada evangélica que dizia que a subcomissão tratava de um assunto de competência de uma comissão permanente da Casa.

“Essa é mais uma prova de que há, sim, uma ponte entre cultura, direitos humanos e minorias. Nós temos um produto da cultura, que é este filme da Mara, que traz 18 histórias de vida de empreendedores sociais, e que trabalha temas que diz respeito às minorias e à defesa dos direitos humanos. Portanto, é um aspecto da cultura, não só entendida como arte e espetáculo, mas como modo integral de vida, que afeta as minorias e que defende os direitos humanos”, destacou Jean Wyllys.

Para o deputado professor Sérgio de Oliveira (PSC/PR) a audiência foi uma lição de vida. “São 18 exemplos de pessoas que passaram a não pensar só em si, ganhar dinheiro, mas passaram a pensar no mundo e transformar a vida das outras pessoas.” 

Sensibilizar para o tema e ampliar o debate eram os objetivos da cineasta Mara Mourão. Para ela, iniciar essa aproximação com o Parlamento e com o Executivo é uma possibilidade real de levar o empreendedorismo social às escolas. “Se 3% das crianças fossem educadas para serem transformadoras, a gente mudava o mundo em pouco tempo. Empreendedorismo social não se aprende nos livros. É que nem andar de bicicleta: tem que fazer pra aprender. Tem que treinar, montar grandes times, transmitir credibilidade e sentir na pele a felicidade de causar transformação positiva ao seu redor. Isso contamina o jovem, pois ele se empodera, descobre que pode realmente atuar e isso fica como um valor pro resto da vida”, pontuou. 

Para dar sequência ao debate, Juana Nunes se propôs a articular um encontro entre os ministérios da Cultura e da Educação com a cineasta e o deputado Jean Wyllys para viabilizar a exibição do filme nas escolas públicas do País – iniciando, assim, esse debate na esfera pública. 


Tags deste artigo: empreendedorismo social comissão de cultura da câmara dos deputados jean wyllys mara mourão professor sérgio de oliveira juana nunes

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    Minha rede

    Nenhum artigo selecionado ainda.