Ir para o conteúdo

Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Entidades apontam demandas para reforma da Lei de Direitos Autorais

25 de Setembro de 2013, 13:11 , por Imprensa Comissão de Cultura - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 118 vezes
Licenciado sob CC (by-nc-sa)

Comissão de Cultura inicia debates sobre direito autoral. Foto: Antônio Araújo/Câmara dos Deputados

Artistas, parlamentares, músicos e representantes de editoras, cineclubes, bibliotecas e radiodifusores debateram nesta terça-feira (24) a reforma da Lei de Direitos Autorais. O encontro foi promovido com o objetivo de iniciar as discussões e reunir as demandas dos setores interessados nos projetos que hoje tramitam na Comissão de Cultura, bem como para a ampla proposta de modernização da lei que está a caminho do Congresso. Outras duas audiências sobre o tema ainda acontecerão no dia 8 de outubro, às 10h e às 14h30, com outros setores.  

“Estamos aguardando o governo enviar sua proposta, mas iniciamos com essas audiências as consultas para reunir as demandas dos setores interessados em subsidiar a relatoria do projeto. Nossa perspectiva é poder votar a matéria em novembro na Comissão”, explicou a deputada Jandira Feghali (PCdoB/RJ), presidente da Comissão de Cultura.

Desde a gestão de Gilberto Gil no Ministério da Cultura que se discute a reforma da Lei de Direitos Autorais. A atual legislação é da década de 1990 e não atende aos avanços tecnológicos dos últimos 15 anos. Em discurso no Plenário (19), Jandira pontuou a questão: “Hoje se alguém fizer upload ou download de música inteira já está na ilegalidade, ou seja, o Brasil está ilegal pela lei de 1998. Espero que de fato nós consigamos produzir uma lei justa, democrática e contemporânea”. 

O maestro Tim Rescala, representante do Sindicato dos Músicos Profissionais do Estado do Rio de Janeiro (SindMusi) e da Associação Brasileira de Compositores de Música para o Audiovisual (Musimagem Brasil), trouxe o ponto de vista dos músicos para o debate. Questões contratuais e a regulação da internet foram algumas demandas trazidas para incorporação na nova lei. Para Tim, o texto deve dar efetividade à coautoria na obra audiovisual e caráter temporário às licenças, sejam elas remuneradas ou não.

 

Rosemary, Ivan Lins, Sandra de Sá e Thomas Roth compareceram ao debate. Foto: Mídia Ninja

Bianca Amaro, coordenadora dos serviços de acesso aberto à informação científica do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), falou dos problemas causados pela lei às bibliotecas. Segundo ela, de acordo com a lei em vigor, as bibliotecas são impedidas de cumprir sua missão como difusoras do conhecimento, pois não podem, por exemplo, sequer emprestar livros sem infringir a Lei dos Direitos Autorais. “A lei vigente não permite empréstimo, comutação, digitalização nem cópia de segurança ou para preservação. O setor de pesquisa e desenvolvimento científico também é prejudicado pela lei vigente.” Para Bianca, é preciso viabilizar o uso privado para fins educacionais, a reprodução para fins de preservação e conservação e várias outras hipóteses hoje ignoradas. Ela destacou que o trabalho dos investidores é relevante, mas é preciso rever seus modelos de negócios. 

Para Karine Pansa, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL), os pontos que mais preocupam o setor editorial são as limitações aos direitos do autor e as notificações para a retirada de conteúdo. “Conhecimento e produção cultural não se produzem espontaneamente. É preciso bom senso para tratar deste assunto”, disse.

A radiodifusão também compareceu ao debate. De acordo com o diretor-geral da Associação Brasileira de Empresas de Rádio e Televisão (Abert), Luís Roberto Antonik, o setor, que já teve parte de suas demandas atendidas pela recente Lei da Gestão Coletiva (12.853/2013), preocupa-se bastante com a questão da internet – tema que, para ele, “não pode ser deixado de lado quando se fala em reforma do direito autoral”. 

O mundo dos cineclubes também trouxe suas demandas. Gleciara Ramos, secretária-geral do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros, falou das dificuldades colocadas pelo atual marco legislativo dos direitos autorais para o desenvolvimento da atividade cineclubística no Brasil. Citou o caso de um cineclube capixaba que foi invadido pela polícia e teve a exibição do filme interrompida. “A lei é vaga em relação ao audiovisual”, pontuou.

Vários parlamentares trouxeram contribuições. O deputado Stepan Nercessian (PPS/RJ), por exemplo, lembrou a necessidade de criar um espaço legal até mesmo para quem não queira receber valores a título de direitos autorais. Ao fim, o deputado José Stédile (PSB/RS), vice-presidente da Comissão de Cultura, afirmou que o debate ajudará o colegiado a aprofundar as discussões sobre o tema e propor uma versão atual para o novo texto. A expectativa é que até o outubro o governo encaminhe sua proposta para a análise do Congresso. 


Tags deste artigo: gleciara ramos tim rescala luis roberto antonik bianca amaro karine pansa direito autoral comissão de cultura jandira feghali stepan nercessian josé stédile reforma da lei de direitos autorais audiência pública

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    Minha rede

    Nenhum artigo selecionado ainda.