Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Blog
Tela cheia

O amanhecer...o amanhecer...o amanhecer...

20 de Setembro de 2011, 21:00 , por Desconhecido - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 68 vezes
Naqueles tempos PENSAR politica era correr risco de prisão, tortura e de morte !!! Hoje não, qualquer um pensa da forma que quiser e pode inclusive escrever as besteiras que quiser torturando somente a paciência e a inteligência de quem os lê. DEFENDER HOJE A DITADURA MILITAR E ASSASSINA QUE OCORREU NO BRASIL É PASSAR ATESTADO DE ESTUPIDEZ COMPULSIVA !!! É miséria cerebral. É relincho de "acabrestados" direitistas delirantes. Carecem de clínicas especializadas em tratamentos para dementes ou desajustados ao tempo e ao espaço. 
Na época da Campanha pelas Diretas eu não morava em São Paulo. Morava em Porto Alegre-RS para onde fui em 1982 trabalhar no recém criado Polo Petroquímico de Triunfo. Eu trabalhava em horários de revezamento de turnos. Os grandes comícios por Diretas-Já percorriam o Brasil e aconteciam dois ou tres semanalmente em cada capital e nas maiores cidades do país. Não havia internet, nem twitter ou outra qualquer rede social. A imprensa era criminosamente omissa e fazendo-se justiça APENAS O JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO  divulgava o que acontecia no país naqueles dias históricos As convocações para os atos e comícios eram feitas de boca em boca ou por panfletagens nas ruas nos dias marcados para cada um deles. No comício de Porto Alegre realizado no Parque Marinha do Brasil ao lado do Beira-Rio eu não pude ir devido que entraria no trabalho às 23:00 h e de Porto Alegre até Triunfo a viagem era de 1 hora e meia pela Rodovia Tabaí-Canoas daí que só pude contribuir com a minha presença e cumprir com a minha parte durante toda a tarde distribuindo panfletos e convocando a população na Rua dos Andradas ( Rua da Praia como é mais conhecida ) no centro de Porto Alegre para que TODOS fossem ao comício. Nem carros de som existiam mesmo que fossem permitidos !!! 
Estava lá cumprindo essa minha tarefa cívica com vários outros companheiros quando de mim se aproximou um rapaz já com aparentemente uns 40 anos de idade, de cabelos encaracolados, jeans surrado, poncho e botas. Me pediu parte dos meus panfletos para ajudar a distribuir. Imbuído e concentrado no que fazia nem me dei conta de reconhecer de quem se tratava, para mim era apenas mais um dos que doavam parte do seu tempo para tão nobre tarefa e exercício pleno de cidadania. Percebi que muitos transeuntes o cercavam e o abraçavam mas mesmo assim ainda não sabia da razão. Só quando chegamos na esquina da Borges de Medeiros é que finalmente me disseram quem era o meu parceiro de panfletagens. 
- Enio !!! Tu caminhastes o tempo todo do lado desse cara e nem te tocou de quem ele é ??? 
Como eu poderia ser assim tão distraído e idiota ao mesmo tempo ??? Bem... eu estava mesmo era concentrado em conversar e incentivar as pessoas para o comício e talvez seja essa a minha única possibilidade de perdão. É claro que eu o conhecia por fotos e pela TV,  
ERA O TAIGUARA !!! 
Naquela tarde memorável que antecedeu o comício pelas Diretas-Já em Porto Alegre, a VIDA me deu a oportunidade de VER uma das cenas mais singelas, tocantes e emocionantes de todo aquele movimento que exigia a volta da democracia no Brasil. O Taiguara havia regressado recentemente ao nosso país depois de um longo período de exílio provocado pelo ódio dos militares assassinos daqueles anos de chumbo. Soube depois por ele próprio de que estivera fora do Brasil por dois períodos, num primeiro percorrendo toda a America Latina, da Patagônia ao Caribe fazendo shows, e no segundo estivera na Europa estudando musica e trabalhando, morou também na Etiópia e o melhor de tudo...me contou que se alistara no exercito popular da Tanzânia para lutar pela liberdade daquele pequeno país do leste africano. 
SE ALISTOU VOLUNTARIAMENTE COMO SOLDADO !!! 
A cena que vi e que me emociona até hoje foi vê-lo subir em um pequeno caixote de madeira na esquina mais movimentada de Porto Alegre e cantar à capela duas canções acompanhado apenas pelo silêncio "ensurdecedor" da multidão que se formou ali 
A primeira canção era a sua "Que as Crianças Cantem Livres" cujo final da letra é :


 .... E que as crianças cantem livres sobre os muros 
E ensinem sonho ao que não pode amar sem dor 
E que o passado abra os presentes pro futuro 
Que não dormiu e preparou o amanhecer... o amanhecer... o amanhecer... 


A outra canção foi o Hino à República que ele cantou inteirinho e que diz assim: 

...Do Ipiranga é preciso que o brado 
Seja um grito soberbo de fé 
O Brasil já surgiu libertado 
Sobre as púrpuras régias de pé 
Eia, pois, brasileiros, avante 
Verdes louros colhamos louçãos 
Seja o nosso país triunfante, 
Livre terra de livres irmãos !!! 
Liberdade !!! Liberdade !!! 
Abre as asas sobre nós 
Das lutas na tempestade 
Dá que ouçamos tua voz !!!... 

 Só de lembrar isso tudo me arrepio até a alma, fico comovido e choro aqui feito uma criança banhando de lágrimas o teclado do meu lap-top 
Eu não tenho mais nada pra escrever 

Quando nos faltavam palavras, buscávamos os poetas....
Era assim que marchávamos:






Fonte: http://optremdastreze.blogspot.com/2011/09/o-amanhecero-amanhecero-amanhecer.html

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.