Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Bolsonaro e Guedes trouxeram a Fome de volta a mesa do Brasileiro

16 de Outubro de 2020, 15:57 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 16 vezes

Volta da fome impede Brasil de comemorar o Dia Mundial da Alimentação, lamentam petistas

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara afirmaram que o Brasil nada tem a festejar no Dia Mundial da Alimentação, comemorado nesta sexta-feira, 16 de Outubro. Eles lembraram que o Brasil já está voltando ao Mapa da Fome, fato explícito constatado no campo e na cidade em várias regiões do País e reconhecido até pelo economista Daniel Balaban, chefe do escritório brasileiro do Programa Mundial de Alimentos da ONU. Segundo os petistas, essa é umas das principais consequências do golpe de 2016, e agravadas pelo governo ultraliberal de Jair Bolsonaro, que reduziu ou aniquilou políticas sociais de segurança alimentar e combate à fome implementadas no Brasil durante os 13 anos dos governos petistas de Lula e Dilma.

Pelo Twitter, o líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PT-PR), lamentou o atual cenário enfrentado pelo País. “No Dia Mundial da Alimentação, o Brasil só tem a lamentar. Bolsonaro reconduz o País ao Mapa da Fome, de onde saiu, em 2014. Seu governo desmonta as políticas de segurança alimentar e reduz o auxílio emergencial. Já são 85 milhões de brasileiros sob insegurança alimentar”, disse.

Para o Presidente da Frente Parlamentar de Segurança Alimentar e Nutricional da Câmara, deputado Padre João (PT-MG), o crescimento da fome no País está totalmente ligado à insensibilidade social e ao projeto ultraliberal do governo Bolsonaro.

“A fome voltou a assombrar o Brasil. Segundo o IBGE, a subalimentação cresceu 43,7% nos últimos cinco anos, atingindo mais de 10 milhões de brasileiros. Temer e Bolsonaro abandonaram o povo à própria sorte, sem políticas sociais e sem emprego. O projeto ultraliberal de Bolsonaro e Paulo Guedes é de corte e mais cortes, não atende, em nada, as necessidades e do povo”, afirmou.

Diante desse descaso, o parlamentar observou ainda que hoje não é um dia de comemoração, mas de luta contra a injustiça. “No Dia Mundial da Alimentação, precisamos, mais do que nunca, denunciar o descaso genocida do executivo nacional para restaurar a democracia e a dignidade do povo brasileiro”, disse Padre João.

Em entrevista por telefone, o ex-ministro do Desenvolvimento e Combate à Fome no governo Lula e ex-ministro do Desenvolvimento Agrário no governo Dilma, o hoje deputado federal Patrus Ananias (PT-MG), disse que vê com apreensão e tristeza o crescimento da fome no Brasil. Segundo ele, os principais atingidos pelo flagelo são pessoas e comunidades em situação de vulnerabilidade social, principalmente indígenas, quilombolas, ribeirinhos, além de famílias que vivem nas periferias urbanas. Ele lembrou que ao sair do poder, após o golpe de 2016, o PT havia deixado o País em uma situação totalmente diferente.

“A FAO tirou o Brasil do Mapa da Fome (em outubro de 2014) após políticas públicas de sucesso que foram implementadas pelos governo do PT. Agora, lamentavelmente, retrocedemos por conta do aumento da miséria e da pobreza, do desemprego e do subemprego, e por conta da irresponsabilidade social que se instalou no País desde o golpe de 2016, e que reduziu recursos para políticas públicas de segurança alimentar como o Pronaf, que financia a produção da agricultura familiar, e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), por meio da Emenda do Teto de Gastos (EC 95)”, criticou.

Em uma série de mensagens postadas no Twitter, o coordenador do Núcleo Agrário da Bancada do PT, deputado João Daniel (SE), disse que “a fome veio com tudo com a pandemia e a incompetência do governo Bolsonaro”. Segundo ele, esse cenário é inadmissível em um País que é capaz de produzir alimentos de qualidade para todos e, portanto, não é possível concordar que “somente os ricos possam comer alimentos saudáveis, orgânicos, enquanto os trabalhadores e trabalhadoras mal têm acesso aos produtos cheios de agrotóxicos e transgênicos”.

O parlamentar destacou então que “o Dia Mundial de Alimentação é importante para ressaltar a importância da agricultura familiar, que se baseia na produção saudável, livre de agrotóxicos e de acesso popular”.

Saída para acabar com a fome

Segundo o deputado Patrus Ananias, a saída para acabar com a fome no Brasil passa pela reativação ou fortalecimento das políticas sociais de segurança alimentar e de distribuição de renda implementadas pelo PT enquanto esteve no poder. Ele defendeu ainda que seja incorporado na luta contra a fome as bandeiras da reforma agrária e urbana, e a regulamentação da função social da terra, prevista na própria Constituição Federal. Porém, o parlamentar mineiro destacou que também será preciso implementar uma reforma tributária justa e solidária para erradicar de uma vez por todas a fome no País.

“Para financiar essas políticas públicas, que custam dinheiro, também precisamos de uma reforma tributária justa e solidária, que cobre da parcela mais rica da população impostos sobre grandes fortunas, lucros e dividendos, heranças e que taxe com rigor as terras e propriedades improdutivas”, defendeu.

MST contra a fome

Apesar de criminalizado pelo governo Bolsonaro e prejudicado pela paralisação total dos projetos de reforma agrária no País, o coordenador do Núcleo Agrário da Bancada do PT lembrou que o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) tem feito a sua parte no combate a fome no País, durante a atual pandemia, com a distribuição de alimentos. Segundo João Daniel, essas ações de solidariedade já doaram 3.400 toneladas de alimentos em todos os estados do País.

“Essas ações têm sido essenciais, especialmente neste momento que o país vive uma crise alimentar, com a carestia dos alimentos, que tem impossibilitado milhões de famílias a terem o sagrado direito de se alimentar”, ressaltou.

Leia outras mensagens de parlamentares petistas sobre o Dia Mundial da Alimentação:

Deputada Margarida Salomão (PT-MG) – “16 de outubro é o Dia Mundial da Alimentação. Infelizmente, o Brasil está de volta no Mapa da Fome, graças ao desastroso governo Bolsonaro”.

Deputado Carlos Veras (PT-PE) – “Já dizia o Betinho, “a alma da fome é política”. No governo PT, o Brasil saiu do Mapa da Fome da ONU. Infelizmente, neste Dia Mundial da Alimentação, não há o que comemorar. No governo Bolsonaro a colheita é o retrocesso. Mas sabemos e podemos reconstruir o Brasil sem fome!”

Deputado José Guimarães (PT-CE) – “Combater a fome deve ser nossa prioridade”

Deputado Marcon (PT-RS) – “O Brasil de Bolsonaro é o Brasil de volta no mapa da fome”.

Deputada Benedita da Silva (PT-RJ) – “A fome precisa ser combatida, o dever do governo é garantir o acesso à alimentação básica para todas as famílias do Brasil. Infelizmente, o número de pessoas vivendo na miséria aumentou e não vemos ações para que isso mude”.

Deputado Valmir Assunção (PT-BA) – “É um absurdo que o Brasil tenha que importar feijão e arroz. Se Bolsonaro tivesse mantido os programas de apoio à agricultura familiar e camponesa, importação de alimentos básicos não seria uma realidade”.

Deputado Paulão (PT-AL) – “O Brasil que foi premiado na ONU pelo combate à fome, durante o governo Lula, hoje impõe uma agenda de miséria e fome a grande parcela da população que mais precisa. O desgoverno atual levou a essa triste situação. Combater a fome é dever de todos. Estamos firmes nessa luta!”

Deputado Zeca Dirceu (PT-PR) – “A fome voltou no Brasil. O culpado, tem nome e sobrenome, Jair Bolsonaro. Diariamente só aumentam as imagens e notícias de pessoas desesperadas por doação de comida. Como pode um país tão rico e produtor de tanto alimento, conviver com a fome?”

Veja ao vivo ATO NACIONAL CONTRA A FOME: por mais comida saudável e renda para o povo se alimentar


Fonte: https://luizmuller.com/2020/10/16/bolsonaro-e-guedes-trouxeram-a-fome-de-volta-a-mesa-do-brasileiro/

Novidades