Aller au contenu

Luiz Muller Blog

Retour à Blog
Plein écran Suggérer un article

Pra manter 1º lugar entre os países mais desiguais do Mundo, ricos do Brasil não querem Imposto Sobre Fortunas de jeito nenhum

July 30, 2020 15:27 , par Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Viewed 22 times

Em quatro meses(…), enquanto os pobres sepultavam quase 90 mil mortos, o patrimônio dos bilionários brasileiros cresceu R$ 180 bilhões (Forbes). Eles somam 42 pessoas.

O titulo é deste blogueiro, mas o artigo que publico a seguir é do Deputado Federal Paulo Pimenta que se apóia em dados de Thomas Piiketty, um sujeito que sabe muito do Capitalismo mundial e da Forbes, uma Revista feita para ricos do mundo que estão escandalizados por que no Brasil nenhum rico paga Imposto e se paga, paga muito pouco.

Vai a seguir o Artigo do Paulo Pimenta:

Pimenta: Brasil disputa com Qatar título de campeão mundial de desigualdade; tributar grandes fortunas é tema interditadoFoto: Gustavo Bezerra

Tributar as grandes fortunas: um tema interditado

por Paulo Pimenta*

De todos os temas em debate na agenda política, a Reforma Tributária é a expressão mais emblemática do conflito distributivo que polariza a sociedade brasileira e envolve na sua complexidade o pacto federativo e o projeto de nação.

No país que disputa com o Qatar o duvidoso título de campeão da desigualdade ou, dito de outra forma, da maior concentração de renda do mundo, mencionar, ainda que remotamente, a intenção de criar um imposto sobre grandes fortunas é quase uma afronta.

No Brasil, o 1% mais rico da população detém 27,8% da renda (Piketi).

Lemos na mídia durante a última semana que, em quatro meses da pandemia de Covid-19, enquanto os pobres do Brasil se ocuparam em sepultar quase 90 mil mortos, o patrimônio dos bilionários brasileiros cresceu R$ 180 bilhões (Forbes). Eles somam 42 pessoas.

No começo de abril, menos de três semanas depois de registrado o primeiro caso de óbito por coronavírus no País, o governo Bolsonaro/Guedes liberou R$ 1,1 trilhão destinado a socorrer… os bancos.

Se consultarmos os balanços publicados, não consta que qualquer deles estivesse ameaçado.

Depois de uma batalha contra a base de Bolsonaro/Guedes na Câmara Federal em torno do auxílio emergencial aos trabalhadores de baixa renda, a maioria dos parlamentares definiu por liberar R$ 124 bilhões em recursos extraordinários destinados a cerca de 70 milhões de pessoas.

A proposta inicial do governo do capitão-presidente era de oferecer R$ 200 por pessoa. A maioria da Casa votou por R$ 600.

É um cenário que expõe com clareza a sensibilidade e o compromisso do governo Bolsonaro frente aos interesses dos 1% mais ricos da sociedade e sua abissal indiferença diante dos direitos dos trabalhadores à proteção do Estado em um momento de calamidade sanitária nunca vista.

O Brasil perdeu, ao longo de mais de 30 anos desde a redemocratização, várias oportunidades de pactuar um sistema tributário que respeite o que determina a Constituição de 1988: a cobrança de impostos precisa respeitar princípios como a capacidade contributiva de quem paga.

As diferentes legislaturas e os Executivos correspondentes não foram capazes de regulamentar o artigo 153. E seguimos com um sistema tributário altamente regressivo.

Um dos principais mecanismos de manutenção e aprofundamento das criminosas desigualdades da sociedade brasileira é o sistema tributário, que despeja a maior parte dos tributos sobre os ombros dos mais pobres, concentrando a cobrança dos impostos sobre salários e consumo e desonerando generosamente o patrimônio dos mais ricos.

A proposta alternativa de uma Reforma Tributária Solidária e Sustentável formulada pelas bancadas do PT, PSOL, PSB, PDT, PCdoB e Rede, pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip) e pela Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco), oferecida à Câmara e Senado, em outubro de 2019, está estruturada em torno de sete eixos:

— tributação justa e solidária;

— sustentabilidade ambiental;

— proteção da saúde humana;

— preservação da seguridade social;

— financiamento da educação;

— restabelecimento do pacto federativo;

— desenvolvimento regional;

— simplificação e eficiência tributária.

A proposta oferecida por Paulo Guedes é tão limitada nas suas pretensões até aqui apresentadas que soa como uma manobra política para preencher de forma absolutamente precária a ausência do governo numa pauta tão relevante para o País.

O Brasil necessita de uma Reforma Tributária que contribua para promover equidade entre os cidadãos e cidadãs, elimine o parasitismo fundado no mercado de capitais e no rentismo, um segmento social que não se vincula nem aos demais contribuintes nem com o destino do Brasil como nação.

Seguiremos defendendo a proposta de Reforma Tributária Solidária e Sustentável ao lado dos partidos e organizações populares.

É uma reforma que se constitui em instrumento de justiça social e bem estar do nosso povo.

*Paulo Pimenta é deputado federal (PT/RS)


Source : https://luizmuller.com/2020/07/30/pra-manter-1o-lugar-entre-os-paises-mais-desiguais-do-mundo-ricos-do-brasil-nao-querem-imposto-sobre-fortunas-de-jeito-nenhum/

Novidades