Ir para o conteúdo

Barão de Itararé Rio

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Cônsul chinês: mentira não é liberdade de expressão

30 de Abril de 2018, 10:31 , por Barão de Itararé RJ - | No one following this article yet.
Visualizado 56 vezes

O Consulado chinês no Rio de Janeiro realizou, no último sábado 28, um encontro com jornalistas, intelectuais e pesquisadores. O evento, do qual o Núcleo Fluminense do Barão de Itararé participou, voltou-se à discussão da redução da pobreza. A China, realmente, tem muito a dizer sobre o assunto.

A partir de 1978, quando de sua abertura econômica, o país alcançou o feito de retirar 700 milhões de pessoas da pobreza. Mediante um rigoroso planejamento e forte investimento público, espera-se que até 2020 a pobreza esteja erradicada na China. O parâmetro utilizado é o da Organização das Nações Unidas – ONU, segundo a qual pobre é quem vive com menos de um dólar por dia.

Na China, a pobreza se concentra nas áreas rurais, onde o governo promove relocalizações de populações e fomenta a indústria agrícola e o turismo.

O cônsul chinês Li Yang informou que o sucesso da potência asiática se deve à competência do Partido Comunista, que, comprometido com seus valores, garante a distribuição da riqueza gerada em prol do interesse público. Apenas no ano de 2017, a China aplicou 140 milhões de dólares em políticas de redução da pobreza.

O Brasil também teve momentos de glória no combate à pobreza durante os governos de Lula e Dilma, quando o país foi retirado do mapa mundial da fome. Entretanto, logo após o golpe de 2016, diretamente ligado ao papel da grande imprensa financeirizada, o crescimento da pobreza voltou. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, no primeiro trimestre de 2018 o desemprego aumentou e mais de 13 milhões de pessoas já procuram por um emprego.

Perguntado sobre o que a China poderia ensinar ao Brasil sobre liberdade de expressão e sua relação com o combate à pobreza, o cônsul chinês foi assertivo: “Ao contrário do que sugere certa propaganda ocidental, temos muito a dizer sobre liberdade de expressão. O Ocidente não pode confundi-la com liberdade para mentir às pessoas. Devemos nos expressar com consciência e respeito para com as pessoas. Infelizmente, parece que o Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer até que isto seja assimilado.”


Fonte: https://baraodeitararerj.wordpress.com/2018/04/30/consul-chines-mentira-nao-e-liberdade-de-expressao/