Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

A farsa de 2018: enquanto Moro divulgava delação de Palocci, Polícia Federal escondia Queiroz

18 de Maio de 2020, 11:32 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 18 vezes

PT sugere cassação da chapa e chama eleição de “fraude”.

Da Conversa Afiada

BolsonaroHaddad11000x5651.png

No mesmo dia em que o empresário Paulo Marinho, suplente do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), revelou que a Polícia Federal segurou a operação que investiga o ex-policial militar Fabrício Queiroz para não prejudicar a candidatura de Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018, o PT, derrotado no pleito, sugeriu a cassação da chapa eleita.

Segundo o empresário, um delegado-informante teria aconselhado Flávio a demitir  Queiroz e a filha dele, que trabalhava no gabinete do então deputado federal de Jair Bolsonaro.

Os dois foram exonerados naquele período —mais precisamente, no dia 15 de outubro de 2018.

Para a presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, a solução é uma nova eleição.

“Com mais essa revelação sobre como Bolsonaro ganhou as eleições, insistiremos que o TSE [Tribunal Superior Eleitoral] se mexa e julgue as ações de investigação das eleições de 2018 que dormem em suas gavetas. O Brasil está sendo destruído por um homem que não ganhou honestamente as eleições”,escreveu Gleisi em uma rede social.

Fernando Haddad, que foi o candidato a presidente pelo partido, classificou como “fraude” o que ocorreu em 2018.

“Conforme suspeita, suplente de Flavio Bolsonaro confirma que PF alertou-o, entre o 1° é o 2° turno, de que Queiroz seria alvo de operação, que foi postergada para evitar desgaste ao clã durante as eleições. Isso se chama fraude!”, manifestou.

Além do relato de Marinho, um outro episódio de 2018 pode reforçar o argumento dos petistas. A seis dias do primeiro turno da eleição presidencial, o então juiz Sergio Moro tirou o sigilo do primeiro anexo da delação premiada do ex-ministro Antonio Palocci, nome forte do PT durante os governos de Lula e Dilma Rousseff.

Moro incorporou o documento à ação e o tornou público.

Apesar de ressaltar que a delação não seria considerada no momento da sentença, Moro afirmou que tomava essa iniciativa em prol da “ampla defesa dos coacusados”. No entanto, segundo a revista Época, nenhum dos advogados de defesa havia solicitado que o depoimento da delação de Palocci fosse anexado ao processo.

Diaálogos obtidos pelo The Intercept Brasil mostram que Moro considerava “fraca” a delação de Palocci, mas achava sua colaboração relevante mesmo assim por representar uma quebra dos vínculos que uniam os petistas desde o início das investigações.

Após a eleição, Moro largou a magistratura e virou ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Bolsonaro.

No último domingo (17/V) o ex-juiz cobrou investigações sobre as revelações de Marinho.

“Espero que os fatos revelados,  com coragem, pelo Sr. Paulo Marinho sejam totalmente esclarecido”, publicou Moro em seu Twitter.

Hoje, Moro se tornou desafeto de Bolsonaro. Ao sair do governo, acusou o presidente de tentar interferir na Polícia Federal. Segundo o ex-ministro, Bolsonaro gostaria de ter influência justamente na superintendência da PF no Rio de Janeiro.

Outras reações

Outros membros do PT defendem uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) em conjunto com outros partidos.

“Agentes do Estado deram um golpe eleitoral em 2018 para ajudar a eleição fraudulenta de Jair Bolsonaro, o Congresso precisa investigar a fundo a denúncia, inclusive o envolvimento do clã Bolsonaro com o crime organizado”, diz o deputado Enio Verri (PT-PR) sobre o caso.

Verri foi acompanhado por Paulo Pimenta (PT-RS). “A oposição na Câmara dos Deputados vai protocolar um pedido de CPI para investigar as gravíssimas denúncias do empresário Paulo Marinho sobre o envolvimento da família de Jair Bolsonaro com o crime organizado no Rio de Janeiro. A CPI investigará também o envolvimento de integrantes da PF no esquema”, informou Pimenta pelo Twitter.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) reforçou a necessidade da CPI.

“Bolsonaro havia dito que as eleições tinham sido fraudadas. Ele tinha razão, mas quem participou de fraude foi a família dele. As evidências estão aí: as eleições de 2018 foram manipuladas para favorecer o atual presidente! CPI já para investigar”, manifestou.

Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder da oposição no Senado, disse que “a matéria da Folha revela que a interferência de Bolsonaro e de sua família na Polícia Federal, já ocorria antes mesmo do início de seu governo. As revelações feitas por Paulo Marinho são gravíssimas!”.

Polícia Federal vai ouvir Marinho

PGR (Procuradoria-Geral da República) determinou no domingo (17/V) que a PF ouça o depoimento de Marinho no inquérito já aberto para apurar, com base em denúncias deMoro, se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tentou interferir indevidamente na Polícia Federal.


Fonte: https://luizmuller.com/2020/05/18/a-farsa-de-2018-enquanto-moro-divulgava-delacao-de-palocci-policia-federal-escondia-queiroz/

Novidades