Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

CORONA VIRUS: A FÉ, a DISTRAÇÃO e a CLOROQUINA DO MISERÁVEL! (Por Otmar Teske)

31 de Julho de 2020, 14:53 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 16 vezes

Vivemos em “Tempos de Corona”. Na série 3% (indicada pelo nosso amigo Luiz Müller, responsável por esse Blog, que de pronto agradeço o espaço concedido), os jovens passam por uma seleção para se livrar da sociedade caótica em que habitam! No “Filme Bacurau”, carregado de Sentido, podemos captar o alerta premonitório sobre as inúmeras situações vividas neste momento no Brasil. Sem falar no “ POÇO”, outra película deveras inquietante para ver em tempos de corona vírus.             

 É possível escutar a palavra “inacreditável” quando se vê autoridades públicas misturando FÉ, DISTRAÇÃO e CLOROQUINA, a qual está a disposição do miserável.

 Já são muitos que tem ingerido vermicidas, cloroquina, hidroxicloroquina com FÉ que serão salvos da doença, inclusive, à enfrentarão com mais energia! É uma bela distração, tal qual o sujeito que assiste um culto no domingo, ou joga na mega-sena na segunda com a esperança de ir ao céu ou mesmo ficar milionário na quarta ou no sábado. Obviamente, quem leu a obra de Antonio Gramsci “Maquiavel, a política e o Estado Moderno”, na página 345, encontrará o capítulo intitulado “A Religião, o Jogo e o Ópio da Miséria”.

 O título desse artigo, está a luz deste pressuposto, ou seja, “se eu tomar o remédio do miserável, de duas uma. Não faz mal e ainda posso ser curado! Nem sempre, essa distração, resulta desta forma. Esse jogo voraz pode levar muitos à morte como já vem acontecendo.

 Mas parece que o filme “1984” de George Owell ou mesmo o “Laranjas Mecânicas” de Burgess e Kubrick tem sido lembrados por muitos como visões distópicas do tempo presente.

 Traduzindo as palavras anteriores, o que se quer dizer que é um absurdo, em pleno século XXI, durante essa Pandemia, Hospitais serem fechados ou mesmo “saqueados”, para ceder equipamentos públicos para a iniciativa privada.

 É caso do Hospital Parque Belém de Porto Alegre. Com mais de 80 anos, especializado para tratar questões relacionado a doenças pulmonares, fechado já alguns anos, sem perspectiva de abertura, mesmo neste momento, que o Governo Federal não consegue aplicar o recurso existente para combater a Peste da COVID 19.

É inacreditável que alguns representantes da Câmara de Vereadores de Porto Alegre, que sempre estiveram no Governo do Alcaide atual, agora, em época de eleições, denunciarem o descaso com a Saúde dos Portoalegrenses.

É inacreditável também, que existam pessoas na nossa cidade, que de fato acreditam que determinado miserável é enviado de Deus, e o que ele prgar, é vontade divina.

Por fim, é inacreditável que as pessoas sérias, que tem formação ou mesmo são praticantes de alguma religião defendam a morte, o descaso e a miséria institucionalizada. O que fazer? Penso que no primeiro momento é inverter a narrativa, mas para isso, será necessário um esforço coletivo, para defender com Fé que uma Gestão com Participação Democrática e Popular torna possível os sonhos coletivos para além da Distração e da Miséria Humana!

Professor Ottmar Teske

Sociólogo


Fonte: https://luizmuller.com/2020/07/31/corona-virus-a-fe-a-distracao-e-a-cloroquina-do-miseravel-por-otmar-teske/

Novidades