Ir para o conteúdo

Luiz Muller Blog

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Fogo na Amazônia: “governo crê que acordo climático é “conspiração marxista”, diz Claudio Langone a NODAL

23 de Agosto de 2019, 14:28 , por Luíz Müller Blog - | No one following this article yet.
Visualizado 25 vezes

23 de agosto de 2019

Entrevista com Claudio Langone, consultor ambiental

Por Carla Perelló, a partir da redação do NODAL

A notícia se tornou viral nas redes sociais com fotos de alguns dos fogões. Então as imagens de satélite mostraram a imagem sombria: a Amazônia pega fogo. De acordo com as estimativas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil (INPE) , as áreas queimadas aumentaram mais de 80% em relação ao mesmo período de 2018 e é o maior crescimento desde o início dos registros em 2013. Entrevista com o NODAL do coração da Amazônia, Claudio Langone , consultor de meio ambiente e sustentabilidade e ex-secretário do Meio Ambiente em Porto Alegre e no Rio Grande do Sul, aponta algumas das razões que levaram à queima descontrolada do pulmão do planeta.

Por que existem incêndios na Amazônia? Organizações ambientais e líderes políticos apontam para Bolsonaro como responsável pelo aumento de incêndios em um ano, você acha que algo mudou durante o governo Bolsonaro?

A desestruturação de dispositivos de monitoramento e controle tem sido um compromisso de campanha. Até 2003 o monitoramento era anual; um satélite passou o ano tirando fotos e, posteriormente, na análise das imagens as nuvens foram removidas e houve um quadro do desmatamento já ocorrido. Na gestão do ex-presidente Lula da Silva, o sistema de monitoramento anual foi alterado para um com mais resolução e outro chamado DETER foi criado. O principal era detectar o início dos pontos de desmatamento ilegal, todos com o INPE. O DETER foi usado para identificar fontes de desmatamento e ativar a auditoria, que alcançou um processo muito efetivo que reduziu o desmatamento de 2004 até recentemente. Bolsonaro assumiu determinado a acabar com as ações de controle do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ​​(IBAMA, na sigla em português) na região. Quando ele anuncia, funciona como um sinal para as pessoas que lidam com atividades ilegais agirem o mais rápido possível. Até tivemos uma situação em que a população local queimou um caminhão com combustível que abastecia um veículo do IBAMA. Duas semanas depois, o ministro do Meio Ambiente foi visitar aquelas pessoas que o receberam com uma festa. O ministro de Bolsonaro nunca havia visitado a Amazon antes de assumir, ele não a conhece. O governo também se dedicou a inviabilizar o Fundo Amazônia. Estive envolvido de 2003 a 2007 na discussão com o INPE e o sistema é muito bom; Trabalhamos duro para conseguir a inclusão da arborização nos acordos climáticos, até chegarmos à criação do Fundo com recursos administrados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). 40% é destinado a ONGs e comunidades tradicionais, a maioria com uma grande base técnica e outros 40% para os governos federal, provincial e local. O que o governo de Bolsonaro fez foi retirar esse dinheiro das ações de controle; Portanto, eles colocaram condições inaceitáveis ​​para fundos destinados à Amazônia pela Alemanha e Noruega. Eles preferem não ter esse dinheiro para tê-lo para financiar o controle. Conseguiram com isso a ruptura com os dois doadores do Fundo com um discurso de soberania nacional, para proteger o Brasil de interferências externas e outras teorias muito criativas. Com o sinal de que não haveria controle, as pessoas se organizaram para entrar com tudo e começar a devastação da selva. Eles até organizaram o que eles chamavam de “Dia do Fogo”. Agora, o que aconteceu é que o impacto internacional é enorme.

Por outro lado, para se defender, Bolsonaro disse que poderiam ser as ONGs que poderiam estar queimando a Amazônia por estarem interessadas em desgastar seu governo, porque perdem o Fundo, devido à falta de financiamento. Ele também acusou vários governadores, a maioria dos direitos. A acusação contra as ONGs gerou um grande impacto internacional e só depois entrou em conversações com os militares sobre o assunto. As ONGs nunca conseguirão transformar o movimento da Amazônia em um movimento de massa, mas com esse episódio mais de 40 atos populares estão sendo convocados em defesa da Amazônia. Em incêndios em particular, este é um momento em que há incêndios naturais para o período de seca, não só na Amazônia.

O que se sabe sobre as comunidades indígenas que habitam a Amazônia?

Muitas comunidades têm suas áreas ameaçadas pelo desmatamento e mineração de ouro, entre outras questões. O presidente anunciou sua intenção de liberar a instalação de minas em terras indígenas, bem como a possibilidade de arrendamento para a agricultura. Essas declarações encorajam grupos que estão em tensão com as comunidades indígenas e acabam expondo-as porque não têm proteção do Estado contra essas ameaças.

Emmanuel Macron, presidente da França, disse que vai incorporar a questão na agenda do G7 neste fim de semana, o que outros estados podem fazer a respeito?

https://i2.wp.com/planetaorganico.com.br/site/wp-content/uploads/2011/05/imaglangone.jpg

Acredito que esse quadro possa ameaçar o acordo União Européia – Mercosul, já que o presidente da França anunciou que se opõe ao acordo nessas condições. Parece-me que o próprio presidente Bolsonaro já levantou dúvidas sobre isso. Por outro lado, parece que tem havido uma subestimação do governo brasileiro para o impacto internacional. Ontem, o ministro do Meio Ambiente anunciou a criação de um grupo com o governo, ONGs e empresas para discutir um plano para a Amazônia, mas isso é algo que existe desde 2004. O presidente chamou um Gabinete de Crise para resolver o problema. Então, vê-se que a reação política e as manifestações de líderes internacionais fizeram com que o governo sentisse a força da repercussão internacional. Em abril, o mesmo aconteceu com a questão orçamentária para as universidades e gerou manifestações gigantes e espontâneas dentro e fora do Brasil. Eu acho que a mesma coisa está acontecendo agora. Uma curiosidade: Bolsonaro está concorrendo para que seu filho Eduardo ocupe o cargo de embaixador nos Estados Unidos. Isso exige aprovação no Senado, esse deputado federal, postou um vídeo chamando o idiota da Macron … acho que isso fez dele um ex-embaixador …

Quais as consequências que esta situação traz?

Há efeitos imediatos, como a interrupção das rotas de vôo na região ou a tarde negra de San Pablo, causada pela fumaça que desceu da Amazônia. Há também efeitos estruturais devido aos compromissos do Brasil no Acordo Climático, já que a maioria deles está relacionada ao combate ao desmatamento. É importante notar que os governos estaduais, que não são da esquerda, não estão em sintonia com o presidente e abrirão conversas com doadores internacionais para ter dinheiro direto para continuar com as ações. O problema é que, para o governo brasileiro, o acordo climático é uma conspiração do marxismo globalista que domina a ONU.


Fonte: https://luizmuller.com/2019/08/23/fogo-na-amazonia-governo-cre-que-acordo-climatico-e-conspiracao-marxista-diz-claudio-langone-a-nodal/

Novidades