Ir para o conteúdo

News

Voltar a Comunicação
Tela cheia Sugerir um artigo

Fifa: EUA estendem investigação no caso emissoras de TV

14 de Dezembro de 2015, 11:40 , por Jornal Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 580 vezes

A acusação  diz que três executivos “afiliados” à T&T subornaram pelo menos 15 dirigentes do futebol para conseguir os direitos de transmissão exclusivos

Por Redação, com Reuters – de Washington/Zurique:

Uma empresa de marketing esportivo descrita este mês em um indiciamento de autoridades norte-americanas por obter contratos com base no “apoio” de dirigentes de futebol corruptos mantém relações de longa data com a empresa de entretenimento norte-americana 21st Century Fox, de acordo com documentos oficiais.

A descrição da T&T Sports Marketing Ltd no indiciamento indica que os promotores norte-americanos intensificaram seu foco em empresas de mídia e o que elas poderiam saber sobre subornos, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

Quando os promotores anunciaram a investigação de corrupção na Fifa, em maio, mencionaram em documentos judiciais “uma série de emissoras e anunciantes”, mas não abordaram especificamente o seu papel.

A acusação não explica como a T&T se beneficiou de retenção dos contratos de radiodifusão
A acusação não explica como a T&T se beneficiou de retenção dos contratos de radiodifusão

A 21st Century Fox listou a T&T como sua subsidiária em um documento enviado no ano passado à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos. Seu investimento na empresa remonta a 2002, de acordo com documentos dos governos dos EUA e da Argentina.

A Fox não detinha controle operacional da T&T, disse uma porta-voz da Fox, que não quis fazer mais comentários sobre o assunto. A empresa não é citada no indiciamento e não foi acusada de nenhum delito. A T&T também não foi acusada de crimes.

A T&T está registrada nas Ilhas Cayman, não tem um número de telefone listado e não está claro se possui funcionários próprios.

Uma porta-voz da Procuradoria dos EUA no Brooklyn, em Nova York, onde tramitam os processos contra as entidades e autoridades máximas do futebol, também não quis fazer declarações, bem como um porta-voz do FBI.

A acusação, datada de 3 de dezembro, diz que três executivos “afiliados” à T&T subornaram pelo menos 15 dirigentes do futebol para conseguir os direitos de transmissão exclusivos internacionais para a empresa de eventos como a Copa Libertadores. Os três executivos estavam na época na empresa de marketing esportivo argentina Torneos y Competencias, diz o indiciamento.

Os 15 dirigentes foram indiciados, incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) José Maria Marin, e duas delas se declararam culpadas no mês passado.

A acusação não explica como a T&T se beneficiou de retenção dos contratos de radiodifusão. A T&T não é uma emissora, mas após obter os direitos de transmissão pode revendê-los para as principais emissoras de televisão.

No final, a 21st Century Fox, comandada pelo barão da mídia Rupert Murdoch, ficou com os direitos de transmissão da Copa Libertadores e outros torneios.

A empresa de TV via satélite DirecTV também tem uma participação na T&T, de acordo com documentos de fevereiro. A companhia possui 40 por cento da Torneos, que, em troca, tem 25 %  das ações da T&T. A DirecTV disse em agosto que seu investimento de US$ 147 milhões na Torneos pode ser afetado pela atual investigação na Fifa.

A avalanche de denúncias de corrupção levou o presidente da Fifa, Joseph Blatter, a apresentar sua renúncia ao cargo, apenas alguns dias depois de ser reeleito para um quinto mandato. Blatter não foi acusado de nenhum crime, e nega ter cometido irregularidades.

Os promotores acusaram 41 pessoas e entidades em uma investigação de corrupção de futebol que se estende por vários países. Dirigentes do futebol de todas as Américas estão entre os réus em um caso que os promotores disseram que envolve US$ 200 milhões em subornos e esquemas de propina ligados à comercialização de grandes torneios e partidas.

Os esquemas privaram as federações de futebol do valor completo dos direitos de transmissão e comercialização, e tiveram fortes efeitos contra a concorrência, disseram os promotores.

No Brasil, além da prisão de Marin, que foi extraditado da Suíça para os Estados Unidos, também foram indiciados o presidente licenciado da CBF, Marco Polo Del Nero, e o ex-presidente da entidade Ricardo Teixeira, por suspeita de ligação com o mesmo esquema.

Copas de 2018 e 2022

Autoridades da Suíça estão analisando 133 relatórios de atividades financeiras suspeitas relacionadas à concessão das Copas do Mundo de 2018 e 2022 a Rússia e Catar, informou a Procuradoria-Geral da Suíça nesta segunda-feira.

Trata-se de um aumento em relação aos 103 casos que a procuradoria relatou em agosto em sua investigação sobre a suposta corrupção na Fifa, cuja sede se localiza em Zurique.

A Rússia e o Catar, um pequeno país desértico sem tradição no futebol e onde as temperaturas podem ultrapassar 40 graus Celsius durante o dia, negaram quaisquer irregularidades.

Por email, a porta-voz da procuradoria respondeu a uma pergunta da agência inglesa de notícias Reuters declarando que os informes sobre atividades suspeitas partiram de uma unidade de inteligência financeira chamada Escritório de Informes sobre Lavagem de Dinheiro da Suíça.

– Estes relatórios estão relacionados aos procedimentos criminais em curso no tocante à alocação das Copas do Mundo de 2018 e 2022 – acrescentou.

Procuradores-gerais dos Estados Unidos estão realizando uma investigação paralela sobre as práticas financeiras da Fifa e indiciaram 27 dirigentes esportivos acusados de esquemas de pagamento de propina por direitos de marketing e de transmissão de eventos de futebol. Doze pessoas e duas empresas de marketing esportivo foram condenadas.

Entre os indiciados estão o presidente licenciado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Marco Polo Del Nero, e os ex-presidentes da entidade Ricardo Teixeira e José Maria Marin, que foi extraditado da Suíça para os Estados Unidos para responder à acusação.

O inquérito norte-americano ainda analisa o fluxo de dinheiro suspeito através do sistema bancário. O jornal Financial Times relatou que os promotores ameaçam punir os bancos por não informarem sobre as atividades suspeitas em contas ligadas à Fifa.

Prestando assistência legal a pedido dos EUA, autoridades de justiça da Suíça concordaram em compartilhar dados bancários com os promotores norte-americanos em cinco casos, segundo o porta-voz do Escritório Federal de Justiça em Berna. Nenhuma informação ainda trocou de mãos, porque os correntistas apelaram da decisão.

Os nomes dos correntistas e dos bancos envolvidos e a quantidade de dinheiro congelado não foram divulgados.

Os indiciamentos do Departamento de Justiça dos EUA indicam que os conspiradores fizeram transferências para contas em pelo menos dois bancos de Zurique: o Julius Baer BAER.VX e a agência suíça do Bank Hapoalim BM POLI.TA de Israel.

Grandes bancos da Suíça, como o UBS  e o Crédit Suisse , afirmam ter sido questionados pelas autoridades a respeito de seus relacionamentos com certas pessoas e entidades ligadas à Fifa e que estão cooperando.


Fonte: http://www.correiodobrasil.com.br/fifa-eua-estendem-investigacao-no-caso-emissoras-de-tv/

Notícias

News

Minha rede