Ir para o conteúdo

News

Voltar a Economia
Tela cheia Sugerir um artigo

Taxa de juros segue em alta e crescimento declina para 2017

14 de Novembro de 2016, 15:09 , por Jornal Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 165 vezes

A projeção de instituições financeiras para a queda da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma das riquezas produzidas pelo país) este ano passou pela sexta piora seguida, ao ser ajustada de 3,31% para 3,37%, com juros em alta

 

Por Redação, com Reuters – de Brasília

 

Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram levemente as projeções para a inflação. Mas pioraram, significativamente, as expectativas para a economia brasileira. De acordo com a pesquisa Focus, divulgada às segundas-feiras pelo BC, a projeção para a inflação para este ano, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), caiu de 6,88% para 6,84%. Para 2017, a estimativa passou de 4,94% para 4,93%.

O secretário-executivo do Bacen, Marcio Barreira de Ayrosa Moreira, integra o comitê do Copom

O secretário-executivo do Bacen, Marcio Barreira de Ayrosa Moreira, integra o comitê do Copom. O colegiado decide a taxa de juros oficial do país (Selic)

A projeção para 2017 está cada vez mais próxima do centro da meta de inflação (4,5%) que deve ser perseguida pelo BC. O limite máximo da meta no próximo ano é 6%. Para este ano, a estimativa fica longe do centro da meta (4,5%) e ultrapassa o teto (6,5%).

Economia

A projeção de instituições financeiras para a queda da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma das riquezas produzidas pelo país) este ano passou pela sexta piora seguida. Foi ajustada de 3,31% para 3,37%.

Para 2017, a expectativa de crescimento foi reduzida pela quarta vez seguida, ao passar de 1,20% para 1,13%.
 Com retração econômica e inflação menor, as instituições financeiras esperam que a Selic encerre 2016 em 13,75% ao ano. A estimativa anterior era 13,50% ao ano. Atualmente, a Selic está em 14% ao ano.

Para as instituições financeiras, ao final de 2017 a Selic estará em 10,75% ao ano, expectativa mantida nesse patamar há duas semanas seguidas. A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia.

Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços. Os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas alivia o controle sobre a inflação.

Dólar em alta

A projeção do mercado financeiro para o dólar ao final deste ano subiu de R$ 3,20 para R$ 3,22. Para o fim de 2017, a estimativa passou de R$ 3,39 para R$ 3,40. Após a eleição de Donald Trump para presidência dos Estados Unidos, na última semana, o dólar tem subido e a bolsa de valores está em queda.

Para a atividade econômica, as projeções pioraram para 2016, com queda de 3,37%, sobre 3,31%, do Produto Interno Bruto (PIB). A expansão prevista para 2017 agora chegou a 1,13%, sobre 1,20%.

O post Taxa de juros segue em alta e crescimento declina para 2017 apareceu primeiro em Jornal Correio do Brasil.


Fonte: http://correiodobrasil.com.br/taxa-de-juros-em-alta-crescimento-declina/

Notícias

News

Minha rede