Ir para o conteúdo

News

Voltar a Política
Tela cheia Sugerir um artigo

Voto conservador cresce em todo país à sombra do golpe de direita

31 de Outubro de 2016, 14:38 , por Jornal Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 196 vezes

O brilho da vitória da direita, no entanto, ofuscou-se no número recorde de eleitores que se recusou, simplesmente, a votar em qualquer dos candidatos. A decepção ficou mais agravada em relação ao Partido dos Trabalhadores (PT)

 

Por Redação – de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo

 

O PSDB, principal representante da direita nacional, sai das urnas na qualidade de o grande vencedor do segundo turno. Os resultados confirmam o desempenho mostrado na primeira rodada de votação e garantindo uma forte liderança nas capitais do país. O brilho da vitória, no entanto, ofuscou-se no número recorde de votos nulos, em branco, e nas abstenções. A decepção ficou mais agravada em relação ao Partido dos Trabalhadores (PT).

Ex-presidente Lula (PT) e com o governador Geraldo Alckmin (PSDB)

Ex-presidente Lula (PT) perdeu espaço político para o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP)

A boa performance tucana ocorreu numa eleição que desmentiu os prognósticos de uma grande renovação, ainda que novidades tenham surgido. Depois de ter conquistado a maior cidade do país no início do mês, o PSDB foi adiante. João Doria venceu em São Paulo, no primeiro turno. E, neste domingo, passaram a administrar cidades do porte de Porto Alegre, Belém, Maceió, Manaus e Porto Velho. A legenda já havia ganhado também em Teresina no dia 2. Os candidatos tucanos foram derrotados, no entanto, em Cuiabá, Campo Grande e Belo Horizonte.

O grande sucesso do PSDB no pleito deste ano, porém, deixou um gosto amargo para o senador Aécio Neves (PSDB-MG). O candidato derrotado à Presidência, em 2014, agora assistiu à derrota do candidato tucano em Belo Horizonte, João Leite. Na capital mineira, o vitorioso foi Alexandre Kalil, do nanico PHS. A derrota de Neves na capital de seu Estado de origem fortalece o governador paulista Geraldo Alckmin. Seu campo de ação estende-se por toda a Grande São Paulo. Superou até mesmo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em São Bernardo do Campo, onde nasceu o Partido dos Trabalhadores.

Golpe ajuda

A presença de Michel Temer na Presidência da República, impulsionado após o golpe parlamentar que apeou do poder a presidenta Dilma Rousseff, fortaleceu o PMDB. A legenda é a campeã geral de prefeituras conquistadas neste ano. Como sempre, o PMDB, ficou em segundo lugar na disputa nas capitais, ganhando em Goiânia, Florianópolis e Cuiabá neste domingo, depois de conquistar Boa Vista no primeiro turno.

Com três capitais, o PDT ocupa o terceiro lugar no novo ranking, seguido por PSB e PSD com duas capitais cada um. Quem se beneficiou com as vitórias do PDT foi o pré-candidato do partido à Presidência, Ciro Gomes. Outros oito partidos irão comandar uma capital a partir de 2017, com destaque negativo para o PT. A legenda conseguiu apenas a reeleição do prefeito de Rio Branco, já no primeiro turno.

IURD no Rio

As duas maiores cidades que tiveram disputa neste domingo trouxeram novidades, ainda que no Rio de Janeiro ela não tenha se dado pelo nome vencedor, mas sim pelo fato de ele finalmente ter vencido. O senador Marcelo Crivella, do PRB, foi eleito prefeito do Rio com folga contra Marcelo Freixo, do PSOL. Sobrinho de Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, Crivella é bispo da igreja e expoente da direita no Estado.

— Sempre chega a nossa vez quando não se desiste — disse o senador.

Ele já foi sido candidato a prefeito e governador duas vezes.

— Peço a Deus e a todos nós que possamos ter a esperança dos que sempre lutam e a fé dos que nunca desistem — acrescentou.

Aécio derrotado

Em Belo Horizonte, o prefeito eleito, Alexandre Kalil (PHS), também se disse recompensado após uma dura disputa.

— As noites que eu chorei no meu quarto com a minha mulher porque eu fui tão ofendido, valeram a pena. Eu estou meio na linha do que o Gandhi falou: ‘primeiro, eles desprezam, depois ignoram, depois agridem e no final perdem’. Estou tranquilo, sei da responsabilidade que nós vamos assumir — disse, logo após sair o resultado da eleição.

Embora tenha dito que gostaria de conversar com os adversários, Kalil recusa-se a encontrar o senador Aécio Neves (PSDB-MG). Durante a campanha, Neves lançou pesados ataques, alguns em nível pessoal, contra o oponente.

Direita cresce

Mas para quem esperava muita renovação, especialmente diante do quadro de denúncias permanentes contra políticos e partidos, a eleição foi pouco animadora. Nada menos do que 15 das 26 capitais tiveram prefeitos reeleitos, sendo 8 neste domingo.

O resultado mostrou o que alguns especialistas previam, dada as mudanças das regras que encurtaram a campanha eleitoral e proibiram o financiamento empresarial. Neste quadro, a estrutura partidária ou a detenção da máquina administrativa foi crucial para a vitória de muitos candidatos.

De fato, foram pouquíssimas as tentativas de reeleição que fracassaram, a mais significativa delas a do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, do PT. Mas a derrota de Haddad, que viu o candidato do principal partido adversário levar já no primeiro turno, tem que ser debitada em boa medida à debacle do partido, afogado nas contínuas denúncias, prisões e condenações decorrentes da operação Lava Jato.

O desastroso desempenho do PT no primeiro turno, quando conseguiu menos da metade das vitórias obtidas há quatro anos, foi ainda pior neste domingo, quando perdeu nas sete cidades que disputou, aí incluída Recife, única capital em jogo para o partido.

Eleição tranquila

Os eleitores que foram às urnas nas 57 cidades do país que realizaram o segundo turno neste domingo encontraram tranquilidade para votar, inclusive em locais de votação dentro de escolas que estão ocupadas por estudantes em protesto contra a reforma educacional.

Eleitor da capital paulista, o presidente Michel Temer não votou neste domingo uma vez que o pleito na cidade foi resolvido já no primeiro turno com vitória de Doria.

Já o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que não votaria, uma vez que o candidato do PT em São Bernardo do Campo (SP), Tarcísio Secoli, ficou fora da disputa final ao terminar em terceiro no primeiro turno. Com mais de 70 anos, o ex-presidente não é mais obrigado a votar.

Também não votou a ex-presidente Dilma Rousseff. Com domicílio eleitoral em Porto Alegre, a petista viajou a Belo Horizonte para visitar a mãe, segundo sua assessoria. Dilma foi deposta pela direita, em maio deste ano.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, comemorou o clima pacífico do pleito.
“Não tivemos incidentes dignos de nota e felizmente nossa preocupação com segurança não se realizou”, disse.

O post Voto conservador cresce em todo país à sombra do golpe de direita apareceu primeiro em Jornal Correio do Brasil.


Fonte: http://correiodobrasil.com.br/voto-conservador-cresce-todo-pais-sombra-golpe-direita/

Notícias

News

Minha rede