Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Política

25 de Fevereiro de 2014, 16:14 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by)

Fórum Paranaense de Resgate da Verdade divulga nota sobre derrubada do busto do ex-reitor da UFPR Suplicy de Lacerda

7 de Abril de 2014, 18:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Nota oficial do Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça

 A derrubada do busto do ex-reitor da UFPR e ex-ministro da Educação do regime militar Flávio Suplicy de Lacerda, no dia 1 de abril, quando se completaram 50 anos do golpe civil-militar que instaurou uma ditadura sanguinária no Brasil, insere-se no contexto do movimento de revisão da história oficial, de recuperação da verdade e da memória e de estabelecimento da justiça. Data marcada por extensas manifestações país afora, organizadas pelos movimento sociais e organizações políticas.

É a segunda vez que o busto de Suplicy é derrubado e arrastado pelas ruas de Curitiba. A primeira foi em maio de 1968. Porque Suplicy não era um qualquer. Foi o protagonista principal do acordo MEC-Usaid, que objetivava a instalação do ensino pago no país, e o promotor do sufocamento das entidades estudantis, através da lei Suplicy n° 4.464, de 9 de novembro de 1964. Chegou a ministro como homem de absoluta confiança dos generais ditadores. Por isso, tem todas as credenciais para merecer o repúdio dos estudantes e de todos os que têm a democracia como valor e não como mero discurso retórico.

O Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça manifesta sua irrestrita solidariedade aos jovens que promoveram a segunda derrubada do odiado busto, iniciativa organizada pelos jovens mobilizados pelo Levante Popular da Juventude. Entendemos que os símbolos da ditadura devem ser, para sempre, banidos e exilados para museus e memoriais, para que nunca se esqueça a tragédia que acarretaram para o Brasil e para os brasileiros.

O episódio da derrubada do busto provocou uma reação equivocada da Reitoria da UFPR, que divulgou uma nota oficial condenando o ato.

Reiteramos a importância do apoio e participação da UFPR às iniciativas e ao trabalho desenvolvidos pelo Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça.
Ao mesmo tempo apoiamos o prosseguimento do diálogo como via para a solução do impasse criado em torno da destinação do busto de Flávio Suplicy de Lacerda.

O diálogo iniciado aponta no sentido do resgate da verdade, memória e justiça, conforme explicitada em reunião ocorrida na data de hoje entre a Comissão da Verdade da UFPR, designada pelo reitor como interlocutores, com o Fórum Paranaense e os estudantes.

Por verdade memória e justiça. Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça!

Curitiba, 07 de abril de 2014.

Fórum Paranaense de Resgate da Verdade, Memória e Justiça



A ditadura e a herança maldita: O Brasil, nestes 50 anos

20 de Março de 2014, 6:07, por Lula Souza - 0sem comentários ainda

 O Brasil, nestes 50 anos

O golpe cortou um relativamente breve período democrático, de menos de duas décadas. Tinha sido um tempo traumático para a direita, derrotada três vezes nas eleições presidenciais e frustrada quando triunfou pela única vez.

Ela tinha tido que conviver com um clima relativamente aberto de disputas, com partidos de esquerda, sindicatos, greves, grandes concentrações populares, começo de sindicalização no campo. Desde a fundação da Escola Superior de Guerra - por dois dos próceres golpistas de 1964, Golbery e Castelo Branco -, que os militares, apoiados na Doutrina de Segurança Nacional, se puseram a tramar golpes, até sua consumação em 1964.

Desde então o país viveu o período ditatorial de 21 anos, uma chamada transição democrática de 5 anos do governo Sarney, o período neoliberal de Collor, Itamar e FHC, de 12 anos e os governos do PT, do Lula e da Dilma, cujos 12 anos completam o cinqüentenário desde o golpe.

A ditadura representou a restauração do férreo domínio do grande capital nacional de internacional, com um modelo exportador e de consumo de luxo, amparado num regime de terror. Depois da derrota, pela repressão, da resistência clandestina, vieram os tempos da recuperação econômica - nos moldes citados - até a crise da dívida e as greves do ABC, que levaram o regime à sua fase terminal. Que ele conseguiu condicionar, bloqueando no Congresso as eleições diretas e impondo a via do Colégio Eleitoral.

Esta via condicionou o caráter da transição, impondo-lhe um teor conservador, que a limitou à restauração dos marcos gerais do Estado de direito. Não houve democratização econômica e social, deixando incólumes o poder dos bancos, dos latifundiários, dos meios de comunicação, das grandes corporações industriais e comerciais, nacionais e estrangeiras.

Esgotou-se assim o impulso democrático gessado na resistência à ditadura e expresso na Assembléia Constituinte e se favoreceram as condições para a abertura do período neoliberal. Collor o introduziu com seus dois motes demagógicos: os carros fabricados aqui seriam "carroças", apontando para abertura escancarada do mercado interno;  e os funcionários públicos seriam "marajas", apontando para o Estado mínimo e a centralidade do mercado. Sua queda deixou truncado esse processo, que foi retomado pelo FHC.

Como Collor não conseguiu fazer todo o trabalho sujo das privatizações e do desmonte do Estado, para que o FHC aparecesse como a "terceira via", estilo Tony Blair e Bill Clinton. FHC teve que vestir o tailleur da Margareth Thatcher e cumprir as tarefas duras do receituário neoliberal. Também porque, com o fracasso do Collor, tivemos no Brasil um neoliberalismo tardio, já contemporâneo da crise mexicana, a primeira crise especificamente neoliberal na América Latina.

Além dessas limitações, FHC teve que se enfrentar com fortes resistências do movimento popular, em que o PT, a CUT, o MST e outros movimentos sociais tiveram o maior protagonismo. FHC teve sucesso no controle imediato da inflação, suficiente para se reeleger. Mas ao preço de jogar a economia do pais numa estagnação profunda e prolongada, que levaria ao fracasso do seu governo - incluindo a retomada da inflação e um gigantesco défice publico endividamento com o FMI - e a derrota dos tucanos na eleição presidencial de 2002.

Desde então se começou um período de construção de alternativas de superação do neoliberalismo, que prossegue no pais. Lula recebeu uma herança maldita, a partir da qual organizou uma cautelosa transição nos seus primeiros anos de governo - a era Palocci - até a passagem à era do modelo econômico e social, que explica o enorme apoio popular do seu governo e do da Dilma.

Emir Sader no Carta Maior

BlogueDoSouza - Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos.


Brasil: Histórias mal contadas

16 de Março de 2014, 8:36, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Entrevista

Histórias mal contadas

Cinquenta anos depois do golpe, João Goulart ainda representa um enigma político. E sua morte no exílio alimentou mistérios. Para João Vicente, filho de Jango, investigar é uma obrigação do país
 
“Pode entrar que o João está te esperando”, diz Maria Thereza, que em seguida passa pelo portão e vai para a rua. O cenário é um apartamento num antigo edifício em Copacabana, no Rio de Janeiro, onde passeiam os gatos Elvis e Pato e as paredes contam histórias. Maria Thereza é a ex-primeira-dama, viúva do presidente João Goulart, deposto em 1964. E o João que aguardava a reportagem é João Vicente Fontella Goulart, 57 anos, filho mais velho de Jango, que tinha 7 quando o pai deixou a Presidência da República. O menino achou estranho e perguntou, segundo está na biografia escrita por Jorge Ferreira: “Pai, você foi expulso do Brasil? (…) Você me disse que só saía da Presidência quando eu tivesse 9 anos, e eu ainda não tenho nem 8”. E Jango: “Você se lembra daquela casa grande do Congresso, onde ficava o presidente Mazzilli? Pois foi feito lá um decreto novo, dizendo que eu podia sair do país antes”.
“Naquele momento, ele não teve como explicar toda a tragédia política no nosso país e optou por dizer isso. Eu também não iria entender o processo político, né?”, diz João Vicente, que ainda cobra investigações sobre uma possível operação, com presença de agentes norte-americanos, para ­assassinar Goulart. O ex-presidente morreu em 6 de dezembro de 1976, em Mercedes, Argentina. Teria morrido do coração. Mas há desconfiança de que uma pílula foi posta entre os remédios que usava, levando-o à morte. ­
É fato que Jango tinha problemas cardíacos. Mas não foi feita autópsia – o governo tentou até impedir o enterro em São Borja, terra de Jango e Getúlio Vargas. E a sucessão de mortes entre 1976 e 1977 de políticos que se reconciliavam e faziam oposição à ditadura – Juscelino Kubitschek, João Goulart e Carlos Lacerda – chama a atenção. Principalmente quando se lembra da Operação Condor, de auxílio entre regimes autoritários na América do Sul.
João Vicente sabe que a exumação feita no final de 2013 pode ser inconclusiva – os resultados podem demorar até um ano. Por isso, defende a abertura de uma ação que permita ouvir, especialmente, agentes norte-americanos que atuavam na região e teriam participado do plano contra o ex-presidente brasileiro, o único a morrer no exílio.
A base é um depoimento do ex-agente uruguaio Mario Neira Barreiro, além de documentos obtidos pela família. O pedido foi feito em 2007 ao Ministério Público e reforçado em 2013, em documento à Comissão Nacional da Verdade. Recentemente, João esteve com o novo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e alimenta a esperança de que a investigação possa realmente avançar.
O filho mais velho de Jango (Denize tem um ano a menos) defende a decisão do pai de não resistir ao golpe. Um movimento que ele, criança, teria ajudado a retardar, como Jango brincou certa vez no exílio. O historiador relata reunião de 1963, quando Jango tentava explicar aos militares o porquê da retirada do pedido de estado de sítio. O encontro tenso foi quebrado pela aparição do pequeno João Vicente: “Pai, o puto do cozinheiro não quer me dar pastel!” A indignação infantil fez todos rirem, e o clima se amainou.
Enquanto se completam os 50 anos do golpe, João Vicente escreve um livro sobre a experiência da família no exílio. Um livro de histórias, não de historiador, a ser lançado no segundo semestre. Deve mostrar que, mesmo deprimido por não poder retornar a seu país, Jango conseguia manter o humor. Como em um encontro com o ex-desafeto Carlos Lacerda: “Mandou trazer meus livros e disse: ‘Ele está estudando espanhol por sua causa, governador’”. Ou um jantar com Celso Furtado, seu ex-ministro do Planejamento, em Paris. “Celso, tu escolhe o vinho”, disse Jango. Na hora de pagar, espanto com o preço. “Celso, vê se essa conta tá certa.” E emendou: “Mas nós tínhamos de cair com um planejamento desses...”
Quando você foi ter a dimensão de que seu pai era o presidente da República?Em 1961, com toda aquela dificuldade, ele nos deixou na Espanha, pela crise institucional instalada pelos três ministros militares do Jânio (eram contra a posse de Jango, então vice-presidente). Quando ele tomou posse, em 7 de setembro de 1961, eu ia fazer 5 anos. De 1961 a 1963, a gente se criou dentro do palácio, e muitas vezes ele, para estar mais presente, me levava a vários encontros e agendas presidenciais. E essa da crise de 1963, no exílio ele diz: acho que tu até, em certo momento, prorrogou a situação militar do desfecho do golpe. Ele estava numa situação tensa com os militares, foi na época do estado de sítio, ele queria ter um instrumento que inclusive setores do próprio PTB se posicionaram contra, já era uma situação de instabilidade. É como o Jorge Ferreira muito bem levanta: Jango se propõe a fazer uma reforma política em que a esquerda quer acelerar e a direita o tacha de comunista. Chegou em 1964 e não tinha apoio da direita nem da esquerda, que se dizia forte e se mostrou tão fraca quanto o sistema militar que Jango pensava ter. Ele até brincava no exílio... “O puto do cozinheiro...” (risos) Ele levantou, foi lá falar com o cozinheiro, e quando voltou já tinha havido uma distensão.
Você está escrevendo um livro...Não um livro histórico como o do Jorge, que levanta todos os dados técnicos, de acervos, mas sobre o nosso dia a dia no exílio. É um relato. Quando chegamos no Uruguai, eu perguntei para minha mãe: de que cor é o Uruguai? Ela olhou o céu e disse que era azul. Então, um dos capítulos é isso aí. A gente crescia num primeiro momento num país democrático, e aí que eu conheci o problema de por que nós estávamos no Uruguai. Ele dizia que íamos ter mais tempo para pescar, a gente sempre pescava, ele gostava muito... Naquele momento, ele não teve como explicar toda a tragédia política no nosso país e optou por dizer isso. Eu também não iria entender o processo político, né? Fui entender à medida que eu cresci e no Uruguai fui encontrando as opções políticas, no grupo de estudantes. E fomos crescendo num país que no começo era livre, respeitava a democracia e depois foi vítima da própria ditadura brasileira. Aí fomos entendendo o processo da queda da democracia brasileira e como ela produz aquele efeito dominó em toda a América Latina.
_LWH2259.jpg
A Operação Condor...A Operação Condor foi uma segunda etapa, já em 1975, 1976. Não se conhecia ainda, mas a gente sentia, pelo tipo de perseguição aos exilados políticos, que havia uma operação em conjunto. Fomos morar na Argentina em 1973, na volta do Perón, e já se denotava lá essa inter-relação policial. Fomos morar primeiro no hotel Liberty, antes de alugar apartamento, tínhamos alguns amigos. O senador (Zelmar) Miquelini, o deputado (Héctor) Gutiérrez Ruiz, que foram sequestrados e mortos (em 1976, em Buenos Aires), se reuniam com o pai lá. A gente já sabia que havia agentes...
Você disse que ele tinha muito receio pela segurança pessoal.Em Buenos Aires, depois da morte de Perón, em 1974... Lembro que ele retorna à Argentina cercado por um grupo que não eram os amigos autênticos dele. E a gente nota que o próprio (José) López Vega, que foi o grande artífice e o construtor da Triple A, a aliança contra os comunistas, que aquilo era um braço para atacar os opositores. Mataram o Padre Mugica (Carlos Mugica, morto em 1974), por exemplo, um peronista de muito tempo. Existia aquele terrorismo de Estado dentro da Argentina, já tinham matado o general Prats, em 1974 (o militar chileno Carlos Prats, do governo Allende, assassinado em Buenos Aires). Às vezes, ele (Jango) ia lá no Liberty tomar um uísque, e quando a gente estaciona o porteiro normalmente vai lá abrir a porta do carro. Quando nós chegávamos, o porteiro saía disparando, porque o carro podia explodir.
Era para o Liberty que iam os remédios para Jango?Quando o pai foi para a Europa – ele se tratava na clínica de cardiologia de Lyon –, tinha lá em Paris os amigos que mandavam essas remessas de remédios, de nova geração. Mandavam por via área para o hotel Liberty. Ali que ele se reunia. Ele conhecia todo mundo. O endereço de contato era ali. As reuniões com exilados muitas vezes também eram realizadas no hall desse hotel. E foi aí que, segundo o Neira Barreiro, eles trocaram um comprimido.
É no depoimento do Neira que vocês se baseiam (para pedir a investigação)?O depoimento do Neira foi a gota d´água. Já tínhamos vários indícios. Por exemplo, tinha as fotos que foram tiradas por um agente no aniversário de Jango, 1º de março de 1975, no Uruguai. Tínhamos o documento do SNI, em que o agente B de forma clandestina subtraiu as cartas (para Jango) do general Perón, do deputado Ulysses Guimarães... Um processo que eu tinha sido preso no Uruguai, alguns dados pessoais de negócios do pai, uma carta do general Serafim Vargas, que era um homem de contato entre os militares brasileiros e o meu pai, que também era de São Borja. Diz claramente: “Subtraímos de forma clandestina das gavetas do ex-presidente os seguintes documentos...” No momento em que nós temos esse depoimento, do agente Mário Neira Barreiro... Ele poderia ter lido, mas tem detalhes que não estão nos livros. Números de telefone, uma batida que eu dei num carro em Montevidéu, que não teve boletim de ocorrência. Só alguém que estivesse lá dentro, permanentemente, podia saber. Então, existem indícios. E entendemos que isso é um dever da história do nosso país. Afinal, a história de Jango é a história do Brasil, e o que aconteceu com ele tem de ser passado às novas gerações brasileiras de maneira clara e inequívoca. Elaboramos um pedido de ação civil pública em nome do Instituto Presidente João Goulart, até porque não queríamos fazer isso em nome da família, porque temos um Código Penal que não foi revisto, e aqui o crime de assassinato é prescrito em 20 anos.
Isso foi em 2007?Em 2007, e a Comissão da Verdade veio a ser instalada bem depois, o que ajudou a acelerar um dos meios para chegar mais perto da verdade, que era a exumação. Eu sempre digo o seguinte: esse era um dos meios. Também pedimos as seguintes providências: ouçam-se os agentes americanos fulano, fulano e fulano, abra-se um pedido para as autoridades não só do Brasil, e até hoje isso ainda não foi feito.
E você acha que isso não acontece por quê?Olha, é uma pergunta que deveria ser feita.... Levei essa preocupação, inclusive fui com dois senadores, Pedro Simon (PMDB-RS) e Randolfe Rodrigues (Psol-AP), ao atual procurador-geral, o doutor Rodrigo Janot, e ele nos prometeu que iria estudar toda a documentação. A família cumpriu com a parte que lhe cabia, mas sabemos e temos a convicção de que pode ser muito difícil, dependendo da substância que teria sido usada, 37 anos depois, termos algum resquício. Queremos que se cumpram os outros pedidos. Quais? A investigação, inquerir esses agentes que teriam participado. Eu mesmo denunciei um deles, o Frederick Latrash (chefe da CIA no Uruguai), que na época da primeira eleição do Obama era assessor do McCain (senador John McCain, candidato do Partido Republicano). Queremos que o Brasil cumpra o seu dever de soberania. Está ali um pedido da própria Procuradoria. Indicamos o nome dos agentes e a Procuradoria ratificou. O Ministério até hoje a única coisa que fez foi acompanhar a exumação feita pela Comissão Nacional da Verdade. A ponto de, até hoje, não ter aberto a ação cautelar para que um juiz possa pedir a oitiva desses agentes, que tem de ser feita oficialmente pelo Ministério de Relações Exteriores.
Seriam o Frederick e quem mais?Michael Townley, que inclusive montou junto com Berríos (o químico Hermes Berríos) o laboratório de venenos no Chile onde se processou o Projeto Andrea, um projeto de dez venenos altamente tóxicos para eliminar, dependendo das circunstâncias, os inimigos da ditadura chilena e também daquelas que participavam da Operação Condor, que se unificam em 1975, quando o próprio Contreras (coronel Manuel Contreras, chefe da Dina, a polícia secreta chilena) manda correspondência ao Figueiredo (João Figueiredo, presidente brasileiro de 1979 a 1985), que na época era presidente do SNI, externando preocupação com a abertura nos Estados Unidos, se o (Jimmy) Carter fosse vitorioso na eleição norte-americana, dizendo que eles tinham de se autoproteger. Esse Michael Townley matou o Letelier (o diplomata chileno Orlando Letelier, morto em atentado em Washington, em 1976) depois, participou do assassinato do Prats em Buenos Aires, e se supõe que teria sido um dos agentes que trouxe esse composto e entregou à embaixada americana em Montevidéu, para que fosse transferido ao médico, que tinha o codinome “Capitán Adonis”, o Carlos Milles. Depois mataram ele também, diz que caiu da sacada da casa e quebrou a cabeça... São coisas que vão se interligando, e acho necessário a gente percorrer esses caminhos. Casualmente também o Hermes ­Berríos estava escondido e foi morto no Uruguai. Foi encontrado cinco anos depois (do desaparecimento), enterrado de bruços numa praia. Tudo isso está relatado no nosso pedido de inquérito, que não caminha. Acredito que o novo procurador tenha uma posição mais soberana, mais brasileira.
Quando o seu pai morreu, houve também aquele problema de fazer o enterro. Não queriam deixar vir para São Borja, depois queriam que fosse às pressas...Eu estava em Londres... Fazia mais de um ano que morava lá, porque realmente, não existia mais espaço, segurança para nós. O pai dormia no máximo duas noites em cada lugar. Tanto é que a última viagem que ele fez – ele tinha um aviãozinho, um Cessna, monomotor –, ele poderia ter ido para a fazenda na Argentina. Ele sai de Montevidéu, vai para a fazenda dele no Uruguai (em Taquarembó), pega o avião, em vez de fazer alfândega, porque não queria dar pista, vai até Salto, no Uruguai, desce, passa de barco, manda um carro argentino esperá-lo no outro lado, dali ele troca de carro, vai até Passo de los Libres, almoça e vai para Mercedes. Veja a ginástica que ele fazia. Claro que é para despistar alguém. Na Argentina, ele tinha carteira de identidade, como residente legal, entrava e saía sem problema. Mas quando entrava e saía do Uruguai, tinha de pedir licença... Ele renuncia ao asilo político e solicita ao governo uruguaio a permanência legal no Uruguai, a residência, e lhe é negada. Não só é negada, como o Ministério do Interior, que é tudo milico, manda um ofício exigindo que ele fosse depor. Ele não deu bola.
Essa quase proibição de fazer um enterro, depois de 12 anos fora do país...Veja só, até morto a ditadura tinha medo dele. Nós temos um depoimento do Sylvio Frota (general e ministro do Exército), de novembro de 1976, colocando as unidades militares de fronteira em alerta para que assim que o ex-presidente João Goulart pisasse em território brasileiro fosse preso e tornado incomunicável.
No barco
Ele pretendia, planejava voltar?Ele foi para a Argentina para liquidar um gado que tinha lá... Pretendia voltar para a Europa, onde já tinha estado em outubro, no nascimento do meu filho (Christopher), teve um encontro grande com todos os exilados brasileiros em Paris, esteve com Arraes, que veio da Argélia, se encontraram em Genebra, com Celso Furtado... Ia passar o Natal e o ano novo ali... Ele só queria voltar com autorização de todos. E se isso fosse acelerar o processo de abertura. Ele iria a Roma, queria ter um encontro com o papa, viajaria aos Estados Unidos, para mostrar à ditadura que nem os Estados Unidos tinha mais nenhum receio de João Goulart, e desembarcaria no Brasil, no Galeão. Era mais ou menos essa a situação política da época. Lógico, num sistema militar nada é claro. Tinha aquela situação divergente do grupo do Geisel (o presidente Ernesto Geisel) e do grupo do Frota, que depois foi afastado da sucessão.
Na época do golpe, muito se falou que ele deveria ficar no Brasil e resistir, e foi criticado por isso. Outros acham que ele fez o certo, porque se ficasse haveria uma guerra civil. Como você vê isso hoje?Isso é uma das coisas que ele mais tinha de responder no exílio. Mas ele tinha uma personalidade que já em 1961 tinha aceitado a imposição do Congresso (sobre o parlamentarismo), depois veio a lutar pelo plebiscito (que restabeleceu o presidencialismo). Ou se aceitava a emenda ou se marchava com o 3º Exército, como fez o Getúlio em 1930, para fechar o Congresso. Em 1964, a crise tinha se acelerado de tal forma que o próprio PSD, que num momento apoiava, estava fora já do jogo democrático. A UDN já sabíamos, o Lacerda batendo todos os dias... O próprio Juscelino disse que já não estava mais com o Jango. A ânsia do poder em 1965 (quando haveria eleições) conduziu o presidente Juscelino a cometer um erro político. Jango, antes de mais nada, era um democrata.
As forças de esquerda, algumas irresponsáveis, exigiam de tal forma a aceleração das reformas de base, que não poderiam ser feitas por decreto, e sim por modificações constitucionais, inclusive a reforma agrária. A esquerda exigia de Jango o que o Congresso não fazia. Reforma agrária na lei ou na marra, cunhado não é parente, Brizola presidente, o Partido Comunista já rompendo com Jango... Foi o último, aliás, porque uma das pessoas que mais esteve do lado de Jango foi o Prestes, inclusive foi visitar o pai lá no exílio. Ficou politicamente insustentável. A direita dizendo que ele era comunista e os comunistas dizendo que ele era um frouxo. No momento em que Santiago Dantas comunica que a 4ª Frota Americana está na costa brasileira para desembarcar em Vitória, ele sente que o problema é muito mais grave. E já tinha a “República de Minas”. Caso houvesse resistência, enquanto houvesse, Minas seria a nova república.
Os Estados Unidos desembarcariam a 4ª Frota, declarariam Minas como capital da República, enquanto o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, estivessem tentando confrontar as forças golpistas. Esse que era o jogo. Não era pela manutenção do seu poder e de seu mandato que ele colocaria o Brasil nessa fogueira. E agora eu pergunto: foi só Jango que não quis resistir? Por que o Partido Comunista, os sindicatos, os outros partidos não resistiram, se estavam tão fortes? Não estavam. Era tudo um balaio de esperança que não tinha estrutura de resistência, e Jango sabia disso. Uma ordem de resistência seria uma ordem fratricida.
E a alegação de que se tratou de um golpe preventivo, porque havia uma “república sindicalista” em formação, Jango poderia dar um golpe?Isso eles aprenderam com o Departamento de Estado americano. Era o pretexto para derrubar a democracia. Hoje já temos gravações liberadas da Casa Branca, do Kennedy, com o embaixador Lincoln Gordon, dizendo que o Jango estava dando muita força aos comunistas... Ou seja, isso é o reflexo da própria Casa Branca. Qual é a força que tinha o Partido Comunista no Brasil? Essa história de contragolpe é uma história que as elites brasileiras assumiram junto com o Ibad (Instituto Brasileiro de Ação Democrática). Por isso quando a gente diz hoje que tem de democratizar as empresas de comunicação, temos de pensar muito. A liberdade de imprensa é sagrada na democracia, mas você não pode botar isso na mão de um grupo só, ou de dois. Em nome da livre iniciativa, você leva a pecha de autoritário, quando foram eles que trabalharam pelo golpe. E o pior, descobrimos agora do Ibope (pesquisa feita em 1964 que demonstrava popularidade do presidente João Goulart).
Em 2013, o Congresso fez uma devolução simbólica do mandato do presidente João Goulart, houve a exumação. Para a família, isso traz algum tipo de alívio pelo reconhecimento do papel histórico de Jango?Não só um reconhecimento. Era um compromisso do Congresso Nacional, que muitas vezes foi perseguido pela ditadura, mas em outras foi serviçal. Como no dia que aceita a vacância da Presidência da República, num ato extremamente ilegal. É uma coisa que mostra para as novas gerações que aquilo foi um golpe dado contra a Constituição. Não derrubaram Jango, rasgaram a Constituição brasileira. Até hoje, numa reforma educacional, temos de rever esse período. A democracia pode ter todas as suas falhas, mas ainda é o sistema que responde mais eficazmente pela vontade de maioria.
E sobre a Comissão Nacional da Verdade, que fará seu relatório no final do ano?A nossa Comissão da Verdade foi instalada depois de muita negociação. Tivemos essa anistia autoproclamada pelos militares. Não existe a prescrição de crimes de lesa-humanidade... Uma coisa é ser preso pelo Estado, outra coisa é ser preso e, sob a tutela do Estado, desaparecer, ser torturado. A Argentina, o Uruguai, o Chile começaram também anistiando ambos os lados, e posteriormente, em novas alterações constitucionais, inclusive com consultas populares, entenderam que os crimes de lesa-humanidade não podem ser anistiados, não pode haver prescrição. O Uruguai prendeu dois ex-presidentes, a Argentina prendeu três, o Chile também evoluiu nisso. Para nós, a instalação da comissão foi um grande passo. Ela vai ser extinta, mas vai deixar outras comissões pelo Brasil afora. E esse debate vai continuar. Acredito piamente que o relatório final vai indicar à sociedade brasileira a necessidade da revisão da Lei da Anistia. O STF referendou a Lei da Anistia, mas o STF muda, a pressão da sociedade muda. Mesmo que os presidentes, os agentes já estejam mortos, isso tem de ser revisto. Até para que essas reminiscências de não punição não se transfiram para as polícias militares, para outros órgãos de segurança, que se sentem impunes no ato de prender uma pessoa, torturar. Estão aí os Amarildos da vida.

Por   Vitor Nuzzi no Rede Brasil Atual
BlogueDoSouza - Democratização da Comunicação, Reformas de Base e Direitos Humanos.



O discurso de Jango no comício da Central do Brasil

14 de Março de 2014, 20:29, por Lula Souza - 0sem comentários ainda

Publicamos a seguir o discurso proferido por João Goulart no comício de 13 de março de 1964, na Central do Brasil, no Rio de Janeiro. Poucos dias depois, em 1 de abril, os generais – a serviço dos latifundiários e do grande capital nacional e estrangeiro, com o apoio direto do governo dos EUA e o respaldo das grandes empresas de comunicação – deram o golpe e depuseram um presidente eleito democraticamente, que prometia importantes reformas de base no país.

 O discurso de Jango

Devo agradecer em primeiro lugar às organizações promotoras deste comício, ao povo em geral e ao bravo povo carioca em particular, a realização, em praça pública, de tão entusiasta e calorosa manifestação. Agradeço aos sindicatos que mobilizaram os seus associados, dirigindo minha saudação a todos os brasileiros que, neste instante, mobilizados nos mais longínquos recantos deste país, me ouvem pela televisão e pelo rádio.

Dirijo-me a todos os brasileiros, não apenas aos que conseguiram adquirir instrução nas escolas, mas também aos milhões de irmãos nossos que dão ao brasil mais do que recebem, que pagam em sofrimento, em miséria, em privações, o direito de ser brasileiro e de trabalhar sol a sol para a grandeza deste país.

Presidente de 80 milhões de brasileiros, quero que minhas palavras sejam bem entendidas por todos os nossos patrícios.

Vou falar em linguagem que pode ser rude, mas é sincera sem subterfúgios, mas é também uma linguagem de esperança de quem quer inspirar confiança no futuro e tem a coragem de enfrentar sem fraquezas a dura realidade do presente.

Aqui estão os meus amigos trabalhadores, vencendo uma campanha de terror ideológico e sabotagem, cuidadosamente organizada para impedir ou perturbar a realização deste memorável encontro entre o povo e o seu presidente, na presença das mais significativas organizações operárias e lideranças populares deste país.

Chegou-se a proclamar, até, que esta concentração seria um ato atentatório ao regime democrático, como se no Brasil a reação ainda fosse a dona da democracia, e a proprietária das praças e das ruas. Desgraçada a democracia se tiver que ser defendida por tais democratas.

Democracia para esses democratas não é o regime da liberdade de reunião para o povo: o que eles querem é uma democracia de povo emudecido, amordaçado nos seus anseios e sufocado nas suas reinvindicações.

A democracia que eles desejam impingir-nos é a democracia antipovo, do anti-sindicato, da anti-reforma, ou seja, aquela que melhor atende aos interesses dos grupos a que eles servem ou representam.

A democracia que eles querem é a democracia para liquidar com a Petrobrás; é a democracia dos monopólios privados, nacionais e internacionais, é a democracia que luta contra os governos populares e que levou Getúlio Vargas ao supremo sacrifício.

Ainda ontem, eu afirmava, envolvido pelo calor do entusiasmo de milhares de trabalhadores no Arsenal da Marinha, que o que está ameaçando o regime democrático neste País não é o povo nas praças, não são os trabalhadores reunidos pacificamente para dizer de suas aspirações ou de sua solidariedade às grandes causas nacionais. Democracia é precisamente isso: o povo livre para manifestar-se, inclusive nas praças públicas, sem que daí possa resultar o mínimo de perigo à segurança das instituições.

Democracia é o que o meu governo vem procurando realizar, como é do seu dever, não só para interpretar os anseios populares, mas também conquistá-los pelos caminhos da legalidade, pelos caminhos do entendimento e da paz social.

Não há ameaça mais séria à democracia do que desconhecer os direitos do povo; não há ameaça mais séria à democracia do que tentar estrangular a voz do povo e de seus legítimos líderes, fazendo calar as suas mais sentidas reinvindicações.

Estaríamos, sim, ameaçando o regime se nos mostrássemos surdos aos reclamos da Nação, que de norte a sul, de leste a oeste levanta o seu grande clamor pelas reformas de estrutura, sobretudo pela reforma agrária, que será como complemento da abolição do cativeiro para dezenas de milhões de brasileiros que vegetam no interior, em revoltantes condições de miséria.

Ameaça à democracia não é vir confraternizar com o povo na rua. Ameaça à democracia é empulhar o povo explorando seus sentimentos cristãos, mistificação de uma indústria do anticomunismo, pois tentar levar o povo a se insurgir contra os grandes e luminosos ensinamentos dos últimos Papas que informam notáveis pronunciamentos das mais expressivas figuras do episcopado brasileiro.

O inolvidável Papa João XXIII é quem nos ensina que a dignidade da pessoa humana exige normalmente como fundamento natural para a vida, o direito ao uso dos bens da terra, ao qual corresponde a obrigação fundamental de conceder uma propriedade privada a todos.

É dentro desta autêntica doutrina cristã que o governo brasileiro vem procurando situar a sua política social, particurlamente a que diz respeito à nossa realidade agrária.

O cristianismo nunca foi o escudo para os privilégios condenados pelos Santos Padres. Nem os rosários podem ser erguidos como armas contra os que reclamam a disseminação da propriedade privada da terra, ainda em mãos de uns poucos afortunados.

Àqueles que reclamam do Presidente de República uma palavra tranqüilizadora para a Nação, o que posso dizer-lhes é que só conquistaremos a paz social pela justiça social.

Perdem seu tempo os que temem que o governo passe a empreender uma ação subversiva na defesa de interesses políticos ou pessoais; como perdem igualmente o seu tempo os que esperam deste governo uma ação repressiva dirigida contra os interesses do povo. Ação repressiva, povo carioca, é a que o governo está praticando e vai amplia-la cada vez mais e mais implacavelmente, assim na Guanabara como em outros estados contra aqueles que especulam com as dificuldades do povo, contra os que exploram o povo e que sonegam gêneros alimentícios e jogam com seus preços.

Ainda ontem, trabalhadores e povo carioca, dentro da associações de cúpula de classes conservadoras, levanta-se a voz contra o Presidente pelo crime de defender o povo contra aqueles que o exploram nas ruas, em seus lares, movidos pela ganância.

Não tiram o sono as manifestações de protesto dos gananciosos, mascarados de frases patrióticas, mas que, na realidade, traduzem suas esperanças e seus propósitos de restabelecer a impunidade para suas atividades anti-sociais.

Não receio ser chamado de subversivo pelo fato de proclamar, e tenho proclamado e continuarei a proclamando em todos os recantos da Pátria – a necessidade da revisão da Constituição, que não atende mais aos anseios do povo e aos anseios do desenvolvimento desta Nação.

Essa Constituição é antiquada, porque legaliza uma estrutura sócio-econômica já superada, injusta e desumana; o povo quer que se amplie a democracia e que se ponha fim aos privilégios de uma minoria; que a propriedade da terra seja acessível a todos; que a todos seja facultado participar da vida política através do voto, podendo votar e ser votado; que se impeça a intervenção do poder econômico nos pleitos eleitorais e seja assegurada a representação de todas as correntes políticas, sem quaisquer discriminações religiosas ou ideológicas.

Todos têm o direito à liberdade de opinião e de manifestar também sem temor o seu pensamento. É um princípio fundamental dos direitos do homem, contido na Carta das Nações Unidas, e que temos o dever de assegurar a todos os brasileiros.

Está nisso o sentido profundo desta grande e incalculável multidão que presta, neste instante, manifestação ao Presidente que, por sua vez, também presta conta ao povo dos seus problemas, de suas atitudes e das providências que vem adotando na luta contra forças poderosas, mas que confia sempre na unidade do povo, das classes trabalhadoras, para encurtar o caminho da nossa emancipação.

É apenas de lamentar que parcelas ainda ponderáveis que tiveram acesso à instrução superior continuem insensíveis, de olhos e ouvidos fechados à realidade nacional.

São certamente, trabalhadores, os piores surdos e os piores cegos, porque poderão, com tanta surdez e tanta cegueira, ser os responsáveis perante a História pelo sangue brasileiro que possa vir a ser derramado, ao pretenderem levantar obstáculos ao progresso do Brasil e à felicidade de seu povo brasileiro.

De minha parte, à frente do Poder Executivo, tudo continuarei fazendo para que o processo democrático siga um caminho pacífico, para que sejam derrubadas as barreiras que impedem a conquista de novas etapas do progresso.

E podeis estar certos, trabalhadores, de que juntos o governo e o povo – operários , camponeses, militares, estudantes, intelectuais e patrões brasileiros, que colocam os interesses da Pátria acima de seus interesses, haveremos de prosseguir de cabeça erguida, a caminhada da emancipação econômica e social deste país.

O nosso lema, trabalhadores do Brasil, é “progresso com justiça, e desenvolvimento com igualdade”.

A maioria dos brasileiros já não se conforma com uma ordem social imperfeita, injusta e desumana. Os milhões que nada têm impacientam-se com a demora, já agora quase insuportável, em receber os dividendos de um progresso tão duramente construído, mas construído também pelos mais humildes.

Vamos continuar lutando pela construção de novas usinas, pela abertura de novas estradas, pela implantação de mais fábricas, por novas escolas, por mais hospitais para o nosso povo sofredor; mas sabemos que nada disso terá sentido se o homem não for assegurado o direito sagrado ao trabalho e uma justa participação nos frutos deste desenvolvimento.

Não, trabalhadores; sabemos muito bem que de nada vale ordenar a miséria, dar-lhe aquela aparência bem comportada com que alguns pretendem enganar o povo. Brasileiros, a hora é das reformas de estrutura, de métodos, de estilo de trabalho e de objetivo. Já sabemos que não é mais possível progredir sem reformar; que não é mais possível admitir que essa estrutura ultrapassada possa realizar o milagre da salvação nacional para milhões de brasileiros que da portentosa civilização industrial conhecem apenas a vida cara, os sofrimentos e as ilusões passadas.

O caminho das reformas é o caminho do progresso pela paz social. Reformar é solucionar pacificamente as contradições de uma ordem econômica e jurídica superada pelas realidades do tempo em que vivemos.


Trabalhadores, acabei de assinar o decreto da SUPRA com o pensamento voltado para a tragédia do irmão brasileiro que sofre no interior de nossa Pátria. Ainda não é aquela reforma agrária pela qual lutamos.

Ainda não é a reformulação de nosso panorama rural empobrecido.

Ainda não é a carta de alforria do camponês abandonado.

Mas é o primeiro passo: uma porta que se abre à solução definitiva do problema agrário brasileiro.

O que se pretende com o decreto que considera de interesse social para efeito de desapropriação as terras que ladeiam eixos rodoviários, leitos de ferrovias, açudes públicos federais e terras beneficiadas por obras de saneamento da União, é tornar produtivas áreas inexploradas ou subutilizadas, ainda submetidas a um comércio especulativo, odioso e intolerável.

Não é justo que o benefício de uma estrada, de um açude ou de uma obra de saneamento vá servir aos interesses dos especuladores de terra, quese apoderaram das margens das estradas e dos açudes. A Rio-Bahia, por exemplo, que custou 70 bilhões de dinheiro do povo, não deve bemeficiar os latifundiários, pela multiplicação do valor de suas propriedades, mas sim o povo.

Não o podemos fazer, por enquanto, trabalhadores, como é de prática corrente em todos os países do mundo civilizado: pagar a desapropriação de terras abandonadas em títulos de dívida pública e a longo prazo.

Reforma agrária com pagamento prévio do latifundio improdutivo, à vista e em dinheiro, não é reforma agrária. É negócio agrário, que interessa apenas ao latifundiário, radicalmente oposto aos interesses do povo brasileiro. Por isso o decreto da SUPRA não é a reforma agrária.

Sem reforma constitucional, trabalhadores, não há reforma agrária. Sem emendar a Constituição, que tem acima de dela o povo e os interesses da Nação, que a ela cabe assegurar, poderemos ter leis agrárias honestas e bem-intencionadas, mas nenhuma delas capaz de modificações estruturais profundas.

Graças à colaboração patriótica e técnica das nossas gloriosas Forças Armadas, em convênios realizados com a SUPRA, graças a essa colaboração, meus patrícios espero que dentro de menos de 60 dias já comecem a ser divididos os latifúndios das beiras das estradas, os latifúndios aos lados das ferrovias e dos açudes construídos com o dinheiro do povo, ao lado das obras de saneamento realizadas com o sacrifício da Nação. E, feito isto, os trabalhadores do campo já poderão, então, ver concretizada, embora em parte, a sua mais sentida e justa reinvindicação, aquela que lhe dará um pedaço de terra para trabalhar, um pedaço de terra para cultivar. Aí, então, o trabalhador e sua família irão trabalhar para si próprios, porque até aqui eles trabalham para o dono da terra, a quem entregam, como aluguel, metade de sua produção. E não se diga, trabalhadores, que há meio de se fazer reforma sem mexer a fundo na Constituição. Em todos os países civilizados do mundo já foi suprimido do texto constitucional parte que obriga a desapropriação por interesse social, a pagamento prévio, a pagamento em dinheiro.

No Japão de pós-guerra, há quase 20 anos, ainda ocupado pelas forças aliadas vitoriosas, sob o patrocínio do comando vencedor, foram distribuídos dois milhões e meio de hectares das melhores terras do país, com indenizações pagas em bônus com 24 anos de prazo, juros de 3,65% ao ano. E quem é que se lembrou de chamar o General MacArthur de subversivo ou extremista?

Na Itália, ocidental e democrática, foram distribuídos um milhão de hectares, em números redondos, na primeira fase de uma reforma agrária cristã e pacífica iniciada há quinze anos, 150 mil famílias foram beneficiadas.

No México, durante os anos de 1932 a 1945, foram distribuídos trinta milhões de hectares, com pagamento das indenizações em títulos da dívida pública, 20 anos de prazo, juros de 5% ao ano, e desapropriação dos latifúndios com base no valor fiscal.

Na Índia foram promulgadas leis que determinam a abolição da grande propriedade mal aproveitada, transferindo as terras para os camponeses.

Essas leis abrangem cerca de 68 milhões de hectares, ou seja, a metade da área cultivada da Índia. Todas as nações do mu

 

ndo, independentemente de seus regimes políticos, lutam contra a praga do latifúndio improdutivo.

Nações capitalistas, nações socialistas, nações do Ocidente, ou do Oriente, chegaram à conclusão de que não é possível progredir e conviver com o latifúndio.

A reforma agrária não é capricho de um governo ou programa de um partido. É produto da inadiável necessidade de todos os povos do mundo. Aqui no Brasil, constitui a legenda mais viva da reinvindicação do nosso povo, sobretudo daqueles que lutaram no campo.

A reforma agrária é também uma imposição progressista do mercado interno, que necessita aumentar a sua produção para sobreviver.

Os tecidos e os sapatos sobram nas prateleiras das lojas e as nossas fábricas estão produzindo muito abaixo de sua capacidade. Ao mesmo tempo em que isso acontece, as nossas populações mais pobres vestem farrapos e andam descalças, porque não tem dinheiro para comprar.

Assim, a reforma agrária é indispensável não só para aumentar o nível de vida do homem do campo, mas também para dar mais trabalho às industrias e melhor remuneração ao trabalhador urbano.

Interessa, por isso, também a todos os industriais e aos comerciantes. A reforma agrária é necessária, enfim, à nossa vida social e econômica, para que o país possa progredir, em sua indústria e no bem-estar do seu povo.

Como garantir o direito de propriedade autêntico, quando dos quinze milhões de brasileiros que trabalham a terra, no Brasil, apenas dois milhões e meio são proprietários?

O que estamos pretendendo fazer no Brasil, pelo caminho da reforma agrária, não é diferente, pois, do que se fez em todos os países desenvolvidos do mundo. É uma etapa de progresso que precisamos conquistar e que haveremos de conquistar.

Esta manifestação deslumbrante que presenciamos é um testemunho vivo de que a reforma agrária será conquistada para o povo brasileiro. O próprio custo daprodução, trabalhadores, o próprio custo dos gêneros alimentícios está diretamente subordinado às relações entre o homem e a terra. Num país em que se paga aluguéis da terra que sobem a mais de 50 por cento da produção obtida daquela terra, não pode haver gêneros baratos, não pode haver tranquilidade social. No meu Estado, por exemplo, o Estado do deputado Leonel Brizola, 65% da produção de arroz é obtida em terras alugadas e o arrendamento ascende a mais de 55% do valor da produção. O que ocorre no Rio Grande é que um arrendatário de terras para plantio de arroz paga, em cada ano, o valor total da terra que ele trabahou para o proprietário. Esse inquilinato rural desumano é medieval é o grande responsável pela produção insuficiente e cara que torna insuportável o custo de vida para as classes populares em nosso país.

A reforma agrária só prejudica a uma minoria de insensíveis, que deseja manter o povo escravo e a Nação submetida a um miseravel padrão de vida.

E é claro, trabalhadores, que só se pode iniciar uma reforma agrária em terras economicamente aproveitáveis. E é claro que não poderíamos começar a reforma agrária, para atender aos anseios do povo, nos Estados do Amazonas ou do Pará. A reforma agrária deve ser iniciada nas terras mais valorizadas e ao lado dos grandes centros de consumo, com transporte fácil para o seu escoamento.

Governo nenhum, trabalhadores, povo nenhum, por maior que seja seu esforço, e até mesmo o seu sacrifício, poderá enfrentar o monstro inflacionário que devora os salários, que inquieta o povo assalariado, se não form efetuadas as reformas de estrutura de base exigidsa pelo povo e reclamadas pela Nação.

Tenho autoridade para lutar pela reforma da atual Constituição, porque esta reforma é indispensável e porque seu objetivo único e exclusivo é abrir o caminho para a solução harmônica dos problemas que afligem o nosso povo.

Não me animam, trabalhadores – e é bom que a nação me ouça – quaisquer propósitos de ordem pessoal. Os grandes beneficiários das reformas serão, acima de todos, o povo brasileiro e os governos que me sucederem. A eles, trabalhadores, desejo entregar uma Nação engrandecida, emancipada e cada vez mais orgulhosa de si mesma, por ter resolvido mais uma vez, pacificamente, os graves problemas que a História nos legou. Dentro de 48 horas, vou entregar à consideração do Congresso Nacional a mensagem presidencial deste ano.

Nela, estão claramente expressas as intenções e os objetivos deste governo. Espero que os senhres congressistas, em seu patriotismo, compreendam o sentido social da ação governamental, que tem por finalidade acelerar o progresso deste país e assegurar aos brasileiros melhores condições de vida e trabalho, pelo caminho da paz e do entendimento, isto é pelo caminho reformista.

Mas estaria faltando ao meu dever se não transmitisse, também, em nome do povo brasileiro, em nome destas 150 ou 200 mil pessoas que aqui estão, caloroso apelo ao Congresso Nacional para que venha ao encontro das reinvindicações populares, para que, em seu patriotismo, sinta os anseios da Nação, que quer abrir caminho, pacífica e democraticamente para melhores dias. Mas também, trabalhadores, quero referir-me a um outro ato que acabo de assinar, interpretando os sentimentos nacionalistas destes país. Acabei de assinar, antes de dirigir-me para esta grande festa cívica, o decreto de encampação de todas as refinarias particulares.

A partir de hoje, trabalhadores brasileiros, a partir deste instante, as refinarias de Capuava, Ipiranga, Manguinhos, Amazonas, e Destilaria Rio Grandense passam a pertencer ao povo, passam a pertencer ao patrimônio nacional.

Procurei, trabalhadores, depois de estudos cuidadosos elaborados por órgãos técnicos, depois de estudos profundos, procurei ser fiel ao espírito da Lei n. 2.004, lei que foi inspirada nos ideais patrióticos e imortais de um brasileiro que também continua imortal em nossa alma e nosso espírito.

Ao anunciar, à frente do povo reunido em praça pública, o decreto de encampação de todas as refinarias de petróleo particulares, desejo prestar homenagem de respeito àquele que sempre esteve presente nos sentimentos do nosso povo, o grande e imortal Presidente Getúlio Vargas.

O imortal e grande patriota Getúlio Vargas tombou, mas o povo continua a caminhada, guiado pelos seus ideais. E eu, particurlamente, vivo hoje momento de profunda emoção ao poder dizer que, com este ato, soube interpretar o sentimento do povo brasileiro.

Alegra-me ver, também, o povo reunido para prestigiar medidas como esta, da maior significação para o desenvolvimento do país e que habilita o Brasil a aproveitar melhor as suas riquezas minerais, especialmente as riquezas criadas pelo monopólio do petróleo. O povo estará sempre presente nas ruas e nas praças públicas, para prestigiar um governo que pratica atos como estes, e também para mostrar às forças reacionárias que há de continuar a sua caminhada, no rumo da emancipação nacional.

Na mensagem que enviei à consideração do Congresso Nacional, estão igualmente consignadas duas outras reformas que o povo brasileiro reclama, porque é exigência do nosso desenvolvimento e da nossa democracia. Refiro-me à reforma eleitoral, à reforma ampla que permita a todos os brasileiros maiores de 18 anos ajudar a decidir dos seus destinos, que permita a todos os brasileiros que lutam pelo engrandecimento do país a influir nos destinos gloriosos do Brasil. Nesta reforma, pugnamos pelo princípio democrático, princípio democrático fundamental, de que todo alistável deve ser também elegível.

Também está consignada na mensagem ao Congresso a reforma universitária, reclamada pelos estudantes brasileiros. Pelos universitários, classe que sempre tem estado corajosamente na vanguarda de todos os movimentos populares nacionalistas.

Ao lado dessas medidas e desses decretos, o governo continua examinando outras providências de fundamental importância para a defesa do povo, especialmente das classes populares.

Dentro de poucas horas, outro decreto será dado ao conhecimento da Nação. É o que vai regulamentar o preço extorsivo dos apartamentos e residências desocupados, preços que chegam a afrontar o povo e o Brasil, oferecidos até mediante o pagamento em dólares. Apartamento no Brasil só pode e só deve ser alugado em cruzeiros, que é dinheiro do povo e a moeda deste país. Estejam tranqüilos que dentro em breve esse decreto será uma realidade.

E realidade há de ser também a rigorosa e implacável fiscalização para seja cumprido. O governo, apesar dos ataques que tem sofrido, apesar dos insultos, não recuará um centímetro sequer na fiscalização que vem exercendo contra a exploração do povo. E faço um apelo ao povo para que ajude o governo na fiscalização dos exploradores do povo, que são também exploradores do Brasil. Aqueles que desrespeitarem a lei, explorando o povo – não interessa o tamanho de sua fortuna, nem o tamanho de seu poder, esteja ele em Olaria ou na Rua do Acre – hão de responder, perante a lei, pelo seu crime.

Aos servidores públicos da Nação, aos médicos, aos engenheiros do serviço público, que também não me têm faltado com seu apoio e o calor de sua solidariedade, posso afirmar que suas reinvindicações justas estão sendo objeto de estudo final e que em breve serão atendidas. Atendidas porque o governo deseja cumprir o seu dever com aqueles que permanentemente cumprem o seu para com o país.

Ao encerrar, trabalhadores, quero dizer que me sinto reconfortado e retemperado para enfrentar a luta que tanto maior será contra nós quanto mais perto estivermos do cumprimento de nosso dever. À medida que esta luta apertar, sei que o povo também apertará sua vontade contra aqueles quenão reconhecem os direitos populares, contra aqueles que exploram o povo e a Nação.

Sei das reações que nos esperam, mas estou tranqüilo, acima de tudo porque sei que o povo brasileiro já está amadurecido, já tem consciência da sua força e da sua unidade, e não faltará com seu apoio às medidas de sentido popular e nacionalista.

Quero agradecer, mais uma vez, esta extraordinária manifestação, em que os nossos mais significativos líderes populares vieram dialogar com o povo brasileiro, especialmente com o bravo povo carioca, a respeito dos problemas que preocupam a Nação e afligem todos os nossos patrícios. Nenhuma força será capaz de impedir que o governo continue a assegurar absoluta liberdade ao povo brasileiro. E, para isto, podemos declarar, com orgulho, que contamos com a compreensão e o patriotismo das bravas e gloriosas Forças Armadas da Nação.

Hoje, com o alto testemunho da Nação e com a solidariedade do povo, reunido na praça que só ao povo pertence, o governo, que é também o povo e que também só ao povo pertence, reafirma os seus propósitos inabaláveis de lutar com todas as suas forças pela reforma da sociedade brasileira. Não apenas pela reforma agrária, mas pela reforma tributária, pela reforma eleitoral ampla, pelo voto do analfabeto, pela elegibilidade de todos os brasileiros, pela pureza da vida democrática, pela emancipação econômica, pela justiça social e pelo progresso do Brasil.

 O discurso de Jango (vídeo):



Com informações do Carta Maior



Em votação histórica, Nova Zelândia bane patentes de software

14 de Janeiro de 2014, 22:36, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

code-codigo

Para a Nova Zelândia, um programa de computador não pode mais ser considerado uma invenção. O país votou uma nova lei de patentes, discutida nos últimos 5 anos, que bane a patente de softwares.

Como relata o Ars Technica nota, a parte da lei que interessa aponta claramente que um programa de computador “não é uma invenção”. Contudo, isso pode ter sido usado como uma forma de driblar o acordo TRIPS, que estabalece que patentes deverão estar disponíveis para quaisquer invenções, “sejam elas produtos ou processos, em todos os campos da tecnologia”.

A página nota que processos ainda serão patenteáveis no caso de o programa de computador ser uma forma de implementar algum processo patenteável. O software, por si, não poderá ser mais patenteado no país. As patentes já existentes no país, contudo, continuam valendo.

Clare Curran, membro do parlamento envolvido na discussão, afirma que muitas empresas reclamavam que o processo permitia a patente de coisas óbvias e que as “patentes de software, em geral, são contraprodutivas”. ”É praticamente impossível que software seja desenvolvido sem quebrar algumas das centenas de milhares de patentes concedidas no mundo para tarefas óbvias”, afirmavam as empresas, segundo o parlamentar.

A questão é se outros países seguirão o exemplo da Nova Zelândia. As empresas de lá se sentiram satisfeitas com a resolução, que garante mais liberdade de trabalho. Contudo, em outros países como nos Estados Unidos, onde estão as grandes corporações, um veto como esses poderia ser problemático.

Com informações de Ars Technica e Olhar Digital.



Notícias

News

Minha rede