Ir para o conteúdo

News

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

'Os Jordis estão injustamente presos, mas isso não os torna prisioneiros políticos'

29 de Outubro de 2017, 18:51 , por Bertoni - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 71 vezes

Entrevista de Carles Vallejo (prisioneiro político do regime franquista) a Juan Miguel Baquero, de Barcelona

Vallejo 00 O presidente da Associação Catalã de Ex-presos Políticos do Franquismo qualifica a comparação entre o conflito da Catalunha e a luta anti-franquista

"Parece-me perigoso entrar na equação de diferentes situações. Você não pode brincar com a banalização do franquismo, do fascismo e do nazismo"

"Hoje temos instrumentos para lutar contra as injustiças que nos diferenciam do estado que é vivido numa ditadura"

"É um assunto delicado na Catalunha. Tentei ser o mais honesto possível - refere-se à sua participação no programa de televisão Intermediário da Sexta -, mas aqui se exaltam com qualquer coisa". O presidente da Associação Catalã de Ex-presos Políticos do Franquismo, Carles Vallejo, inicia a entrevista para eldiario.es com uma declaração preventiva. Mas reafirma: a prisão provisória ditada pela Audiência Nacional para os líderes sociais independentistas e presidentes do ANC e do "Milênio Cultural", Jordi Sánchez e Jordi Cuixart, não os torna "prisioneiros políticos".

Suas declarações ao mexer com a irrupção dessa idéia no conflito na Catalunha levantaram posições conflitantes. "Estes são os tempos que correm", diz ele.

O próprio Vallejo foi preso e torturado por combater a ditadura de Franco. Ele diz que a diferença entre as duas eras é "abismal". Enquanto isso, o "chouqe de trens" continua em direção de um território desconhecido com uma passagem com destino ao artigo 155 e outro à DUI - Declaração Unilateral de Independência.

Pelo modo como começa, sente-se a respiração das vozes encontradas.

Depois do que eu disse, tive muitas demonstraações de apoio enquanto outras pessoas me atacaram sem muito motivo. Estes são os tempos que correm.

Então, não há prisioneiros políticos na Catalunha?

Há pessoas injustamente detidas, presas injustamente. Como é o caso do Jordis. O magistrado não deveria colocá-los na prisão. Se você os acusou de um crime, você deve processá-los e apresentar uma ação judicial. Eu entendo que o juiz se excedeu.

E se eles não estão presos de maneira justa ...

Eles estão injustamente presos, por causa de tudo o que está acontecendo. Não devemos entrar no tema semântico da definição. O que me parece perigoso é entrar na equação de diferentes situações. Você não pode brincar com a banalização de Franco, fascismo e nazismo. Muito levianamente se entra nessas comparações. Eles são injustamente detidos, mas não quero entrar nessa definição. Os Jordis não pode ser equiparados aos prisioneiros políticos de uma ditadura.

Vallejo 01
Carles Vallejo, lutador anti-franco.

Você não vê nenhuma semelhança entre a situação atual, com exemplos como a repressão policial nas ruas ou a prisão dos líderes do ANC e do "Òmnium Cultural" e o contexto da luta social que vivia nos anos 70 contra o regime de Franco?

Hoje temos instrumentos para combater as injustiças que nos diferenciam do estado vivido em uma ditadura. Não gosto de falar de franquismo, mas sim de fascismo espanhol, e talvez este país não tenha explicado bem o que significa não ter direitos e quais são detenções arbitrárias. A democracia espanhola pode ser imperfeita, e muitos lutam para mudar isso, mas temos instrumentos para lutar. Isso não é comparável com um regime em que não há liberdades. A diferença é abismal.

E por que está indignado que compare as duas situações?

Porque o fascismo e o nazismo são o mal absoluto, que é o que foi praticado aqui durante 40 anos. E não podemos subestimar as vítimas do franquismo. Comparando a situação atual com a anterior, diminuímos de alguma forma a dignidade dessas vítimas.

Você vê traços de franquismo no governo atual da Espanha?

Eu percebo traços autoritários. Para defini-los como um franquismo, penso que seria uma análise superficial a respeito da situação política atual. Nós experimentamos involuções políticas como a Lei da Mordaça. Os primeiros que sofreram com isso foram os Trabalhadores e o movimento operário e esses políticos que agora tentam comparar as situações, antes não criticaram essas medidas. O mesmo passou quando cercaram o Parlamento da Catalunha e ninguém levantou a voz. As posições devem ser aplicadas a todos igualmente. A hipocrisia não deve ser praticada com essas coisas delicadas. É muito mais perigoso, por exemplo, o que acontece em outros estados da União Européia, onde há um crescimento muito preocupante de partidos xenófobos.

Como vê a polarização entre o artigo 155 e a DUI?

Como a maioria das pessoas na Catalunha, não acreditamos que a questão política seja resolvida sem diálogo. Não acreditamos no unilateralismo, nem no 155 e nem queremos a DUI. Exigimos e pedimos mais oportunidades de diálogo. Chegamos ao temido "choque entre os trens" e nós da associação de ex-presos políticas advertimos que esta não era a maneira de resolver os problemas. Tudo isso é um beco sem saída.

"No final, que vai pagar a conta somos nós, trabalhadores, como sempre"

A fratura social e política é irreparável?

É o que mais nos preocupa, além do artigo 155 e da DUI: a divisão gerada na sociedade catalã. Levará anos para superar esta situação que foi criada nos últimos anos. E isso não existia. Quebrou todo o trabalho feito especialmente em minha geração e nos últimos anos da ditadura, que conseguiu incorporar a classe trabalhadora na luta pelos direitos sociais e dos Estatutos, incorporando setores que vinham de imigração e que se colocaram na vanguarda da luta pelos direitos do povo catalão... A situação criada agora é um passo para trás que nos custará muito trabalho para voltar ao conquistado anteriormente.

Você suspeita do que está no território desconhecido o que parece ser o conflito catalão?

É difícil. Viveremos uma situação de judicialização e conflito social. Tudo está se precipitando. Desde o início, houve falta de inteligência política de todos os lados. E isso deveria fazer com que muitas pessoas pensassem. É muito preocupante. Estamos dando um salto no vazio. No final, quem pagará a conta somos nós, os trabalhadores, como sempre.

A luta pelos direitos nacionais catalães está sendo vivida hoje de uma forma que coloca uma realidade de costas em relação a outra. Nos últimos anos, não fez trabalho de inteligência suficiente para incorporar certos sectores, com mais financiamento ou auto-governo e, por isso, passamos do chamado 'cinturão vermelho' para algo que poderia ser definido como 'cinturão laranja'. E a UE é um clube de estados, contra o qual lutamos por uma Europa dos povos, mas o status quo e não quer nenhuma interferência popular. Embora eu não queira dar lições a ninguém, meu trabalho, se útil, é pedagógico sobre o que o franquismo representou e não banalizar e acabar fazendo comparações simplistas.

Os atores envolvidos cometem erros primários que terminarão em uma sucessão temerária de patadas lá na frente?

A primeira coisa é ver qual a força que você tem. Propor uma luta frontal, como foi feito, pressupõe que a levará a situações muito difíceis. Você deve alcançar objetivos alcançáveis ​​de acordo com a correlação de forças que você possui. Analisar quais aliados você tem, você não pode ficar com cada vez menos... E encontrar metas e soluções viáveis ​​para problemas que não deixam as pessoas a descoberto.

Assim vocês propunham a luta política durante o fim da ditadura de Franco?

A luta política era continua. Não havia nada legal. Havia um único partido, um único sindicato, uma organização estudantil, uma organização feminina... Sem liberdade. Enfrentávamos a censura e não havia liberdade de imprensa. A luta contra um estado fascista não pode ser comparada a atual. Aqueles que se rebelaram, deixaram o caminho da submissão e lutaram contra o fascismo, foram para a prisão. Não sei o que as pessoas pensam sobre o regime franquista, mas é preciso recordá-las constantemente sobre o que o fascismo. É por isso que eu recuso comparações fáceis.

E como o regime de Franco reprimiu e proibiu? O que os presos políticos sofreram então?

Desde o início, a tortura. Eles te prendem e vem o de costume, a tortura como método para te rebaixar como pessoa e obter informações para ver se acabas traindo os camaradas da luta política e sindical. A tortura não tinha limites. E os crimes foram tipificados pelo TOP (Tribunal de Ordem Pública).

Você foi preso em 1970. Como e por que foi sua detenção? Você sofreu tortura?

Fui submetido a 20 dias de tortura. Ele foi acusado de propaganda ilegal e reunião ilícita. Cheguei a acumular 20 anos de detenção.

Dizem que entrar na prisão era uma espécie de descanso, uma saída para a violência policial.

Para mim, ir para a prisão e o tribunal foi um alívio, pois saí da tortura. Uma maneira de pararem com os maus tratos nas delegacias de polícia e nas masmorras. Os tribunais eram de exceção, sem qualquer equivalência ou razão democrática como orgão jurisdicional. Eles se dedicavam à repremir e as prisões eram terríveis.

O que passavam com os prisioneiros políticos do regime franco quando estavam atrás das grades?

Falta de higiene, aglomeração de prisioneiros, praga, sem espaços de intimidade ou para fazer nossas necessidades, percevejos ... Tudo era cinza e preto. Foram prisões destinadas a humilhar mais. Nas solitárias, por exemplo, eles nos traziam à noite um colchão daqueles que se enrola e pela manhã o levavam. O resto do dia você ficava ali sozinho, sem nada e isolado. Era outra tortura dentro da prisão e se passava toda vez que reindicávaos algo. Por isso tivemos que organizar greves de fome para exigir condições mínimas para os prisioneiros, exigindo dignidade dentro da prisão. Nem podemos comparar a situação das prisões agora e antes.

Qual era o papel desempenhado pelos membros da Brigada de Políticas Sociais?

Elas eram o instrumento de detenção do regime fascista. A ferramenta de repressão política, social, trabalhista e sindical. Elas tinham delatores em todos os lugares, desde os porteiros de edifícios até os "serenos", que eram vigilantes noturnos. Em qualquer lugar, eles poderiam coletar informações sobre pessoas que entendiam minimamente conflitantes. Vivíamos em uma sociedade de repressão e castigo projetada para que ninguém se movesse. Hoje podemos conversar como nessa entrevista, antes não podíamo fazer isso. Não podemos comparar. Antes esta entrevista teria sido clandestina e, se possível, para correspondentes estrangeiros. A imprensa local poderia fazer muito pouco, porque o regime seqüestrava os jornais em circulação e lhes impunha enormes multas. Agora é diferente.

Fonte e Fotos: El diario

Tradução: Sérgio Luís Bertoni


Fonte: Bertoni

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    Notícias

    News

    Minha rede