Ir para o conteúdo

Bertoni

Tela cheia

Blog do Bertoni

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | 1 person following this article.
Licenciado sob CC (by)

Seminário Nacional O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil: em defesa da Universidade Brasileira

8 de Maio de 2018, 22:33, por Bertoni

A UFPR sediará Seminário Nacional reunindo pesquisadores/as de vários lugares do país, interessados em debater a conjuntura política do país e que fazem parte dos cursos sobre o golpe de 2016 em suas Universidades.

Curso golpe 2016

Seminário Nacional

O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil: em defesa da Universidade Brasileira

Curitiba - 14 e 15 de Maio de 2018

Universidade Federal do Paraná – Campus Reitoria

 

Resumo da programação

14 de maio de 2018

8h - Credenciamento

9hs – Mesa de Abertura

9hs30min às 12hs – Conferência de Abertura -  Prof. Dr. Luís Felipe Miguel (UnB)

Local: Anf 100

 

13hs30min às 15hs30min – Mesas temáticas simultâneas

Mesa temática 1 – A crise no Brasil e na América Latina

Prod. Dr. Carlos Eduardo Martins -  UFRJ

Prof. Dr. Armando Boito Júnior (Unicamp)

Mediação: Prfª Drª Inês Emílio M. S. Patrício (UFF)

 

Mesa temática 2 - Do golpe de 2016 à prisão de Lula: aspectos jurídicos e políticos

Prof. Dr. Andres Del Rio (UFF)

Profª Drª Daniele Cruz (UFPB)

Prof. Dr. Ricardo Costa de Oliveira (UFPR)

Mediação: Prof. Ms. Agassiz de Almeida Filho (UEPB)

 

17hs - Visita e ato no Acampamento/Vigília Lula Livre

 

15 de maio de 2018

9hs – 12hs – Mesas temáticas simultâneas

Mesa temática 3 - Operadores do golpe: o papel da mídia

Prof. Dr. João Feres Júnior (UERJ)

Prof. Dr. Sérgio Amadeu (UFABC)

Profª Drª Rose Segurado (PUC SP)

Mediação: Profª Drª Camila Risso Sales (UNIFAP)

 

Mesa temática 4 - Impactos do golpe na economia, na educação e nas relações sociais

Profª Drª Leda Paulani (USP)

Profª Drª Lisete Arelaro (USP)

Profª Drª Gleys Ially Ramos (UFT)

Mediação: Profª Drª Maria Carlotto (UFABC)

 

14hs às 15hs30min – Rodas de conversa simultâneas

 Roda de Conversa 1 – Golpe e democracia

Apresentação inicial e mediação do debate:

Prof. Dr. Guilherme Simões Reis (UNIRIO) e Profª Dª Talita Tatiana Dias Rampin (UFG)

 

Roda de Conversa 2 – O golpe na educação

Apresentação inicial e mediação:

Prof. Dr. Jailton Lira (UFAL) e Prof. Dr. Domingos Leite Lima Filho (UTFPR)

 

Roda de Conversa 3 – Cursos sobre o Golpe

Debate entre os/as coordenadores/as das disciplinas e cursos sobre o golpe nas Universidades

Mediação:  Prof. Luiz Belmiro (IFPR)

 

16hs - Lançamento de Livros

 

16hs30min - Plenária Final

 

Link para inscrição:

https://docs.google.com/forms/d/1v2cNpVOb46TFFfbyPLf0RK2jZZ0nIJb9gTZO4Oy3jpA/edit



Putin apresenta o Aurus ao mundo: a soberania de um país passa pelo transporte do soberano

7 de Maio de 2018, 19:52, por Bertoni

Vladimir Vladimirovich Putin assumiu, em 07 de maio de 2018, seu quarto mandato como presidente da Federação Russa.

O mandato de 6 anos, cuja inauguração, a dois dias das comemorações dos 73 anos da vitória sobre a Alemanha nazista em 09 de maio de 1945, esteve repleta de simbolismos, foi marcada também pela apresentação pública mundial do Aurus* Cortejo, o "Rolls Russo", que servirá de veículo oficial de Putin.

Desde a queda da URSS os mandatários russos usavam veículos estrangeiros, produzidos por uma determinada marca alemã que também serviu a Hitler e ao alto comando nazista nos anos 1930-1940.

Agora, neste momento de fascistização mundial, Putin demonstrativamente lança o novo veículo presidencial desenvolvido e produzido na Rússia, voltando a uma velha tradição soviética e de todos os países que se preocupam com a soberania e segurança nacionais.

Você não vê um presidente gringo circulando com um carro estrangeiro. Você não vê a toda poderosa alemã circulando em carros estrangeiros. Nem seus colegas francês, japonês ou italiano. Todos circulam em carros desenvolvidos em seus países e especialmente equipados para o transporte do líder maximo.

Só em países subdesenvolvidos e que não se preocupam com sua soberania e segurança que é possível ver presidentes e primeiro-ministos circulando em fords fusions, falcons ou galaxies ou coisas que os valham...

Aurus, acrônimo de Aurum Russia, Ouro da Rússia, faz seu desfile inaugural nas ruas do Kremlin de Moscou

Aurus foi desenvolvido pelo NAMI - Instituto Estatal Central de Pesquisas Automobilísticas e Automotores da Rússia



Um país idiota, cheio de moleques, onde ainda se toque discoteque

30 de Abril de 2018, 22:58, por Bertoni

Ao ver o post do amigo @pedrocindio no Twitter...

País de idiotas

... a primeira coisa que me veio à cabeça foi a letra de Johhny dos Garotos Podres

Johnny
Garotos Podres

Eu conheci Johnny
Johnny o desordeiro
Ele anarquizava o mundo inteiro
Era o cara mais punk
Que eu já conheci
Ele agitava como eu nunca vi

Toda a polícia de Londres
Dele estava atrás
Pelo espancamento
De um pobre rapaz
Todo mundo queria
Por seu pescoço num laço
Pelo estupro de uma mina cabaço

Mas um dia tudo terminou
Johnny foi preso
Extraditado pro Brasil
Aquele país que está na corda bamba
Que só tem carnaval, futebol e samba
Um país idiota
Cheio de moleque
Onde ainda se toca discoteque
Isso para Johnny foi uma praga forte
Ele preferiu uma sentença de morte
O navio não deixou o porto
Johnny já esta pra lá de morto

Johnny, Johhhnnnnnnyyyyyy...



Absurdos: Curitiba, Esquerda, Atentado, Redes Gringas

29 de Abril de 2018, 23:33, por Bertoni

Esquivelcontraatentao

Encaremos o texto abaixo como uma autocritica de seu autor e analisemos a situação absurda que vivemos todos nós.

Por Fernando Horta

Primeiro é preciso que tenhamos em conta o que está acontecendo:

1) O objetivo é acabar com o PT e a militância. Por isso prender Lula, colocar incomunicável e manter todo o partido controlado. É como dopar um leão ou um urso. Você precisa dele dócil. Toda vez que eles atacam surge a esquerda menchevique a falar em “instituições”, “responsabilidade” e “que não podemos morder a isca”. A pergunta é onde e com quem está a “responsabilidade” desta turma? Com o STF? Com o governo Temer? Ou talvez com algum candidato que se diz de esquerda e quer ver o PT morrer à míngua, Lula esquecido e a transferência de votos para si com base no absurdo discurso da “única solução”?

2) O golpe nunca foi planejado. Desde o início Temer e Cunha avançam e retrocedem completamente amedrontados. Dá para fazer duas páginas de momentos em que Temer voltou atrás. Eles chegaram onde chegaram porque nós da esquerda preferimos fazer petição no Avast e texto nas redes do que o enfrentamento nas ruas. (destaque desta edição, pois o autor publicou este texto originalmente na rede norteamericana acusada de vazar dados pessoais para uma consultoria que presta serviços a partidos de direita) O golpe chegou onde chegou porque nós estamos respeitando vidraças e carros e deixando companheiros serem mortos para não “mordermos a isca”.

3) “Quantas divisões você tem, general vermelho?” Bobagem, nunca foi necessário exército para fazer movimento de pressão política. E quando estes exércitos existiram eles foram fruto da luta e não existiram antes dela. A mesma frase, repetida pelos mesmos que querem a aniquilação silenciosa e indolor da esquerda, responde porque as “massas não estão nas ruas”. Ninguém vai seguir qualquer liderança cujo entendimento é fazer uma festinha em forma de passeata e depois correr para a casa com gás lacrimogêneo nos olhos e bala de borracha no corpo. Há meios de enfrentamento, o jogo não é dividido apenas entre o estado letárgico que estamos ou a revolução total. Mas para esta turma de mencheviques e SR o principal é nos convencer que “não há solução”. Talvez assim tudo termine como quer a direita, com Lula morto no cárcere e a imensa população de esquerda votando branco ou nulo nas eleições. Daí talvez, candidato que se diz de esquerda e vai a evento com a nata da direita possa ter alguma chance de chegar a algum lugar além dos seus 9%.

4) “Eles têm canhões, tanques, exército…” Bobagem. Eles não precisaram colocar nada disso nas ruas até agora. Precisou apenas de duas pessoas com desprezo pelas instituições para colocar um companheiro no hospital com tiro no pescoço. Precisou apenas um ignorante com relho para humilhar a esquerda e sair rindo. Apesar de fascista as forças armadas não são homogêneas, e se imaginadas homogêneas já se sabe que elas têm pouca capacidade de defesa no Brasil, imagina em situação de dúvida. Ademais, o poder simbólico que eles criaram com o medo não sofre o custo do uso. Por imaginar uma violência institucional, nunca agimos e assim eles se mantêm e o tempo passa. Lula preso a morrer à míngua, enquanto nos dizem para “temos responsabilidade”. A quem serve este discurso? A quem serve a passagem do tempo com a militância anestesiada, acreditando que não pode nada e não tendo força alguma? Certamente, aos mesmos candidatos que se postam como “única solução”.

5) “O povo nos abandonou, por erros da esquerda”. Sinceramente, esta frase na boca de alguém que se diz de esquerda deveria ser punida imediatamente com afastamento de qualquer ligação política com esta esquerda. Esta frase é a síntese argumentativa do golpe. Que vem, pela sua simples introjeção, acabando com a esquerda desde 2013. Mas, pior, esta frase é falsa. Os partidos de esquerda crescem, e dentre eles o PT cresce muito. A militância desorganizada do PT, consegue se opor aos bots e aos milhões em propaganda na internet e reelegeram Dilma. A mesma militância mantém o golpe sem conseguir totalmente se consolidar há três anos. Lula tem 50% dos votos válidos hoje. Se a direita tivesse qualquer coisa parecida este país já tinha caído no fascismo. O povo carece, neste momento, é de um norte. E muito porque parte da própria esquerda faz o jogo nefasto de erodir a força da militância por dentro. Tem sempre tem algo a que respeitar, uma vidraça a que cuidar, uma “armadilha” a que se evitar… enquanto isto somos presos sem provas ou mortos em emboscada à luz do dia ou na calada da noite.

É terrível ver estes grupos políticos sedizentes de esquerda fazendo o jogo da direita brasileira e servindo de quinta coluna. É terrível ver gente dando argumentações estapafúrdias para enaltecer o medo, vendendo confiança num processo político que já está deformado e com instituições políticas que já estão inutilizadas. Mas o pior é ver esta gente trabalhando incessantemente para diminuir a militância, para reduzir a indignação, para transformar o sentimento de mudança em “medo” ou “respeito” a uma série de valores que nunca foram os nossos.

Nunca um processo revolucionário começou como tal. Quem lê as micro-histórias das revoluções percebe a incerteza, percebe que os líderes não conseguiam ver com clareza muito à frente, mas nem por isto deixaram de incentivar a mudança e a mobilização. Dentro destes movimentos, por toda a história, sempre houve os grupos infiltrados. Aqueles que prezam mais suas posições do que a vida dos companheiros. Grupos que, mais cedo ou mais tarde, mostraram sua verdadeira cara. Aliando-se aos governos contra as massas e terminando suas vidas exaltados como “sensatos” pelo poder.

Não mais Kerensky’s. Não aceitem o discurso que lhes diminuam o ímpeto, que lhes digam que não podemos, não aceitem que lhes afirmem que “só existe uma solução”.

Companheiros estão sendo mortos nas ruas. Companheiros estão sendo torturados nas prisões em Curitiba e um companheiro está sendo morto aos pouquinhos, enfiado numa solitária sem sequer o direito a um médico.

Fora com os falsários da esquerda. Fora com aqueles que repetem o discurso dos que nos oprimem. Nenhuma mudança começou achando que ia fazer revolução. Mas revoluções começaram com as pessoas defendendo seus direitos mais básicos, como trabalhar e comer. E, não sei se notaram, mas estão destruindo o nosso direito de existir.



Para não errar na prova do ENEM

23 de Abril de 2018, 9:43, por Bertoni

Tiradireitos



Bertoni