Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Cultura

30 de Agosto de 2016, 13:39 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.

Antes Luzia aguentou 12 mil anos, mas não suportou 2 anos de governo golpista

3 de Setembro de 2018, 10:44, por Desconhecido
Luzia

Luzia é a mulher mais antiiga da América Latina

A Classe dominante não vê necessidade de memória da cultura e da história do Brasil. Foram o golpe por isto. Para eles, o Museu Nacional é só um prédio a mais a ser transformado em condomínio de luxo ou shoping. Recursos para a cultura há, mas vão todos para os grandes shows nacionais e internacionais financiados por uma distorcida lei de “incentivo a cultura”. Os pequenos e os que resgatam cultura ou a preservam, para estes não há recursos, ou eles são muito pequenos. Em 2018 só 58 mil reais em manutenção para um museu deste porte. Assim é o Brasil. A memória é queimada assim, no mais, para que todos vejam via televisão. E pela fase em que estamos, do fascismo redivivo disputando eleições, não será surpresa se daqui a pouco não tivermos fogueiras de livros em praças públicas.

 



Bombom, do "Vamos a La Playa", volta ao palco, 33 anos depois

1 de Agosto de 2018, 19:25, por Desconhecido




Na quinta-feira, 9 de agosto, às 20 horas, a rádio Educativa FM de Piracicaba vai gravar, na unidade do Sesc da cidade, uma edição especial do programa “Resgate 105”, que é exibido há 12 anos na emissora: os convidados são os ex-integrantes do grupo Bombom, uma das "boy bands" brasileiras mais famosas da década de 1980, que tocarão músicas próprias e de artistas da época e falarão sobre os anos em que fizeram sucesso. O programa vai ao ar no dia 25, sábado, às 14 horas.

Os integrantes da banda que se reencontrarão no palco do Sesc Piracicaba são hoje senhores na faixa dos 50 anos que nunca perderam o gosto pela música - e pela carreira musical. 
 
Sandro Haick se tornou um dos principais músicos do país, multi-instrumentista que produziu inúmeros artistas e gravou vários discos, tendo, durante vários anos, acompanhado Dominguinhos por suas andanças. Atualmente, trabalha intensamente no seu estúdio, toca no grupo Os Incríveis, com seu pai Netinho, desenvolve o curso online “O segredo da música", com quase mil alunos, e ministra oficinas e workshops por todo o Brasil.
 
Fernando Seifarth, conhecido como Dino no Bombom, formou-se em Direito no Largo de São Francisco e ingressou na magistratura paulista, sendo atualmente juiz da Vara da Família em Piracicaba. Passou a ter a música como hobby e fez uma verdadeira imersão no jazz cigano, gênero criado pelo belga Django Reinhardt. Fundou o grupo “Hot Club de Piracicaba” em 2008, com o qual gravou três CDs e produz o Festival de Jazz Manouche de Piracicaba desde 2013.
 
Marcelo Papini seguiu a carreira solo como cantor e compositor e foi um dos fundadores do grupo Vexame com a atriz Marisa Orth.

Paulo Roberto Rozani trabalha na Izzo, fabricante de instrumentos musicais, e mantém contato com os artistas brasileiros, tocando eventualmente contrabaixo em jam sessions. 


A história do Bombom se confunde com a de seu maior sucesso. No ano de 1983, “Vamos a la Playa”, composição de S. Righi e C. Labionda, havia estourado na Europa. A CBS, uma das principais gravadoras da época no país, queria lançar a música no Brasil, com uma versão em português. A empresa também estava interessada em formar uma “boy band” à semelhança do famoso grupo de Porto Rico “Menudos”, que estava em bastante evidência.

Enquanto isso ocorria, o músico Luiz Franco Thomaz, o Netinho, ex-baterista do grupo “Os incríveis “, estava impressionado com o talento de seu jovem filho Sandro que, com apenas 12 anos de idade, já se revelava um excelente baterista. Netinho decidiu então que chegara o momento de Sandro integrar um grupo musical. E começou a garimpar outros jovens talentos.

Marcelo Papini, com 17 anos à época, foi apresentado a Netinho pelo publicitário Sidney Biondani, para ser o vocalista e guitarrista, e Fernando Seifarth, o “Dino”, com 15 anos, pelo músico Joel Soares, para ocupar a posição de baixista. Foi então formado o trio Sandro, Marcelo e Dino, que começou a ensaiar no escritório de Netinho na Rua 23 de Maio, em São Paulo. As primeiras músicas foram “Eu sou Boy” (Magazine), Bem-Te-Vi (Renato Terra) e ET (composição de Sandro).


Alguns encontros depois, surgiu a ideia de se convidar um quarto integrante, e Paulo Roberto Rozani se juntou ao grupo.
 

A banda foi batizada como “Bombom”, nome escolhido por Netinho e Sidney Biondani. Sempre que indagados a respeito da origem do nome, os músicos respondiam: bom duas vezes e gostoso.

A partir daí, as coisas começaram a acontecer muito rapidamente para os garotos. Netinho reservou um horário no estúdio da TV Gazeta e ali o grupo gravou o seu primeiro demo, com a música “ Belo Plug-Ug”, de Wyllie, Netinho e Gilberto Santamaria. Com ela, a banda participou de alguns programas no SBT e na Gazeta, o primeiro deles no "Almoço com as Estrelas", apresentado pelo casal Aírton e Lolita Rodrigues.

Em seguida, Netinho organizou uma turnê pelo Paraná com seu projeto pessoal “Amor e Caridade”, e o Bombom fez os shows de abertura. Grandes palcos, programas de rádio e TV, notícias em jornais, equipamentos de primeira, viagem pelas estradas com um ônibus próprio: a excursão empolgou os jovens músicos.

Na volta a São Paulo, Netinho recebeu o contato da CBS e o convite para o Bombom integrar os quadros da empresa e gravar um compacto simples - é bom lembrar que o CD ainda não existia. O compacto simples era um disco de vinil menor, que geralmente continha somente duas músicas, uma de cada lado.


Os garotos foram para o recém-construído estúdio Transamérica, que se situava ao lado da rádio com o mesmo nome, na Rua Pio XI, em São Paulo. Lá, com o convidado Nico Rezende nos teclados, tocaram e cantaram a versão brasileira de  “Vamos a la Playa”,  escrita por Kamargus, com produção de Luis Carlos Maluly. O registro foi feito pelo técnico de gravação Roberto Marques. Para o lado B do compacto, foi regravada a música “Belo Plug-Ug”.
 
Carlos Freitas, irmão de Dino, que veio a se tornar engenheiro de masterização da Classic Master, foi acompanhar as gravações e logo passou a trabalhar no estúdio como assistente, chegando até a seu gerente em poucos anos.
 
Produzir a capa do compacto, de Sidney Biondani, com fotos de Williams Biondani e Roberto Donaire, foi outra experiência nova e exaustiva para o grupo: fotos profissionais, roupas, maquiagem, tudo era novidade para a banda. 
 
O compacto foi lançado no fim de 1983 e se transformou num grande sucesso de vendas. Netinho passou a ser o empresário e produtor da banda, que gravou seu primeiro videoclipe em praias do Rio de Janeiro.
 

A partir daí o Bombom começou o trabalho de divulgação de “Vamos a la Playa” e passou a participar de todos os programas de auditório da época, nas várias emissoras de televisão: Chacrinha, Bolinha, Raul Gil, Qual é a Música (Silvio Santos), Barros de Alencar, Bozo, Dácio Campos, J. Silvestre, Serginho Leite, Xuxa e Viva a Noite (Gugu Liberato), entre outros.


Para ir gravar no Chacrinha, o grupo viajava pela Varig na “ponte aérea Rio-São Paulo”, nos lendários aviões Electra. No fundo da aeronave, havia uma espécie de sala, onde frequentemente a banda se encontrava com artistas de novelas.
 
Já os músicos famosos na época eram contatados pelos garotos nos programas de TV. Foi neles que eles conheceram os colegas do Magazine, Paralamas do Sucesso, Metrô, Rádio-Táxi, Dr. Silvana e Cia, Grafitte, Ultraje a Rigor, Blitz... “Tive o privilégio de conhecer pessoalmente o pessoal do 14 BIS, de quem eu era grande fã", diz Fernando Seifarth. "Me lembro de que pedi ao Claudio Venturini me mostrar como ele fazia o solo de As 4 Estações de Vega, do álbum A idade da Luz."
 
Vários programas de TV foram marcantes para os garotos, alguns deles inusitados, como o de Raul Gil, gravado na Ilha Porchat, com o grupo As Patotinhas, que se passava no fundo do mar. Também nesse programa a banda saiu-se vitoriosa de uma competição com outros grupos. “Ganhamos quatro skates Bandeirantes”, recorda Fernando.
 

No programa “Qual é a Música”, a banda competiu com Marco Camargo, Ovelha e Angra. Perdeu dessa terceira. Afinal, eram jovens, sem experiência de tocar em bailes, e não tinham tanto conhecimento de nomes e letras de canções de vários estilos e épocas. “No programa do Barros de Alencar, perdemos uma competição para nossas amigas do grupo Patotinhas, que conheciam bastante a música brasileira", diz Fernando. "Os programas eram incríveis, não havia roteiro e as competições eram francas e reais, e no fim das contas nos divertíamos e ríamos muito quando posteriormente os assistíamos.” 

O Bombom também participou de uma temporada de alguns dias de shows no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, promovidos pela Rede Globo e apresentado por César Filho, junto com Magazine, Fabio Junior, Eduardo Dusek e Eletric Boogies.

Outro evento marcante foi a “descida do Papai Noel” no estádio do Morumbi, lotado por mais de 100 mil pessoas. Vários artistas se apresentaram. “Bem no momento da nossa performance, apareceu aquela mensagem 'interrompemos a transmissão por problemas técnicos...' Mas, enfim, pude conhecer o vestiário do São Paulo Futebol Clube”, lembra Fernando.

O grupo fez turnês em várias cidades nos Estados de Santa Catarina, Rio de Janeiro, Mato Grosso, São Paulo e Paraná. No interior de São Paulo, participou de shows organizados por Raul Gil e Gugu Liberato. Na capital, tocou em danceterias famosas na época, como a Rádio Club. No Paraná, em Santa Helena, a banda participou, em janeiro de 1985, de um festival de rock, o “Oeste Rock show”, às margens do lago Itaipu, com os grupos Rádio Táxi, Grafitte, Absyntho e Metrô, entre outros.
 
Em razão do grande sucesso de “Vamos a la Playa”, o Bombom chegou a ser protagonista de uma campanha publicitária da pasta de dentes Kolynos Gel, produzida pela agência TVC, com exibição do comercial nos cinemas e na TVC.
 
Na mesma época, a CBS solicitou a gravação de um Long Play (LP), que foi produzido por Luis Carlos Maluly, com músicas autorais do grupo e versões brasileiras de canções que eram sucesso na Europa. As músicas foram arranjadas por Lincoln Olivetti, que tocou todos os teclados, e o disco teve a participação do guitarrista Robson Jorge. O grupo emplacou um novo sucesso na rádio, a música “Parque dos Sonhos”. "Fada", composição de Léo Jaime, cantada por Sandro Haick, também mereceu destaque na mídia. A capa do LP outro destaque, foi feita por Sidney Biondani. As duas músicas ganharam videoclipes.
 
Os quatro integrantes do grupo não se limitavam a cantar - eram músicos e tocaram seus instrumentos na gravação. O vocalista principal era Marcelo Papini, mas os outros integrantes faziam os backing vocals. 
 

No fim de 1984, a banda gravou um novo single, “Mexe Baby”, que foi parte da coletânea “Rock Wave” da CBS, com artistas como RPM, Rádio-Táxi, Sempre-Livre, Metrô e Léo Jaime, entre outros. Durante 1985, o grupo fez shows por todo o país e programas de TV, até que veio a se dissolver no fim do ano.



Presença marcante do Brasil, diz diretor do Festival de Locarno

30 de Julho de 2018, 22:53, por Desconhecido

Frase diplomática ou irônica? O fato é que logo depois de ter dito haver uma presença marcante do cinema brasileiro no Festival Internacional de Locarno, embora sejam só dois filmes e fora da competição internacional, seu diretor Carlo Chatrian reconheceu ter recebido mais filmes, mas que a qualidade é um dos critérios de seleção e que espera um filme de um diretor brasileiro, mesmo de 12 horas, que o surpreenda para ser selecionado. Leiam a entrevista completa.

Por Rui Martins, que estará do 1 ao 11 de agosto em Locarno, convidado pelo Festival Internacional de Cinema.

Carlo Chatrian deixará o Festival de Locarno para dirigir o Festival de Berlim

O cinema não morreu e nem vai morrer, Netflix não é ameaça acentua Carlo Chatrian, numa entrevista exclusiva a Rui Martins, falando dos filmes brasileiros e latinoamericanos participantes do 71. Festival Internacional de Cinema de Locarno (1 ao 11 de agosto), cuja direção artística deixará para assumir essa mesma função na Berlinale, o Festival Internacional de Cinema de Berlim.

A ausência de filmes brasileiros nas principais competições internacionais teria sido por falta de melhor qualidade, dá a entender o diretor do Festival de Locarno, embora considere marcantes a presença do filme de Júlio Bressane, Sedução da Carne, e do filme Temporada, de André Novais de Oliveira, na mostra Leopardos de Hoje, destinada aos cineastas emergentes.

Carlo Chatrian está entusiasmado com o filme argentino A Flor que, deverá marcar presença na história do cinema. De qualquer forma, com duração de 14 horas será o mais longo filme apresentado num festival.

Entrevista com Carlo Chatrian, diretor-artístico do Festival Internacional de Cinema de Locarno

Rui Martins – Com apenas dois filmes em Locarno e fora da principal competição internacional, como vê a participação brasileira este ano?

Carlo Chatrian – Eu acho que a presença brasileira é marcante neste Festival de Locarno, temos um grande mestre que retorna, Júlio Bressane, com seu filme Sedução da Carne, com seu cinema que é provocante, pleno de humor e de ironia, e temos também algo novo, Temporada, na mostra Cineastas do Presente. Quanto à quantidade da escolha, houve evidentemente propostas de outros filmes mas não selecionamos pensando na nacionalidade do filme mas verificando sua qualidade e sobretudo tentando compor um programa melhor possível.

Rui Martins -Os brasileiros não estão na competição internacional mas a América Latina está, como esse filme argentino, A Flor, de Mariano Llinás, com duração de catorze horas, que será exibido parcelado durante o Festival.

Carlo Chatrian – Esse filme argentino nós o selecionamos como um desafio ao público, à crítica e aos profissionais. Um filme pelo qual nos apaixonamos e que, acreditamos, ficará na história do cinema. Senão, vamos esperar que um realizador brasileiro nos proponha um filme, de 12 horas?, que me surpreenda para ser selecionado…

Rui Martins – Para a projeção do filme argentino no Festival, foi decidido mostrar todos os dias um pedaço até o fim do Festival?

Carlo Chatrian – O filme está previsto para se ver em três partes e, depois existem os episódios, mas o realizador não quer que o público veja episódio por episódio. Ele quer ir além do seriado de televisão ou telenovela. Existem personagens que reaparecem, principalmente as atrizes, e histórias dentro das histórias. Aqui no Festival o filme será visto em oito dias, de manhã, em partes de hora e meia a duas horas, escolhidas pelo realizador Mariano Llinás. Esse filme não é difícil de se seguir. Ele é longo, com diversas histórias em diversos idiomas. Começa na América Latina mas depois vai até a Europa, Bruxelas, França, faz um pouco a volta do mundo, misturandos gêneros e tons.

Rui Martins – … e há o filme colombiano…

Carlo Chatrian – O filme colombiano Pássaros de Verão foi mostrado em Cannes, não está na competição mas será exibido no telão da Piazza Grande. É um filme de Ciro Guerra, do qual gostei muito do Abraço da Serpente. Pássaros de Verão é uma história forte que se mistura com uma beleza extraordinária de paisagens e de corpos.

Rui Martins – Alguma observação sobre o filme brasileiro Temporada, que concorre na mostra Cineastas do Presente?

Carlo Chatrian – É o segundo filme de André Novais de Oliveira, história de uma jovem que, com um grupo de colegas faz uma pesquisa, paga pela comunidade, sobre o mosquito vetor do virus zika. Não é um filme realista, trata-se de um pretexto para se saber o que se passa nos bairros burgueses e pobres, aproveitando para contar a história dessa mulher de uns quarenta anos, que muito nos tocou pelo tom. Não é uma comédia mas não é uma tragédia, uma história de amor que se constrói em cima dessa realidade. No Brasil, pelo menos eu acho, estamos acostumados com os muito ricos ou muito pobres, e essa história se passa numa pequena classe média, contando com muita sensibilidade a vida que as pessoas levam nas suas casas modestas.

Rui Martins – Qual será o futuro do cinema, o futuro dos festivais? Um grupo de jovens escolhidos pelo Festival de Locarno pesquisa essas questões. Houve essa crise entre o Festival de Cannes com Netflix. O que acha, os festivais continuarão chamando a atenção das pessoas ou será preciso mudar, pois os jovens mudaram seus hábitos com seus celulares?

Carlo Chatrian – Faz mais de trinta anos que falam na morte do cinema e ele está aí, cheio de vida. O cinema nos mostra filmes que adoramos, que são vistos por milhões de pessoas, quem vem a Locarno pode ver seu público principalmente jovem. Não tenho nenhum receio quanto ao futuro do cinema, ele está vivendo um momento de evolução e de transição. A questão mais importante ligada a essa transição do cinema, é a relacionada com as salas onde são projetados os filmes, os cinemas. Acho que para continuarem existindo deverão mudar a maneira de programar os filmes e de apresentá.los. Hoje, exceto os filmes lançados com grande publicidade, os filmes têm dificuldade atraírem o público e serem visíveis. Nisso, acho que os festivais têm um papel importante. Muito importante é também o público que vai aos festivais porque é ele quem vai transmitir, levar adiante os filmes como as antenas. Os festivais têm esse papel – o de mostrar que certos filmes existem e sua mensagem ao público é: estes filmes existem, gostou deles? Diga, então, a outras pessoas. Não é uma maneira muito ortodoxa de explicar, mas se mudança deve haver, ela se ferá nas pequenas coisas, não nos grandes sistemas. Os grandes sistemas de distribuição estão estruturados de tal forma que não irão ajudar o cinema de autor.

Rui Martins – Bom, acredita no futuro do cinema e dos festivais, está indo agora dirigir outro festival, pretende fazer inovações?

Carlo Chatrian – Claro que tenho confiança no futuro do cinema, senão faria outra coisa como profissão. A cada ano fico surpreso pela qualidade dos filmes que me chegam, com histórias que não se repetem. Por isso, não tenho nenhum receio quanto ao futuro do cinema.

Rui Martins – Netflix é uma ameaça?

Carlo Chatrian – Não. Eu acredito que Netflix traz alguma coisa de novo. Os jovens olham Netflix, porém eles vão também ao cinema. A questão é como comunicar um filme que, segundo a maneira como é produzido, não pode estar em todos os lugares. Tanto que Netflix produzirá bons filmes, dará vontade de ver filmes. E se temos vontade de ver filmes, queremos vê-los nas melhores condições possíveis. E o cinema, a sala onde são projetados os filmes, é ainda a melhor situação, o melhor lugar para se ver filmes. Talvez eu esteja sendo muito positivo diante da realidade, mas é como se passa com a biblioteca e a livraria. Se eu vou à biblioteca é porque gosto de ler e, se eu gosto de ler vou também à livraria comprar alguns livros que gosto particularmente.

Rui Martins estará em Locarno, do 1 ao 11 de agosto, convidado pelo Festival Internacional de Cinema.



Museu da Língua Portuguesa deverá ser reaberto no fim de 2019

20 de Julho de 2018, 16:36, por Desconhecido


A recuperação da área externa do prédio que abrigava o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo, foi concluída com a instalação da última estrutura de cobertura do edifício. A peça, içada por um guindaste, foi feita com zinco peruano e madeira certificada da Amazônia.
 

Em setembro, será iniciada a obra do interior do prédio, destruído parcialmente por um incêndio em dezembro de 2015. De acordo com o governo do Estado, o museu deverá ser reaberto ao público no fim do próximo ano.

“Além da preservação, houve toda uma atualização das normas de segurança. Nós tivemos um maior rigor nas normas de segurança, equilibrando as duas questões, a preservação de um lado e a atualização da segurança de outro”, destacou o secretário da Cultura do Estado, Romildo de Pinho Campello.


A reconstrução do museu custará em torno de R$ 60 milhões, parte paga pelo seguro contra incêndio, e parte captada por meio da Lei Rouanet. O novo local de exposições seguirá o conceito anterior, mas terá algumas modificações.


"Ao entrar no novo Museu da Língua Portuguesa, o visitante o reconhecerá, mas, ao mesmo tempo, ele terá atualizações. Há um aprendizado do período, há uma evolução tecnológica e atualização de alguns conceitos. No museu anterior, o fato de a língua portuguesa ser falado em nove países do planeta era uma referência. Nesse novo museu, será um destaque, um ponto de aglutinação de todos os países que falam a língua”, disse o secretário.


Assim como foi feito no novo Auditório Simón Bolívar, também destruído por um incêndio, o novo museu fará menção ao evento que destruiu parte de seu prédio. “Haverá, assim como há uma referência hoje no Memorial da América Latina, no Auditório Simón Bolívar. Para que a gente não perca de referência, para que nunca mais aconteça”, disse Campello.


Parte do Memorial da América Latina, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer em São Paulo, o Auditório Simón Bolívar foi atingido por um incêndio em 2013, permaneceu interditado durante quatro anos e foi reaberto em dezembro do ano passado, após passar por grande reforma. (Agência Brasil)



Paraty reabre cinema que ficou 45 anos fechado

20 de Julho de 2018, 16:35, por Desconhecido


A programação de Paraty para a festa literária internacional deste ano contará com uma contribuição audiovisual na Praça da Matriz, coração do centro histórico da cidade. O Cinema da Praça será reinaugurado nesta quinta-feira (19 ), depois de 45 anos, e terá programação especial para o evento literário e continuará aberto depois que os turistas forem embora. Para o espaço, estão programadas sessões escolares, oficinas introdutórias ao audiovisual e exibições de filmes nacionais e estrangeiros para todo o público da cidade.

O sobrado que ele ocupa foi restaurado em uma obra que durou dois anos e contou com recursos da Prefeitura de Paraty, do BNDES, da Comunitas, do Ministério da Cultura e da Petrobras. O casarão tem uma sala com 80 lugares e será reaberto com a exibição de um documentário sobre as experiências de moradores de Paraty com a casa da sétima arte na época em que ela ainda funcionava.


No fim de semana de inauguração (19 a 22 de julho), a programação começa às 14 horas e se estende até a noite. Nos três primeiros meses, a entrada será gratuita, com retirada de senha uma hora antes das sessões.


A secretária de cultura de Paraty, Cristina Maseda, conta que o cinema fazia parte do cotidiano da cidade e que lembra de histórias contadas por seus pais e tios sobre filmes vistos lá. A cidade discute agora com a Universidade Federal do Rio de Janeiro uma parceria para oferecer cursos de curta duração em produção audiovisual. "A ideia é que o Cinema da Praça seja um polo formador de audiovisual e que a gente atraia produções."


Após a Flip, quando o espaço receberá também performances e uma mostra de realizadores de Paraty, a agenda de eventos do cinema já tem pela frente o Festival Varilux de Cinema Francês, programado para 4 a 12 de agosto, e está prevista para data ainda não confirmada uma mostra temática sobre filmes já gravados em Paraty, com longas como Gabriela (1983, Bruno Barreto), Como era Gostoso Meu Francês (1971, Nelson Pereira dos Santos), e Quem é Beta? (1973, Luiz Carlos Lacerda). 


O prefeito de Paraty, Casé Miranda, diz que o trabalho de restauração teve o aval do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e combina as características dos sobrados da cidade com tecnologias como ar condicionado, elevador, projetor digital e poltronas novas. "Esse cinema deve ter sido o local onde todos os pais da minha geração deram o primeiro beijo", brinca. (Agência Brasil)



Notícias

News

Minha rede

Faça uma doação