Ir para o conteúdo

Nocaute

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Sem justiça não há paz

2 de Junho de 2020, 19:58 , por Nocaute - | No one following this article yet.
Visualizado 13 vezes

A morte por asfixia de George Floyd, um homem preto, por um policial branco, desencadeou manifestações que escancararam o pesadelo do povo negro nas mãos da polícia dos EUA.

Era 2016 quando Colin Kaepernick, então estrela do futebol americano, se recusou a ficar de pé durante o hino dos Estados Unidos antes dos jogos da Liga Nacional de Futebol (NFL), o pacífico protesto era uma tentativa de conscientização sobre os reiterados ataques de injustiça e brutalidade contra o povo afro-americano nas mãos da polícia. Mas, em resposta ao manifesto, Kaepernick perdeu o trabalho e, só 18 meses depois, conseguiu chegar a um acordo com a NFL após processar as 32 equipes da liga de conspirar para mantê-lo fora do esporte.

Colin Kaepernick por Ezra Shaw

Quatro anos após o silencioso protesto do quarterback, as ruas das principais cidades norte-americanas estão em chamas: prédios públicos e privados são incendiados, lojas saqueadas e manifestantes em fúria fizeram até o presidente republicano Donald Trump se esconder em um bunker subterrâneo fora da Casa Branca. A fúria popular acontece após a morte de George Floyd, um homem preto, desarmado, cuja garganta foi esmagada pelo joelho de um policial branco. George Floyd, de 46 anos, desempregado, morreu asfixiado enquanto repetiu onze vezes que não podia respirar. Derek Chauvin, manteve o joelho no pescoço de Floyd por oito minutos e 46 segundos, de acordo com a denúncia criminal contra ele.

Fotos e vídeos: Clarissa Carvalhaes
Edição: Alcides Moreno

A América negra viveu e lutou nas ruas pelo fim da segregação racial, organizou-se e politizou-se para conquistar cada um dos direitos que tem hoje. E essa mesma América preta parece ter entendido que América branca só escuta o medo e a dor das comunidades que sofrem o abuso e a violência policial quando suas lojas luxuosas são saqueadas e queimadas. A violência das ruas, que tem obrigado os governos de 26 cidades a decretarem toque de recolher, são uma resposta às mortes invisíveis dos filhos e filhas afro-americanos.

A morte de George Floyd não é um incidente isolado. Mas muitos se perguntam: “Por que eles estão incendiando ruas? Por que eles estão saqueando? Por que eles não estão se manifestando pacificamente?”.

No país onde o coronavirus ainda não foi vencido e matou, até a publicação deste texto, mais de 105 mil americanos, por que uma população que semanas atrás se mantinha resignada dentro de suas casas está agora nas ruas, arriscando a vida, sob risco de ser contaminada pelo vírus, para simplesmente… protestar?

No Twitter, o governador do estado de Nova York Andrew Cuomo escreveu: “Por que os negros estão morrendo de Covid-19 em taxas mais altas do que os brancos? Por que os resultados de saúde são piores nas comunidades de cor? Por que George Floyd morreu? Por que isso acontece repetidamente? Está tudo relacionado. Somos muito bons neste país para dizer às outras pessoas como se comportar e agir – mas ainda discriminamos com base na cor da pele. Essa é a verdade simples e dolorosa”.

Na última sexta-feira, o ex-jogador de futebol americano e ativista Colin Kaepernick, aquele mesmo que citamos no início da reportagem, garantiu que seu grupo sem fins lucrativos “Know Your Rights Camp” irá fornecer representação legal aos manifestantes em Minneapolis, a quem chamou de “combatentes da liberdade”: “Quando a civilidade leva à morte, revoltar-se é a única reação lógica. Os gritos de paz choverão e, quando o fizerem, cairão em ouvidos surdos, porque sua violência trouxe essa resistência. Temos o direito de revidar!”

O post Sem justiça não há paz apareceu primeiro em Nocaute.


Fonte: https://nocaute.blog.br/2020/06/02/sem-justica-nao-ha-paz/

Nocaute