Ir para o conteúdo

jurubebadigital

Voltar a arquivos
Tela cheia

JurubebaDigital

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.

Qual as coincidências entre o miliciano bolsonarista Adriano Magalhães e o Strappalhao de bombacha (conhecido como Strappazzon)?

1- Adriano miliciano bolsonarista suspeito de matar a vereadora do PSOL Marielle Franco;

2- Strappalhao de Bombacha (Strappazzon), suspeito de sumir com a placa de identificação do Serpro da regional gaúcha.

O miliciano Adriano Magalhães já recebeu honrarias do Flávio Bolsonaro. Já Strappazzon sempre é alvo de esculhambação da galera da FNI serpriana gaúcha.🤑🤑🤑


Este Não É Um País Que Vai Pra Frente!

10 de Setembro de 2020, 14:41, por AntonioCarlosMeloSilva

O (des) governo Bolsonaro cada vez mais assume sua condição de cópia fiel do governo militar. Adaptou duas das propagandas da ditadura militar: "Este é um país que vai pra frente" e "Pátria Amada Brasil".

Nos anos 70, me vêm na memória meu velho pai enfrentando horas na fila do mercado do bairro em Belém (Marambaia), onde vivenciamos nossa infãncia e juventude, buscando comprar uma quota de carne e visceras bovinas, pois o país enfrentava a chamada crise da CARESTIA.

No período 1986/88, época de transição da "nova república" nos deparamos com crise de desabastecimento, inflação no governo Sarney. No entanto, a progapaganda governamental era os chamados "fiscais do Sarney".

Estamos em 2020, rádios, TVs, jornais e redes sociais não falam outro assunto: a falta dos dois principais produtos da cêsta básica (feijão, arroz). Imagens reportam prataleiras fazias nos supermercados, além de especulação nos preços do feijão e arroz no mercado consumidor.

Como não costumo dá crédito aos pseudos economistas da imprensa corporativa, e, diante de tantas lives coincidiu com uma apresentação de meu professor de economia política que abordou essa problemática da "carestia" do feijão e arroz. Sendo assim, de forma resumida ELE nos explicou:

1-A política agrícola brasileira está seguindo um caminho tortuoso (optou prioritariamente pela exportação), degrada o sólo, polui os rios com venenos pulverizados, incentiva queimadas no cerrado brasileiro e amazônia. Tudo isso promoverá acréscimo no exército de famintos indistintamente no páis pela opção do lucro fácil combinado com o dólar nas alturas para venda no mercado externo (exportação);

2-A política agricóla brasileira com seu vetor principal (Agronegócio) como opção de exportar soja ocupa o espaço de plantação no território brasileiro em 59%. Inserindo a plantação de milho, os 2 produtos em destaques ocupam o espaço de plantação no território brasileiro em 90%. Já produtos da cêsta básica o espaço de plantação é apenas de 6,7%. Óbvio que estamos falando do feijão e arroz.

3-Segundo o professor, há vários fatores sobre o desabastecimento com a tendência de agravar a crise, desde a implantação do governo golpista - TEMER e o atual governo Bolsonaro através da política econômica em total combinação com a pasta da agricultura e meio ambiente, a política agricóla brasileira entrou em rota de ladeira abaixo. Os fatores são a desativação do conselho de segurança alimentar e nutricional, extinção do MDA (Ministério do Desenvolvimento Agrário), fim do do PRONAF (programa que permitia aquisição de equipamentos  e tratores), MAIS ALIMENTOS/PPA (programas que agregavam valor para comercialização e produção de alimentos). Todos esses programas voltados para a agricultura familiar.

4-O atual governo Bolsonaro paralisou políticas agrícolas de abastecimento do principal órgão de gestão e governança - CONAB. Ou seja, a pedido da bancada do agronegóco no congresso extingiu a política de abastecimentos de feijão e arroz deixando o país praticamente sem ESTOQUES REGULADORES nos armazens, isso é reflexo de destruir inteiramente qualquer política de abastecer nosso mercado interno em caso da falta de produtos, principalmente da cêsta básica. Vai além o professor, representa total ilegalidade do governo em não respeitar a propria lei agrícola de abastecimento (Lei 8171/1991), asfixiou por completo a EMBRAPA retirando-lhe 156 milhões de investimentos em pesquisas de alimentos.

5-Por último, os dados informados peo professor: em 2013 o estoque regulador do Brasil de arroz e feijão era de quase 1 milhão de toneladas, em 2015, 1milhao e 600 mil toneladas. Hoje, nosso estoque dispõe de apenas 22 toneladas, e, provavelmente, só abastece o mercado no máximo por 10 dias.

O presidente atleta e "mito", lembremo-nos, afirmou que não entende nada de economia, confiou num "mercador de ilusões" com suas fanfarronices GUEDISTAS nos direcionando ao "caminho da servidão". É o mesmo receituário sem volta na economia brasieira que destruiu a indústria, comércio, sérviços e de rondão atinge um dos principais pilares na balança de exportação brasileira com a quebradeira da política agrícola do país.

Quem diria que o sologan adaptado da ditadura "Este é um país que vai pra frente", dos tempos da carestia e desabastecimento" que se extendeu até o governo Sarney (1988), em 2020, faríamos uma volta tão regressiva ao passado sombrio da fome, inflação, desabastecimento, desemprego. Não foi essa pauta que prometeram na campanha, ao contrário, o capitão e "mito" seria tudo diferente. Não vale colocar a culpa na PANDEMIA ou como um "BUNDÃO" pedir patriotismo aos latifundiários e donos de supermercados. Isso eu entendi muito bem nas explicações do meu professor.

 



Censura, milicia religiosa, os cabeças de planilha

1 de Setembro de 2020, 16:05, por AntonioCarlosMeloSilva

Estarrecedor os tais guardiões do Crivella (prefeito da cidade do Rio de Janeiro), ou seja, corroboro com a expressão "capangas", recrutados pela dobradinha Crivella/Bolsonarismo com o intuito de atuarem na frente dos hospitais públicos cariocas intimidando cidadãos que se dispõem em conceder entrevistas aos veículos de comunicação em relação a situação calamitosa da saúde pública carioca.

Os guardiões do Crivella se trata de milicia religiosa, pois, pelo divulgado por setores da imprensa, o DNA das figuras são de elementos pertencentes a igreja de Crivella (igreja universal), foram contratados como terceirizados e/ou DAS's. Tudo isso acontecendo com dinheiro público tão escasso na crise da saúde pública carioca.

O principal canal de imprensa à confrontar a milicia religiosa da igreja universal foi a Rede Globo em função dos ataques a seus jornalistas. A Globo evoca e convoca corações e mentes "Em Defesa Da Liberdade De Expressão".

Mas, a mesma Rede Globo não citou nenhuma linha, nenhuma reportagem subnutrida que seja em defesa do jornalista Luis Nassif, que atua no veículo independente de comunicação - jornalggn.com.br. Assim como a milicia religiosa de Crivella/Bolsonaro tentam intimidar as informações sobre os desmandos, corrupção e desvio de finalidade do dinheiro público na saúde do Rio de Janeiro, o jornalista Luis Nassif vem denunciando o BTG Pactual do Banqueiro André Esteves pela aquisição imensamente suspeita de uma carteira de investimentos de 2,9 bilhoes do Banco do Brasil.

Luis Nassif do GGN e autor da magnifica obra "OS CABEÇAS DE PANILHA" (a quem já prestamos nossa solidariedade), está impedido de informar a sociedade brasileira o que de verdade perpassa nessa empreitada do BTG Pactual com o maior banco público brasileiro. Para isso, vem sistematicamente sendo perseguido com uma enxurrada de ações judiciais por praticar o verdadeiro jornalismo ao denunciar banqueiros especuladores do mercado financeiro. A Globo calou sobre o assunto. Algo a ver com o BTG Pactual ser um de seus principais anunciantes?

 Por falar em censura, no Serpro - Norma TR009 (censura velada), assinada pelo Diretor Jurídico, Governança e Gestão, que aliás está interino na presidência da empresa. Quanta "sutileza" na tal norma. Assunto para nossos próximos capitulos.

 

Censura luis nassif



EM Defesa Do Estatuto Do SERPROS

25 de Agosto de 2020, 11:43, por AntonioCarlosMeloSilva

Estamos em plena campanha civica nacional Em Defesa Do Estatuto do Serpros. Especificamente na defesa e manutenção do artigo 4º do presente Estatuto. Em nota do diretor do Serpro que tem cargo de diretor supervisor do SERPROS - Senhor Pádua, mas conhecido nos corredores de Brasilia como EMPádua da rodoviária urbana.

O referido senhor (EMPádua) respondeu um oficio da ASPAS - Associação dos Aposentados do SERPRO/SERPROS, onde o oficio da entidade dos aposentados foi dirigido ao presidente do Conselho Executivo - CDE - Senhor Fernando Bento. Será que Fernando Bento se engasgou com EMPádua não tendo representatividade para responder um oficio? Ou se trata de um ventrilocuo qualquer?

Como se pode perceber a luta vai ser de resistência, a tentativa ilegal de transferir a sede do Serpros para Brasília faz parte da engrenagem perniciosa de fatiar a privatização de nossa empresa pública SERPRO.

Convocamos todos e todas para assinarem e compartilharem o abaixo assinado no referido link abaixo:

https://peticaopublica.org/assine/em-defesa-do-artigo-4o-estatuto-do-serpros/

 

 

 

Screenshot 20200812 141355 youtube



LIVE CONTRA A TRANSFERÊNCIA DA SEDE DO SERPROS

19 de Agosto de 2020, 16:39, por AntonioCarlosMeloSilva

CONVOCAÇÃO GERAL, LIVE, HOJE, 19h00 CONTINUIDADE DOS DEBATES SOBRE A TENTATIVA DE TRANSFERÊNCIA DA SEDE DO SERPROS. EVENTO COORDENADO PELO COMPANHEIRO FÁBIO ROSA - DIRIGENTE DO SINDPD-CE, MOVIMENTO SOUSERPROS:

 NA LIVE CONTAREMOS COM A PRESENÇA DO PRESIDENTE DA ANAPAR - BRAULIO QUE ABORDARÁ O MOMENTO ATUAL DO SISTEMA DE FUNDOS DE PENSÂO:

ACESSE O LINK E PARTICIPE: 

 

 

Screenshot 20200812 141355 youtube



NOTA DE REPÚDIO CONTRA A TRANSFERÊNCIA DA SEDE DO SERPROS

14 de Agosto de 2020, 13:41, por AntonioCarlosMeloSilva

Apresentamos públicamente a NOTA de REPÚDIO aprovada em plenária estatutária da Associação Naional Dos Participantes Dos Fundos De Pensão - Região Norte, pelos participantes do SERPROS Antonio Carlos e Eduwigem Maciel, ELEITOS delegados:

 

A plenária da região norte da ANAPAR (Associação Nacional Dos Participantes Dos Fundos De Pensão), sediada na cidade de Belém, realizada em 12 de Agosto de 2020, tendo como pauta principal a eleição de delegados e delegadas que participarão do CONGRESSO NACIONAL que realizar-se-á nos dias 26 e 27 de Agosto com participação das representações de participantes de todo o país. Os fundos de pensão continuam sendo perseguidos e atacados pelo atual governo prejudicando as principais conquistas da DEMOCRACIA PARTICIPATIVA DO SISTEMA DE FUNDOS DE PENSÃO. Sendo assim, a plenária estatutária da ANAPAR REGIÃO NORTE vem repudiar a direção do SERPROS, de sua patrocinadora SERPRO, além do presidente do Conselho Diretivo Executivo - CDE, senhor Fernando Nunes Bento que em recente reunião ordinária do CDE como ajudante de ordens da patrocinadora, por maioria, comandou aprovação pela transferência da sede fixa do SERPROS do Rio de Janeiro para Brasília. A referida desmedida decisão prejudica inúmeros trabalhadores e trabalhadoras que residem e desenvolvem suas atividades laborais no SERPROS em média 40 anos. Sem contar que a transferência não conseguiu justificar nenhuma condição plausível dos impactos financeiros, atuariais e social. Finalmente, é estranho que o SERPROS e o SERPRO estejam ocultando dos participantes as mudanças realizadas no ESTATUTO. Portanto, a ANAPAR região norte delibera que a referida NOTA DE REPÚDIO conste nos anais do congresso Nacional dando conhecimento de interesse público a coletividade do sistema de fundos de pensão.

 

 

Belém, 12 de Agosto de 2020

 

Antonio Carlos Melo Da Silva (participante SERPROS)

 

Eduwigem Dos Santos Maciel (participante SERPROS)

 

 

 



Tags deste artigo: inclusão digital software livre linux política