Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Saúde

22 de Fevereiro de 2017, 9:45 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.

Aleitamento materno promove crescimento cerebral de prematuros

29 de Abril de 2019, 15:42, por Desconhecido

Os espectros cerebelares mostraram níveis de creatina significativamente maiores para bebês amamentados com leite materno em comparação com os bebês alimentados com fórmula.

Por Redação, com ABr – de Brasília

Um estudo mostrou que bebês prematuros que consomem leite materno têm níveis significativamente mais altos de substâncias químicas importantes para o crescimento do cérebro.

Aleitamento materno promove crescimento cerebral

O estudo apresentado no Encontro das Sociedades Acadêmicas Pediátricas 2019 em Baltimore, nos Estados Unidos, selecionou bebês que tinham muito baixo peso ao nascer (menos de 1.500 gramas) e 32 semanas de idade gestacional ou menos ao nascer.

A equipe da Children’s National coletou dados da massa branca frontal direita e do cerebelo via espectroscopia de ressonância magnética de prótons.

Os espectros de massa branca cerebral mostraram níveis significativamente maiores de inositol, uma molécula semelhante à glicose, para bebês alimentados com leite materno, em comparação com os bebês alimentados com fórmula, de acordo com o estudo.

Os espectros cerebelares mostraram níveis de creatina significativamente maiores para bebês amamentados com leite materno em comparação com os bebês alimentados com fórmula.

Além disso, a percentagem de dias em que as crianças foram alimentadas com leite materno foi associada a níveis significativamente maiores de creatina e colina, um nutriente solúvel em água.

A creatina facilita a reciclagem da renovação energética da célula, pelo que maiores quantidades deste metabolito resultaram em mudanças mais rápidas e maior maturação celular, enquanto a colina é um marcador da renovação da membrana celular, de acordo com o estudo.

– Os principais níveis de metabólitos aumentam durante os tempos em que os cérebros dos bebês experimentam crescimento exponencial – disse a especialista em pediatria Katherine Ottolini, autora principal do estudo.



Sal, açúcar e gorduras: os riscos do excesso

10 de Abril de 2019, 11:43, por Correio do Brasil

Óleos, gorduras, sal e açúcar são produtos alimentícios usados para temperar e cozinhar alimentos e para criar preparações culinárias.

Por Redação, com ACS – de Brasília

Utilizados com moderação em preparações culinárias com base em alimentos in natura ou minimamente processados esses ingredientes contribuem para diversificar e tornar mais saborosa a alimentação sem que fique nutricionalmente desbalanceada.

Em geral, o excesso desses ingredientes tem origem muito menos nos pratos feitos na cozinha de casa do que nos alimentos processados e ultraprocessados

Sal, açúcar, óleos e gorduras contêm alto teor de alguns nutrientes que podem ser prejudiciais à saúde, como o sódio (que é a base do sal de cozinha), o açúcar livre (presente no açúcar branco) e as gorduras saturadas (encontradas nas gorduras presentes nos queijos, na manteiga e em alguns óleos vegetais). Óleos e gorduras têm seis vezes mais calorias por grama do que o arroz, o feijão e outros grãos e vinte vezes mais do que os legumes e as verduras. O açúcar possui de cinco a dez vezes mais calorias do que a maioria das frutas.

Pesquisas comprovaram que o consumo excessivo do sódio contido no sal pode provocar doenças como insuficiência renal, acidentes vasculares cerebrais (AVC, ou derrame) e hipertensão. O excesso de gorduras saturadas também aumenta significativamente o risco de doenças cardíacas, entupimento das veias do coração e obesidade, enquanto o açúcar pode facilitar o aparecimento de problemas que vão da cárie dentária à obesidade e ao diabetes.

Em geral, o excesso desses ingredientes tem origem muito menos nos pratos feitos na cozinha de casa do que nos alimentos processados e ultraprocessados. Nessa categoria estão salgadinhos industriais, batata frita de pacote, maionese, bolachas e biscoitos doces e salgados, pão branco, bolos prontos, doces, chocolate e muitos outros.

É preciso lembrar que, a não ser por expressa recomendação médica, não devemos deixar de ingerir sal, açúcar e gorduras, que são essenciais à vida. A palavra mágica é moderação, sempre, o que muitas vezes envolve mudança de hábitos.

Tomar mais água durante o dia

A quantidade ideal de água a ser ingerida diariamente depende de vários fatores como a idade e o peso da pessoa, a atividade física que realiza, até mesmo o clima e a temperatura do ambiente onde vive. Para alguns, a ingestão de dois litros de água por dia pode ser suficiente. Outros precisarão de três, quatro litros ou mais, como no caso dos esportistas.

– Crianças, gestantes, mães em amamentação e idosos são grupos com mais risco de desidratação. Portanto, devem estar mais atentos à necessidade de hidratação diária, que deve vir predominantemente do consumo de água pura mas também da água contida nos alimentos, chás e sucos naturais – explica a nutricionista Laís Monteiro da Silva.

O balanço diário de água é controlado por sofisticados sensores localizados no cérebro e em diferentes partes do corpo. Esses sensores provocam sede e nos impulsionam a consumir líquidos sempre que a ingestão de água não for suficiente para repor a água que utilizamos ou eliminamos.

Assim, conforme indica o Guia alimentar para a população brasileira, é fundamental atentar-se para os primeiros sinais de sede e satisfazer de pronto a necessidade de água que é sinalizada pelo organismo. E não é saudável substituir a água por alimentos ultraprocessados, como refrigerantes e bebidas açucaradas. Principalmente as crianças.

A água faz parte da categoria de alimentos in natura ou minimamente processados e é essencial para a manutenção da vida. Sem ela, não sobrevivemos mais do que poucos dias.



Cigarro eletrônico causa infarto e depressão, diz estudo

11 de Março de 2019, 17:46, por Desconhecido

Pesquisa norte-americana mostra que e-cigarros são mais nocivos do que muitos pensam: fumantes arriscam ter doenças cardíacas e psíquicas. No entanto, os cigarros tradicionais são ainda mais perigosos.

Por Redação, com DW – de Nova York

Fumantes de e-cigarros possuem risco 56% maior de ter um ataque cardíaco em comparação com não fumantes. O risco de um acidente vascular cerebral (AVC) é cerca de 30% maior. Depressão, transtornos de ansiedade e emocionais são cerca de duas vezes mais comuns do que em não fumantes.

Até agora pouco se sabia sobre a correlação entre doenças cardíacas e o cigarro eletrônico, diz autor de pesquisa

Esses dados vêm do estudo de uma equipe da Escola de Medicina do Kansas, liderada por Mohinder Vindyhal. A pesquisa será apresentada por Vindyhal no Congresso de Cardiologia ACC19, em Nova Orleans, em 18 de março próximo.

– Descobrimos que não importa quantas vezes você consome e-cigarros, e mesmo que isso aconteça em alguns dias por semana, é mais provável que você tenha um ataque cardíaco ou uma doença coronariana – afirmou o professor de Medicina.

Seu estudo refuta a crença generalizada de que os cigarros eletrônicos são menos perigosos porque não produzem fumaça e, portanto, menos toxinas do processo de combustão entram nos pulmões.

Na pesquisa, no entanto, os cigarros normais tiveram um desempenho significativamente pior do que os cigarros eletrônicos: o risco de um ataque cardíaco foi 165% maior, assim como a probabilidade de uma doença arterial coronariana (94% maior) e de um acidente vascular cerebral (78% maior).

Para sua pesquisa, Vindyhal usou dados de um estudo em grande escala do Centro de Saúde dos EUA.

Nessa pesquisa, 96.467 participantes responderam, em 2014, 2016 e 2018, questões sobre seu uso ou não uso de cigarros eletrônicos. Com idade média de 33 anos, os consumidores de e-cigarros eram mais jovens que os de cigarros normais, com idade média superior a 40 anos.

Provavelmente muitos consumidores de cigarros eletrônicos também costumavam fumar tabaco no passado. Nesse contexto, o aumento do número de doenças cardíacas também poderia ter algo a ver com isso.

Também surge a questão de saber se o alto número observado de pessoas com depressão pode ter algo a ver com o fato de que os pacientes com doenças psíquicas são mais propensos ao consumo de estimulantes. Observadores apontam que pode se tratar de uma confusão entre causalidade e correlação.

No entanto, Vindyhal se atém à sua conclusão. “Até agora, pouco se sabia sobre doenças cardíacas em conexão com o uso de cigarros eletrônicos”, disse o médico. “Esses dados devem nos despertar para entrarmos em ação e aumentar a conscientização sobre os perigos dos cigarros eletrônicos.”



Recomendações da OMS para ter boa saúde em 2019

31 de Dezembro de 2018, 20:38, por Desconhecido

Seja qual for sua resolução de ano novo, uma dieta saudável e equilibrada proporcionará muitos benefícios em 2019 e nos próximos anos. O que comemos e bebemos pode afetar a capacidade de nosso corpo de combater infecções, bem como a probabilidade de desenvolvermos problemas de saúde mais tarde, entre eles obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e diversos tipos de câncer.

Por OMS, Opas com Rui Martins, de Genebra:

Para assegurar uma alimentação sadia no Ano Novo

Seja qual for sua resolução de ano novo, uma dieta saudável e equilibrada proporcionará muitos benefícios em 2019 e nos próximos anos. O que comemos e bebemos pode afetar a capacidade de nosso corpo de combater infecções, bem como a probabilidade de desenvolvermos problemas de saúde mais tarde, entre eles obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e diversos tipos de câncer.

Os ingredientes exatos de uma dieta saudável dependerão de diferentes fatores, como a idade e o quão ativos somos, bem como os tipos de alimentos que estão disponíveis nas comunidades em que vivemos. Mas em todas as culturas, existem algumas dicas comuns de alimentos que podem nos ajudar a ter vidas mais longas e saudáveis.

1) Coma alimentos variados

Nossos corpos são incrivelmente complexos e (com exceção do leite materno para bebês) nenhum alimento contém todos os nutrientes que precisamos para que trabalhem da melhor forma. Nossas dietas devem, portanto, conter uma grande variedade de alimentos frescos e nutritivos para nos mantermos fortes. Algumas dicas para garantir uma dieta equilibrada:

Em sua dieta diária, procure comer uma mistura de alimentos básicos como trigo, milho, arroz e batatas com leguminosas como lentilhas e feijões, além de muitas frutas e vegetais frescos e alimentos de origem animal (esse último em caso de pessoas não vegetarianas ou veganas).
Escolha alimentos integrais, como milho não processado, aveia, trigo e arroz, quando puder. Eles são ricos em fibras valiosas e podem ajudá-lo a se sentir saciado por mais tempo.

Caso consuma carne, escolha as peças mais “magras” sempre que possível ou reduza a gordura “visível”.
Tente cozinhar ou ferver os alimentos em vez de fritá-los.
Para lanches, escolha vegetais crus, nozes sem sal e frutas frescas em vez de alimentos com alto teor de açúcares, gorduras ou sal.

2) Reduza a quantidade de sal

Em grandes quantidades, o sal pode elevar a pressão arterial (hipertensão), que é um dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares. Em todo o mundo, a maioria das pessoas consome muito sal: em média, usamos o dobro do limite recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) – 5 gramas, o equivalente a uma colher de chá por dia.

Mesmo não adicionando sal “extra” em nossa comida, devemos estar cientes de que ele é comumente colocado em alimentos processados ou bebidas, e muitas vezes em quantidades elevadas.

Algumas dicas para reduzir a ingestão de sal:

Ao cozinhar e preparar alimentos, use sal com moderação e reduza o uso de molhos e condimentos salgados (como molho de soja, caldo de carne ou molho de peixe).
Evite lanches ricos em sal e tente escolher alimentos saudáveis e frescos em vez de alimentos processados.
Ao usar vegetais enlatados ou secos, nozes e frutas, escolha variedades sem adição de sal e açúcares.
Remova condimentos salgados da mesa e evite adicioná-los por simples hábito. Nosso paladar pode se ajustar rapidamente e, quando o faz, é provável que você aprecie alimentos com menos sal e mais sabor!
Verifique os rótulos dos alimentos e procure produtos com menor teor de sódio.

3) Reduza o uso de certas gorduras e óleos

Todos nós precisamos de um pouco de gordura em nossa dieta, mas comê-las em demasia – especialmente os tipos errados – aumenta os riscos de obesidade e doenças cardiovasculares.

As gorduras trans produzidas industrialmente são as mais perigosas para a saúde. Descobriu-se que uma dieta rica nesse tipo de gordura aumenta o risco de doença cardíaca em quase 30%.

Algumas dicas para reduzir o consumo de gorduras:

Troque manteiga, banha e ghee por óleos mais saudáveis, como azeite, soja, canola, milho, cártamo e girassol.
Caso consuma alimentos de origem animal, escolha carnes brancas, como frango e peixe, que geralmente são mais baixos em gorduras e limite o consumo de carnes processadas.
Verifique os rótulos e sempre evite alimentos processados, “rápidos” e fritos que contenham gordura trans produzida industrialmente. Ela é frequentemente encontrada em margarina e ghee, bem como em lanches préembalados, fast food, assados e fritos.

4) Limite a ingestão de açúcar

O excesso de açúcar não é ruim apenas para os dentes, mas aumenta o risco de ganho de peso e obesidade, que podem levar a sérios problemas crônicos de saúde.

Tal como acontece com o sal, é importante ter em mente a quantidade de açúcares “ocultos” que podem ser encontrados em alimentos e bebidas processados. Uma única lata de refrigerante, por exemplo, pode conter até 10 colheres de chá extras de açúcar.

Algumas dicas para reduzir a ingestão de açúcar:

Limite a ingestão de doces e bebidas açucaradas, como refrigerantes, sucos de frutas, concentrados líquidos e em pó, água aromatizada, bebidas energéticas e esportivas, chá e café prontos para consumo e bebidas lácteas com diferentes sabores.
Escolha lanches frescos e saudáveis em vez de alimentos processados.
Evite dar alimentos açucarados para crianças. Sal e açúcares não devem ser adicionados aos alimentos complementares oferecidos a menores de dois anos de idade e devem ser limitados após essa idade.

5) Evite o uso nocivo de álcool

O álcool não faz parte de uma dieta saudável, mas em muitas culturas, as celebrações de ano novo estão associadas a seu consumo nocivo. Em geral, beber demais ou com muita frequência aumenta o risco imediato de lesões, além de causar efeitos a longo prazo, como danos no fígado, câncer, doenças cardiovasculares e transtornos mentais.

A OMS informa que não há nível seguro de consumo de álcool; e para muitas pessoas, mesmo os baixos níveis de consumo ainda podem estar associados a riscos significativos à saúde.

Lembre-se: consumir menos álcool é sempre melhor para a saúde e é perfeitamente aceitável não beber.
Você não deve beber álcool se: estiver grávida ou amamentando; dirigir, operar máquinas ou empreender outras atividades que envolvam riscos relacionados; tem problemas de saúde que podem ser agravados pelo álcool; está tomando medicamentos que interagem diretamente com o álcool; ou tem dificuldades em controlar seu consumo.

Por OMS/Opas com Rui Martins correspondente em Genebra.



Recuperação quase miraculosa de Bolsonaro levanta suspeitas de especialista em saúde

8 de Setembro de 2018, 21:05, por Desconhecido

Alegadamente esfaqueado na quinta-feira, o quadro de saúde do capitão do Exército, afastado da corporação em um processo disciplinar, não apresentou “nenhuma intercorrência nas últimas 24 horas”, informou o hospital Albert Einstein em boletim médico, nesta manhã.

 

Por Redação – do Rio de Janeiro e São Paulo

 

Candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro permanece “consciente e em boas condições clínicas”, segundo boletim médico, divulgado neste sábado. A pronta recuperação do representante fascista na corrida presidencial foi tão bem sucedida que chamou a atenção de especialistas em saúde.

Bolsonaro, fazendo o sinal característico de truculência, recupera-se quase que miraculosamenteBolsonaro, fazendo o sinal característico de truculência, recupera-se quase que miraculosamente

Alegadamente esfaqueado na quinta-feira, o quadro de saúde do capitão do Exército, afastado da corporação em um processo disciplinar, não apresentou “nenhuma intercorrência nas últimas 24 horas”, informou o hospital Albert Einstein em boletim médico, nesta manhã.

O documento explica que Bolsonaro permanece internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) depois de ter sofrido o atentado num evento de campanha e passar por uma delicada cirurgia de emergência em Juiz de Fora (MG).

Evolução

“Os exames de imagem e laboratoriais realizados durante avaliação médica mostraram resultados estáveis. Encontra-se em boas condições cardiovascular e pulmonar, sem febre ou outros sinais de infecção. Mantém jejum oral, recebendo nutrientes por via endovenosa”, descreve o boletim, assinado pela equipe médica do hospital.

De acordo com o hospital, será dada continuidade ao tratamento clínico, “sem necessidade de procedimento no momento”. A melhora foi surpreendente, a ponto de Bolsonaro ser movimentado do leito para a poltrona no início desta tarde. Ele foi fotografado, fazendo o costumeiro gesto de beligerância, por um de seus filhos,

Diante da defesa do candidato extremista, de uma solução ainda mais violente para o país, o pesquisador e tutor do curso de Bioética aplicada às Pesquisas Envolvendo Seres Humanos, na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz); Carlos Alberto Oliveira afirma que Bolsonaro perdeu “a oportunidade de evoluir”.

“O pior é quando nos é dada a oportunidade de aprender que o amor deve vencer o ódio. Olha o tal candidato fazendo foto simulando armas nas duas mãos…”, escreveu Oliveira, em uma rede social.

Fake

Acostumado a situações de emergência e análise do quadro clínico dos pacientes, Oliveira chama atenção para um possível exagero no noticiário sobre o candidato neofascista.

“Realmente, o candidato Bolsonaro tem um organismo muito forte. Menos de 72 horas, ele sofreu um trauma abdominal por arma branca, em choque, hemorragia intracavitária grave; foi submetido a uma laparotomia exploradora; ruptura de alças intestinais.

“Fez transfusões sanguíneas, instalou uma colostomia temporária, gravou vídeo poucas horas da cirurgia (que viralizou nas redes sociais) enfim… Ou ele é um cara muito forte (MESMO), ou…FAKE”, conclui.



Notícias

News

Minha rede