Ir para o conteúdo

Terra Sem Males

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

“Crenças que nos limitam”, discurso de Silvia Valim no 08 de Março

9 de Março de 2018, 9:35 , por Terra Sem Males - | No one following this article yet.
Visualizado 22 vezes

Durante o 3º prêmio Sescap de Jornalismo, a Diretora de Cultura do Sindicato dos Jornalistas do Paraná, Silvia Valim, fez um discurso representando a entidade. Confira abaixo:

“Talvez não precisássemos falar da mulher no histórico 8 de março se já não houvesse desigualdade, violência e preconceito de gênero.
Ainda é preciso provar diariamente que a mulher é merecedora. Mas insistem em criar definições pra nós: “sexo frágil” ou “delicada”. Às vezes “amorosa” ou “caprichosa”.

Nenhum demérito em ser amável.
Mas não são por essas definições que mulheres lutam.
Lutamos por salários melhores.
Lutamos por respeito.
Lutamos para ser quem e como quisermos.
Sem as amarras de uma cultura que insiste em nos colocar em um rótulo.

Crenças que nos limitam.

Não será de um dia pro outro. Não será só com palavras. Não será hoje. Por isso a luta é contínua.

Muitas são homenageadas nessa data. E, pessoalmente, também não vejo problemas nisso.
Mas no dia a dia enfrentam assédio moral e sexual. Suportam a violência de homens que insistem em considerar que nós precisamos nos sujeitar aos seus caprichos.
Não, eu não quero generalizar. Porque seria injusto.
Só que mais injusto seria afirmar que são em poucos locais de trabalho que isso ocorre.

Se uma mulher é dura com as palavras, é porque é “mal amada”. É “descontrolada”. Está “naqueles dias”.
Se um homem é duro com as palavras, “é enérgico. É um “líder nato”. Tem “pulso firme.”
Se um homem é promovido é porque “ele merece”. Porque é “inteligente”, ou “batalhou por isso”.
Se uma mulher é promovida… nós já sabemos o que dizem.

Crenças. Definições que nos limitam.

Conquistamos muito, é verdade! Afinal, nós podemos!
Hoje somos a maioria nas redações. Estamos em altos postos em muitas profissões.
Mas a discriminação ainda existe.
O machismo ainda resiste. Assim como o racismo. Assim como a homofobia. Assim como a xenofobia.

Isso é medo. É injustiça. É impor limites a quem merece liberdade.

Mas hoje, quando não nos silenciamos, trago o que Simone de Beauvoir registrou em seus escritos à nós, mulheres, mas pensando nos homens:
“Que nada nos limite. Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja nossa própria substância”.

Em nome de todas as mulheres, obrigada a você que respeita nossa história, que respeita nossa luta.

Aos que não, ainda dá tempo.

Eu, mulher.”

8 de março de 2018

Foto: Adilson Faxina


Fonte: http://www.terrasemmales.com.br/crencas-que-nos-limitam-discurso-de-silvia-valim-no-08-de-marco/