Ir para o conteúdo

Terra Sem Males

Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Temer sucateia Correios e prédio da estatal no Paraná tem água cortada

8 de Fevereiro de 2018, 18:35 , por Terra Sem Males - | No one following this article yet.
Visualizado 11 vezes

Desde terça-feira (06), 43 trabalhadores do Centro de Distribuição Domiciliar (local onde a carga postal é separada por ordem de ruas e de numeração) dos Correios de Paranaguá estão sem água. A fatura está atrasada desde o dia 05 de janeiro. O valor é de R$ 261,78. Essa é uma situação que já virou rotina na unidade, de acordo com os funcionários.

O Sindicato dos Trabalhadores dos Correios (Sintcom-PR) já enviou a cópia da fatura atrasada para a direção dos Correios pedindo que providenciem o religamento imediato. Desde ontem, a temperatura tem atingido 30 graus em Paranaguá. Os banheiros estão interditados.

 “Isso é uma vergonha! Além de falta de funcionários, frota sucateada gerando atraso nas entregas e revolta na população, os funcionários ainda são submetidos à falta de água em pleno verão no litoral”, disse Ezequiel Dutra, diretor de imprensa do sindicato. No ano passado, a mesma agência fez uma paralisação pedindo a troca do gerente, acusando-o de assédio moral e perseguição. O gestor foi substituído, mas o descaso da empresa com os funcionários se agrava a cada dia.

Enxugar para privatizar
O secretário geral do SINTCOM-PR, Marcos Rogério Inocêncio (China), denunciou os ataques que os trabalhadores dos Correios vêm sofrendo, visando a privatização da empresa. “Enfrentamos diariamente o assédio moral, a Distribuição Domiciliar Alternada que gera atraso nas entregas e sobrecarga aos trabalhadores, descontos indevidos, intenção de cobrança de mensalidade no plano de saúde e retirada dos dependentes, sucateamento das unidades e da frota, falta de concurso público e, em destaque, a decisão da empresa de extinguir cargos e terceirizar todas as atividades, em decisão tomada em março do ano passado e que só agora veio a público”, citou China.

O último concurso dos Correios foi realizado em 2011. Na época, a empresa tinha 115 mil empregados. Em 2013, eram 127 mil. Hoje, são 103 mil. O número de empregados vem sendo reduzido mês a mês, seja pelos cada vez mais frequentes pedidos de demissão, seja pelos sucessivos planos de demissão voluntária que visam exclusivamente à redução do número de trabalhadores sem qualquer preocupação com os impactos na qualidade dos serviços prestados.

A mando de Temer, a atual direção dos Correios atua de forma escusa para atender a interesses privados daqueles que enxergam na privatização da empresa somente o lucro nas maiores cidades e grandes centros urbanos. Em muitos municípios, somente os Correios disponibilizam a circulação de recursos efetuando pagamentos de benefícios sociais, como o INSS.

Dentre os 5.570 municípios brasileiros, apenas 17 têm população superior a 1 milhão de pessoas. Obviamente, a iniciativa privada tem interesse somente nesses centros mais populosos, de fácil acesso pelos meios de transporte, com lucro garantido. No Paraná, mais da metade (204) dos 399 municípios têm até 20 mil moradores.

O prejuízo causado aos Correios e anunciado pela imprensa se deve à má gestão e à retirada indevida de R$ 6 bilhões para pagar aos banqueiros juros da dívida pública e contratações de empresas de consultoria sem licitação na ordem de mais de R$ 1 bilhão ao ano.
São notórios os efeitos do sucateamento dos veículos, cujos custos de manutenção aumentam mês a mês, devido à elevada idade da frota. O mesmo descaso é notório na estrutura física (em alguns locais, o forro do teto está prestes a desabar) aumentando o risco de acidentes.

A existência do Correios estatal garante preços justos dos serviços de correspondências em um mercado com forte tendência de formação de oligopólios quando operado pelo setor privado.
Embora seja alardeada a existência de monopólio, os Correios atuam em pé de igualdade nos serviços de encomenda, onde impera a livre concorrência, com preços justos e que impedem grandes grupos de praticarem tarifas exploratórias.

Os Correios, no Paraná, empregam 5,8 mil trabalhadores permitindo o sustento de 26 mil pessoas entre empregados e familiares. Dos funcionários, 85% trabalham na área operacional (entre eles, os carteiros), sendo que 97% do quadro possui ensino médio completo e/ou curso superior.

Por Cinthia Alves


Fonte: http://www.terrasemmales.com.br/temer-sucateia-correios-e-predio-da-estatal-no-parana-tem-agua-cortada/