Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

Tela cheia
 Feed RSS

Blog Anima Mundi

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by-nc-sa)
Olá a todos, este blog pessoal é sobre O Mundo Animado - Em Plena Transformação.

A Banalidade da Política

13 de Fevereiro de 2015, 8:10, por Thiago

Escrevo este texto em resposta ao Professor Luiz Paulo Rouanet, que possui um texto interessantíssimo neste link: https://algumafilosofia.wordpress.com/2015/01/08/a-banalidade-da-politica/

 

Primeiramente eu queria dizer que a política no Facebook será sempre uma banalidade. Enquanto eles continuarem mantendo nossa política totalmente dependente do Faceboook (ter conta no Facebook e fazer o que quiser lá não é o problema) permanecerão deixando a política repleta de banalidade, com direito aos protestos que acabam violentos enquanto as pessoas não ficam sabendo de qualquer novidade democrática por causa da desinformação na mídia.

Eles querem produzir conhecimento, mas conhecimento trancado sem qualquer aplicação. Podem produzir artigos, comunicações, iniciações científicas, mas sem qualquer retorno ao Estado, que financia suas pesquisas. Querem ganhar dinheiro para produzir, não aceitam serem questionados, querem ser donos da verdade e odeiam quando estão sendo mostrados que não tem razão em continuarem a fazer a política totalmente dependente do Facebook.

A banalidade da política é algo que todos praticam em um lugar que nunca acontece nada de novo. Todos os anos teremos os mesmos fatos se não mudarmos de rede que fazemos a política o Brasil, e eu não gosto dessa ideia de muitas mais manifestações inúteis que não levam a nada, enquanto as TVs não divulgam as Redes e APlicativos Federais, que são a nossa única forma de combater a corrupção.

Já que eles tratam a nossa política como uma das banalidades do Facebook, então não temos autonomia. Nem sequer poder de mudança, porque a política acontecerá sempre no Facebook e terão protestos com gente desinformada o suficiente para causar apenas estragos. Somos uma Pátria Educadora e precisamos levar mais a sério nossa política.

 

 



Richard Stallman evoca Tiradentes contra Microsoft

12 de Fevereiro de 2015, 22:15, por Thiago

Fundador do Projeto Gnu e da Free Software Foundation, Richard Stallman chamou a atenção do público na tarde do dia 21, ao gritar para funcionários da Microsoft, em altos brados, "libertas quae sera tamen". Os emissários da corporação estavam presentes em debate promovido no estande da Infomedia TV.

A frase, que emportuguês significa "liberdade ainda que tardia", é fortemente associada à Inconfidência Mineira. Dia 21 de abril é feriado de Tiradentes, ícone inconfidente.

Tópico aberto. colabore com textos e imagens

Stallman em manifestação contra a Microsoft. Foto: Cristiano Sant'Anna:

dscf0526.jpg

 

http://wiki.softwarelivre.org/CoberturaWiki/Post20060421200314

Eu tenho é nada contra usar Windows, apenas não queira que eu perca muito meu tempo usando Windows quando eu puder usar GNU/Linux.

Sucesso econômico também é algo necessário às empresas que querem trabalhar fornecendo Software Livre. Isto não quer dizer que as pessoas tenham que usar GnuComLinux, mas se querem Liberdade para instalar programas, então precisarão de uma Central de Aplicativos.

Estudar o código-fonte também pode ser benéfico para você usando progamas em código aberto, mas dependendo do tipo de gratuidade da aplicação, nem todos são realmente livres como em liberdade.

Existem Liberdades de Software que facilitam e beneficiam o usuário, o estudante, o desenvolvedor que queira implementar uma novidade e ter seu nome nos Direitos Autorais. Um computador que tem Gravador de DVD precisa de gravar DVDs, mas com Windows não é possível porque os programas são pagos. Às vezes a pessoa fica sem poder gravar o DVD, porque não há Liberdade de Software. (já vi isto acontecer na UFSJ)

Além disso, se Software Livre fosse ruim, o Google jamais utilizaria estas linguagens para fazer seu sistema operacional e navegador de internet. Não é porque tenha que ser de graça, o programa pode ser vendido, os programadores podem ser assalariados, empregos podem ser gerados.

As pessoas não são culpadas por sua descontextualização e desinformação. As pessoas também tem a liberdade para usarem o que quiserem, não sou eu que vai dizer o que você vai usar, as pessoas têm de ter uma noção crítica do mundo da realidade. Fique à vontade para usar o que quiser no computador, mas se a Liberdade de Software lhe agrada, então não se esqueça de conhecer o maior número de programas possível, gratuitamente.

 

 



Assista o vídeo comemorativo aos 30 anos da FSF: Libertação do Usuário

12 de Fevereiro de 2015, 21:43, por Thiago

A Liberdade para o estudante de computação estudar o código-fonte de um programa e implementar melhorias, e para o usuário inst

 

Tradução do site da FSF. Texto original em https://www.fsf.org/blogs/community/user-liberation-watch-and-share-our-new-video

 

A maioria das pessoas interagem com software livre todos os dias, mas muitas delas não sabem o que o software livre é ou porque eles deveriam mudar sua rotina para usá-lo. Queremos corrigir isso (e nós achamos que você também), por isso, nós encomendamos um pequeno vídeo que faz com que o software livre seja fácil para todos entenderem:

Por favor, ajude-nos a espalhar a consciência software livre assistindo este vídeo e compartilhando com os amigos por e-mail e mídias sociais.

Fizemos uma parceria com a Urchin para fazer essa introdução animada para o software livre.  Urchin fez o vídeo utilizando software livre. As pessoas tem procurado a FSF por 30 anos para obter explicações sobre a importância do software livre. Queremos fazer mais vídeos como este, e outros materiais, mas eles custam dinheiro. Se conseguirmos o nosso objetivo de angariação de fundos anual de 525 mil dólares até 31 de janeiro, você pode ter certeza que mais projetos grandes como este virão em 2015.

Esta é a maior semana de angariação de fundos do ano, e ainda temos um caminho a percorrer se quisermos atingir nossa meta até o dia 31 de janeiro. Por favor, mostre seu amor por este vídeo, fazendo uma doação ou se tornando um membro hoje.

Baixe este vídeo:

Full resolution | 1080p | 360p | 240p | Arquivos de produção

Legenda - traduzida para o português por Bruno Buys:

FSF_30_pt_BR.srt

Youtube com legenda:



Legislação para Contratos Públicos Abertos?

4 de Fevereiro de 2015, 9:04, por Thiago - 0sem comentários ainda

Acredito que qualquer governo teria dificuldades para lidar com serviços públicos com o dinheiro sendo tão valioso e a influência dos financiadores em campanhas eleitorais com lobbys contagiando o poder público.
 
É avançar em uma direção ou nunca ir naquela direção. Afinal, o que pretendem fazer para garantir que o poder público seja pleno? E para minimizar a influência de proprineiros e financidadores de campanha nas decisões do governo? Se não fizerem isso, terão mais trocentas Operações Lava Jato, e tudo porque não querem fazer o óbvio para garantir a legalidade da coisa pública e plena aprovação das pessoas sobre decisões do governo.
 
Seria possível ir nesta direção? As TVs e mídias mal ou nem ajudam as pessoas a difundirem Recursos Educacionais Abertos e quererão que o Novo do Podemos seja colocado debaixo do tapete, enquanto acharão e colocarão na cabeça das pessoas que trocar o governo seria uma atitude que resolveria o problema.
 
Mas o problema não tem partido. O problema é de todos partidos e governos neoliberais. A prática do Estado contratar empreiteiras, fazer licitações e cortar dos serviços públicos para serviços privados não é descartável. O que precisa-se, na verdade, é empoderar as pessoas. Enquanto os governos e as Tevês não divulgam a melhor forma de lidar com essas situações, parecerão como se estiverem querendo tapear o povo com suas vontades de achar que a culpa é só do Governo Dilma.
 
Não tendo havido a divulgação da Parceria pelo Governo Aberto em Julho de 2013, rumando à Reforma Política, o que se seguiu foi desinformação e inumeráveis protestos que acabaram em violência. As pessoas que marcavam protestos pelo Facebook jamais souberam de qualquer novidade democrática, nem associaram a implementação de Aplicações Sociais em smartphones.
 
E muito menos que todos esses aplicativos tem origem no software livre. A imensa maioria das pessoas que usa Android (eu não uso mobile) não sabe que aquilo é um subproduto do software livre, destilado a código aberto. A mesma desinformação que gerou tantos conflitos por causa da falta de cobertura de novidades nessa área. As pessoas, desinformadas e raivosas, entrando em confronto com a polícia e guerreando nas ruas das grandes cidades: Esse é o tipo de mundo que não quero viver, mas pela falta de informação que fosse para animar as pessoas com perspectivas de melhoria, é o que acontece. A violência que passamos tem muita culpa dos meios de comunicação, até mesmo dos narradores que viram Santiago Ilídio Andrade morrer, com alegria porque estavam conseguindo desestabilizar o país mas tristes porque tiveram apenas mais uma morte.



Tags deste artigo: natureza sociedade realidade economia política conhecimento livre