Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

Tela cheia
 Feed RSS

Blog Anima Mundi

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by-nc-sa)
Olá a todos, este blog pessoal é sobre O Mundo Animado - Em Plena Transformação.

"Software livre é uma necessidade social", afirma Stallman

27 de Maio de 2014, 5:07, por Thiago - 0sem comentários ainda

 

Stallman_

Durante sua palestra no Consegi 2009, um dos criadores do sistema operacional GNU/Linux defendeu a plataforma aberta como condição imprescindível para manter as garantias individuais e coletivas na sociedade contemporânea.

No último dia do Congresso Internacional Software Livre e Governo Eletrônico - Consegi 2009, a palestra "Software libre, educación libre y cultura compartible" do americano Richard Stallman (rms), criador do GNU, destacou a importância do pensamento livre dentro do desenvolvimento tecnológico atual.

"O software livre garante as liberdades de conhecer, criar, compartilhar e distribuir sem limites", afirmou Stallman. "Portanto, as tecnologias proprietárias são uma transgressão aos direitos constitucionais", completou. "A meta do movimento é eliminar barreiras e destruir injustiças. A imposição tecnológica está a um passo da imposição ideológica", definiu.

Questão de educação
Na visão de Stallman, o Poder Público tem a obrigação de implantar a tecnologia livre nas escolas. "Cidadania aprende-se na sala de aula", disse. "Oferecer um software proprietário a uma criança segue a mesma lógica de oferecer a ela um cigarro. Cria-se uma dependência perniciosa na qual, mais tarde, o viciado terá que pagar pelo seu vício", explicou.

Para ele, um processo de ensino deve ter todas as suas etapas transparentes. "Se há uma caixa preta inviolável entre o aluno e o conhecimento, como um sistema operacional proprietário, os processos de inovação e mudança estão inoperantes", defendeu. "O crescimento científico depende da troca. Ou seja, viver em sociedade pressupõe o compartilhamento", concluiu.

Soldado pioneiro
Richard Matthew Stallman, frequentemente abreviado para "rms" é um famoso programador, fundador do movimento software livre, do projeto GNU, e da Free Software Foundation (FSF). É também autor da General Public License (GPL), a licença livre mais usada no mundo, que consolidou o conceito de copyleft.

Fonte: Sepro



Como Lidar com: Liberdade de Expressão

26 de Maio de 2014, 14:29, por Thiago - 0sem comentários ainda

Trisquel

Fonte: https://www.gnu.org/distros/screenshot.html

Por que isto tão importante para a Liberdade de Expressão? Para existir, porque se não fosse isso, jamais houvesse tamanha força de existir, ao mesmo tempo que o capitalismo monopolista de riqueza concentradas faz com que, historicamente, fossem apenas difundidos aqueles que interessavam aos grandes interesses político-econômicos.

Software Livre sobrevive de liberdade de expressão, e seu modelo do senso de comunidade dos membros é um exemplo de como é tão poderosos o "saber lidar com a liberdade de expressão", além de não ser contra as práticas empresariais e se mostra favorável para que seus difusores ganhem dinheiro sem empecilhos, como é o caso da pirataria.

Liberdade de expressão é às vezes difícil de lidar, porque quando se falta meios de difundir informação, meios de comunicação que não funcionam como meios de comunicação e quando tentam ainda são com práticas muito atrasadas, com interesses próprios e, às vezes, seguindo noções equivocadas sobre as coisas. Tem também a falta de voz que o povo tem diante de poderosos da economia e da política.

Enquanto tudo isto é suprimido, fica mais difícil superar depois tal supressão da voz do povo e da vontade popular. Tudo se trata do interesse de grupos de pessoas em controlar e unilateralizar as decisões governamentais, então o "livre" de "software livre" que significa "liberdade de software" se trata sobre a controlação dos usuários.

Segundo Richard Stallman:

Por “software livre” devemos entender aquele software que respeita a liberdade e senso de comunidade dos usuários. Grosso modo, os usuários possuem a liberdade de executar, copiar, distribuir, estudar, mudar e melhorar o software. Com essas liberdades, os usuários (tanto individualmente quanto coletivamente) controlam o programa e o que ele faz por eles.

Quando os usuários não controlam o programa, o programa controla os usuários. O desenvolvedor controla o programa e, por meio dele, controla os usuários. Esse programa não-livre e “proprietário” é, portanto, um instrumento de poder injusto.

Assim sendo, “software livre” é uma questão de liberdade, não de preço. Para entender o conceito, pense em “liberdade de expressão”, não em “cerveja grátis”.

Fonte: https://www.gnu.org/philosophy/free-sw.pt-br.html

 

Se temos liberdade de expressão, então nós temos mecanismos para que nenhuma pequena parte tenha o controle especial sobre o governo. Sendo todas as decisões governamentais neutras, temos condições de encontrar caminhos para representar amplos segmentos da sociedade sem suprimir seu crescimento.

Então nos deparamos com liberdade de expressão x influência econômica das enormes corporações. Que criam dependências tecnológicas nas pessoas porque tudo se trata de "relações de poderosas forças que decidirão qual tecnologica é mais útil e melhor para servir ao Desenvolvimento Sustentável".

Não vejo como isso se tornaria possível sem código aberto e livre. A liberdade de software e de qualquer outra ramificação de suas práticos como conhecimento, educação e informação, não é apenas aberto, mas se adequa segundo a somatória dos participantes.

Se trata então, de saber quais os mecanismos adequados à liberdade de expressão. Escrever e levantar plaquinhas em manifestações não é, evidentemente, a forma mais efetiva de ser escutado. Poderes públicos de livre participação do povo ajudam para que não sejam suprimidas qualquer voz do povo. Facebook é um lugar que praticamente tudo se torna em vão, não há liberdade de software, certas inovações surgem para explorar usuários (é desgastante ter que ter uma conta no FB), e é a rede que os grandes interesses querem que as pessoas conheçam, e parecem fazer todo o possível para que somente esta rede exista para o grande público.

Contra tudo aquilo que está impôsto ao nosso povo de todo o mundo, o Brasil tomou uma decisão arrojada e inovadora de lidar com os problemas da cosntrução de sua democracia pela cidadania e participação social. Graças à liberdade de expressão, e não por ser gratuito, que existimos, e sabemos lidar muito bem com tal liberdade de expressão.

Tal "senso de comunidade" junto ao capitalismo de descentralizar riquezas, gerando oportunidade aos pequenos e médios produtores de software, principalmente os livres, que não terão apoio desses tradicionais canais de comunicação, são o ponto chave dessa Democracia Real que construiremos.



Software Livre: Economia e Desenvolvimento

26 de Maio de 2014, 13:42, por Thiago - 0sem comentários ainda

Software Livre


Economia e Desenvolvimento

Lula, em visita ao FISL 10, reafirma compromisso do governo com o Software Livre.

Software Livre - Capa da Matéria

 

O movimento brasileiro pelo software livre ganhou extraordinário impulso com a visita do presidente Luis Inácio Lula da Silva e da ministra Dilma Roussef ao Fórum Internacional de Software Livre (FISL), realizado no final de junho em Porto Alegre (RS).

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Roussef, apontou a convergência entre os objetivos e políticas de gestão do presidente Lula e o movimento do software livre, dentre eles, a crença na liberdade, a construção de relações sociais e políticas solidárias contra o individualismo e “a possibilidade de construir um novo mundo aqui e agora”.

 

Dilma Roussef elencou as principais realizações com a adoção da plataforma aberta no governo Lula, passando pelas ações do Comitê de Implantação do Software Livre no governo federal (CISL); o uso nas grandes instituições, citando o Serpro, Banco do Brasil e Ministério do Exército; o projeto Demoiselle, que “poderá ser utilizado por qualquer cidadão para desenvolver sistemas”; o Proinfo do Ministério da Educação; a banda larga nas escolas; as ações do Gesac; os projetos Computador para rofessores e Computador para Todos; os 5,1 mil telecentros comunitários; o Cacic, criado pela SLTI e Dataprev; o Gesan, sistema que cuida das políticas de saneamento pelo Ministério das Cidades; o Curupira, da Caixa; o Amadeus, da Universidade de Pernambuco e os Pontos de Cultura do Ministério da Cultura.

A ministra-chefe da Casa Civil destacou que as iniciativas refletem o compromisso com o espírito público e com a generosidade que faz avançar a democracia, a cidadania e a participação social.

Para o diretor presidente do Serpro, Marcos Mazoni, a presença de Lula ao FISL representa um marco para a tecnologia da informação no país. “Essa manifestação do presidente Lula e da ministra Dilma demonstra a sintonia do governo federal, no sentido de avançar ainda mais na criação de políticas públicas de incentivo ao software livre no Brasil. Por isto nós, do Serpro, trabalhamos para promover a cooperação entre as pessoas, entendendo que o compartilhamento está alinhado à proposta do governo federal, e que ambas – cooperação e compartilhamento – são fundamentais para a democratização do conhecimento no mundo”, declarou Mazoni.   Confira, a seguir, os principais trechos do discurso do presidente Lula no FISL.

 

Ministra-Chefe da Casa Civil - Dilma Roussef

As iniciativas de Software Livre refletem o compromisso com o espírito público e com a generosidade que faz avançar a Democracia, a Cidadania e a Participação Social” Dilma Roussef - Ministra-Chefe da Casa Civil

 

Discurso do Presidente da República
Luis Inácio Lula da Silva

Durante visita ao 10º Fórum Internacional Software Livre em Porto Alegre-RS no dia 26 de junho de 2009.

“Bem, na verdade, a Dilma falou pelo governo brasileiro. Não era necessário eu dizer absolutamente nada aqui, hoje, porque eu acho que passar  naquele ‘corredor polonês’ que eu passei para chegar aqui, já valeu pelo menos uns quatro discursos.

Mas, eu queria cumprimentar os meus companheiros de Ministério que estão aqui conosco.

Queria cumprimentar os deputados federais, os nossos senadores, o nosso ex-governador Olívio Dutra, o prefeito Fogaça. Queria cumprimentar uma convidada especial que chegou atrasada aqui, que é a nossa companheira Lourdes Munhoz, da Espanha, deputada por Barcelona e assessora do presidente Zapatero na área de Software Livre. Eu nem vi a cara dela, porque ela não se apresentou aqui. Fica em pé.

Quero cumprimentar o nosso querido reitor Joaquim Clutê. Quero cumprimentar o nosso querido companheiro Marcelo Branco, coordenador geral do 10° Fórum Internacional de Software Livre. Quero cumprimentar os companheiros das instituições públicas brasileiras que estão aqui. Estou vendo na minha frente o Banco do Brasil e o Serpro. Quero cumprimentar os convidados estrangeiros. Quero cumprimentar aquela criancinha que está no colo ali, que deve estar pensando: o que que nós estamos fazendo aqui e porque os seus pais trouxeram ela para cá?  Um dia, ela vai saber.  E eu quero cumprimentar uma pessoa especial que está aqui, que é o Sérgio Amadeu, porque agora que o prato está feito... Quero cumprimentar o companheiro Tigre também, o nosso presidente da Federação da Indústria do Rio Grande do Sul.

Agora que o prato está feito, é muito fácil a gente comer. Mas fazer esse  prato não foi brincadeira. Eu lembro da primeira reunião que nós fizemos, na Granja do Torto, em que eu entendia absolutamente nada da linguagem que esse pessoal decidia, e houve uma tensão imensa entre aqueles que defendiam a adoção no Brasil do software livre e aqueles que achavam que nós deveríamos fazer a mesmice de sempre, ficar do mesmo jeito, comprando, pagando a inteligência dos outros e, graças a Deus, prevaleceu no nosso país a questão e a decisão do software livre. Nós tínhamos que escolher: ou nós íamos para a cozinha preparar o prato que nós queríamos comer, com os temperos que nós queríamos colocar e dar um gosto brasileiro na comida, ou nós iríamos comer aquilo que a Microsoft queria vender para a gente. Prevaleceu, simplesmente, a ideia da liberdade.

Eu queria contar aqui uma coisa, porque prevaleceu, na minha cabeça, a  questão do software livre. Vocês sabem que eu nunca fui comunista. Quando me perguntavam se eu era comunista, eu falava que eu era torneiro mecânico. Mas eu tenho extraordinários companheiros que participaram da luta armada neste país, companheiros que pertenceram aos mais diferentes partidos e correntes ideológicas do mundo, todos extraordinários companheiros.

 

Presidente da República - Luis Inácio Lula da Silva



Eu tinha um irmão mais velho que, a vida inteira, tentou me levar para o Partidão, e o meu irmão trazia para mim, acabados, todos os documentos que tinham sido escritos e produzidos 200 anos atrás ou 150. O meu irmão queria que eu decorasse O Manifesto, queria que eu lesse e relesse O Capital, queria que eu discutisse tudo isso, e eu dizia para o meu irmão: Frei Chico, tudo isso foi produzido tanto tempo atrás. Não dá para a gente começar a produzir alguma coisa nova a partir de agora? Quando caiu o Muro de Berlim, eu fiquei feliz porque ia permitir que a juventude pudesse repensar e escrever coisas novas, construir novas teorias, porque parecia que tudo estava construído e que nada mais poderia ser diferente.

O software livre é um pouco isso, ou seja, é dar às pessoas a oportunidade de fazer coisas novas, de criar coisas novas, de valorizar a individualidade das pessoas. Porque não tem nada que garanta mais a liberdade do que você garantir a liberdade individual, que as pessoas permitam aflorar a sua criatividade, a sua inteligência, sobretudo em um país novo como o Brasil, em que a criatividade do povo possivelmente seja, sem nenhum menosprezo a outros povos, o povo de maior criatividade no século XXI.

Pois bem, eu penso que o nosso governo já fez muito, mas o nosso  governo poderia ter feito mais. Nós somos um governo muito democrático. Não acredito que tenha no mundo um governo que exercite a democracia como o nosso governo exercita. Não acredito. Não acredito que tenha no mundo alguém que debata tanto, que discuta tanto como o nosso governo. E isso, as vezes, complica, não é Tarso?

Às vezes nós temos que ouvir uma vez, duas vezes, três vezes, porque como eu sou analfabeto nesta questão da internet – meus filhos são todos doutores perto de mim. Porque a internet tem uma coisa fantástica, Olívio: é a primeira vez que os netos são mais sabidos do que os avós. É a primeira vez. Antigamente, pelo fato de você ser mais velho, você queria se impor em tudo, não é isso? Filho não podia falar quando você estava em reunião, você não podia dar palpite na conversa de adulto. Agora, não. Agora tem dois gênios em pé na garagem conversando e tem um moleque (incompreensível) e ele fala: “Como é que muda o canal da televisão?”.

É só  colocar dois controles remotos que as pessoas não sabem mexer.

E o moleque de oito anos de idade vai lá e mexe, remexe, desvira, vira, aluga casa, paga aluguel, paga luz, paga água. 


"O Software Livre é um pouco isso, ou seja, é dar às pessoas a oportunidade de fazer coisas novas, de criar coisas novas, de valorizar a individualidade das pessoas” Luis Inácio Lula da Silva - Presidente da República.

 

Então, eu penso que nós estamos vivendo um momento revolucionário  da humanidade, em que a imprensa já não tem mais o poder que tinha há uns anos atrás, a informação já não é mais uma coisa seletiva em que os detentores da informação podem dar golpe de Estado, a informação não é uma coisa privilegiada. O jornal da noite já está velho diante da internet, o programa de rádio, se não for ao vivo, for gravado, já fica velho diante da internet. O jornal fica hipervelho diante da internet, e fica tão velho, que todos os jornais criaram o bloco para informar junto com os internautas do mundo inteiro. Bem, essas coisas, essas coisas todas nós não sabemos onde vão parar, nós não sabemos?

Eu sei que cada vez que eu converso com vocês, eu fico imaginado que, se a minha geração fosse tão inteligente e criativa como a de vocês, nós já seríamos muito melhores do que nós somos hoje, porque a máquina pública é uma coisa complicada. Ela é cheia de vícios, de normas, sabe, que vêm da época do Império. E você ir mudando essas coisas, um burocrata, ele tem um manual, e o manual só diz o que pode e o que não pode. Se você apresentar uma coisa nova, é proibido. Ele não é capaz de falar: ‘Bom, eu tenho uma coisa nova aqui, eu vou tentar intermediar’, não. Ele diz ‘pode’ ou ‘não pode’. E tudo isso levou tempo para que o governo começasse a criar condições para chegar no nível que nós chegamos. (...)

Apenas para demonstrar para vocês a dificuldade que a gente tem. E eu acho que tem uma coisa acontecendo no mundo, que eu acho fantástico.

Eu, quando vejo um menino de 15 anos, de 16 anos, eu quando vejo meu neto de sete anos conversando com todo mundo, eu fico pensando: o que será do mundo daqui a 20, 30 anos ou 40 anos com essa disponibilidade de conhecimento que está chegando na casa das pessoas? Nós tivemos o primeiro desafio: fazer com que o computador chegasse às mãos das pessoas mais pobres. Quem é do governo sabe quanto tempo nós passamos discutindo o Computador para Todos. O que nós queríamos? Nós queríamos que o computador chegasse na periferia do país, para as pessoas que ganhavam pouco, para que pudessem pagar, na época, R$ 50 de prestação. Nós não queríamos dar de graça, apenas vender. Criamos financiamento especial no BNDES para financiar o comércio varejista, para poder fazer chegar mais barato.

Ontem eu tive uma reunião com o comércio varejista, e a maior procura nas lojas hoje é o computador. Não mais o computador, agora já inventaram outro, é notebook.

Já deram um passo adiante. Ninguém mais quer se sentar a uma mesa para lidar com o seu computador, já quer carregar o bichinho no colo. Então, é uma coisa exuberante que está acontecendo.

Eu fui agora inaugurar o programa Luz para Todos, e é importante os estrangeiros que estão aqui compreenderem. O Luz para Todos é um programa do governo federal para levar energia elétrica, sobretudo no campo, nas comunidades indígenas, nos quilombos, para as pessoas que não têm energia. Em 2004, a Dilma me apresentou uma proposta de a gente atender 10 milhões de pessoas até 2008, que eram os dados do IBGE. Na segunda-feira eu fui inaugurar a ligação na casa 2 milhões e 40 mil. Vocês sabem o que aconteceu? Preste atenção, Dilma. Peça para a sua assessoria anotar: as pessoas que receberam o Luz para Todos, 83% compraram televisor; 79% compraram geladeira; 47% compraram aparelho de som. E nós não medimos o computador.

A verdade é que agora, Sérgio, aquela mesma discussão que a gente fazia de levar computador para o pobre, agora nós vamos ter que tomar uma decisão de financiar computador para os companheiros que receberam energia elétrica depois de 500 anos no Brasil. Ou seja, nós tiramos as pessoas do século XVIII, colocamos no século XXI e, portanto, elas têm o direito de ter um computador para os seus filhos chegarem ao século XXI imediatamente. (...)

Então, o software livre é uma possibilidade de essa meninada reinventar coisas que precisam ser reinventadas. O que precisa? De oportunidade. Podem ficar certos de uma coisa, companheiros, que neste governo é proibido proibir. Neste governo... O que nós fazemos neste governo é discutir. Os empresários sabem quanto que nós discutimos, sem rancor, sem mágoa, sem querer abater um concorrente, não! É debater, é fortalecer a democracia e levá-la às suas últimas consequências. Porque esse país ainda está se encontrando consigo mesmo, porque durante séculos nós éramos tratados como se fossemos cidadãos de terceira classe, nós tínhamos que pedir licença para fazer as coisas, nós só podíamos fazer as coisas que os Estados Unidos permitissem, ou se a Europa permitisse.

E a nossa autoestima está em alta. Nós aprendemos a gostar de nós mesmos. Nós estamos descobrindo que nós podemos fazer as coisas. Nós estamos descobrindo que ninguém é melhor do que nós. Podem ser iguais, mas melhores não são, não têm mais criatividade do que nós. O que nós precisamos é oportunidade.

Essa lei que está aí, essa lei que está aí, não visa corrigir abuso de internet. Ela, na verdade, quer fazer censura. O que nós precisamos, companheiro Tarso Genro, quem sabe seja mudar o Código Civil, quem sabe seja mudar qualquer coisa. O que nós precisamos é responsabilizar as pessoas que trabalham com a questão digital, com a internet.

É responsabilizar, mas não proibir ou condenar, (incompreensível) é o interesse policialesco de fazer uma lei que permite que as pessoas adentrem a casa das pessoas para saber o que as pessoas estão fazendo, até sequestrando os computadores. Não é possível, não é possível.

Então, eu queria, meu querido Marcelo, dizer para você que hoje – eu não sei os meus companheiros o que sentiram. Para mim, hoje foi um dia glorioso, glorioso, porque eu tenho uma assessoria especial, que cuida da questão digital, amigo do Marcelo, tenho... O governo tem dez ministros que falam em inclusão digital. Inclusão digital é a palavra mais ‘sexy ‘ do governo, sabe? É a palavra mais ‘sexy’ – todo mundo fala. E, então, eu precisava de um coordenador que falasse uma linguagem só para mim, e coloquei o companheiro César Alvarez, que é um gaúcho aqui do Rio Grande do Sul, torcedor do Internacional, que vai apenas empatar com o Corinthians quarta-feira, por bondade dos gaúchos. O Olívio Dutra é conselheiro e eu pedi para ele falar com o Conselho do Internacional: empata a zero a zero, para nós está bom, Olívio, não tem nenhum problema. 


"E tudo isso levou tempo para que o Governo começasse a criar condições para chegar no nível que nós chegamos” Luis Inácio Lula da Silva - Presidente da República.

Mas eu, então, com essa coordenação, nós estamos tentando avançar. Eu só queria dizer para vocês uma coisa: olhem, eu tenho mais um ano e meio de mandato. Mais um ano e meio de mandato. É importante que vocês detectem aquilo que nós já fizemos e que precisa ser aperfeiçoado. E é preciso que vocês detectem aquilo que nós ainda não conseguimos fazer, e nos ajudem a fazer. Porque nem sempre o problema do governo é problema de dinheiro. Às vezes é que as pessoas têm 500 atividades, e essas novidades vão ficando para segundo plano e, é por isso que nós temos uma coordenação. E vamos ver, companheiros, se, com todos esses números que a Dilma colocou aqui para vocês, com a nossa intenção de colocar este país dentro da inclusão digital, de fazer com que as crianças da periferia tenham os mesmos direitos que as crianças do rico, de ter acesso à internet, de poder se formar, de poder transitar livremente por esse mundo, que é a internet, nos ajude a conseguir.

Tenha certeza de uma coisa, Marcelo: nós não sabemos tudo, nós sabemos apenas uma parte. Sozinho, talvez você também não saiba tudo, saiba só uma parte. Mas se a gente juntar um pouco do que cada um de vocês sabe, a gente possa construir um tudo que falta para a gente, definitivamente, democratizar este país de verdade, e que todos sejam livres e que possam fazer as coisas do bem. As pessoas de bem são maioria. Não vamos ficar nervosos porque de vez em quando aparece um maluco falando as coisas. Tem até um site propondo morte ao Lula. Não tem problema, os que propõem vida são infinitamente maiores. Infinitamente maiores.

Então, eu queria dizer para vocês que entrar naquele ‘corredor polonês’ e ver aquela gama extraordinária de meninos e meninas, acho que todos com menos de 25, 30 anos de idade, é a gente poder sair daqui e dizer em alto e bom som: ‘Finalmente este país se encontrou consigo mesmo. Finalmente este país está tendo o gosto da liberdade de informação’.

Um abraço e bom encontro para vocês.”



Reforma política efetiva só será possível com participação popular, diz Dilma

24 de Maio de 2014, 15:03, por Thiago - 0sem comentários ainda

A reforma política que o Brasil precisa é mais participação na política. O Plebiscito Constituinte, provavelmente, implementará formas e espaços legítimos de intervenção do povo no Governo que lhes representa.

“Se quisermos uma reforma política efetiva, temos todos nós de nos engajar nessa proposta: ela tem de ser algo que nenhum de nós abra mão (…) e daí eu falo não só o governo. (...) Eu falo de uma verdadeira mobilização, porque caso contrário é ilusório supor que nós chegaremos a uma reforma política SEM consulta popular. Você pode chegar a uma variante, mas não a uma reforma política, que eu acredito, que é necessária para o país.”

Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=y7Lv2hscZCA



Experiências com Sistemas Operacionais Livres III: As Distribuições Brasileiras

24 de Maio de 2014, 11:00, por Thiago - 0sem comentários ainda

Continuando a série "Experiências com Sistemas Operacionais", irei difundir o que existe de Distribuições GNU/Linux brasileiras.

 

Isto é importante para promover a justiça social de sistemas operacionais surgidas em âmbito do território nacional para que sejam difundidas e terem a oportunidade de expandir o número do conhecimento plico de sua existência em meio a um tempo de extremos da desinformação e falta de conhecimento da pluralidade de distribuições GNU/Linux que existem no software livre.

Nos links de referências, existe um enorme número de distribuições fossilizadas e já extintas, de pessoas que definitivamente desistiram de seus projetos, provavelmente pela falta de oportunidade para crescer. Por isso, gostaria do apoio de vocês para que possibilitem que tais tentativas de manter sistemas operacionais não caiam no ostracismo e tenham oportunidade de crescer, porque promovê-los também é uma forma de fazer justiça social com a pluralidade do GNU/Linux.

A distribuição GNU/Linux que surge como novidade e vem muito promissora é Kaiana

Kaiana

 

Como indica o nome, Kaiana usa o ambiente gráfico KDE. O KDE tem sido usado como o mais popular entre os desenvolvedores brasileiros que lançam distribuições de GNU/Linux. Existem outras distribuições brasileiras com KDE que, no histórico de todas distribuições brasileiras no DistroWatch, parece terem sido maioria, embora a lista do DistroWatch não signifique que todas, porque nem todas estão cadastradas naquele site que lista sistemas operacionais de computador disponíveis .

Existe outra distribuição brasileira de GNU/Linux excelente que é o Metamorphose Linux. Este é fantástico pelos efeitos especiais embutidos por padrão, e usa KDE imitando o Windows 7, embora não tenha K no nome:

Metamorphose Linux

 

O trabalhador do código (programador) responsável modelou os ícones da barra de baixo para fazerem a mesma função dos ícones abertos e minimizados nos quadradinhos no Windows 7. Sugiro o Metamorphose se você quiser descobrir todas as potencialidades de GNU/Linux, utilizando em um computador de, no mínimo, 2 GB de Memória RAM. Ele é rodável via Live-DVD, ou seja, roda sem instalar em seu computador via boot.

Este vídeo mostra como o Metamorphose Linux é fantástico:

http://www.youtube.com/watch?v=_eSvBStGk7M

http://www.youtube.com/watch?v=_eSvBStGk7M

 

 O antigo desenvolvedor de BigLinux é um dos grandes responsáveis pelo Kaiana, mas ele continua tendo atualizações sendo mantidas:

BigLinux

 

E o Brasil está servido de uma porção de distribuições GNU/Linux atuais em KDE. Epidemic:

Epidemic

 

BRLIX é outro que não tem tido últimas versões mas tem tido atualizações do sistema e, por isso, no DistroWatch consta como distribuição ativa:

BRLIX

 

Ekaaty e Linuxfx:

Ekaaty

 Linuxfx

 

Portanto, estamos muito servidos de KDE. Existem algumas distribuições não listadas no DistroWatch que também são notórias de serem mencionadas, como o Librix e o Litrix:

Librix

Litrix

Das que já existiam, havia mais diversidade nos ambientes gráficos.

GEOLivre:

GEOLivre

 E outras inúmeráveis distribuições brasileiras de GNU/Linux que encontra-se nos links das referências abaixo, das quais muitas delas nem existem mais, nem obtiveram reconhecimento dos meios de comunicação, muito menos alcançaram grande repercussão. Tantas importantes que não coloquei, por não existirem mais, tão curiosas quanto o GEOLivre, como o tão conhecido Kurumin, o memorável Kalango e o bonitíssimo BrDesktop verde.

É preciso, portanto, adotar uma política de economia solidária para esses sistemas operacionais tão deixados de lado pelos holofotes dos "meios de comunicação". Com o boicote das mídias, os preconceitos sobre linux e os equívocos acerca do software livre, mais do que nunca torna-se necessário buscar a verdade dos fatos.

No próximo artigo descreverei como o GNU/Linux torna-se mais fácil para os usuários que o Windows.

 

Referências

http://distros.wikispaces.com/Distribui%C3%A7%C3%B5es+Brasileiras

https://informando.wordpress.com/2008/02/12/23-distribuicoes-linux-brasileiras/

http://www.linuxdescomplicado.com.br/2011/07/as-distribuicoes-linux-brasileiras-mais.html

http://www.bloggi.com.br/2008/06/distribuies-linux-brasileiras-de-a-a-z/



Tags deste artigo: natureza sociedade realidade economia política conhecimento livre