Ir para o conteúdo
ou

Blogoosfero
beta

Verdade ou Mentira?

Seja curioso, não entre...

 Voltar a Verdade ou mentira
Tela cheia

Método da não violência

23 de Agosto de 2014, 18:38 , por Rafael Pisani Ribeiro - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 361 vezes
Licenciado sob CC (by-nc-sa)

 

Foi inventado e aplicado por Mahatma Gandhi. Pode ser chamado de  Satyâghara  e é dividido em três fases. A primeira é chamada de Ahimsã e acontece por táticas políticas. A segunda é o apelo moral e a terceira o princípio espiritual- súplica de uma alma para outra. A primeira fase é uma ação política, isto é, tenta-se fazer algo que afete a política atuando-se através de um método político, que não necessite do apelo a uma grande massa. A segunda fase implica em juntar uma grande massa apelando para a moral existente, isto é, caso a luta seja contra infanticídios se busca apelar para a moral de que matar é errado, principalmente crianças. A terceira junta uma grande massa apelando para a bondade e vontade de cada um. Utilizando desses três elementos Gandhi foi capaz de parar 350 milhões de trabalhadores Indianos de sua rotina normal e, por algum tempo abandonar o trabalho. Além de caminhar até o mar e por onde passava sua caminhada se enchia de pessoas.

  Esse método engloba os princípios do método de ação e  do método educativo enquanto retira o elemento da violência, ao menos por parte de quem batalha pela luta, sendo feita somente pelos opressores. Permite a aquisição de conhecimento e no mínimo para seu uso é necessário o conhecimento típico do método de ação, além do corte da dependência, exemplificado: a parada dos 350 milhões de Indianos. Cortando essa dependência, deixamos inclusive de repetir o ciclo de violência e repressão na sociedade.

Porque, se alguém é agredido constantemente, e sem razão, em algum momento as agressões irão parar, já que, elas se mostram desnecessárias pelo simples motivo de não haver uma violência vinda do lado oposto. Essa lógica é válida para grupos manifestantes e oprimidos em geral. Muitas ações podem ser efetivas e não violentas, como greves gerais. Porque dessa forma o sistema a que se luta contra perde o pilar de sustentação. O problema é a dificuldade desse corte.

Porém, se a violência é recíproca as repressões violentas continuarão a ocorrer, talvez para sempre. Pelo método de Gandhi é possível até que os próprios repressores mudem de lado. Em suma, o problema da utilização desse método é a indeterminação do tempo em que o resultado pode vir. Na verdade, algo além disso, já que no método de ação e método educativo o tempo é de certa forma indeterminado, apesar de um ser um pouco mais rápido, e outro demorar. Mais problemático ainda é o sofrimento que há durante o tempo de luta. O próprio Ganhdi sofreu com esse problema, isto é, foi preso várias vezes, muitas mortes e feridas de Indianos ocorreram para a efetivação da Independência do país, mas Gandhi alcançou seu objetivo. A dificuldade está em suportar tudo isso e, por isso também se alcançado o efeito é duradouro, apesar de precisar de recarga dependendo a forma de luta.

  É claro que não é a pureza do método de ação e Educativo, mas uma mistura. Gandhi se utilizou muito do elemento emocional e do educativo em momentos distintos. Quando a Índia estava em guerra civil, ficou em jejum por vários dias e, para parar pedia o fim da guerra. Por incrível que pareça muitas vezes seu pedido era atendido. Usou do educativo porque muitas vezes se tornou preso político, chegou a participar de política, tinha contatos políticos e o respeito que o povo Indiano obteve por ele fazia com que seus pedidos fossem atendidos. Não um respeito hierárquico, mas de uma forma a se tornar iguais, mesmo com os próprios opressores. Ele se colocava como pior, ou melhor, fazia o opressor se sentir melhor do que o oprimido, dessa forma ele conseguiu seus objetivos e, até fez os opressores virem para seu lado. Isso é positivo porque há toda uma hierarquia no sistema capitalista. Se ela for quebrada, parte do sistema também o é. Em resumo as principais características desse método são:

 

1-Pode usar tanto do método da ação quanto do método educativo.

2-Pode cortar a dependência com o sistema a qual se luta contra.

3-Pode cortar o ciclo de violência , repressão e hierarquia na sociedade com métodos como panelaço, buzinaços, greves trabalhistas longas etc...

4-Seu efeito tem tempo indeterminado, porém também um efeito duradouro.

5-Como desvantagem possui a pressão a que são submetidas as pessoas até que se alcance o objetivo.

 

Existe um método perfeito? O método da ação causa desordem imediata, porém, seu efeito é pouco duradouro, além de não cortar a dependência. O método educativo apesar de ter um efeito duradouro, demora para ocorrer e não corta a dependência do sistema, ao menos para seus líderes, isto é, por não ser um movimento de massa isso é possível, mas não necessariamente ocorre. O método da não-violencia possui partes dos outros dois, retira a dependência, mas o tempo até que se alcance o objetivo é indeterminado e a pressão até que se chegue a isso é muito grande, ou seja, resistir à violência durante o período é uma dificuldade.

Então, o modelo perfeito é causador de caos imediato na ordem estabelecida (método de ação). Porém não é movido só pela emoção, também é possuído por parte de todos os membros, desde a massa aos líderes um conhecimento amplo (método educativo). Além de evitar a violência por parte de quem deseja a mudança e cortar a dependência do sistema (método da não-violência).  O primeiro e segundo elementos devem estar evoluídos para ocorrerem com a ajuda do conhecimento, ou seja, a ação ocorre e o conhecimento está nos líderes e na massa. Quanto ao terceiro elemento, é o corte do ciclo de violência e repressão, além de cortar a dependência do sistema a qual se luta contra.

 

Lembrem-se de referenciar a fonte caso utilizem algo deste blog. Dúvidas, comentários, complementações? Deixe nos comentários.

 

Escrito por: Rafael Pisani

 

Referência:

 

Gandhi por ele mesmo. Editora Martin Claret 2010 Edição ilustrada;

 

 


Tags deste artigo: movimento estudantil

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.