Ir para o conteúdo

Motta

Voltar a Crônicas do Motta
Tela cheia

Brasileiro está vivendo mais. Isso não é incrível?

27 de Agosto de 2015, 18:37 , por CRÔNICAS DO MOTTA - | No one following this article yet.
Visualizado 13 vezes
A revista científica The Lancet publicou pesquisa que cala o blá-blá-blá desse pessoal que tem como esporte falar mal do Brasil.

Segundo essa gente, a saúde pública brasileira é uma porcaria, o SUS uma vergonha mundial, e os hospitais e unidades de atendimento do país, assim como os programas governamentais, a antessala do inferno - se não, ele próprio.

Pois bem, segundo a insuspeita revista, a expectativa de vida no Brasil aumentou 6,1 anos para os homens e 5,4 anos para as mulheres, de 1990 a 2013. Atualmente, a expectativa de vida das mulheres no Brasil supera a dos homens – 78,4 anos ante 71,6 anos, sendo a expectativa média de 75 anos.


Entre os 188 países pesquisados, o Brasil ficou na 49ª posição, abaixo da maioria dos desenvolvidos, incluindo Austrália, Espanha e Japão, e abaixo também de alguns países menos ricos, como Líbano e Sérvia.

A principal descoberta dos pesquisadores foi que, globalmente, a expectativa de vida subiu 6,2 anos – de 65,3 em 1990, para 71,5, em 2013, na média combinada de ambos os sexos. Para os homens, a expectativa passou para 68,8 anos e, para as mulheres, 74,3 anos.

O estudo, financiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, também publicou as chamadas estatísticas HALE (sigla em inglês para "expectativa de vida adulta saudável") para todos os países, que indicam o período de tempo que alguém pode esperar viver sem doença grave ou deficiência.

A pesquisa destacou o fato de que as mudanças no período de 23 anos variaram de país para país, mas que, na maioria dos casos, elas foram "significativas e positivas". 

No Brasil, a expectativa de vida saudável cresceu 4,9 anos para os homens e 4,4 anos para as mulheres.

As exceções foram Belize, Botsuana e Síria, onde a expectativa de vida saudável não teve nenhuma melhora perceptível. Em alguns países, incluindo África do Sul, Paraguai e Belarus, as perspectivas até pioraram.

No Lesoto e na Suazilândia, por exemplo, pessoas nascidas em 2013 podiam esperar viver cerca de 10 anos saudáveis a menos que as nascidas 20 anos antes. Países como a Nicarágua e Camboja, por outro lado, apresentaram grandes melhoras, em média de 14 anos.

O Lesoto apresenta a menor expectativa de vida saudável do mundo, de 42 anos. No outro extremo da escala, o Japão registrou a maior expectativa de vida adulta saudável, pouco mais de 73 anos de idade – e uma expectativa de vida de mais de 83 anos.



Ainda de acordo com o estudo, Cingapura, Andorra, Islândia, Chipre, Israel, França, Itália, Coreia do Sul e Canadá estão entre os outros países, depois do Japão, onde as pessoas podem esperar viver vidas mais longas e mais saudáveis. A expectativa de vida na Alemanha ficou em 80,6 anos, e a de vida saudável, em 68,8 anos.

Em resumo, o estudo da revista indica que a população mundial está vivendo mais, mas também está gastando mais tempo lutando contra doenças e deficiências. 

Theo Vos, professor do Instituto de Metrologia da Saúde da Universidade de Washington, que liderou o estudo, diz que grandes progressos foram realizados na saúde global, em particular na luta contra doenças infecciosas, como aids e malária. "Agora o desafio é investir em encontrar formas mais eficazes de prevenir ou tratar as principais causas de doenças e deficiências", diz. (com informações da Deutsche Welle)
Fonte: http://cronicasdomotta.blogspot.com/2015/08/brasileiro-esta-vivendo-mais-isso-nao-e.html

Motta

0 comunidades

Nenhum(a)