Ir para o conteúdo

Correio do Brasil

Voltar a CdB
Tela cheia Sugerir um artigo

Milhares protestam nas ruas de Washington por direitos dos palestinos

18 de Maio de 2024, 16:20 , por Correio do Brasil - | No one following this article yet.
Visualizado 39 vezes

A reunião deste ano é agravada pela raiva relativamente ao cerco em curso à Faixa de Gaza. A última guerra entre Israel e a Palestina foi agravada quando o Hamas e outros militantes invadiram o sul de Israel, em 7 de outubro, matando cerca de 1,2 mil pessoas e fazendo outras 250 reféns.

Por Redação, com ABC News – Washington

Milhares de manifestantes atenderam ao chamado para um comício, na capital do país, na tarde deste sábado, em apoio aos direitos palestinos e ao fim imediato das operações militares israelenses em Gaza. A manifestação comemora o 76º aniversário do que é chamado de Nakba, a palavra árabe para catástrofe, e refere-se ao êxodo de cerca de 700 mil palestinos que fugiram ou foram forçados do que hoje é Israel quando o Estado foi criado em 1948.

manifestação,washingtonMilhares de manifestantes ocuparam as ruas de Washington DC, em apoio aos palestinos

Os organizadores do rali, numa atitude incomum, não solicitaram nenhuma licença do National Park Service, que supervisiona o National Mall. Estas autorizações, que incluem estimativas de participação, são um passo tradicional para grandes comícios ou protestos.

— As licenças são necessárias para qualquer atividade organizada, a fim de garantir a segurança do público e dos participantes, proteger os recursos do parque e manter um clima comemorativo quando apropriado. No entanto, caso nenhum pedido de licença tenha sido apresentado, fazemos todos os esforços para apoiar os direitos da Primeira Emenda de todos os visitantes das áreas que protegemos, com prioridade para a segurança e proteção dos recursos do parque — observou Mike Litterst, chefe de comunicações da agência para o National Mall, em entrevista ao canal norte-americano de TV ABC News, nesta tarde.

 

Columbia

Na ausência de pedidos de licença, não houve estimativas quanto ao tamanho do público, e o Serviço de Parques já não fornece mais estimativas oficiais de multidão para reuniões no National Mall. Em Janeiro, milhares de ativistas pró-palestinos tomaram o National Mall num dos maiores protestos de que há memória recente no Distrito de Columbia. A reunião deste ano é agravada pela raiva relativamente ao cerco em curso à Faixa de Gaza. A última guerra entre Israel e a Palestina foi agravada quando o Hamas e outros militantes invadiram o sul de Israel, em 7 de outubro, matando cerca de 1,2 mil pessoas e fazendo outras 250 reféns. Os militantes palestinos ainda mantêm cerca de 100 prisioneiros e os militares de Israel mataram mais de 35 mil pessoas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que não faz distinção entre civis e combatentes.

A manifestação guarda outro componente inflamável pela repressão violenta de vários campos de protesto pró-Palestina em universidades nos EUA. Nas últimas semanas, acampamentos de longa duração foram desmantelados pela polícia em mais de 60 escolas, incluindo a Universidade George Washington, não muito longe da Casa Branca. Além de pressionar Israel e a administração Biden para o fim imediato das hostilidades em Gaza, espera-se que os manifestantes pressionem pelo direito de regresso dos refugiados palestinianos – uma linha vermelha israelita de longa data, em décadas de negociações

Após a guerra árabe-israelense que se seguiu ao estabelecimento de Israel, o governo judeu recusou permitir-lhes o regresso porque isso teria resultado numa maioria palestina dentro das fronteiras de Israel. Em vez disso, tornaram-se numa comunidade de refugiados aparentemente permanente que ascende agora a cerca de 6 milhões. A maioria vive em campos de refugiados urbanos semelhantes a favelas no Líbano, na Síria, na Jordânia e na Cisjordânia ocupada por Israel. Em Gaza, os refugiados e os seus descendentes representam cerca de três quartos da população.


Fonte: https://www.correiodobrasil.com.br/milhares-protestam-ruas-washington-direitos-palestinos/

Rede Correio do Brasil

Mais Notícias