Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Comunicação

28 de Fevereiro de 2014, 13:43 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.

Ato pela ressurreição da TV Pernambuco

4 de Dezembro de 2014, 16:05, por Blogoosfero

Car@s Blogueir@s,

Segue adiante texto e foto da nossa atividade para a terça-feira (09/12), às 10h. na Alepe - Recife. Lá vamos acompanhar a Sessão da Comissão que analisa o nosso Projeto de Lei das Mídias Alternativas, e depois participar de um ato em defesa da TV PE que está sucateada.

Precisamos da participação de todos e também da publicação desta matéria em seus blogs para reforçar a 'boa pressão' junto ao Poder Público.

Já no dia 11 de dezembro, às 10h, teremos nossa Plenária e Confraternização na Sede da AblogPE, em Recife.

“Ato pela ressurreição da TV Pernambuco” usa o bom humor para protestar contra falta de recursos para a mídia pública

É com irreverência que o Fórum Pernambucano de Comunicação (FOPECOM) pretende chamar a atenção para o descaso do Estado para a comunicação pública. Nesta terça-feira (9), às 10h, o Fopecom promove o “Ato pela Ressurreição da TV Pernambuco” em frente à Assembleia Legislativa (Alepe). O evento tem como intuito criticar a ausência de verbas para a emissora, questionar a demora do Poder Executivo em responder para onde foram os R$ 25 milhões prometidos para a TV pública, chamando a atenção para que deputadas e deputados possam se mobilizar também para cobrar do próximo governador os recursos necessários para que a Empresa Pernambuco de Comunicação possa realizar seu papel.

Em julho de 2012, o então secretário de Ciência e Tecnologia, Marcelino Granja, afirmou que o fortalecimento da TV Pernambuco era necessário e essencial para uma comunicação mais plural. Na ocasião, o gestor anunciou um importante aporte financeiro para que a emissora pudesse por os pés na era digital. Disse Granja: “O governador do Estado se comprometeu e o secretário da Casa Civil reafirmou que até o fim de 2013, iremos dispor de R$ 25 milhões para a TV Pernambuco, o que cria as condições de digitalizarmos a tevê, de recuperarmos a nossa estrutura de torres e antenas, de melhoria do sinal, e que aporte recursos correntes para formar uma equipe capacitada”. Onde está esse investimento? É o que se quer saber. Nos últimos dois anos, pouco mais que um décimo desse montante chegou à TVPE.

“O governo de Pernambuco já ‘ameaçou’ ressuscitar a TV Pernambuco várias vezes. Uma hora falta gerência. Na outra, falta recursos. É difícil perceber como um Estado que tem um potencial como o nosso investe, anualmente, cerca de 100 milhões de Reais em propaganda na mídia comercial enquanto deixa sua própria emissora pública definhar. Uma mudança de atitude é urgente”, avalia Ivan Moraes Filho, do Centro de Cultura Luiz Freire.

MÍDIA ALTERNATIVA – Antes do protesto, no mesmo local, na Alepe, integrantes da sociedade civil e dos coletivos envolvidos na luta pelo direito à comunicação irão acompanhar a votação na Comissão de Constituição e Justiça do Projeto de Lei (PL) nº 2164/2014, que obriga o Poder Executivo a utilizar valor não inferior a 5% do orçamento de mídia para apoiar meios de comunicação alternativos e independentes. Essa lei é de iniciativa da Associação dos Blogueiros de Pernambuco (ABlogPE) e foi apresentada pelo Deputado Ricardo Costa (PMDB). “Esse é o reconhecimento do papel social que as mídias alternativas cumprem hoje, e o projeto de Lei assegura um pequeno percentual das verbas públicas destinadas à publicidade a este setor que dissemina a informação e estimula a cidadania, sobretudo nas pequenas cidades”, frisou Lissandro Nascimento, Presidente da AblogPE.

SEMANA DE LUTA – Os atos desta terça iniciam uma semana de militância pelo direito à comunicação e pela regulação democrática da radiodifusão que acontece no Brasil inteiro, em lembrança dos cinco anos da I Conferência Nacional de Comunicação, realizada em 14 de dezembro de  2009.  Durante a I Confecom, mais de 600 propostas foram aprovadas como, por exemplo, a definição de cotas para conteúdo regional na radiodifusão, o estabelecimento de limites à propriedade nas outorgas dos canais de rádio e tevê e o fortalecimento do sistema público de comunicação. A TV Pernambuco é a prova de que, pelo menos no nosso Estado, o governo ainda está devendo muito no que diz respeito à democratização da mídia e à consolidação de uma comunicação não-comercial. Durante a semana será intensificada a coleta de assinaturas para  o projeto de Lei da Mídia Democrática, que prevê a regulamentação dos artigos constitucionais que dizem respeito à radiodifusão. Para saber mais sobre o projeto, visite www.paraexpressaraliberdade.org.br.



Oficina sobre Software livre, jornalismo livre e independente no 9º Fórum Espírito Livre em Belém/PA

19 de Novembro de 2014, 14:40, por Desconhecido

novas_midias_jornalismo_online_hiperlocal

As tecnologias dominam a humanidade em sua utilização, compartilhamento, inovação, ciência e tecnologia. Todos os ciclos de produção na humanidade inexoravelmente não podem mais dispor das tecnologias. A cultura humana no senso comum sempre nos induzem a conhecer paradigmas, muitas vezes como se eles fossem os únicos existentes.

No mundo da comunicação com suas vertentes, como: jornalismo, marketing e mídias digitais as tecnologias proprietárias engendram a cultura de tecnologia única, de verdade absoluta. Esse velho paradigma produz um legado conservador que é o aprisionamento de nosso país ao conhecimento democrático.

O mundo não é mais o mundo das tecnologias proprietárias, há em curso uma diversidade tecnológica, cultural, comunicativa. Portanto, as tecnologias são convergentes nas mídias digitais. Com esse intuito o Fórum Espírito Livre – Edição Amazônia irá dialogar esse outro lado fascinador do jornalismo, dia 25/11, no horário de 09/12h00, numa oficina digital: o software livre e o jornalismo livre e independente.

A oficina será media por Corinto Meffe que é assessor da presidência do Serpro.

Esta e outras diversas palestras estarão rolando no 9º Fórum Espírito Livre, que ocorre nos dias 25 e 26 de novembro no IFPA – Instituto federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará – Campus Belém – Av. Alm. Barroso, 1155 – Marco – Belém/PA CEP 66093-020.

A programação de palestra está disponível aqui.

Não perca tempo e se inscreva aqui.



Lançamento do Livro Comunicação dos Trabalhadores e Hegemonia será em 06/11

5 de Novembro de 2014, 10:26, por Bertoni - 22 comentários

Durante o 20º Curso Anual do NPC, meu amigo e companheiro  Vito Giannotti lançará o livro Comunicação dos trabalhadores e hegemonia.

O lançamento coincidirá com a festa de comemoração dos 20 anos do NPC, que será realizada na quinta-feira, 6/11, a partir das 19h, na rua Alcindo Guanabara, Cinelândia, em frente à Ocupação Manoel Congo.

Na ocasião haverá uma animada roda de samba, com caldo de feijão e caipirinha.



Aonde Falta Informação

18 de Outubro de 2014, 8:47, por Thiago - 0sem comentários ainda

A Iniciativa de Governo Aberto no Brasil

Discurso da presidenta Dilma no lançamento da Parceria para o Governo Aberto

 

Dilma fala em Nova Iorque sobre Parceria Governo Aberto

 

Se o PSDB ganhar, será porque a desinformação venceu a verdade.



Análise do discurso da "VEJA"

8 de Outubro de 2014, 12:27, por Rafael Pisani Ribeiro - 0sem comentários ainda

Considerando as mudanças geradas durante o período eleitoral, deveria haver um mínimo de direção na conscientização política e desenvolvimento das questões problemáticas do país. Mas o que de fato ocorreu foi uma mídia exibindo debates a exaustão, apresentando suas garras e disposta a defender os candidatos de seu interesse independente da imparcialidade jornalística.

A existência da imparcialidade é no caso da mídia o item necessário para que se possa fazer um bom jornalismo. Pois este é capaz de transmitir uma informação sem que dela possa-se perceber um mínimo de afinidade que tende a defender um ponto de vista ou ainda expressar uma ideia de forma intencional. Regra que nesse período de eleição foi completamente ignorada pelas entidades jornalísticas.

Considerando a capa da revista Veja da primeira quinzena do mês de setembro é possível perceber, em uma análise externa das informações veiculadas, esse desrespeito à imparcialidade. Uma grande boca vociferando calúnias e palavrões se apresenta em tamanho descomunal de uma ponta a outra da capa frente à Marina Silva, atual ex-candidata à presidência do Brasil. Ela está com uma fronte armada para aguentar tudo aquilo que lhe vier ferir sem movimentar um centímetro sequer. Impassível.

Considerando o fato de a revista Veja ser um produto de informação pública, formadora de opinião, não é descartável a ideia de poder ser um aparato político a favor de determinado candidato ou partido. O benefício pode ser mútuo. Levando em conta alguns aspectos da teoria dos atos de fala, o uso de performativos percorre o corpo do discurso (reportagem escrita, talvez a principal da edição) marcando a ação e incutindo seu efeito no leitor/receptor por meio de repetição.

Em outro aspecto teórico podemos retomar o conceito de polifonia desenvolvido por Oswald Ducrot, que é apresentado nesse discurso como sendo a voz do povo. Um único discurso apresenta um volumoso numero de opiniões que traduzem naturalmente o desenvolvimento de um texto em busca de um sentido capaz de representar uma massa. Sentido esse não entrarei em detalhes sobre o sentido, posto que a opinião política da revista é desnecessária para nossos objetivos nesse trabalho) que durante o discurso, aponta para a presença de mais de um sujeito falante.

Partindo de noções básicas da pragmática, o uso de conectores presente na reportagem aponta para a prática em condicionar a utilização da linguagem, com o intuito de nessa edição converter um eleitor mal instruído a se inclinar favoravelmente à opinião da revista.

Pode-se considerar utopia pensar que existirá ainda uma mídia isenta de toda e qualquer parcialidade. O problema nasce pela motivação social, mas na realidade a mídia se alimenta dela. É preciso desenvolver uma opinião na cabeça do público para no mínimo gerar uma discussão. Algumas vezes de forma parcial explícita, outras vezes de forma mais imparcial, ou pelo menos não tão explícita.

Lembrem- se de referenciar a fonte caso utilizem algo deste blog. Dúvidas, comentários, complementações? Deixe nos comentários.

Escrito por: Willy Gonçalves Lagoeiro



Notícias

News

Minha rede