Перейти к контенту

News

Full screen Suggest an article

Política

февраля 25, 2014 16:14 , by Blogoosfero - | No one following this article yet.
Licensed under CC (by)

Democracia, já!

октября 9, 2018 13:56, by Unknown

Saudosa memória da imensa manifestação “Diretas, já!” que meteu no fundo da gaveta da História a ditadura fascista de 64! Mas precisamos lembrar que a geração de novos eleitores, que agora votaram, eram bebês ou crianças naquela época.

Por Zillah Branco – de Brasília

Esta juventude talvez não saiba o que é fascismo, mas eles e elas que agora votam, devem ter ouvido falar em repressão, perda de liberdade, invasão de casas familiares e escolas, prisões e torturas, assassinatos de militantes democratas, comunistas e petistas, ou mesmo alguns membros do PMDB que lutavam contra a ditadura. Este horror que dominou o Brasil por 21 anos é o programa que o ex-capitão Bolsonaro defende para ocupar o lugar de Presidente do Brasil. Ele é a ponta de lança da ditadura retrógrada.

Saudosa memória da imensa manifestação “Diretas, já!”

Os apoiantes de Haddad e Manuela consideram uma necessidade urgente a de lutarem para que a ditadura, com Bolsonaro, Nunca mais volte ao nosso país!. Por isso apelam a cada uma e a cada um dos eleitores para que pensem com o cérebro e o coração na responsabilidade que temos de limpar o Brasil dos crimes do golpe que anulou a democracia, destruiu o sistema de Justiça, vendeu as riquezas nacionais a troco de bananas, congelou os orçamentos da saúde, do ensino, da segurança social, entregou a polícia federal aos subalternos da CIA que organizaram o governo golpista de Temer.

Porque Lula é o nosso herói? Porque é um brasileiro representante da maioria dos brasileiros nascido na miséria, passou fome quando criança, fez-se homem com a ajuda de familares, começou a trabalhar ainda criança, cultivou a honra inspirado no exemplo da sua mãe, formou-se na vida de trabalho como sindicalista para ajudar os demais companheiros de vida e de luta. Vejam o filme que está na internet (sobre a História de vida de Lula).

Pátria sem desigualdades

Pelas suas qualidades aprendeu a pensar na organização da sua pátria sem desigualdades, foi eleito Presidente da República por mérito próprio. Revelou-se um estadista reconhecido em todo o mundo – na Europa rica, nos Estados Unidos, na América Latina e Caribe, na África e na Ásia. Recebeu elogios da ONU, a qual passou a levar os seus planos aplicados no Brasil para combater a fome em países mais pobres – com a Bolsa Família – na criação de bolsas de estudo para que os mais pobres pudessem estudar e contribuir com a sua inteligência no desenvolvimento das ciências, da arte, das técnicas a nível superior, – na efectiva expansão do SUS (sistema universal de saúde) e da segurança social, no aumento do salário mínimo nacional, na ligação da reforma agrária com a alimentação escolar, no controle dos preços da alimentação básica, no transporte público, na irrigação das zonas secas do país, na construção de casas financiadas pelos bancos com prestações compatíveis com o rendimento familiar, na canalização de água e energia elétrica domiciliar.

Não teve tempo para corrigir todas as maldades provocadas por governantes de famílias oligárquicas que há 300 anos impediram o desenvolvimento de uma nação rica e povoada por bons cidadãos, que são escravisados pelos impérios colonizadores e recolhem as riquezas nos bancos privados.

O mundo inteiro tem sido vitimado pela ambição de uma elite poderosa que impōe as injustiças do sistema capitalista. Diante dos êxitos alcançados por Lula e outros heróis mundiais, organizaram uma sabotagem financeira para destroçar os países que constroem a sua soberania por processoa históricos inspirados no modelo que as revoluçôes socialistas de mostraram ser possível uma alternativa ao sistema capitalista no século vinte. Assim ocorre com Cuba e Venezuela, para só mencionar os mais próximos.

Nessas tres semanas, a partir do dia 8 de Outubro, temos de despertar todos os eleitores do Brasil para a responsabilidade de conduzirem a pátria ao lado certo da História com o voto na democracia. Não desanimem, acreditem no poder de um povo unido consciente da luta que obrigará o governo a cumprir um projeto de desenvolvimento do povo e da produção nacional para reter as riquesas e afirmar a soberania perante o mundo, de um Brasil progressista!

Zillah Branco, é Cientista Social, consultora do Cebrapaz. Tem experiência de vida e trabalho no Chile, Portugal e Cabo Verde.



Réquiem para Dilma, após a nova derrota na curta vida política

октября 8, 2018 20:25, by Unknown

Em lugar de uma política de transparência na administração pública, durante a gestão Dilma, houve o aumento exponencial, desde a Era Lula, do número de ‘notícias exclusivas’ aos meios de comunicação conservadores. E nenhuma. Repito, para deixar claro. Nenhuma entrevista aos jornais independentes, ao longo de todos os cinco malditos anos em que permaneceu no comando do país.

 

Por Gilberto de Souza – do Rio de Janeiro

 

Quando Dilma foi eleita para a Presidência da República pela primeira vez, em 2010, escrevi uma carta à presidenta, na qual relembrei a luta que foi – e é – manter um jornal diário independente, no qual praticamos o Jornalismo maiúsculo, equidistante no seu noticiário, mas de esquerda na Opinião. Este mesmo Jornalismo que denunciou a hipocrisia na campanha de seu então adversário, José Serra, e encerrou um dos capítulos mais sórdidos naquela campanha eleitoral. No texto, resumia a necessidade da revisão profunda na forma como o Estado brasileiro se relaciona com a mídia independente; e a imediata libertação do cartel liderado pelas Organizações Globo.

Dilma, em sua última aparição pública, neste domingo, após conhecer da sua derrota na eleição para o Senado, por Minas GeraisDilma, em sua última aparição pública, neste domingo, após conhecer da sua derrota na eleição para o Senado, por Minas Gerais

Quero crer que a missiva jamais lhe chegou às mãos, embora eu a tenha entregue, pessoalmente, à então ministra da Comunicação Social, Helena Chagas, em seu gabinete. Por mero senso de justiça, registro que a espera foi pouca, a água estava gelado e o cafezinho, uma delícia. Penso assim por não ter recebido, até agora, sequer um simples agradecimento pela gentileza da visita; além de reparar que nenhuma das sugestões foi aceita.

Trem bala

Em lugar de uma política de transparência na administração pública, durante a gestão Dilma, houve o aumento exponencial, desde a Era Lula, no número de ‘notícias exclusivas’ aos meios de comunicação conservadores. E nenhuma. Repito, para deixar claro. Nenhuma entrevista aos jornais independentes, ao longo de todos os cinco malditos anos em que permaneceu no comando do país.

Foi assim até que o risco de ser apeada do poder se agigantasse ao ponto de convocar uma tímida coletiva a uns poucos blogs aliados. Para se ter ideia do nível, enquanto o mundo caía sobre a cabeça da mandatária, uma das perguntas versava sobre a premente necessidade de se instalar um trem-bala, entre Rio e São Paulo. Os pais do Jornalismo, esse que se pratica aqui, no CdB, contorceram-se nos mausoléus.

Pedra sobre pedra

Percebe-se, agora, que a presidenta deposta tem esse traço: o da descortesia, em seu comportamento; naquele seu jeitão desatencioso de ser, no qual a delicadeza passa ao largo. Talvez, tenha sido este um dos fatores que colocaram para correr os eleitores mineiros, nas eleições recém-encerradas, quando não contou com o apoio do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja amabilidade compensou, enquanto pode, a pisada mais dura de sua sucessora. Esta, agora, afasta-se do ambiente político-eleitoral – parece que de uma vez por todas. E o faz sob o desvio angular que fez perseguir o Correio do Brasil, de forma sistemática, ao longo de seus quase seis anos à frente do Palácio do Planalto; enquanto quebrava ovos para a Rede Globo bater, desde o seu primeiro dia no governo.

Que Deus a perdoe. Sim, porque jamais poderei deixar adormecer a certeza de ter essa senhora jogado o Brasil no colo do fascismo que ora se instala, seja ou não eleito o seu pior representante; após a desconstrução da trilha aberta por Lula para um país mais justo e democrático. Não restou pedra sobre pedra. Dilma destinou mais de R$ 3 bilhões somente à Globo; a mesma emissora que apoia o golpe de Estado, ainda em curso. Cada centavo foi usado, com certeza, para aumentar a renda da família mais rica e influente destas plagas, desde o último século; e oprimir os jornalistas brasileiros que, a exemplo deste que vos escreve, insiste em construir este diário, respeitado internacionalmente pela independência do noticiário que leva, há 18 anos, aos nossos leitores.

Nervos de aço

Em países ainda em fase de desenvolvimento, compreendo, é difícil aceitar a existência de um veículo de comunicação fundado na tese de que os fatos devam ser levados aos leitores em sua essência. Dispostos, de forma clara, diante da visão crítica de um público que não precisa – e não gosta – de ser subestimado. Jamais embrulhados nos papéis celofanes do embuste, a exemplo do que faz a mídia conservadora e subserviente aos capitalistas de aluvião. Ou delineados de forma a caber no modelito que a esquerda bem comportada tanto gosta de usar. Fazer Jornalismo independente, no Brasil, é uma tarefa para quem tem nervos de aço.

Assim, depois de tanto alertarmos à presidenta, empurrada de palácio em palácio até o olho da rua por aqueles mesmos golpistas que alimentou a pão de ló, quanto ao erro crasso que cometia com os destinos da nação, resta-nos esta singela despedida, perante a derrota fragorosa que a soterra. Não são, obviamente, palavras de conforto ou de carinho, mas tão frias quanto as pedras que atirou contra a trincheira da liberdade, ora em alto risco. Tão geladas quanto o tratamento que dispensou àqueles que seguem na luta contra a horda fascista que se avizinha. Sem um pingo de ódio sequer ou nenhuma gota de solidariedade. Tão somente, o merecido registro no rodapé da História.

Que o arrependimento lhe seja eterno.

Gilberto de Souza é jornalista, editor-chefe do jornal Correio do Brasil.



Bolsonaro é Temer. Temer é Bolsonaro

сентября 30, 2018 14:59, by Altamiro Borges

Temersolnorabo
 
Por Reginaldo Moraes, no site Carta Maior:

Negue seu amor, o seu carinho;
Diga que você já me esqueceu.
Pise, machucando com jeitinho

Este coração que ainda é seu.

Diga que o meu pranto é covardia,
Mas não se esqueça
Que você foi minha um dia!

Diga que já não me quer!
Negue que me pertenceu,
Que eu mostro a boca molhada
E ainda marcada pelo beijo seu.

(Adelino Moreira e Enzo de Almeida Passos)


Talvez a melhor caracterização do “mito” Bolsonaro tenha sido a de Ciro Gomes, um frasista de primeira: o Bolsonaro inventou um personagem, agora ele incorporou o papel e os jornalistas entraram na onda. Se isso é verdade, corremos o risco de ver realizada a profecia de Marx. A ditadura militar, que uma vez nos foi imposta como tragédia, reaparece agora como farsa.

E a farsa é a essência do que temos como refeição diária. Toda a campanha eleitoral é uma gigantesca exibição de coisas sem sentido. Os debates na TV começaram mostrando uma encenação de fantasmas. Os primeiros chegaram a ser teatrais Para piorar a sensação do non-sense, uma cadeira mostrava a ausência da única figura real, justamente aquela à qual se negava existência e se mantinha confinada numa cela em Curitiba. Todo mundo sabia que aqueles diálogos eram um embate entre sombras do nada. E, claro, no meio da farsa, teria que despontar o personagem que é, ele próprio, uma farsa e apenas isso. E que é a própria essência do processo que vivemos há alguns anos.

A essência do golpe aparecera naquela tétrica demonstração do Congresso, votando o impedimento da presidenta. Um espetáculo deprimente, mas que mostrava a cara do que era a chamada Casa do Povo. A degradação era estampada em cada figura que aparecia ali, para votar em nome da família, da pátria, do unguento de babosa ou da amante do bode. Satanás discursando sobre a Sagrada Escritura.

Pior, na sequência do circo primário, uma série de golpes em direitos históricos e uma sequência de operações desastradas, aprofundando uma crise já anunciada por dois anos de sabotagem e pautas-bombas. No plano simbólico, uma escalada de desmoralizações do presidente-substituto, transformado em personagem de fancaria, a ponto de virar anti-herói em desfile de escolas de samba. O vampiro.

Diante desse desmanche de tudo o que restava de pé, um demagogo assumido, que mente sobre tudo, na maior cara de pau, apresenta-se como aquele que vai consertar essa bagaça. Dizem os seguidores, rangendo os dentes e dedilhando gatilhos: ele é a voz que faz o mundo ter sentido. Messias de nova estirpe.

Para cumprir esse papel, o canastrão tem que parecer estranho ao mundo que cai. Um outsider. Um inimigo do sistema. A negação da “podre política”. A farda (ou o pijama, neste caso) cai bem na foto. Ele é o homem da disciplina e da dureza, frente aos frouxos e corruptos da “engrenagem”. Os de sempre, como eles costumam dizer. Sempre.

Esta é, claro, sua primeira grande farsa – ele foi expelido da farda e alegremente incorporado ao sistema, dentro qual enriqueceu a si e a sua família ampliada, incluindo filhos, cunhados e cunhadas, mulher e duas ex-mulheres, irmão e papagaio. O passado condena com tal força que agora, na véspera das eleições, como fruto do tiroteio interno da quadrilha geral, uma revista famosa por suas barbaridades entrega o antigo irmão de lutas. O capitão é da pá virada, já fez de tudo e mais um pouco. A revista do esgoto e o rato residente. Eles são gregos, devem se entender. Ou não.

Mas a grande farsa, de fato, é outra. Esta eleição tem uma lista de candidatos e desde o inicio se procurava saber quem era o candidato do governo, aquele que representaria seu “legado”.

Com quem será que o Temer vai casar? Será Meireles? Faz me rir. Temer esboçou um abaixo-assinado, Meireles fez questão de tirar o corpo: “sou candidato do meu retrospecto”. Humm...

Alckmin? Parecia. Temer balbuciou alguma coisa, lembrou seus tantos ministros tucanos. Poderia até citar o mais relevante, aquele que virou juiz do Supremo para quebrar seus galhos. Mas o estadista de Pindamonhangaba percebeu que isso lhe custava perder votos – vacilou, o que lhe custou, claro, um puxão de orelhas do próprio vampiro presidencial. Temer, passional como sempre, desta vez não mandou cartinha. Gravou mensagem a la Nelson Gonçalves. Negue que me pertenceu! E eu digo que você foi meu um dia. E mostro a boca molhada, ainda marcada por um beijo seu... Não, não é o Geraldo o candidato do legado. Não vai rolar.

O candidato do golpe, o herdeiro e defensor do legado é o capitão. É a única força viva o suficiente para tentar garantir o show de horrores, exploração e destroçamento do país. É o mais fiel dos fieis. Quando era necessário votar alguma patifaria vendendo a nação ou esfolando a plebe, ali estava o capitão. Quando era necessário barrar processos e investigações, ali estava o capitão. Mais fiel do que o próprio partido de Temer. Nunca negou fogo, para usar a expressão que lhe agrada. Ou fumo, se agora preferir.

O capitão é a mais fiel continuidade daquela votação macabra do impeachment, das patifarias do vampiro, das vontades do império lá de cima. Não por acaso, manchou a bandeira verde-amarela quando vestia farda, mas agora, de pijama e gravata, bate continência para a bandeira americana. Bolsonaro é Temer, Temer é Bolsonaro. Tanto quanto Haddad é Lula, Lula é Haddad. É esse o confronto que se anuncia, ao por do sol. Se os brasileiros querem um Brasil com a cara fechada do Temer ou um Brasil com o sorriso do Lula.

* Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes é professor aposentado, colaborador na pós-graduação em Ciência Política do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da Unicamp. É também coordenador de Difusão do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre Estados Unidos (INCT-Ineu). Seus livros mais recentes são: “O Peso do Estado na Pátria do Mercado – Estados Unidos como país em desenvolvimento” (2014) e “Educação Superior nos Estados Unidos – História e Estrutura” (2015), ambos pela Editora da Unesp.



Toffoli garante que, em qualquer resultado das urnas, eleição será respeitada

сентября 24, 2018 22:36, by Unknown

As afirmações do ministro, que desde domingo ocupa temporariamente a Presidência da República, neutralizam as insinuações da chapa de Bolsonaro e seu vice, o General Hamilton Mourão, quanto ao desrespeito às normas do jogo democrático.

 

Por Redação – de Brasília

 

Após desmentir o candidato neofascista Jair Bolsonaro (PSL) e garantir a qualidade dos resultados eleitorais, nas urnas eletrônicas, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, voltou a afirmar, nesta segunda-feira, que qualquer que seja o resultado destas eleições, ele será respeitado.

— O batismo da urna legitima os poderes. Aquele que for eleito em uma democracia tem que ser respeitado por todas as forças políticas e por todos os opositores — afirmou, a jornalistas.

Por indicação do ministro Dias Toffoli, José Dirceu será libertado, nas próximas horasPresidente interino da República, o ministro Dias Toffoli faz uma defesa enfática do processo eleitoral

As afirmações do ministro, que desde domingo ocupa temporariamente a Presidência da República – enquanto Michel Temer participa da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) –, neutralizam as insinuações da chapa de Bolsonaro e seu vice, o General Hamilton Mourão, quanto ao desrespeito às normas do jogo democrático; com uma possível intervenção das Forças Armadas.

Segundo Toffoli, o poder militar tem ciência da responsabilidade de suas funções, respeitam o regime vigente e, ao final das eleições, o que prevalecerá, independente do resultado, será a base de governo e seus opositores.

Premissas

Sem responder diretamente, mas mostrando-se contrário às críticas de judicialização da política, o ministro creditou à Justiça o papel de moderador na condução de questões como o impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff e das denúncias envolvendo, por exemplo, Michel Temer. “Tanto foi assim que passamos por todos esses problemas e chegamos a uma eleição”, declara negando uma “judicialização da política”.

Ainda assim, alterações no modelo judiciário são pautas presentes nas propostas dos candidatos Fernando Haddad (PT) e Bolsonaro, o que na avaliação do ministro só evidencia um movimento mais transparente da instituição. Toffoli que tem agora diversas questões polêmicas, entre elas a validade da prisão após condenação em segunda instância,

O julgamento poderá beneficiar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, segundo defensores públicos, reduzir as taxas de encarceramento. O ministro afirma que serão mantidos um “olhar institucional” e “premissas jurídicas”, durante seu mandato à frente do STF.



Bolsonaro começa a cair e já perde para todos no segundo turno

сентября 24, 2018 22:36, by Unknown

No segundo turno, Bolsonaro perde para todos os adversários e ganharia apenas de Marina Silva.

 

Por Redação – de São Paulo

 

Pesquisa do Ibope, contratada pelas Organizações Globo e o diário conservador paulistano O Estado de S. Paulo, divulgada na tarde desta segunda-feira revela que o candidato neofascista Jair Bolsonaro (PSL) parou de crescer e se mantém estagnado em 28%, com tendência de queda enquanto a rejeição ao seu nome saltou de 42% para 46%. O candidato petista Fernando Haddad, por sua vez, subiu 3 pontos, indo a 22% dos 19% anteriores.

Bolsonaro, com apenas 8 segundos, tende a rever seus planos de concorrer à Presidência da RepúblicaBolsonaro começa a cair e deixa de ser competitivo para o segundo turno, com Ciro Gomes podendo alcançá-lo nos próximos dias

No segundo turno, Bolsonaro perde para todos os adversários e ganharia apenas de Marina Silva.

Na pesquisa, o petista é o único que apresenta tendência de alta, enquanto a rejeição do candidato neofascista salta de 42% para 46% na última semana. O nível de confiança da pesquisa é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem a realidade, considerando a margem de erro, que é de 2 pontos, para mais ou para menos.



Notícias

News

Моя сеть