Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Tecnologia

25 de Fevereiro de 2014, 16:05 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by)

Acordão de Richa com a gigante Microsoft é burrice ou má intenção

9 de Abril de 2013, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Ontem dia 9/4, o governador do Paraná foi a Rio de Janeiro assinar um protocolo de intenções com a gigante americana Microsoft. Pelo acordo, o estado do Paraná se compromete a utilizar soluções tecnológicas da empresa de Bil Gattes, em contra partida, a multinacional se compromete a capacitar profissionais no uso destas tecnologias.

Para nós, simples usuários, essa decisão até pode parecer positiva, afinal a grande maioria dos usuários domésticos brasileiros utilizam o Windows piratão e os programas de escritório, Officce, igualmente piratões e eles, cumprem muito bem suas funções.

O problema é que o buraco é muito mais em baixo.

Não se trata de o estado assumir definitivamente o uso do Windows ou o do Office, é um caso de desenvolvimento de novas tecnologias. Tecnologias que já foram desenvolvidas e que já estão em funcionamento!

Veja só:

Para se desenvolver novas tecnologias, são necessárias ferramentas.

Vamos supor que o estado precisa desenvolver um novo cadastro de estudantes da rede pública.

O primeiro passo é estruturar um banco de dados.

Os desenvolvedores não vão criar um sistema de gerenciamento de dados do zero. Vão optar por uma ferramenta já existente, testada e estável. Para isso, podem optar por várias opções, mas vamos nos ater a apenas duas:

  • MySql – Software Livre – Gratuito;
  • Microsoft Sql Server – Software proprietário – uns R$ 2.500,00 por cada licença.

Ambos têm vantagens e desvantagens e a escolha depende do tipo de aplicação.

Agora vamos cuidar da interface.

Caso o sistema esteja disponível para acesso na rede, terá de ser hospedado em um servidor que entre outros, pode ser:

  • Linux – Software Livre – Gratuito;
  • Windows Server – Software proprietário – uns R$ 2.500,00 por cada licença.

Novamente, cada um deles com suas vantagens e desvantagens, a escolha depende do tipo de aplicação.

Ainda tem muitos mais detalhes, mas os dois exemplos acima já nos dão uma boa noção.

E é aqui que a proquinha torce o rabicó!

Daquilo que nós, simples usuários, acessamos em nossos computadores, a esmagadora maioria é criada, desenvolvida e hospedada em software livre com Linux e MySql.

O Facebook, Twitter e o Wikipédia, só para citar os mais comuns.

Além disso, o CELEPAR, a Companhia de Informática do Estado do Paraná, possui inúmeros profissionais tarimbados e experientes no desenvolvimento de sistemas baseados em software livre. Estes profissionais e soluções desenvolvidas são reconhecidos e muitas vezes premiados por seus trabalhos na área.

Pois é. Qualquer gestor, gerente, chefe ou responsável por soluções de TI, após analisar prós e contras, só vai optar pelo software proprietário, caso seja “pressionado” pelos lobistas da empresa fornecedora do software.

Se tiver profissionais competentes à disposição, a melhor solução é sempre o software livre.

Claro que esta regra não vale para nós, simples usuários. Para nós, um software padrão, cheio de fru-fru, que acesse a internet, rode o Word e joguinhos é muito mais do que o suficiente.

A merda é que nosso intrépido governador se vendeu aos lobistas da Microsoft.

E fez isso com a desculpa esfarrapada de promover uma melhor comunicação entre os alunos e professores da rede estadual de ensino (nas palavras do governador)

Mas é muita cara de pau do Betinho!

Desde 2006 existe no estado o programa Paraná Digital, um programa de inclusão digital que atende 2.100 escolas do estado, com 1.500.000 alunos, 57.000 professores e 44.000 computadores.

Um programa que já consumiu milhares de horas de desenvolvimento, milhões de reais em equipamentos, mais treinamento e centenas de profissionais.

E Betinho vai jogar todo este excelente trabalho na latrina, só para satisfazer os desejos dos lobistas da Microsoft e a insaciável sede de lucros da empresa americana.

E segundo ele “sem qualquer custo para o estado”.

Tá bom Betinho, me engana que eu sou bobinho.

Onde será contabilizado o prejuízo dos anos de desenvolvimento do programa Paraná Digital, descartado para favorecer os desejos de lucros do Sr. Bill Gates?

Polaco Doido



Você sabe o que é DMCA - Digital Millennium Copyright Act???

13 de Dezembro de 2012, 22:00, por Lerd - 0sem comentários ainda

Veja o que a Wikipédia diz sobre DMCA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Digital Millennium Copyright Act, conhecido como DMCA (em português, Lei dos Direitos Autorais do Milênio Digital) é uma lei de direitos de autor dos Estados Unidos da América que criminaliza não só a infração do direito autoral em si, mas também a produção e a distribuição de tecnologia que permita evitar medidas de proteção dos direitos de autor. Além disso aumenta as penas por infrações de direitos autorais na Internet.

Algumas organizações, como a Electronic Frontier Foundation (EFF), avaliam os efeitos das medidas para evitar saltar-se as proteções da DMCA. Segundo a EFF, a seção 1201 da lei paralisa a liberdade de expressão e a investigação científica, ameaça o uso legítimo e impede a concorrência e a inovação.

Índice

Controvérsia

A DMCA pode impedir a competição e a inovação. Embora o objetivo seja combater os piratas, muitos proprietarios de copyright manobraram a DMCA para obstaculizar seus competidores legítimos. Por exemplo, utilizou-se a DMCA para bloquear a competição do mercado de acessórios como cartuchos de toner de impressoras a laser, portas de garagem e serviços de manutenção de computadores. Da mesma forma, a Apple Computer invocou a DMCA para neutralizar os esforços da RealNetworks de vender música aos proprietários de iPod.

Reforma

Atualmente há esforços no Congresso dos Estados Unidos no sentido de modificar esta lei. Rick Boucher, um congressista democrata da Virginia, lidera um desses esforços no sentido de introduzir o DMCRA, "Digital Media Consumers’ Rights Act" (em português, "Lei dos direitos dos consumidores de media digital").

Referências

Ligações externas

Informação sobre a DMCA

Recursos anti-DMCA

Políticas de exemplo de DMCA



Colaboração e Liberdade: estratégias de desenvolvimento tecnológico nacional

25 de Julho de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Por Sérgio Luís Bertoni *

Um desafio está colocado para nós, brasileiros, neste início da era do capitalismo informacional: aceitar a condição de consumidores de tecnologias e informações alheias ou nos transformarmos em produtores autônomos e soberanos das mesmas.

No capitalismo informacional, a produção material está assumindo um papel secundário nos processos produtivos, sendo apenas uma consequência da aplicação de tecnologias e conhecimentos.

A chamada produção imaterial ou de bens intangíveis (tecnologia e conhecimento) vai asumindo um papel predominante e quem dominá-los, dominará todo o processo econômico e social. Prova disso é o valor de mercado e o poder de compra de uma empresa de tecnologia como o Google, muitas vezes superior ao valor de mercado da maior montadora de automovéis, que é um exemplo clássico da era industrial. Além disso a saúde financeira das empresas de tecnologia e informação fariam o combalido sistema financeiro internacional passar vergonha, se a tivesse...

Se no obscurantismo da idade média, as catedrais estavam no centro de toda a organização social, política e econômica, assim como na era industrial estavam as industrias e no capitalismo financeiro os bancos, no capitalismo informacional tudo vai se organizando em torno dos produtores de conhecimento, tecnologia e informação.

Portanto, se nos contentarmos com a condição de meros consumidores de tecnologia e conhecimento, nos contentaremos com a indigna posição de dominados e agravaremos ainda mais as mazelas nacionais. À exclusão social e econômica, estaremos adicionando a exclusão digital e do conhecimento.

Para superar esta condição, antes mesmo que ela esteja consolidada, precisamos romper com o complexo de viralatas que ainda reina em nossas mentes e corações.

Precisamos ser ousados e passar à condição de produtores de tecnologias e provedores de serviços tecnológicos e informacionais.

Precisamos criar infraestruturas tecnológicas nacionais públicas e abertas que garantam o acesso de todas as camadas da população aos novos serviços proporcionados pelo desenvolvimento tecnológico e informacional.

Precisamos, inclusive, ter servidores e repositórios públicos nacionais para armazenamento seguro de toda a informação, conhecimento e tecnologia produzidos no país. Aliás, a segurança de nossos dados pessoais e coletivos, das tecnologias que produzimos, assim como a sua integridade,  são questões tanto de segurança nacional, como de preservação cultural, de nossas crenças e sabedorais autóctonas.

Note-se que falamos de infraestrutura pública e não estatal, porque entendemos que esta mudança de condição, este deixar de ser consumidor de tecnologia e conhecimento para tornar-se produtor dos mesmos, só é efetivamente possível e inclusivo se houver ampla colaboração entre comunidades, governos, sociedade civil, sindicatos, movimentos sociais, empresas públicas e privadas. Esta colaboração só pode existir em um ambiente livre e colaborativo, onde todos os que participam do mesmo, preservadas suas especialidades e capacidades,  igualmente são tratados como sujeitos do processo de desenvolvimento.

A condição de igualdade e protagonismo dos agentes a qual nos referimos no parágrafo anterior não existe no mundo da propriedade intelectual privada, no mundo do copyright como ele é atualmente concebido. No mundo da propriedade intelectual privada, quem a detém, quem detém uma patente, está num patamar superior aos demais e, conforme legislação em vigor, possui determinados direitos reservados que lhe permite, inclusive, indisponibilizar o uso da mesma.

Para sobreviver nesta nova selva do capitalismo informacional precisamos de um projeto de desenvolvimento tecnológico nacional que junte iniciativas e evite a concorrência danosa entre irmãos, ou seja, aquela concorrência que leva a dispersão de energias e de trabalho. Não se propõe aqui reinventar rodas, mas sim juntar as partes que hoje se desenvolvem em separado e criar sinergias que possibilitem o desenvolvimento conjunto delas. E isso, mais uma vez, só é possível em um ambiente de colaboração.

Um exemplo bem prático do que estamos falando é o Blogoosfero, a plataforma livre e colaborativa desenvolvida em parceria pela Blogosfera Progressista e o Movimento do Software Livre.

De um lado, @s chamad@s Blogueir@s "Suj@s" realizavam seu trabalho de produção de informação e em defesa da Liberdade de Expressão usando as ferramentas disponíveis. Porém, começaram a sofrer ataques cibernéticos e, o mais grave, a sofrer censura. Posts e blogs foram retirados do ar, muitas vezes de forma arbitrária e completamente sem sentido. Sentiram, então, a necessidade de ter uma blogosfera "blindada" que pudesse protegê-l@s contra estes tipos de ataques.

De outro lado, o Movimento do Software Livre, mais especificamente a Colivre - Cooperativa de Tecnologias Livres da Bahia, desenvolvia o Noosfero, uma ferramenta livre e segura para administração de blogs e redes sociais, testada em ambientes de produção críticos tais como campanhas eleitorais e fóruns de software livre.

Se @s blogueir@s tentassem desenvolver algo do zero, reinventando a roda, levariam anos para conseguir produzir uma ferramenta própria que já poderia estar ultrapassada quando de seu lançamento. Porém, ao estabelecer a colaboração com o Movimento do Software Livre, trocar informações e experiências, foi possível criar o Blogoosfero em apenas 4 meses de trabalho de desenvolvimento e disponibilizá-lo ao público em maio de 2012. no 3º Encontro Nacional de Blogueir@s, realizado em Salvador, BA.

Esta colaboração entre Blogosfera Progressista e Movimento do Software Livre tem ajudado às duas comunidades a entender as demandas e ensejos alheios e a apoiar-se mutuamente nas demandas de cada movimento, assim como criar sinergias no desenvolvimento de novas funcionalidades da plataforma. Ou seja, antes mer@s usuári@s de tecnologias para blogs, @s blogueir@s podem hoje também participar do desenvolvimento de uma tecnologia nacional!!!

Muitos são os entes da República Federativa do Brasil (públicos e privados) que planejam desenvolver algo parecido com o já feito pelo Blogoosfero. Mas infelizmente o fazem de forma isolada, sem colaboração. Além de atrasar os processos de desenvolvimento, isso gera um gasto desnecessário de trabalho e inteligência. Somos um país pobre que não pode se dar ao luxo de desperdiçar os parcos recursos que tem.

Se tais iniciativas passarem a colaborar e trabalhar em conjunto juntando as boas práticas e experiências já estabelecidas, podemos dar um salto tecnológico incrível em pouquíssimo tempo.

A resposta para o desafio colocado no início deste artigo está no desenvolvimento de tecnologias nacionais livres e colaborativas, juntando as boas práticas, iniciativas e experiências já existentes e criando sinergias que potencializem os resultados do trabalho e da inteligência nacional. Ou, em uma palavra, Colaboração!

 

* Sérgio Luís Bertoni é Mestre em Filosofia pela Universidade Estatal de Moscou M.V. Lomonossov, Coordenador de TIE-Brasil, Blogueiro "Sujo" e Progressista, Ativista Digital e Presidente da Fundação Blogoosfero.



Notícias

News

Minha rede

Faça uma doação