Ir para o conteúdo

News

Tela cheia Sugerir um artigo

Tecnologia

25 de Fevereiro de 2014, 16:05 , por Blogoosfero - | No one following this article yet.
Licenciado sob CC (by)

Computadores com Windows 8 dificultam a instalação de sistemas livres. Saiba como resolver isso!

27 de Abril de 2013, 21:00, por Lerd - 0sem comentários ainda

Se você adquiriu, mesmo contra sua vontade,  ou ganhou um computador com o Windows 8 instalado, é possível que não consiga instalar nele um Sistema Operacional Livre como o Linux.

Em nome da "segurança", a Microsoft dificultou a instalação do Linux ou qualquer outro sistema operacional, incluindo as versões mais antigas do próprio Windows e  tornou praticamente impossível instalar Linux em dispositivos Windows RT, tais como Microsoft Surface RT.

Isso porque estas máquinas com Windows 8 vem com um recurso chamado Secure Boot, que só permite a execução de sistemas operacionais assinados digitalmente com uma chave reconhecida pelo fabricante do SO, que no caso das máquinas com o Windows 8 é a Microsoft, a dona da chave configurada de fábrica.

Quando usado corretamente, o "Secure Boot" deveria proteger o computador contra malwares, impedindo os computadores de carregar programas binários não autorizados durante a inicialização. Ou seja, deveria impedir que programas maliciosos e vírus entrassem em ação, evitando assim a contaminação do sistema operacional. Porém, na prática, isso significa que os computadores com o Secure-Boot instalado não permitem a inicialização de sistemas operacionais não autorizados pelo fabricante do SO original (instalado de fábrica), incluindo aí até sistemas inicialmente autorizados, mas que foram modificados pelos usuários e não foram reaprovados pela Microsoft.

Mas nessa verdadeira Guerra Fria entre sistemas proprietários fechados e Sistemas Livres e Abertos, a galera do Softwre Livre não descansa e Matthew Garret  desenvolveu o Shim (um dos softwares que permitem o boot nessas condições) e preparou uma lista das distribuições que já o suportam.

A versão de 64 bits do (K)Ubuntu 12.10 vem com uma versão mais antiga do Shim que foi assinado pela Microsoft e deve dar boot na maioria das máquinas afetadas.

A instalação do Saboyan 64-bits em máquinas com Secure-Boot ativo mostrou-se um processo trivial. O Fedora tem uma versão em desenvolvimento e o Suse tem a chave assinada pela Microsoft, mas que ainda não está disponível em todas as versões de pré-lançamento.

Nos PCs, o problema é contornável. Usuários que buscam outros sistemas operacionais certamente são capazes de desabilitar o Secure-Boot na BIOS. O problema está nos dispositivos equipados com processadores ARM (notebooks, celulares, tablets e outros dispositivos móveis) onde o Windows RT bloqueia o dispostivo permanentemente.

O que a Microsoft está fazendo é, para variar, no mínimo condenável. Seu verdadeiro objetivo é matar qualquer possibilidade de uso de um sistema operacional diferente daquele por ela produzido, não permitindo que você instale algo diferente do Windows do momento. Note-se que o recurso proibe inclusive a instalação de versões mais antigas do próprio Windows!!!

Tal exigência é a uma imposição de restrição desastrosa aos usuários de computador e à sua Liberdade de escolha e não um recurso de segurança. Só se for a segurança comercial da Microsoft!!!

Então, se você não quer ficar escravo de uma marca, de uma empresa, de um sistema operacional, as coisas mais concretas que você pode fazer são:

  • não comprar uma máquina nova que não permita que o Secure-Boot seja desabilitado na BIOS. 
  • comprar um PC, tablet, celular, notebook, etc, com Linux já instalado (no caso dos tablets e celulares com Android, Firefox OS ou Ubuntu)
  • comprar um PC, tablet, celular, notebook, etc, sem Windows 8


FLISOL 2013

24 de Abril de 2013, 0:00, por Paulo Santana - 0sem comentários ainda

O 9º FLISOL – Festival Latino-americano de Instalação de Software Livre é um evento anual realizado desde 2005 cujo propósito é promover o uso e desenvolvimento de Software Livre e a integração de comunidades de usuários de Software Livre em todos os países da América Latina.

Para executá-lo, serão realizados simultaneamente eventos em cidades diferentes em que especialistas irão instalar, de maneira gratuita e totalmente legal, softwares livres nos computadores e notebooks das pessoas interessadas que comparecerem.

O evento, também conhecido como Install Fest, consiste em um grande encontro de pessoas com conhecimento em Software Livre e outras que desejam conhecer mais sobre o assunto. Os visitantes deverão levar seus equipamentos para que voluntários ajudem a instalar o sistema operacional.

O Festival é organizado pela comunidade de software livre na América Latina, formada por pessoas e grupos de naturezas diversas, com o apoio de outras entidades, principalmente educacionais, e alguns patrocinadores dos eventos em cada localidade.

O FLISOL acontecerá no dia 27 de abril de 2013 (sábado), e o horário será definido por cada sede.
O site oficial é:
http://flisol.info

Você pode contribuir com o evento ajudando a organizá-lo em sua cidade. Reúna um grupo de voluntários com conhecimento em Software Livre e preste suporte a aqueles que estão buscando conhecimento.
Para saber como organizar o FLISOL localmente, consulte a página:
http://flisol.info/Brasil/ComoInscreverSuaCidade

Lembramos que só pode existe uma, e somente uma, sede por cidade. Por isso visite a página abaixo para ver se sua cidade já foi incluída:
http://flisol.info/FLISOL2013/BrasilCidades

O FLISOL Brasil é coordenado através da lista "flisol-br", isso significa que todos os coordenadores (e equipes de coordenação da sedes) devem estar inscritos em nossa lista:
http://listas.softwarelivre.org/mailman/listinfo/flisol-br

Contamos com a sua colaboração!
Abraços,
Coordenação do FLISOL Brasil



Judicialização da Censura, Soberania Tecnológica e Contra Ataque das mídias em debate no Clique e Lique da TVT

23 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 0sem comentários ainda

Foi gravado nesta quarta-feira, 24 de abril, o programa Clique e Ligue que vai ao ar no próximo dia 07 de maio, às 19:30h pela TVT.

Lino Bocchini e Luiz Carlos Azenha (direto dos estúdios da TVT, em São Bernardo do Campo), Eduardo Guimarães e Sérgio Bertoni (via Skype) debateram como as mídias alternativas se organizam para enfrentar as velhas mídias que estão usando-se da judicialização da censura para tentar calar as vozes livres.

Bertoni destacou a importância da Soberania Tecnológica como elemento essencial para a Liberdade de Expressão na era da Informática. "Precisamos ser produtores de tecnologias próprias e deixar de ser meros usuários de tecnologias proprietárias e comerciais", afirmou.

Você poderá assistir ao Clique e Ligue no dia 07 de maio pela internet www.​tvt.​org.​br,  e pelo canal 13 da NET, a partir das 19:30h.

Então, não esqueça: 07/05/2013, 19:30 h:

Clique e Ligue

Aborda as novas tecnologias de comunicação e a inclusão digital da população brasileira. Gravado em estúdio, é composto por entrevistas com protagonistas de ações promotoras de comunicação e ativação de redes sociais. O programa busca promover inclusão digital é e gravado toda quarta feira, às 15h30 com transmissão ao vivo pela internet com participação direta do público.

blogoosfero.cc/profile/tvt

facebook.com/redetvt



Destruindo o Paraná: Tucano atropela Lei de Software e assina acordo com multinacional

16 de Abril de 2013, 21:00, por Bertoni - 1Um comentário

Por Derick Fernandes, do Diário do Estado

O Governador do Paraná, Carlos Alberto (PSDB), assinou no último dia (09) um acordo de intenções com a Microsoft no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. O presidente da Microsoft Brasil, Michel Levy, disse que o Paraná está "puxando o trem da competitividade" no país.

O fato interessante é que o Paraná é o único Estado do país que tem lei aprovada de incentivo e uso de Softwares Livres (Lei Estadual 14.058/2003), que determina que a Administração Pública do Paraná deve utilizar, preferencialmente, programas abertos de computador.

Na aquisição de softwares proprietários, deve ser dada preferência para aqueles que operem em ambiente multiplataforma, permitindo sua execução sem restrições em sistemas operacionais baseados em software livre.

Ou seja, a iniciativa também descumpre as leis 14.195/2003 e 15.6742/2007, todas da época do governador Roberto Requião (PMDB), mas que ainda estão em plena vigência.

O Governo do Estado do Paraná tem um dos principais órgãos tecnológicos do país, a CELEPAR, que foi criado para "executar políticas e ações envolvendo o Software livre" no âmbito do Estado do Paraná:

O Governo do Paraná é um dos principais usuários e desenvolvedores de software livre de todo o país.

A opção pelos programas de código aberto faz parte das políticas estratégicas de governo. Sua execução é de responsabilidade da CELEPAR. (leia mais aqui)

A Celepar é responsável por inúmeros projetos de Software Livre público, como por exemplo o Expresso Livre, e que acabarão  afundando no mar do esquecimento e subemprego.

Mas como um Estado que incentiva a prática do Software Livre no país aceita um acordo destes?

Os governos não são feitos de políticos e sim de partidos. No fim das contas, quem governa, manda e desmanda é o partido político do meliante cidadão em que votamos.

Segundo as nossas pesquisas, o PSDB, partido do Governador Beto Richa, tem um histórico interessante de "acordos com a Microsoft", vejamos:

- No próprio site do PSDB encontramos uma notícia de que o Governador de Goiás, Marconi Perillo, fez uma viajem aos EUA no ano passado (2012) afim de se reunir com a Microsoft e "agradecer" a empresa pela "economia de R$ 90 milhões aos cofres públicos de Goiás". Se a VERDADEIRA INTENÇÃO do PSDB fosse a economia, teriam usado software Livre e não teriam gasto um único centavo!

- Em 2009 o Governo do Estado do Rio Grande do Sul também fechou parceria com a Microsoft para implantação do "Windows Educação" nas escolas públicas.

- Segundo o Presidente da Microsoft do Brasil, a empresa está negociando os mesmos termos com outros estados do país, como por exemplo o Rio de Janeiro, que apesar de ser governado pelo "PMDBista" Sérgio Cabral, tem aliança com o PSDB.

- O Criador do AI-5 Digital, Eduardo Azeredo, que também é do PSDB, recebeu apoio da Microsoft em pesquisas sobre infecção por vírus no país, e usa este dado para basear sua escrúpula invernada contra a Internet brasileira. É engraçado falar que "se colocarmos rédeas na internet" as infecções por vírus diminuirão, mas ninguém comenta em se usar plataformas menos suscetíveis a vírus como forma de diminuição destes dados…

- Instalações do PSDB são usadas para eventos da Microsoft

Não é uma posição "esquerdista", muito menos "PTista" e nem sequer confiança ou apoio a algum partido político, mas deu pra ficar bem claro a parceria do tucanato com a Microsoft. A pergunta que não quer calar é: por que será que um partido político teria uma parceria com uma empresa desenvolvedora de software? E a resposta é você quem dá.

Com informações do "Seja Livre"



Acordão de Richa com a gigante Microsoft é burrice ou má intenção

9 de Abril de 2013, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Ontem dia 9/4, o governador do Paraná foi a Rio de Janeiro assinar um protocolo de intenções com a gigante americana Microsoft. Pelo acordo, o estado do Paraná se compromete a utilizar soluções tecnológicas da empresa de Bil Gattes, em contra partida, a multinacional se compromete a capacitar profissionais no uso destas tecnologias.

Para nós, simples usuários, essa decisão até pode parecer positiva, afinal a grande maioria dos usuários domésticos brasileiros utilizam o Windows piratão e os programas de escritório, Officce, igualmente piratões e eles, cumprem muito bem suas funções.

O problema é que o buraco é muito mais em baixo.

Não se trata de o estado assumir definitivamente o uso do Windows ou o do Office, é um caso de desenvolvimento de novas tecnologias. Tecnologias que já foram desenvolvidas e que já estão em funcionamento!

Veja só:

Para se desenvolver novas tecnologias, são necessárias ferramentas.

Vamos supor que o estado precisa desenvolver um novo cadastro de estudantes da rede pública.

O primeiro passo é estruturar um banco de dados.

Os desenvolvedores não vão criar um sistema de gerenciamento de dados do zero. Vão optar por uma ferramenta já existente, testada e estável. Para isso, podem optar por várias opções, mas vamos nos ater a apenas duas:

  • MySql – Software Livre – Gratuito;
  • Microsoft Sql Server – Software proprietário – uns R$ 2.500,00 por cada licença.

Ambos têm vantagens e desvantagens e a escolha depende do tipo de aplicação.

Agora vamos cuidar da interface.

Caso o sistema esteja disponível para acesso na rede, terá de ser hospedado em um servidor que entre outros, pode ser:

  • Linux – Software Livre – Gratuito;
  • Windows Server – Software proprietário – uns R$ 2.500,00 por cada licença.

Novamente, cada um deles com suas vantagens e desvantagens, a escolha depende do tipo de aplicação.

Ainda tem muitos mais detalhes, mas os dois exemplos acima já nos dão uma boa noção.

E é aqui que a proquinha torce o rabicó!

Daquilo que nós, simples usuários, acessamos em nossos computadores, a esmagadora maioria é criada, desenvolvida e hospedada em software livre com Linux e MySql.

O Facebook, Twitter e o Wikipédia, só para citar os mais comuns.

Além disso, o CELEPAR, a Companhia de Informática do Estado do Paraná, possui inúmeros profissionais tarimbados e experientes no desenvolvimento de sistemas baseados em software livre. Estes profissionais e soluções desenvolvidas são reconhecidos e muitas vezes premiados por seus trabalhos na área.

Pois é. Qualquer gestor, gerente, chefe ou responsável por soluções de TI, após analisar prós e contras, só vai optar pelo software proprietário, caso seja “pressionado” pelos lobistas da empresa fornecedora do software.

Se tiver profissionais competentes à disposição, a melhor solução é sempre o software livre.

Claro que esta regra não vale para nós, simples usuários. Para nós, um software padrão, cheio de fru-fru, que acesse a internet, rode o Word e joguinhos é muito mais do que o suficiente.

A merda é que nosso intrépido governador se vendeu aos lobistas da Microsoft.

E fez isso com a desculpa esfarrapada de promover uma melhor comunicação entre os alunos e professores da rede estadual de ensino (nas palavras do governador)

Mas é muita cara de pau do Betinho!

Desde 2006 existe no estado o programa Paraná Digital, um programa de inclusão digital que atende 2.100 escolas do estado, com 1.500.000 alunos, 57.000 professores e 44.000 computadores.

Um programa que já consumiu milhares de horas de desenvolvimento, milhões de reais em equipamentos, mais treinamento e centenas de profissionais.

E Betinho vai jogar todo este excelente trabalho na latrina, só para satisfazer os desejos dos lobistas da Microsoft e a insaciável sede de lucros da empresa americana.

E segundo ele “sem qualquer custo para o estado”.

Tá bom Betinho, me engana que eu sou bobinho.

Onde será contabilizado o prejuízo dos anos de desenvolvimento do programa Paraná Digital, descartado para favorecer os desejos de lucros do Sr. Bill Gates?

Polaco Doido



Notícias

News

Minha rede