Ir para o conteúdo

Redação ParanáBlogs

Tela cheia

Blog

3 de Abril de 2011, 21:00 , por Desconhecido - | No one following this article yet.

Convocatória de Assembleia Gral Extraordinária

18 de Maio de 2018, 15:10, por Feed RSS do(a) paranablogs

Convocatoria paranablogs



Seminário Nacional O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil: em defesa da Universidade Brasileira

8 de Maio de 2018, 22:42, por Feed RSS do(a) paranablogs

A UFPR sediará Seminário Nacional reunindo pesquisadores/as de vários lugares do país, interessados em debater a conjuntura política do país e que fazem parte dos cursos sobre o golpe de 2016 em suas Universidades.

Curso golpe 2016

Seminário Nacional

O Golpe de 2016 e o futuro da democracia no Brasil: em defesa da Universidade Brasileira

Curitiba - 14 e 15 de Maio de 2018

Universidade Federal do Paraná – Campus Reitoria

 

Resumo da programação

14 de maio de 2018

8h - Credenciamento

9hs – Mesa de Abertura

9hs30min às 12hs – Conferência de Abertura -  Prof. Dr. Luís Felipe Miguel (UnB)

Local: Anf 100

 

13hs30min às 15hs30min – Mesas temáticas simultâneas

Mesa temática 1 – A crise no Brasil e na América Latina

Prod. Dr. Carlos Eduardo Martins -  UFRJ

Prof. Dr. Armando Boito Júnior (Unicamp)

Mediação: Prfª Drª Inês Emílio M. S. Patrício (UFF)

 

Mesa temática 2 - Do golpe de 2016 à prisão de Lula: aspectos jurídicos e políticos

Prof. Dr. Andres Del Rio (UFF)

Profª Drª Daniele Cruz (UFPB)

Prof. Dr. Ricardo Costa de Oliveira (UFPR)

Mediação: Prof. Ms. Agassiz de Almeida Filho (UEPB)

 

17hs - Visita e ato no Acampamento/Vigília Lula Livre

 

15 de maio de 2018

9hs – 12hs – Mesas temáticas simultâneas

Mesa temática 3 - Operadores do golpe: o papel da mídia

Prof. Dr. João Feres Júnior (UERJ)

Prof. Dr. Sérgio Amadeu (UFABC)

Profª Drª Rose Segurado (PUC SP)

Mediação: Profª Drª Camila Risso Sales (UNIFAP)

 

Mesa temática 4 - Impactos do golpe na economia, na educação e nas relações sociais

Profª Drª Leda Paulani (USP)

Profª Drª Lisete Arelaro (USP)

Profª Drª Gleys Ially Ramos (UFT)

Mediação: Profª Drª Maria Carlotto (UFABC)

 

14hs às 15hs30min – Rodas de conversa simultâneas

 Roda de Conversa 1 – Golpe e democracia

Apresentação inicial e mediação do debate:

Prof. Dr. Guilherme Simões Reis (UNIRIO) e Profª Dª Talita Tatiana Dias Rampin (UFG)

 

Roda de Conversa 2 – O golpe na educação

Apresentação inicial e mediação:

Prof. Dr. Jailton Lira (UFAL) e Prof. Dr. Domingos Leite Lima Filho (UTFPR)

 

Roda de Conversa 3 – Cursos sobre o Golpe

Debate entre os/as coordenadores/as das disciplinas e cursos sobre o golpe nas Universidades

Mediação:  Prof. Luiz Belmiro (IFPR)

 

16hs - Lançamento de Livros

 

16hs30min - Plenária Final

 

Link para inscrição:

https://docs.google.com/forms/d/1v2cNpVOb46TFFfbyPLf0RK2jZZ0nIJb9gTZO4Oy3jpA/edit



Desemprego no Brasil é maior da América Latina e Caribe, diz CEPAL

5 de Maio de 2018, 11:23, por Feed RSS do(a) paranablogs
Desemprego no Brasil chegou a 13% em 2016, maior índice registrado em países da América Latina e Caribe. Foto: Agência Brasil

Desemprego no Brasil chegou a 13% em 2016, maior índice registrado em países da América Latina e Caribe. Foto: Agência Brasil

De 2015 para 2016, o desemprego no Brasil passou de 9,3% para 13%, segundo dados coletados em 20 regiões metropolitanas do país. O índice de desocupação é o maior da América Latina e do Caribe, revela a nova edição do Anuário Estatístico da Comissão Econômica da ONU para a região, a CEPAL.

Em 2016, ano em que foram obtidos dados desagregados por gênero sobre desemprego, as mulheres eram as mais afetadas pela falta de postos de trabalho — a desocupação entre elas chegou a 14,7%, ao passo que, entre os homens, o índice era de 11,6%.

Tanto em 2015 quanto em 2016, o Brasil teve taxas de desemprego acima das médias da América Latina e Caribe, apesar da tendência crescente identificada na região. Em 2015, a desocupação afetava 7,4% da população latino-americana e caribenha. Em 2016, o índice subiu para 8,9%. As desigualdades de gênero também foram observadas a nível regional. Quase 11% das mulheres não tinham trabalho em 2016. Entre os homens, a proporção era de 7,9%.

Em 2015, apesar de o desemprego ultrapassar 9%, o Brasil estava melhor que países como Bahamas, Barbados, Belize, Jamaica e Costa Rica. No ano seguinte, o país chegou à pior posição da lista organizada pela CEPAL, com o mais alto índice de desocupação.

Faixa etária e qualificação

Em 2016, a taxa média de desemprego nas cidades latino-americanas e caribenhas chegou a 6,7%, valor que representa um aumento de 0,3 ponto percentual na comparação com 2014. Mas o índice mascara variações consideráveis quando considerada a faixa etária da mão de obra. Entre os jovens de 15 a 24 anos, o desemprego chegou a 15,9% em 2016. Em 2014, o índice entre esse segmento populacional era de 15,1%.

O levantamento da CEPAL também mostra que 44% dos homens e 51% das mulheres atualmente empregados nas cidades latino-americanas e caribenhas trabalham em setores de baixa produtividade (setor informal). O organismo da ONU avaliou a qualificação dos trabalhadores da região. Segundo a comissão, metade das pessoas em idade produtiva — dos 25 aos 59 anos — estudou menos de dez anos e apenas 22% continuaram seus estudos após terminar o ensino médio.

Clique aqui para acessar o relatório completo (em espanhol).



O Sol e os Peixes

22 de Setembro de 2017, 18:25, por Feed RSS do(a) paranablogs

Postal o sol e os peixes

“…Pois um cenário só sobrevive na estranha poça em que depositamos nossas memórias se tiver a boa sorte de se juntar a alguma outra emoção pela qual é preservada.”

Caiçara, sempre tive pela criatura peixe um afeto e admiração desde a infância. Deparo-me com o texto de VW., citado e nada é mais belo e identificador. Partilho-o com vcs. Tradução: Tomaz Tadeu, editora Autêntica. 2015

“…O tumulto do mundo desceu sobre nós como uma nuvem esfarelada. Aquários recortados na uniforme escuridão encerram regiões de imortalidade, mundos de luz solar constante onde não há chuva nem nuvens. Seus habitantes fazem, sem parar, evoluções cuja complexidade, por não ter nenhuma razão, parece ainda mais sublime. Exércitos azuis e prateados, mantendo uma distância perfeita apesar de serem rápidos como flecha, disparam primeiro para um lado, depois para o outro. A disciplina é perfeita, o controle absoluto; a razão, nenhuma. A mais majestosa das evoluções humanas parece fraca e incerta comparada com a dos peixes.”

“…Os próprios peixes parecem ter sido moldados deliberadamente e ter escapulido para o mundo apenas para serem eles mesmos. Não trabalham nem choram. Na sua forma está sua razão. Pois para ue outro propósito, a não ser o suficiente de uma perfeita existência, podem eles ter sido assim feitos, alguns tão redondos, outros tão finos, alguns com barbatanas radiantes no dorso, alguns blindados por uma carapaça azul, alguns dotados de garras prodigiosas, alguns escandalosamente orlados cm bigodes enormes? Empregou-se mais cuidado com uma meia dúzia de peixes do que com as raças da humanidade”

Obs. A capa do livro O sol e o peixe – prosas poéticas, traz imagens. As aqui publicadas (de 38) as desenhei para um livro infantil inédito e exposição em plotters que deve acontecer nas ruas da cidade de Curitiba ainda em 2017 com haikais de poetas paranaenses mais os japoneses clássicos Sissa e Bashô que tem o peixe como tema na sua produção.

Sônia Gutierrez

Sônia Gutierrez é artista plástica e membro da Comissão que organizou o #2ParanaBlogs



Reação da 'querida' promotora faz Requião propor revisão do tratamento de 'doutor'

14 de Setembro de 2017, 20:23, por Feed RSS do(a) paranablogs

Por conta do incidente envolvendo ontem, em Curitiba, Luís Inácio Lula da Silva e uma promotora da Lava Jato, durante depoimento do ex-presidente, o senador Roberto Requião anunciou nesta quinta-feira, 14, no plenário, que vai propor a eliminação do tratamento cerimonioso para as autoridades, preservando apenas os clássicos “senhora” e “senhor”, comum em grande parte dos países.

 Ouça o senador.

Fonte: http://www.robertorequiao.com.br/requiao-desafia-mp-e-judiciario-a-investigar-tambem-os-bancos/