Ir para o conteúdo
ou

Thin logo

 Voltar a Blog
Tela cheia Sugerir um artigo

Fasano: "A SIP é o ministério da colônia informativa dos EUA" #midiavenal

23 de Outubro de 2012, 22:00 , por Desconhecido - 0sem comentários ainda | No one following this article yet.
Visualizado 75 vezes

“Na SIP está representada a fina flor e a nata da apropriação privada de um bem comum, que é a cultura, o conhecimento, a informação”


Escrito por: Leonardo Severo


O diretor do diário uruguaio La República, Federico Fasano, denunciou que “a Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) sempre foi o ministério da colônia informativa dos Estados Unidos” e que “não por acaso” a entidade empresarial midiática nasceu em Cuba durante a sangrenta ditadura de Fulgêncio Batista.

“Há uma confusão de quem a SIP agrega. Não são os jornalistas, são os donos dos meios de comunicação, os grandes proprietários. Na SIP está representada a fina flor e a nata da apropriação privada de um bem comum, que é a cultura, o conhecimento, a informação”, acrescentou, em vídeo do El Ciudadano, do Equador, que circula no youtube.

Fasano comemora o fato “tonificante” de que tenhamos hoje “governos progressistas” no Continente que começam a atuar para que os estados nacionais comecem a assumir seu compromisso com a sociedade e os povos, dizendo aos donos dos meios, “senhores, não sejam onipotentes, vocês não são os donos da verdade”. “Este é um bem, mas não lhes pertence. Vocês administram concessões públicas e têm de geri-las conforme as diferentes regulações”, declarou.

Anteriormente, lembra Fasano, pela própria natureza ditatorial dos regimes, “os meios de comunicação estatais eram meros meios de comunicação governamentais, que além disso amordaçavam a sociedade e se aliavam com a grande mídia e com os monopólios. Hoje é ao revés, estão usando o espaço público como arbitragem social para que os setores sociais sejam beneficiados. Não é uma lei contra os meios e a favor do Estado, mas em favor da sociedade”.

O renomado jornalista qualificou de “absurda” a alegação dos setores reacionários de que em relação à mídia, “a melhor lei é a que não existe”. 

“Isso é absurdo, porque se legisla sobre tudo: economia, cultura, comércio. No entanto, o único segmento onde se proíbe legislar é sobre os meios, porque é um poder ferreamente constituído para defender os direitos dos donos contra os direitos da sociedade”.

Fasano elogiou a determinação do presidente equatoriano Rafael Correa de confrontar os grandes conglomerados de comunicação nacionais e internacionais, “que têm um conceito sobre a liberdade de imprensa que obviamente se opõe a todos os planos de pluralização, porque no fundo têm um monopólio de pensamento”. Para eles, lembra Fasano, “a liberdade de imprensa é a liberdade de eleger a partir de ligar ou desligar a rádio e a televisão, de comprar ou não um jornal. Confundem a liberdade de imprensa com a liberdade de informação, confundem a liberdade de informação do meio com a liberdade de informação da sociedade. Há uma confusão deliberada”.

Para Fasano, a grande mídia privada está jogando um
 “papel nefasto ao ser opor a todas as tentativas dos Estados, a serviço da comunidade, de transformar a comunicação estatal e governamental em comunicação pública”. 

“A SIP é o principal obstáculo a tudo isso porque se baseia na lógica da mercantilização, com a qual se opõe a todo momento à lógica de que este é um bem público a serviço da comunicação. Os povos são os donos da informação, os meios são meros intermediários e têm de trabalhar para servir o povo”.

  • Imprimir 
  • w"E-mail" 

Fonte: http://amigosdatvbrasil.blogspot.com/2012/10/fasano-sip-e-o-ministerio-da-colonia.html

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos realçados são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.